A Lei, a Carne e o Espírito – Ev. José Roberto A. Barbosa

A Lei, a Carne e o Espírito – Ev. José Roberto A. Barbosa

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

A Lei, a Carne e o Espírito

Texto Áureo: Rm. 7.25  Leitura Bíblica: Rm. 7.1-15

Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa

www.subsidioebd.blogspot.com

Twitter: @subsidioEBD

INTRODUÇÃO

O capítulo 7 da Epístola aos Romanos é bastante complexo, por isso precisamos analisá-lo com cautela, atentado para os princípios hermenêuticos. Inicialmente, consideraremos a analogia de Paulo da Lei com o casamento, em seguida, ressaltaremos que a Lei é boa, santa e justa, que o problema está na natureza humana. Ao final, antecipando o tema a ser estudando na lição seguinte, destacaremos a necessidade de andar em Espírito, a fim de não cumprir as concupiscências da carne.

I – ESTAMOS LIVRES DA LEI

No início dessa seção Paulo trata com os legalistas a respeito do significado da Lei, fazendo uma alusão ao casamento. Em seguida, se volta para os antinomistas, ressaltando a necessidade de se considerar o valor da Lei. A alternativa ressaltada pelo Apóstolo é permitir que a vida seja guiada pelo Espírito Santo. Para mostrar essa verdade, Paulo apela para a analogia do casamento, destacando que não estamos mais debaixo do jugo da Lei. Faz-se necessário ressaltar que esse trecho da Epístola não deve ser usado para respaldar a doutrina do casamento e do divórcio, pois esse não é o tema principal dessa passagem das Escrituras. Paulo defende que quando da morte de um dos cônjuges, é possível que o cônjuge que ficou possa contrair novas núpcias, sem impedimento. De igual modo, os crentes não precisam mais depender da Lei, pois essa caducou, tornando possível que esses passem a ser conduzidos pela fé em Jesus. A Lei morreu para aqueles que seguem a Cristo, de modo que a partir do momento que esses têm um encontro pessoal com Ele, passam a condição de esposa do Noivo. Essa metáfora do relacionamento do crente com Cristo enquanto noivado e casamento é recorrente na Bíblia. Isso fundamenta a natureza desse enlace, não mais conduzir por regras religiosas, mas por amor Àquele que se sacrificou para nos atrair para Si. Enquanto estávamos na Lei, não conseguíamos agradar ao Esposo, porque estávamos fundamentados na regra. As exigências da Lei, ao invés de motivar para a obediência, causavam frustração, e esgotamento espiritual. Mas como novas criaturas em Cristo, podemos viver a partir de uma nova perspectiva, não mais pela carne, mas no Espírito, que nos inspira à obediência, pautada no amor. A frase de Agostinho é elucidativa a esse respeito: “ame a Deus e faça o que quiser”. Na verdade, todos aqueles que amam a Cristo, obedecem a Seus mandamentos, tem satisfação de fazer a Sua vontade (Jo. 14.21).

II – A LEI É SANTA, JUSTA E BOA

Por outro lado, Paulo mostra aos legalistas e antinomistas que a Lei não é má, muito pelo contrario, ela é santa, justa e boa (Rm. 7.12). Na verdade a Lei reflete o caráter de Deus, se corretamente compreendida, revela o caminho de Deus para a preservação da humanidade. O problema não está na Lei, mas nos próprios seres humanos, que não conseguem obedecê-la. Apelando à analogia do casamento, não falhamos porque o primeiro marido não prestava, mas por causa das nossas fraquezas. O pecado que habita no ser humano é o mal residente, a força que o impulsiona a fazer o contrário do que é correto. Essa latência tem sido amplamente estudada pela psicanálise de Freud, mas foi descrita com maestria por Paulo, pela inspiração do Espírito Santo. Mas a Lei não pode retirar o pecado, tem apenas o poder de torná-lo evidente (Rm. 7.8). É por meio da Lei que vem o pleno conhecimento do pecado, e por conseguinte, a morte (Rm. 6.23). Isso acontece porque a Lei não apenas mostra a realidade do pecado, ela também dá seu veredito, sentenciando o pecador à morte. O pecado, como dizia Chesterton, é a doutrina bíblica que pode ser mais facilmente comprovada. Em todos os lugares, nas mais distintas condições sócias, é possível identificar o pecado. Os jornais o declaram todos os dias, corrupção, egoísmo, a lista é imensa. A pena do pecado a morte, não apenas a física, mas, sobretudo, a espiritual. A humanidade segue de mal a pior, pois decidiu viver longe dos padrões divinos. Mas a igreja, mesmo com suas imperfeições, foi agraciada pelo Noivo Amado, que se entregou Sua vida por ela. Esse amor sacrificial desperta em Sua noiva a inspiração para obedecê-lo, e viver para Ele, até o dia do enlace conjugal.

III – SE ANDARMOS NO ESPÍRITO

A Lei, conforme destacamos reiteradas vezes, é limitada para conduzir o ser humano à santidade, e quando esse fica à mercê dos seus desejos desenfreados o resultado é a morte. Paulo exemplifica essa condição colocando-se como alguém que vive na tensão entre a vida e a morte. Isso acontece porque a pessoa sabe que a Lei é boa, e mais que isso, que está entregue ao pecado, mas não consegue se desvencilhar da força do pecado, que habita dentro dela (Rm. 7.14-25). Existe um conflito interno dentro das pessoas, forças que militam dentro dos indivíduos, contrariando seus interesses (Gl. 5.17). Certo jovem testemunhou ao seu pastor que não conseguia obedecer, e justificou que havia poderes antagônicos dentro dele. O pastor reconheceu que essa era uma realidade atestada nas Escrituras. Ele orientou o jovem  para alimentar o espírito para que esse tivesse vitória sobre os poderes da carne. Se andarmos em espírito, não teremos dificuldade para fazer a vontade boa, agradável e perfeita de Deus (Rm. 12.1,2). Mas se nos entregarmos às obras da carne, o resultado será a ruina, mas aquilo que o homem e a mulher plantarem também ceifarão. Se semearmos no Espírito, colheremos seu fruto, principalmente o amor, que nos conduz à obediência (Gl. 5.22). A religião não tem poder para levar a obediência, pois quanto mais o ser humano se esforça, menos consegue fazer o que deve ser feito (Rm. 7.19-21). Ela pode ser ilustrada através da narrativa da mulher que fez uma focinheira para impedir que seu cão mordesse a vizinhança, mas não impediu que esse continuasse perseguindo as pessoas. A alternativa evangélica, conforme estudaremos mais adiante, será viver no Espírito, e se deixar controlar pela vontade de Deus, não cumprindo as concupiscências da carne (Gl. 5.16).

CONCLUSÃO

A vontade de Deus, expressa inclusive em sua Lei (Torah), não é para destruição das pessoas, muito pelo contrário, ela é sempre boa, agradável e perfeita, pois é a vontade de Deus (Rm. 12.1,2). Mas como o ser humano é incapaz de obedecê-la, essa mesma Lei o coloca em posição de réu, sujeito à condenação. A saída é testemunhada nas palavras do hino 15 (Conversão) da Harpa Cristã: “Mas um dia senti, meu pecado e vi, sobre mim a espada da Lei, apressado fugi, em Jesus me escondi, e abrigo seguro nEle achei”.

BIBLIOGRAFIA

BRUCE, F. F. Romanos: introdução e comentário. São Paulo: Vida Nova, 2002

LOPES, H. D. Romanos: o evangelho segundo Paulo. São Paulo: Hagnos, 2010.

Publicado no blog Subsídio EBD

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *