Wordpress Themes

Um Tipo do Futuro Anticristo - Francisco A. Barbosa

converter em pdf.

Um Tipo do Futuro Anticristo - Ev. Isaías de Jesus

TEXTO ÁUREO = “Ninguém, de maneira alguma, vos engane, porque não, será assim sem que antes venha a apostasia e se manifeste o homem  do pecado, o filho da perdição” (2 Ts 2.3).
VERDADE PRÁTAICA = As conquistas ditatórias e as atrocidades de Antioco Epifânio dão uma noção do que será o futuro Anticristo na Grande Tribulação
LEITURA BIBLICA = Daniel 11: 1-3,21-23, 31,36
INTRODUÇÃO
Essa seção de Daniel tem sido objeto de disputa desde os dias de Porfírio. A descrição detalhada dos eventos que ocorreram nos anos seguintes após a morte de Alexandre, o Grande, tem levado os críticos a especular uma data bem posterior para todo o livro de Daniel, mais precisamente na época dos reis selêucidas (312-64 a.C.), particularmente nos dias de Antíoco Epifânio.
O CONFLITO GRECO-PÉRSICO = 11: 1-4
11: 1-2 - O anjo do capítulo 10 aqui é identificado com a Média. Três reis ainda ficariam na Pérsia, mas o quarto que se seguiria enfrentará a Grécia. A ordem dos reis persas a partir de Ciro foi: Cambises, Smerdis, Dario Histaspes (Dario, o Grande), e O Xerxes (chamado Assuero no livro de Ester), que era forte e rico e provocou distúrbio contra a Grécia.
As lutas entre a Pérsia e a Grécia (11.2-4). A sucessão de reis brevemente descritas nessa seção da mensagem vai desde o reinado de Ciro, passando pelo ápice e queda do império persa, até Alexandre e o desmoronamento do seu reino.
Embora doze reis persas tivessem reinado (incluindo um impostor, Pseudo-Smirdes), três foram escolhidos, antes que se levantasse um quarto rei de grande prosperidade. Esse rei geralmente é identificado como Xerxes I (Assuero, Et 1.1), o marido de Ester e um dos monarcas persas mais prósperos. Foi ele que instigou todos contra o reino da Grécia (2).
11:3-4 - Um poderoso rei da Grécia enfrentaria a Pérsia ( d. 8:5-21).Este foi Alexandre, o Grande, mas seu reino mais tarde seria partido em quatro (cf. 8:22-25). A exatidão profética é admirável. Depois da morte de Alexandre, sua esposa e seu filho foram mortos, assim sua posteridade não recebeu nenhum império. O reino foi repartido em quatro divisões: O Seleuco fundou o Império Selêucida; Cassandro tomou a Macedônia; Lisimaco tomou a Trácia; e O Ptolomeu I governou o Egito.
A identificação de Alexandre, o rei valente (3), que se levanta e reina com grande domínio, é bastante clara. Daniel anteviu que seu reino será quebrado e será repartido para os quatro ventos do céu (4) e ele não deixará posteridade para seguii10. Os quatro generais de Alexandre dividiram o reino e propagaram a helenização nas terras que governavam a ponto de a cultura grega prevalecer por toda parte.
O CONFLITO SIRIO-EGÍPCIO  = 11 :5-19
11:5 - O Sul é o Egito (veja 8), e seu rei, Ptolomeu I, era um chefe forte, mas um outro príncipe de Alexandre era ainda mais forte. Este parece ser Seleuco I Nicator, rei do Norte (Síria). Judá se tornou uma espécie de bola jogada para a frente e para trás entre estas duas potências dominantes.
11: 6-8 - A filha do rei do Sul (Berenice) foi dada em casamento ao filho do rei no Norte (Antíoco I) num esforço para formar uma aliança entre estas duas potências. Mas não deu certo porque a esposa que Antíoco afastou (Laodice) acumpliciou-se para matar Berenice. Contudo, um irmão dela (”renovo da linhagem dela”), Ptolomeu m, veio e batalhou com sucesso contra o Norte e levou cativos na volta para o Egito.
11: 9-11 - O rei do Norte ataca o rei do Sul, sem sucesso; por isso ele voltou para casa. Seus filhos, estimulados com isto, invadem o Egito com um grande exército. Contudo eles também foram batidos e, de fato, muitos são levados cativos.
11: 12-13 - O rei do Egito orgulha-se de si devido ao seu grande sucesso, mas seu tempo de jactância dura pouco, pois o rei do Norte retoma com um exército maior, melhor equipado.
11: 14-16 - Parecia a certos judeus (”dados à violência dentre o teu povo”) que o Egito estava para cair, por isso eles se revoltaram e se juntaram em esforço para derrubar o Egito. Mas não conseguiram, pois quando o rei da Síria derrubou o Egito, ele também veio contra a “terra gloriosa” (palestina), e ninguém foi capaz de resistir-lhe.
11: 17 - O rei do Norte (Antíoco, o Grande) tentou estabelecer-se dando sua filha em casamento num esforço para manter uma aliança com o Egito; porém ela se volta contra ele, sendo leal ao seu esposo antes que a seu pai.
11: 18-19 - Ele então volta sua atenção para as ilhas do Mediterrâneo e consegue capturar muitas, mas logo seus avanços são impedidos e ele tropeça e cai.

A ASCENSÃO DE ANTÍOCO EPIFÂNIO =11 :20-35.
11: 20-21 - O “homem vil” que obtém o reino por manobra política (”intrigas”) é Antíoco Epifânio, que governou a Síria de 175 a 164 a.C. Este é o mesmo chamado “chifre menor” em Daniel 8:9-12.
11: 22 - Com grande força ele consegue derrubar o príncipe da aliança, provavelmente se referindo ao sumo sacerdote. Nos anos de 169 - 167 a.C., Antíoco tomou a cidade de Jerusalém e saqueou o templo.
11: 23-24 - Submetendo pequenos grupos, um de cada vez, Antíoco se tornou progressivamente mais forte. Ele entrou numa rica cidade egípcia atrás da outra por trapaça (enganosamente), quando o povo realmente pensava que ele estava trazendo paz e segurança. Assim ele foi capaz de fazer o que seu pai não tinha feito - conquistar o Egito.
11: 25-26 - O rei do Egito sobe à batalha contra ele com um exército poderoso, mas não resiste. Até mesmo seus amigos (”os que comerem os seus manjares”) ajudaram na sua derrota, dando mau conselho militar.
11: 27 - Os dois reis sentam-se a uma mesa de paz, mas dizem mentiras um ao outro. Contudo, seus reinados durariam de acordo com o cronograma divino, “porque o fim virá no tempo determinado”. Deus tem suas mãos nos controles!
11: 28-29 - Epifânio retomou à Síria levando grande espólio de guerra. Seu coração, contudo, estava contra a aliança santa, que se refere a Israel e sua adoração a Deus.
11: 30-31 - Os navios de Quitim (os romanos) também estavam no Egito. A história diz que os romanos traçaram um círculo na areia e ordenaram a Antíoco que não saísse dele enquanto não retomasse ao lugar donde tinha vindo. Em angústia e amargura, ele retomou e descarregou sua ira em Israel.
Nos anos 169 - 167 a.C. Antíoco tomou a cidade de Jerusalém, pilhou o templo, e ordenou que os judeus adorassem o ídolo grego que ele colocou no templo. Ele acabou com os sacrifícios diários e poluiu o altar oferecendo carne suína sobre ele. Proibiu a circuncisão, a observância do sábado, e a posse de cópias da lei.
11:32 - Alguns poderiam ser enganados para cometer um erro, mas os fortes não cediam a Antíoco e resistiriam a ele. Talvez isto se refira aos macabeus.

11: 33-35 - Grande perseguição contra o povo de Deus separa o restolho do bom. Os fortes se mantiveram com a verdade, mas muitos foram mortos. Isto foi cumprido com os macabeus que começaram em 168 a.C. coma revolta de Matatias, o velho sacerdote, que foi seguido por seus cinco filhos.
OS ROMANOS = 11 :36-45.
11: 36 - Quem é este rei? Há várias interpretações: Alguns tomam a posição que Antíoco Epifânio ainda está em consideração; O comentarista Young vê este como o Anticristo; Ainda outros dizem que são os romanos. Em vista do contexto a seguir, os romanos parecem ajustar-se melhor. Algumas das razões são:
11:30 - Os navios de Quitim (Roma) já foram apresentados como vindo contra Antíoco Epifânio.
11:36 - Exalta-se e engrandece-se acima de todos os deuses e blasfema contra o Deus dos deuses. Isto certamente se ajusta aos imperadores romanos que forçaram a adoração deles mesmos como deuses e perseguiram os cristãos (Apocalipse 13:5-7).
11 :36 - Prosperará até que a indignação seja completada, ou seja, “a destruição do poder do povo santo” (Daniel 12:7; Apocalipse 12:14).
Conquistado o Egito; a Líbia e a Etiópia se tornam suas cativas. Isto não se ajusta a Epifânio, que ficou falido, mas descreve os romanos que ficaram ricos com muitos despojos.
Todos estes fatos apontam para Roma e está certamente de acordo com o livro de Daniel que, consistentemente, incluía quatro impérios dentro de seu escopo de profecia (Daniel 2; 7).
O rei obstinado - o Anticristo (11.36-45). Jerônimo deu uma dupla interpretação a essa parte (11.21-45): a primeira, em referência a Antíoco Epifânio, e a segunda, ao Anticristo.18 Mas muitos comentaristas conservadores, incluindo Youngl9 e Seiss,20 entendem que os versículos 21-35 se referem de maneira apropriada a Antíoco e secundariamente ao Anticristo, e os versículos 36-45 devem referir-se a alguém maior, mais profano e ímpio do que Antíoco.
E esse rei fará conforme a sua vontade, e se levantará, e se engrandecerá sobre todo deus; e contra o Deus dos deuses falará coisas incríveis e será próspero (36). Aqui a figura clara de Antíoco começa a desvanecer no meio da escuridão e um aspecto disforme do Anticristo começa a tomar forma nas sombras do pano de fundo.
Lembramo-nos das advertências de Paulo acerca do “homem do pecado” (2 Ts 2.3-4) e da visão de João acerca da “besta” (Ap 13.5-8). Vemos claramente refletido o “pequeno chifre” dos capítulos 7 e 8 de Daniel. Uma diferença interessante aparece quando comparamos os dois pequenos chifres com esse rei furioso do capítulo 11. Enquanto o pequeno chifre do capítulo 8 e o rei furioso do capítulo 11 estão relacionados ao terceiro reino da profecia de Daniel, a Grécia, o pequeno chifre do capítulo 7, surge do quarto reino, Roma. Talvez isso nos deve lembrar que o Anticristo vai procurar tomar para si toda a glória e poder do empreendimento humano e combinar a cultura da Grécia e a glória de Roma. Não nos deveria surpreender que o caráter culminante do mal buscará usurpar para si toda a bondade humana bem como a adoração divina. Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

Um Tipo do Futuro Anticristo - CPAD

Daniel 11.36,45

INTRODUÇÃO

I - PREDIÇÕES PROFÉTICAS CUMPRIDAS COM EXATIDÃO (Dn 11.2-20)

II - O CARÁTER PERVERSO DE ANTÍOCO EPIFÂNIO (Dn 11.21-35)

III - ANTÍOCO EPIFÂNIO, TIPO DO ANTICRISTO
CONCLUSÃO

SINAIS DO SURGIMENTO DO ANTICRISTO

Dn 11.36,45

Na lição desta semana, destacaremos os sinais que evidenciam o surgimento daquele que o apóstolo Paulo designa como “o Iníquo”, a quem o Senhor desfará pelo sopro da sua boca (cf. 2 Ts 2.8). Como podemos ver no relato do profeta Daniel, “o que está determinado para o tempo do fim, será feito, até que a ira se complete” (Dn 11.36). Desse modo, como bem destaca o profeta, os males determinados sobre a nação de Israel, concretizaram-se por intermédio do surgimento de Antíoco Epifânio. Para muitos estudiosos, Antíoco é apenas um prenúncio do Anticristo que está por vir e que há de dominar o mundo no fim dos tempos. Nesta ocasião, ele firmará um concerto com o povo santo e após três anos e meio o quebrantará. Sem escrúpulo algum, se levantará a fim destruir a nação de Israel. Entretanto, será detido pelo poder do Senhor que o aniquilará pelo esplendor da sua vinda.

Em razão disso, a Igreja do Senhor deve estar vigilante, a fim de escapar de tamanho sofrimento, porquanto, “haverá um tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até aquele tempo” (cf. Dn 12.1). Muitos são os sinais descritos na Palavra de Deus que evidenciam que este tempo está bem próximo, entre eles, o aumento da apostasia, seguido da imoralidade e da falsa espiritualidade (cf. 2 Ts 2.3). Desse modo, a Igreja precisa discernir em que tempo está vivendo, a fim de livrar-se do mal que está por vir. Portanto, nesta lição, o professor poderá destacar as principais evidências que comprovam neste tempo presente, o surgimento do Anticristo. Explique também, a importância do papel da Igreja para esta última hora.

O prenúncio do Anticristo relatado por Daniel

Tendo em vista o relato do profeta, podemos destacar o entendimento de alguns autores que veem o cumprimento da profecia acerca do Anticristo, cumprir-se em Antíoco Epifânio. Este rei idólatra se apoderou do domínio sobre a região da Síria e da Palestina e imperou uma terrível perseguição contra o povo judeu. O Comentário Bíblico Beacom comenta acerca de Antíoco da seguinte maneira: “Sua indignação contra o santo concerto (cf. Dn 11.30), tirando o contínuo sacrifício e estabelecendo a abominação desoladora (A imagem de Zeus do Olimpo) no Templo são exemplos da sua fúria profana. Ele baniu todas as leis, costumes e cultos judaicos. Antíoco matou a espada as mães e crucificou os pais que circuncidavam seus filhos. […] Embora muitos tenham apostatado e se submetido a Antíoco, outros ousaram resistir (32-35). Um exército de fieis e corajosos judeus se reuniu sob o comando de Matatias para resistir ao exército de Antíoco. Quando Matatias morreu, seu filho Judas ficou a frente do exército rebelde. Suas táticas de guerrilha tornaram-se famosas e lhe deram o nome de “Martelo” ou Macabeu. Em três anos, os Macabeus tinham dividido e derrotado os exércitos sírios de Antíoco e recapturado Jerusalém. O Templo foi restaurado, o altar purificado e a adoração restituída (25 de Dezembro de 165 a.C.” (CPAD, 2005, p.542).

Não obstante, há outros que o reconhecem como um prenúncio do surgimento do Anticristo que há de vir. Porquanto, a profecia de Daniel afirma que este episódio há de se cumprir no fim dos tempos (vv.35,40). Desta forma, o Anticristo será alguém bem mais agravante e imoral do que o próprio Antíoco. Neste tempo, ele firmará um concerto com a nação de Israel durante três anos e meio. Ao final, ele quebra o concerto e começa uma perseguição  acirrada contra o povo judeu, não demonstrando nenhum respeito com as coisas santas (cf. 11.36-39,45). O apóstolo Paulo afirma que o tal, “se levantará contra tudo o que se chama Deus ou se adora; e se assentará como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus. Entretanto, será detido pelo poder do Senhor que o aniquilará pelo esplendor da sua vinda” (2 Ts 2.4,8). Portanto, tal blasfêmia e egoísmo só poderiam vir de alguém que se opõe ao domínio de Cristo e intenta ocupar o seu lugar de divindade a ponto de exigir adoração.

Os possíveis sinais do surgimento do iníquo

Em vista disso, muitos sinais descritos na Palavra de Deus tem se manifestado a fim de evidenciar que o tempo da manifestação do homem do pecado está perto. Dentre eles, está o aumento da apostasia. Temos visto o quantitativo de pessoas que se encontram afastadas do Caminho da salvação. As estatísticas dizem que o número de desviados no Brasil tem se igualando ao número dos que congregam em alguma Igreja. Atualmente, segundo o IBGE, são mais de quarenta milhões de desviados. Este, na verdade é um dos sinais concernentes ao cumprimento do quadro profético relatado por Daniel e ratificado por Paulo (cf. Dn 11.39; 2 Ts 2.3).

A apostasia é um dos sinais cruciais do surgimento do Anticristo e há de se agravar quanto mais se aproxima o tempo de surgimento do iníquo. Outra característica relevante é a imoralidade e a falsa religiosidade. Em muitos países, a pedofilia tem sido a causa da destruição de famílias inteiras. O quadro psicológico de pessoas com distúrbios dos mais diversos tem feito aumentar a procura de subterfúgios na psiquiatria e na psicanálise, em prol de oferecer uma solução ao caos em que estamos vivendo. Sem contar a discussões acirradas como a diversidade sexual, em que escolas e instituições acadêmicas estão sofrendo mudanças em sua política educacional a fim de rever os conceitos de família e orientação sexual.

Semelhantemente, a ausência de comprometimento de muitas pessoas com os valores e princípios bíblicos tem crescido. Muitos já deixaram de ser congregados para simplesmente serem “simpatizantes da fé evangélica”. Tais fatores são evidências claras de que as profecias bíblicas concernente ao tempo do fim estão se cumprindo e que o espírito do Anticristo já opera sobre os filhos da desobediência.

A história da Igreja e o tempo presente

Em razão disso, é de suma importância que a Igreja nestes últimos dias saiba discernir este tempo presente. Jesus mencionou aos fariseus: “Hipócritas, sabeis discernir a face da terra e do céu; como não sabeis, então, discernir este tempo?” (Lc 12.56). Deste modo, as circunstâncias em que se encontra a sociedade em que a Igreja está inserida, evidenciam o caos da nossa era. Por esta causa, os crentes não devem estar despercebidos quanto ao cumprimento das Escrituras, antes, devem estar vigilantes, pois os sinais estão se cumprindo.

De acordo com os estudiosos, estamos vivendo a etapa final da Igreja aqui na terra. A qualquer momento, a trombeta soará e todos quantos possuem o nome escrito no livro da vida serão arrebatados nos ares, a fim de encontrar com Cristo nas nuvens dos céus. À vista disso, Eurico Bérgsten discorre a Teologia Sistemática: “O intervalo entre a sexagésima nona e a septuagésima semana é chamado ‘A Dispensação da Igreja’. Quando Israel foi rejeitado, quebrado da Oliveira, Deus fez enxertar nela a Igreja, como um ‘zambujeiro’ (cf. Rm 11.17-21). Dessa maneira iniciou-se a presente dispensação, em que a Igreja é a representante de Deus no mundo, ‘um povo especial, zeloso de boas obras’ (cf. Tt 2.14), pela qual Deus faz conhecer a sua multiforme sabedoria (cf. Ef 3.10). A duração dessa dispensação é desconhecida, pois ela permanecerá até a vinda de Jesus nas nuvens, e ‘daquele Dia e hora ninguém sabe’ (cf. Mt 24.36). Uma coisa porém é certa: enquanto a Igreja permanecer na terra, o Anticristo não pode se manifestar. A Bíblia diz: ‘Porque já o ministério da injustiça opera; somente há um que, agora, resiste até que do meio seja tirado; e, então, será revelado o iníquo [o Anticristo], a quem o Senhor desfará pelo assopro da sua boca e aniquilará pelo esplendor da sua vinda’ (2 Ts 2.7,8)” (CPAD, 2013, p.301).

Dessa forma, em toda a história da Igreja, o Espírito Santo se manifestou a fim de elucidar as verdades bíblicas, chamando a atenção dos crentes para os acontecimentos que ocorreriam em torno da Igreja e nestes últimos dias não é diferente.

Considerações finais

Assim sendo, temos visto neste tempo presente, vários acontecimentos que evidenciam que as profecias quanto ao surgimento do Anticristo estão se cumprindo. Os males determinados para o tempo do fim sobre a nação de Israel estão se cumprindo, conforme previu o profeta Daniel. Outros, ainda estão por acontecer. Porém, o clímax da profecia se concretizará com o surgimento do Iníquo que há de dominar o mundo no fim dos tempos e firmará o concerto com Israel. Entretanto, a aliança será quebrada e passará a perseguir o povo santo a fim de destruí-la. Mas Será detido pelo Senhor dos Exércitos que o aniquilará pelo esplendor da sua vinda.

Tendo em vista que tais acontecimentos estão às portas de se cumprir, a Igreja do Senhor deve estar vigilante. Porquanto, muitas mudanças têm ocorrido nas sociedades e no cenário mundial. A depravação e a imoralidade, o esfriamento do amor e da compaixão tem se intensificado. A extrema inversão de valores tem mergulhado as famílias em um processo de desestruturação tal e, como consequência, muitas crianças têm sofrido com distúrbios psicológicos e a depressão tem se tornado o mal do século.

Tais evidências comprovam que o surgimento do Anticristo está por vir. Desse modo, convém que a Igreja se atine para a importância do seu papel de influenciar a sociedade nesta última hora. Embora o predito venha se cumprir, nossa geração pode e deve ser influenciada pelas verdades da Palavra de Deus afim de que possa encontrar o caminho da salvação por intermédio de Cristo Jesus.

Publicado no Portal CPAD

converter em pdf.

Um Tipo do Futuro Anticristo - Pr. Adilson Guilhermel

Texto Áureo: 2 Tessalonissenses 2.3 Ninguém, de maneira alguma, vos engane, porque não será assim sem que antes venha a apostasia e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição.
Leitura Bíblica em Classe: Daniel 11.1-3,21-23,31,36

SE ESSE TIPO DE ANTICRISTO FOI CRUEL O ANTICRISTO SERÁ MAIS CRUEL AINDA.

Introdução: A análise de um tipo ou tipos Bíblia refere-se ao estudo de questões diversas, eventos, pessoas ou objetos no Antigo Testamento, que são considerados como “sombra” do que estava por vir, no Novo Testamento. O estudo da tipologia bíblica se faz muito importante, pois nos traz uma luz maior a respeito dos fatos bíblicos de qualquer ordem. Podemos citar como um primeiro exemplo o próprio Antigo Testamento e o Novo Testamento. Assim o Antigo é o tipo e o Novo é o antítipo, ou seja, o Novo Testamento é a revelação do Tipo que é o Antigo Testamento.  Assim entendemos que o tipo aponta para o antítipo e o antítipo é a revelação do tipo. No caso dos personagens desse estudo escatológico, o tipo é o governante Antíoco Epifânio e, o antítipo é o próprio anticristo. Entende-se que a similaridade de Antioco Epifânio, evidentemente que não na sua íntegra aponta para o futuro personagem que se levantará na grande tribulação, denominado anticristo. Ambos se equivalem na questão voltada para o povo de Israel, o qual sofreu grandes barbáries de Antioco Epifânio e sofrerá futuramente as barbáries do anticristo neste período tribulacionista que está por vir. O grande consolo é que a Igreja fiel será arrebatada para Cristo e estará livre desse governante cruel, porém a igreja infiel ficará nas mãos desse ser, sem esperança de salvação.

1 - O MENSAGEIRO DIVINO LEVANTOU-SE PARA ANIMAR E FORTALECER O ABATIDO REI DARIO - Daniel 11.1 EU, pois, no primeiro ano de Dario, o medo, levantei-me para animá-lo e fortalecê-lo.
*Os governantes mesmo sob domínio demoníaco podem ser usados em propósitos divinos - Que digo de Ciro: É meu pastor, e cumprirá tudo o que me apraz, dizendo também a Jerusalém: Tu serás edificada; e ao templo: Tu serás fundado. Isaías 44:28

Tanto Dario dos Medos e Ciro dos Persas, sempre demonstraram compaixão pelos exilados judeus, e mais ainda, permitiram aos judeus o retorno para sua terra e também que reconstruíssem o templo e a cidade de Jerusalém. Os governantes da Pérsia não faziam idéia de que Satanás agia estrategicamente para influenciá-los a tomar decisões que prejudicariam o povo de Deus. Os temores de Dario quanto à estabilidade do seu reino foram dissipados, pois Deus mostrou que haveria continuidade levantando outros governantes sucessores do seu reino, que também favoreceriam os judeus. O próprio Ciro que assinou o edito para o retorno dos judeus a Jerusalém foi predestinado por Deus a ser um protetor e favorecedor do seu povo muito tempo antes do seu nascimento como está registrado no livro de Isaías. Todos aqueles que estão ao lado do povo de Israel contam com as bênçãos divinas como está escrito: (Orai pela paz de Jerusalém; prosperarão aqueles que te amam. Salmos 122:6).

2 - POR TEREM CONSIDERAÇÃO COM O POVO DE ISRAEL O REINADO PERSA SE ESTENDERIA - Daniel 11.2 E agora te declararei a verdade: Eis que ainda três reis estarão na Pérsia, e o quarto acumulará grandes riquezas, mais do que todos; e, tornando-se forte, por suas riquezas, suscitará a todos contra o reino da Grécia.
*Deus foi benevolente com os persas por terem atendido seus propósitos com seu povo - O estrangeiro não afligirás, nem o oprimirás; pois estrangeiros fostes na terra do Egito. Êxodo 22:21

Deus jamais se esquece de seu pacto e de moderar, assim, as convulsões que estavam acontecendo por todo o mundo, de modo a proteger sempre seu povo com sua assistência. Os três reis que se levantaram entende que eram Ciro, Artaxerxes e Assuero que casou-se com Ester. A continuidade dessa dinastia que prosperava muito se prendia ao fato de beneficiarem os judeus. O próprio Egito que já abrigou e favoreceu os hebreus no tempo de José, onde também Jesus foi levado quando ainda bebe, para escapar dos morticínios das crianças ordenado por Herodes e na grande tribulação o Egito será também um lugar de muitos refugiados judeus perseguidos pelo anticristo. Em decorrência disso eles por ajudarem Israel terão lugar no reino milenar de Cristo, assim como está escrito em: (E, se a família dos egípcios não subir, nem vier, não virá sobre ela a chuva; virá sobre eles a praga com que o Senhor ferirá os gentios que não subirem a celebrar a festa dos tabernáculos. Zacarias 14:18).

3 - O REI VALENTE É ALEXANDRE QUE TINHA O PODER DE CONQUISTAR TUDO QUE QUIZESSE - Daniel 11.3 Depois se levantará um rei valente, que reinará com grande domínio, e fará o que lhe aprouver.
*Um reino mais forte sempre se levanta derrubando o mais fraco, porém Deus está no controle- Olha, ponho-te neste dia sobre as nações, e sobre os reinos, para arrancares, e para derrubares, e para destruíres, e para arruinares; e também para edificares e para plantares. Jeremias 1:10

Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

TV EBD - Um Tipo do Futuro Anticristo - Ev. Luiz Henrique

Assista os vídeos da TV EBD com a aula da Lição 12 - Um Tipo do Futuro Anticristo. Para facilitar o download, o vídeo é dividido em 6 partes. Você pode assistir aqui mesmo, clicando nos vídeos, ou clicar nos links, acima dos vídeos para salvar; ao abrir a nova página, clique no botão Download. Os vídeos são produzidos pelo Ev. Luiz Henrique e também publicados no site Estudos Bíblicos EBD, ou no blog EBDnaTV.

1ª Parte - Lição 12 - 4T/2014

2ª Parte - Lição 12 - 4T/2014

3ª Parte - Lição 12 - 4T/2014

4ª Parte - Lição 12 - 4T/2014

5ª Parte - Lição 12 - 4T/2014

6ª Parte - Lição 12 - 4T/2014

converter em pdf.

Questionário - Um Tipo do Futuro Anticristo - Ev. Luiz Henrique

Questionário da Lição 12 - Um Tipo do Futuro Anticristo

Responda conforme a revista da CPAD do 4º Trimestre de 2014 - Para jovens e adultos

TEMA: A INTEGRIDADE MORAL E ESPIRITUAL - O LEGADO DO LIVRO DE DANIEL PARA A IGREJA HOJE.

Comentário: Pr. Elienai Cabral

Complete os espaços vazios e marque com “V” as respostas verdadeiras e com “F” as falsas.

 

TEXTO ÁUREO

1- Complete:

“Ninguém, de maneira alguma, vos ________________________, porque não será assim sem que antes venha a _______________________ e se manifeste o ______________________ do pecado, o filho da perdição”(2 Ts 2.3).

 

VERDADE PRÁTICA

2- Complete:

As conquistas ________________________ e as atrocidades de Antíoco ________________________ dão uma noção do que será o futuro ________________________ na Grande Tribulação.

 

I - PREDIÇÕES PROFÉTICAS CUMPRIDAS COM EXATIDÃO (11.2-20).

3- Por quantos anos cumpriram-se fielmente essas profecias reveladas a Daniel e que período compreende?

(    ) Por uns 200 anos até o período interbíblico, que vai do fim de Malaquias ao início de Mateus.

(    ) Por uns 300 anos até o período interbíblico, que vai do fim de Malaquias ao início de Mateus.

(    ) Por uns 500 anos até o período interbíblico, que vai do fim de Malaquias ao início de Mateus.

 

4- Qual a revelação sobre o fim do Império Medo-Persa (11.2) e sobre o império grego, dada a Daniel?

(    ) Aparece no versículo primeiro o nome do rei “Dario, o persa” que é o mesmo de Daniel 5.31.

(    ) Aparece no versículo primeiro o nome do rei “Dario, o medo” que é o mesmo de Daniel 5.31.

(    ) A história bíblica diz que Ciro constituiu a Dario como rei.

(    ) No capítulo onze é revelado a Daniel uma sucessão de reis que vai de Ciro até o desmoronamento do reino de Alexandre.

(    ) Foi revelado a Daniel que o rei valente (v.3), Alexandre, se levantaria e dominaria muitos reinos, todavia o Senhor mostrou também que embora imponente, o reino de Alexandre seria partido aos quatro ventos do céu.

(    ) Os reinos deste mundo, por mais importantes que sejam, são todos passageiros. Somente o Reino de DEUS é eterno.

(    ) A história apresenta diferentes datas quanto a estes reis, mas isso não afeta o cumprimento, com exatidão, dos fatos proféticos do capítulo onze.

 

5- Quem era o rei valente levantado (11.3) e quem foram seus sucessores?

(    ) O rei valente que seria levantado era Antíoco Epifânio.

(    ) O rei valente que seria levantado era Alexandre Magno.

(    ) A importância dessa profecia está no fato de que é DEUS que dirige a história  para que sua soberana vontade seja exercida especialmente em relação a Israel.

(    ) Até o versículo 35 a profecia de Daniel se concentra em revelar os reinos gentílicos.

(    ) Depois, o foco principal passa a ser o povo de DEUS e seus sofrimentos.

(    ) Os reis do Sul descritos no versículo cinco eram os Ptolomeus, sucessores de Ptolomeu Soter, general de Alexandre.

(    ) E os reis do Norte (v. 6) eram os Selêucidas, sucessores de Seleuco I, que governou parte da Ásia Menor e Síria.

 

6- Como foi a divisão do reino de Alexandre entre quatro generais (11.4-20)?

(    ) Afirma o versículo quatro que “estando ele em pé, o seu reino será quebrado”.

(    ) Alexandre morreu na Babilônia aos 32 anos de idade.

(    ) Alexandre morreu na Babilônia aos 33 anos de idade.

(    ) O seu reino, como havia sido revelado pelo Senhor, “foi repartido para os quatro ventos do céu”.

(    ) Alexandre não teve um sucessor e seu reino foi dividido entre os seus quatro generais: Cassandro, Lisímaco, Seleuco e Ptolomeu.

(    ) Ainda que os historiadores neguem a questão da soberania de DEUS no destino das nações, não podemos duvidar que Ele permite que reinos sejam estabelecidos e destruídos.

(    ) “Os quatro ventos do céu” (v.4) lembra a profecia sobre a figura das quatro cabeças do leopardo alado e a visão do bode com quatro chifres notáveis.

(    ) As figuras são diferentes, mas as representações dessas figuras são as mesmas, porque falam do Império Grego e sua divisão, depois da morte de Alexandre. Cassandro reinou na Macedônia; Lisímaco reinou na Trácia e Ásia Menor; Ptolomeu reinou no Egito e Seleuco reinou sobre a Síria e o restante do Oriente Médio.

(    ) Nos versículos 5 a 20, temos uma sucessão de guerras entre esses quatro reis, especialmente entre Egito e Síria, entre os reinos do Norte e do Sul.

(    ) O rei do Norte, Antíoco Epifânio (entre 175 e 164 a. C.) o qual tornou-se um tipo do Anticristo.

Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

Um Tipo do Futuro Anticristo - Ev. Luiz Henrique

Lição 12 - Um Tipo do Futuro Anticristo

Lições Bíblicas - 4º Trimestre de 2014 - CPAD - Para jovens e adultos

Tema: A Integridade Moral e Espiritual - O Legado Do Livro De Daniel Para A Igreja Hoje.

Comentários: Pr. Elienai Cabral
Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva

Questionário

NÃO DEIXE DE ASSISTIR AOS VÍDEOS DA LIÇÃO ONDE TEMOS MAPAS, FIGURAS, IMAGENS E EXPLICAÇÕES DETALHADAS DA LIÇÃO

http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm

veja

LIÇÃO 12, ZACARIAS, O REINADO MESSIÂNICO - 4º Trimestre de 2012 -  http://www.youtube.com/playlist?list=PL9TsOz8buX1_ZiGvlR4p5ETqRtT6ABKj2

http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv-2trim2012.htm (Arrebatamento, Governo do Anticristo, Milênio, Formosa Jerusalém, Juízo Final)

VÍDEOS - 2º Trimestre de 2012 -

Lição 1, Apocalipse, a revelação de Jesus Cristo,

Lição 2, A visão do Cristo Glorificado,

Lição 10, O governo do Anticristo,

Lição 11, O Evangelho do Reino no império do mal,

Lição 12, O Juízo Final,

Lição 13, A formosa Jerusalém

 

TEXTO ÁUREO

“Ninguém, de maneira alguma, vos engane, porque não será assim sem que antes venha a apostasia e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição”(2 Ts 2.3).

 

VERDADE PRÁTICA

As conquistas ditatoriais e as atrocidades de Antíoco Epifânio dão uma noção do que será o futuro Anticristo na Grande Tribulação.

 

LEITURA DIÁRIA

Segunda - Dn 7.7,8 O pequeno chifre do animal espantoso

Terça  - 1 Jo 2.22 O “mentiroso”

Quarta - 1 Jo 2.18 O “anticristo”

Quinta - 2 Ts 2.3,8 O “homem da iniquidade”

Sexta - Mt 24.15 O abominável da desolação

Sábado - 2 Ts 2.8; Ap 19.20 O Anticristo será lançado no Lago de Fogo

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Daniel 11.1-3,21-23, 31,36

1 Eu, pois, no primeiro ano de Dario, medo, levantei-me para o animar e fortalecer. 2 E, agora, te declararei a verdade: Eis que ainda três reis estarão na Pérsia, e o quarto será cumulado de grandes riquezas mais do que todos; e, esforçando-se com as suas riquezas, agitará todos contra o reino da Grécia. 3 Depois, se levantará um rei valente, que reinará com grande domínio e fará o que lhe aprouver.

21 Depois, se levantará em seu lugar um homem vil, ao qual não tinham dado a dignidade real; mas ele virá caladamente e tomará o reino com engano. 22 E, com os braços de uma inundação, serão arrancados de diante dele; e serão quebrantados, como também o príncipe do concerto. 23 E, depois do concerto com ele, usará de engano; e subirá e será fortalecido com pouca gente.

31 E sairão a ele uns braços, que profanarão o santuário e a fortaleza, e tirarão o contínuo sacrifício, estabelecendo a abominação desoladora.

36 E esse rei fará conforme a sua vontade, e se levantará, e se engrandecerá sobre todo deus; e contra o DEUS dos deuses falará coisas incríveis e será próspero, até que a ira se complete; porque aquilo que está determinado será feito.

 

INTERAÇÃO

Quando encerramos a leitura do Antigo Testamento e deparamo-nos com o primeiro livro do Novo Testamento, o Evangelho de Mateus, nós não imaginamos o lapso de tempo que representa passar de uma página a outra. Foram aproximadamente quatrocentos anos de um período considerado “o silêncio de DEUS”. Entretanto, acontecimentos proféticos cumpriram-se neste período onde surgiu um personagem na história, considerado por muitos o Anticristo, mas considerado pelos principais estudiosos do Antigo Testamento, uma figura do Anticristo: Antíoco Epifânio. Um personagem importante na história bíblica e secular.

 

OBJETIVOS- Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

Conhecer as predições proféticas do capítulo onze de Daniel.

Destacar o caráter perverso de Antíoco Epifânio, o imperador da Síria.

Saber que Antíoco Epifânio prefigura o Anticristo que há de vir.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Prezado professor, para a aula de hoje, procure se preparar com informações sobre o personagem central da lição: o imperador sírio Antíoco Epifânio. Um homem cruel, imoral e que profanou o Templo dos judeus em Jerusalém. Procure pesquisar informações históricas de sites confiáveis, revistas de história e livros que abordem o período considerado interbíblico. Este é um período pouco estudado pelos professores, mas crucial para compreender o momento histórico da invasão em Jerusalém após o retorno do cativeiro e a pessoa de Antíoco Epifânio como a figura do futuro Anticristo. Boa aula!

Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

Um Tipo do Futuro Anticristo - Rede Brasil do Comunicação

Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Recife / PE

Superintendência das Escolas Bíblicas Dominicais

Pastor Presidente: Aílton José Alves

Av. Cruz Cabugá, 29 - Santo Amaro - CEP. 50040 - 000 Fone: 3084 1524

LIÇÃO 12 - UM TIPO DO FUTURO ANTICRISTO - 4º TRIMESTRE 2014

(Dn 11.1-3,21-23,31,36)

INTRODUÇÃO

O capítulo 11 do livro de Daniel, descreve a quarta e a última visão do conteúdo profético do livro. A visão diz respeito aos reinos que se seguirão sucessivamente até chegar ao governo do Anticristo, prefigurado na pessoa de Antíoco Epifânio, um rei selêucida, que surgiu no período Interbíblico. Veremos nesta lição, o período entre os Testamentos; a ascensão do governo de Antíoco Epifânio; quem foi Antíoco Epifânio e, a semelhança do seu governo com o do Anticristo.

I - O PERÍODO INTERBÍBLICO

O período entre os dois Testamentos foi um espaço de quatrocentos anos, conhecido como Interbíblico ou Intertestamental. Esta época compreende o retorno dos judeus do exílio até o nascimento de Jesus e, é considerado como o período do silêncio divino. Contudo, nesta época, acontecimentos proféticos cumpriram-se na íntegra, trazendo o surgimento de um personagem importantíssimo tanto para a história bíblica, quanto para a história secular. “As condições gerais desse período podem ser relembradas sabendo-se que houve quatro tempos distintos em que esses quatrocentos anos podem ser divididos: (1) o período persa, 430-322 a.C.; (2) o período grego, 321-167 a.C; (3) o período da independência, 167-63 a.C; e (4) o período romano, 63 a.C. até Jesus Cristo” (CHAMPLIN, 2013, vol. 5, p. 226 - acréscimo nosso).

II - O SURGIMENTO DO GOVERNO DE ANTÍOCO EPIFÂNIO

Com a queda do Império Persa em cerca 331 a.C., Alexandre o Grande, tronou-se um imponente imperador, conquistando também a Palestina em cerca de 332 a.C. Em cumprimento do que está escrito em (Dn 11.3,4), Alexandre o Grande morreu precocemente no apogeu do seu poder e, o seu reino foi divido e repartido entre quatro dos seus generais, a saber, Cassandro, Lisímaco, Seleuco e Ptolomeu. Seleuco governou a Síria, a Babilônia e a Média (o Reino do Norte); e, Ptolomeu governou o Egito (o Reino do Sul). A princípio, a Palestina ficou debaixo do controle sírio, mas não muito depois passou para o controle egípcio, ficando assim durante cerca de cem anos, até 198 a.C. Neste ínterim, os selêucidas (o Reino do Sul) reconquistaram a Palestina, e nos anos 175-164 a.C., os judeus foram severamente perseguidos por Antíoco IV ou Epifânio, que estava resolvido a exterminá-los, juntamente com a sua fé em Deus. (CHAMPLIN, 2013, vol. 5, p. 226 - acréscimo nosso).

III - ANTÍOCO EPIFÂNIO NA VISÃO HISTÓRICA E NA VISÃO PROFÉTICA DE DANIEL

“Antíoco Epifânio (175 a 164 a.C.); filho de Antíoco o Grande, rei dos selêucidas, do Reino do Norte; governou onze anos e, morreu no ano 164 a.C. Foi o grande perseguidor dos judeus na Palestina. Ele foi em sua geração, o homem mais desprezível, narrado nesta profecia; um tipo do futuro Anticristo, “[…] o homem do pecado, o filho da perdição” (2 Ts 2.3);” (SILVA, 1986, p. 211 - acréscimo nosso). “Antíoco tentou incorporar os judeus em seu programa de helenização, ou seja, implantar nos judeus a cultura grega; mudando suas leis, proibindo o culto e os costumes religiosos deles sob pena de morte” (CHAMPLIN, 2013, vol. 1, p. 194 - acréscimo nosso). Abaixo destacamos informações bíblicas a respeito deste homem.

3.1 “Depois se levantará um homem vil…” (Dn 11.21a). “Antíoco Epifânio é apresentado como um homem vil, alguém em quem não se pode confiar; um maquinador e um impostor. É o ‘pequeno chifre’ citado no livro de Daniel 8.9-27. Ele é chamado de o Anticristo do Antigo Testamento e, é visto prefigurando o Anticristo do fim dos tempos” (ADEYEMO, 2010, p.1037 - acréscimo nosso).

3.2 “[…] ao qual não tinham dado dignidade real…” (Dn 11.21b). “Antíoco Epifânio não estava na linha da sucessão, mas tornou-se rei por manipulação, traição e lisonjas, isto é, a política usual. O trono deveria ser de Demétrio Soter, filho e sucessor direto de Seleuco IV Filopater, o atual rei do Reino do Norte, que segundo a profecia morreu “sem ira e sem batalha” (Dn 11.20), envenenado por Heliodoro, seu irmão de criação.” (CHAMPLIN, 2001, vol. 5, p. 3423). “Demétrio Soter , estava sendo mantido refém em Roma. E com o trono desocupado, Antíoco usurpou o trono e assumiu o poder na Síria” (MACARTHUR, 2010, p. 1095 - acréscimo nosso).

3.3 “[…] mas ele virá caladamente…” (Dn 11.21c, 24). A expressão “caladamente” no texto revela a sagacidade deste tirano. “Antíoco Epifânio era um pensador hábil e um orador habilidoso, cujas guerras com palavra eram tão eficazes como suas guerras com armas. Gostava de valer-se de traições, lisonjas e truques. A palavra hebraica para as lisonjas é halaqlaq’, que tem o sentido básico de esperteza suave’ (CHAMPLIN, 2001, vol. 5, p. 3423 - grifo nosso). “Conforme a descrição dos escritos antigos, Antíoco Epifânio às vezes fugia secretamente da corte e ia para cidade disfarçado, fazendo amizades com os estrangeiros mais desprezíveis que visitavam o país. Ele praticava os caprichos mais esquisitos, levando alguns a acreditar que fosse um imbecil e, a outros que fosse um louco” (HENRY, 2010, p. 897 - acréscimo nosso).

3.4 “E com os braços de uma inundação…” (Dn 11.22). “Antíoco Epifânio era alguém que sabia falar, mas também era um bom guerreiro. Alcançou êxito em sua primeira ação militar, no momento em que as suas forças militares arrasaram os exércitos egípcios como se fosse uma enchente/dilúvio, uma expressão usada para ataque militar (Dn 9.26)” (CHAMPLIN, 2001, vol. 5, p. 3423 - acréscimo nosso).

3.5 “[…] como também o príncipe do concerto” (Dn 11.22). “Ele encomendou o assassinato do sumo sacerdote de Jerusalém, Onias III, a quem a profecia se refere como príncipe da aliança, que foi morto pelo seu próprio irmão, Menelau, que o traiu, a pedido do próprio Antíoco” (MACARTHUR, 2010, p. 1095 - acréscimo nosso). “Em Daniel 11.28,30 e 32 a palavra ‘aliança’ ou ‘concerto’ é usada para se referir ao Estado judeu, que na época era uma teocracia (o Governo de Deus), tendo o sumo sacerdote como seu líder” (ADEYEMO, 2010, p.1037 - acréscimo nosso).

Clique aqui para ler o texto completo »

converter em pdf.

Um Tipo do Futuro Anticristo - AD Londrina

Aula ministrada pela Pr. Jeferson França para EBD da Asssembleia de Deus em Londrina.

Acesse: www.adlondrina.com.br

Lição 12 - 4T/2014

converter em pdf.

Um Tipo do Futuro Anticristo - Ev. Natalino das Neves

Aula ministrada pelo Ev. Natalino das Neves - Projeto IEADSJP_EBDTV.

Projeto da IEADSJP - Igreja Evangélica Assembleia de Deus de São José dos Pinhais

Baixe, também, os slides da aula, clicando aqui.

Publicado no Blog do Ev. Natalino das Neves

Lição 12 - 4T/2014

converter em pdf.