A Organização de uma Igreja Local – Ev. Luiz Henrique

Lição 11, A Organização de uma Igreja Local

3º trimestre de 2015 – A Igreja E O Seu Testemunho – As Ordenanças De CRISTO Nas Cartas Pastorais

Comentarista da CPAD: Pr. Elinaldo Renovato de Lima

Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva

NÃO DEIXE DE ASSISTIR AOS VÍDEOS DA LIÇÃO ONDE TEMOS MAPAS, FIGURAS, IMAGENS E EXPLICAÇÕES DETALHADAS DA LIÇÃO

http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm

TEXTO ÁUREO
“Por esta causa te deixei em Creta, para que pusesses em boa ordem as coisas que ainda restam e, de cidade em cidade, estabelecesses presbíteros, como já te mandei.”(Tt 1.5).

VERDADE PRÁTICA

A igreja local deve subordinar-se à orientação de DEUS, através de sua Palavra, que é o “Manual de Administração Eclesiástica” por excelência.

LEITURA DIÁRIA

Segunda – At 18.11 Um ano e meio ensinando a poderosa Palavra de DEUS
Terça – At 18.23 Indo de um lugar para o outro animando os irmãos
Quarta – Ef 5.19 Animando os irmãos com salmos, hinos e canções espirituais
Quinta – Mt 28.19,20 A ordenança do Senhor JESUS para que a Igreja ensine a todos
Sexta – 1 Co 4.1,2 A fidelidade dos servidores de CRISTO JESUS
Sábado – Rm 16.5; 1 Co 16.19 Saudação aos crentes que se reuniam nas casas dos irmãos
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE – Tito 1.4-14

4 – a Tito, meu verdadeiro filho, segundo a fé comum: graça, misericórdia e paz, da parte de DEUS Pai e da do Senhor JESUS CRISTO, nosso Salvador. 5 – Por esta causa te deixei em Creta, para que pusesses em boa ordem as coisas que ainda restam e, de cidade em cidade, estabelecesses presbíteros, como já te mandei: 6 – aquele que for irrepreensível, marido de uma mulher, que tenha filhos fiéis, que não possam ser acusados de dissolução nem são desobedientes. 7 – Porque convém que o bispo seja irrepreensível como despenseiro da casa de DEUS, não soberbo, nem iracundo, nem dado ao vinho, nem espancador, nem cobiçoso de torpe ganância; 8 – mas dado à hospitalidade, amigo do bem, moderado, justo, SANTO, temperante, 9 – retendo firme a fiel palavra, que é conforme a doutrina, para que seja poderoso, tanto para admoestar com a sã doutrina como para convencer os contradizentes. 10 – Porque há muitos desordenados, faladores, vãos e enganadores, principalmente os da circuncisão, 11 – aos quais convém tapar a boca; homens que transtornam casas inteiras, ensinando o que não convém, por torpe ganância. 12 – Um deles, seu próprio profeta, disse: Os cretenses são sempre mentirosos, bestas ruins, ventres preguiçosos. 13 – Este testemunho é verdadeiro. Portanto, repreende-os severamente, para que sejam sãos na fé, 14 – não dando ouvidos às fábulas judaicas, nem aos mandamentos de homens que se desviam da verdade.

 

OBJETIVO GERAL
Apresentar os requisitos bíblicos para formar um ministro do Evangelho.

 

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Explicar o panorama da epístola a Tito.

Conscientizar sobre as qualificações dos pastores segundo a epístola.

Destacar a percepção de pureza que a epístola apresenta

 

INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Caro professor, é importante que você compreenda e ressalte para os alunos o objetivo da epístola de Tito: Aconselhar o jovem pastor sobre a tarefa de “pôr em ordem” o que Paulo havia deixado inacabado nas igrejas de Creta. Outro ponto importante é saber que essa epístola tem algumas características especiais: (1)  Ela possui dois resumos sobre a natureza da salvação em JESUS CRISTO (2.11-14; 3.4-7); (2) A igreja e o ministério de Tito deveriam estar edificados sobre firmes alicerces espirituais e éticos (2.11-15); (3) Contém uma das duas listas do Novo Testamento sobre as qualificações necessárias ao ministério de uma igreja (1.5-9; cf. 1 Tm 3.1-13).
PONTO CENTRAL
A epístola de Paulo a Tito demonstra com vigor as qualificações honestas para quem pretende ser pastor.

 

Resumo da Lição 11, A Organização de uma Igreja Local
I. A EPÍSTOLA ENVIADA A TITO
1. O intento da Epístola.
2. Data em que foi escrita.
3. Um viver correto.
II. O PASTOR PRECISA PROTEGER O REBANHO DE DEUS

  1. Qualificação dos pastores.
  2. Crentes, porém problemáticos.
  3. Não dar ouvidos a ensinos falsos.

III. A PERCEPÇÃO DA PUREZA PARA OS PUROS E PARA OS IMPUROS

  1. Tudo é puro para os puros (v. 15).
  2. Nada é puro para os impuros (v. 15).
  3. Conhecem a DEUS, mas o negam com as atitudes (v. 16).

SÍNTESE DO TÓPICO I – A epístola objetivava dar instruções ao jovem pastor Tito a respeito da responsabilidade que ele havia recebido de Paulo. A carta foi escrita aproximadamente em 64 d. C.

SÍNTESE DO TÓPICO II – A qualificação dos pastores, segundo a epístola, é fundamental ser observada para que sejam competentes no relacionamento com os crentes problemáticos.

SÍNTESE DO TÓPICO III – O apóstolo admoesta que para os puros, tudo é puro; para os impuros, nada é puro. Há quem diga que conhece a DEUS, mas o nega com suas atitudes: isso é perfeitamente possível.

 

SUBSÍDIO TEOLÓGICO top1
“Tito, como 1 e 2 Timóteo, é uma carta pessoal de Paulo a um dos seus auxiliares mais jovens. É chamada de ‘epístola pastoral’ porque trata de assuntos relacionados com ordem e o ministério na igreja. Tito, um gentio convertido (Gl 2.3), tornou-se íntimo companheiro de Paulo no ministério apostólico. Embora não mencionado nominalmente em Atos (por ser, talvez, irmão de Lucas), o grande relacionamento entre Tito e o apóstolo Paulo vê-se (1) nas treze referências a Tito nas epístolas de Paulo, (2) no fato de ele ser um dos convertidos e fruto do ministério de Paulo (1.4; como Timóteo), e um cooperador de confiança (2 Co 8.23), (3) pela sua missão de representante de Paulo em pelo menos uma missão importante a Corinto durante a terceira viagem missionária do apóstolo (2 Co 2.12,13; 7.6-15; 8.6,16-24), e (4) pelo seu trabalho como cooperador de Paulo em Creta (1.5)” (Bíblia de Estudo Pentecostal, CPAD, 1995, p.1886-87).

 

SUBSÍDIO TEOLÓGICO top2
“As qualificações dos presbíteros (1.6-9).

As qualificações no verso 6, de acordo com o idioma original, são condições ou questões indiretas relativas aos candidatos que estão sendo considerados para o ministério. O grego traduz literalmente: ‘Aquele que for irrepreensível, marido de uma mulher, que tenha filhos fiéis, que não possam ser acusados de dissolução [desperdício de dinheiro] nem são desobedientes’ – este pode ser considerado como um candidato ao presbitério.
Paulo parece estar usando as palavras ‘ancião/presbítero’ (presbyteros, v.5) e ‘líder/bispo’ (episkopos, v.7) de modo intercambiável. Neste primeiro período da história da Igreja, os ofícios ministeriais eram variáveis e indistintos.
Paulo chama os bispos de ‘despenseiros da casa de DEUS’. Os despenseiros (pessoas encarregadas de administrar os negócios de uma casa) eram bem conhecidos daqueles que viveram no primeiro século. Uma vez que tais pessoas tinham perante o dono da casa a responsabilidade de cuidar desta, era necessário que fossem irrepreensíveis. Note também que os bispos não são simplesmente responsáveis perante DEUS como seus servos, cuidando das coisas de DEUS” (Comentário Bíblico Pentecostal: Novo Testamento. 1.ed.Rio de Janeiro: CPAD, 2004, p.1509).
PARA REFLETIR – A respeito das Cartas Pastorais:
Qual era o propósito da Epístola de Tito?
Dar conselhos ao jovem pastor Tito a respeito da responsabilidade que ele havia recebido.
Qual era a incumbência de Tito?
Supervisionar e organizar as igrejas na ilha de Creta.
Em que ano a Epístola de Tito foi escrita?
Aproximadamente no ano 64 d. C.
Por que para os puros tudo é puro?
Pois estes procuram viver segundo a Palavra de DEUS.
Por que nada é puro para os impuros?
Porque “confessam que conhecem a DEUS, mas negam-no com as obras, sendo abomináveis, e desobedientes, e reprovados para toda boa obra” (v.16).
CONSULTE – Revista Ensinador Cristão – CPAD, nº 63, p. 41.

SUGESTÃO DE LEITURA

Manual Bíblico – Entendendo a Bíblia, Igreja – Identidade e Símbolos e O Plano Divino através dos Séculos

 

Comentários de Vários Autores com algumas modificações do Ev. Luiz Henrique

Comentários de – William Hendriksen, 1 Timóteo, 2 Timóteo e Tito, São Paulo: Cultura Cristã, 2001, p. 191-6 (Comentário do Novo Testamento)

Comentário Sobre Tito – ESBOÇO DE TITO

Tema: O Apóstolo Paulo, Escrevendo a Tito, Ministra Diretrizes para a Promoção do ESPÍRITO de Santificação

Capítulo 1: Na Vida Congregacional.

  1. Destinação e Saudação.
    B. Deve-se designar presbíteros bem qualificados em todas as cidades.
  2. Razão: Creta não tem escassez de pessoas de má reputação, as quais necessitam ser repreendidas com toda seriedade.

Capítulo 2: Na Vida Familiar e Individual.

  1. Todas as classes de indivíduos que compõem o círculo familiar devem conduzir-se de tal maneira que, por meio de sua vida, possam adornar a doutrina de DEUS, seu Salvador.
  2. Razão: A graça de DEUS se manifestou a todos para a santificação e para a jubilosa expectativa do aparecimento em glória de nosso grande DEUS e Salvador, JESUS CRISTO.

Capítulo 3: Na Vida Social (ou seja, Pública).

  1. Os crentes devem obedecer às autoridades. Devem ser amáveis para com todos os homens, visto que foi a bondade de DEUS nosso Salvador, não nossas obras, o que nos trouxe a salvação.
  2. Em contrapartida, é preciso evitar as questões néscias e os homens facciosos que se negam a prestar atenção às admoestações .
  3. Instruções finais com respeito a itinerantes em prol do reino (Artemas ou Tíquico, Tito, Zenas, Apoio) e a crentes cretenses em geral. Saudações.

 

ESBOÇO DO CAPÍTULO 1

Tema: O Apóstolo Paulo, Escrevendo a Tito, Ministra Diretrizes para a Promoção do ESPÍRITO de Santificação Na Vida Congregacional.

1.1-4 Destinação e Saudação.

1.5-9 Deve-se designar presbíteros bem qualificados em cada cidade.

1.10-16 Razão: Creta não tem escassez de pessoas de má reputação, as quais devem ser seriamente repreendidas.

 

Capítulo 1

  1. A Tito [meu] genuíno filho no exercício de [a] fé comum; graça e paz de DEUS [o] Pai e CRISTO JESUS nosso Salvador.

As palavras de destinação se assemelham estreitamente àquelas de 2 Timóteo 1.2, e ainda mais estreitamente às de 1 Timóteo 1.2. Note agora aqui também como a autoridade apostólica (Tt 1.1) e o terno amor (“meu genuíno filho”) se harmonizam de forma muito bela.

Tito era filho de Paulo por dever sua vida espiritual ao apóstolo como um instrumento nas mãos de DEUS, embora não nos sejam revelados o tempo, o lugar e as circunstâncias de sua conversão (ver p. 52). A designação filho é muito feliz, porquanto combina duas ideias: “Eu gerei” e “Você me é muitíssimo querido”. Além do mais, Tito era um filho genuíno, natural (não adotado), não um filho bastardo, nem meramente um crente nominal. Paulo se considera pai de Tito, não no sentido físico, mas “no exercício da fé comum”, ou seja, com respeito à fé comum a Paulo e a Tito. A frase “em fé” (“meu genuíno filho em fé”), em 1 Timóteo 1.2, tem virtualmente o mesmo sentido, o verdadeiro conhecimento de DEUS e de suas promessas reveladas no evangelho e uma sincera confiança nele e em seu amor redentor e centrado em CRISTO.

Sobre este filho genuíno, o apóstolo agora pronuncia graça e paz (cf. “graça, misericórdia e paz” em 1 Tm 1.2 e em 2 Tm 1.2). Graça é o favor imerecido de DEUS em operação no coração de seu filho. E seu amor perdoador e fortalecedor centrado em CRISTO. Paz é aquela consciência que o filho tem de haver sido reconciliado com DEUS por meio de CRISTO. Graça é a fonte; e paz é o fluxo que emana dessa fonte (cf. Rm 5.1).

Esta graça e esta paz têm sua origem em DEUS Pai, e foram merecidas para o crente por CRISTO JESUS. As duas são a única fonte da graça e paz (a preposição de não é repetida). Embora em todas as demais saudações de Paulo (Rm 1.7; I Co 1.3; 2Co 1.2, etc., inclusive as Pastorais: (1 Tm 1.2; 2 Tm 1.2) CRISTO seja chamado Senhor, ele aqui é chamado “nosso Salvador” . Para o significado desta palavra salvador, a qual ocorre tão amiúde em Tito como em todas as demais epístolas paulinas postas juntas (seis vezes: Tt 1.3, 4; 2.10, 13; 3.4, 6), e nessa carta é usada tanto em referência a “DEUS” quanto em referência a “CRISTO”, ver sobre 1 Tm 4.10. Aqui em Tito 1.4 o termo é usado em seu significado pleno, redentor. CRISTO JESUS é Aquele que resgata do mal maior e concede ao resgatado o bem maior. Para o significado de salvação, ver sobre 1 Timóteo 1.15.

Ante a estreita similaridade entre Tito 1.4 e 1 Timóteo 1.2, veja o leitor as explicações de 1 Timóteo 1.2 para discussão mais detalhada. Além do mais, ver C.N.T. sobre 1 Tessalonicenses 1.1.

 

5- Por essa razão o deixei em Creta, para que você pusesse em ordem as coisas que faltavam fazer, a saber, para que designasse presbíteros em cada cidade, daquela maneira que lhe orientei.

Para que a vida congregacional venha a prosperar nas diversas cidades de Creta, é preciso designar presbíteros bem qualificados: Por essa razão o deixei em Creta, para que você pusesse em ordem as coisas que faltavam fazer, a saber, para que você designasse presbíteros em cada cidade, daquela maneira que lhe orientei.

Evidentemente, numa determinada viagem por mar, Paulo e Tito estiveram juntos em Creta. O evangelho fora proclamado, pequenos grupos de discípulos se juntaram e buscaram lugares de reunião, mas não se efetuara nenhuma organização oficial, ou, se algo nesse sentido havia sido iniciado, estava longe de tomar forma.

Se é correta a conjetura de que a estada temporal em Creta ocorreu imediatamente após a libertação de Paulo da primeira prisão em Roma, nesse tempo surgiram os seguintes problemas:

  1. Depois de uma longa ausência de seus amigos, o apóstolo estava ansioso por ver os rostos conhecidos de antes e voltar a visitar as igrejas previamente estabelecidas. Isto é compreensível, porque ele era intensamente humano, uma pessoa de coração ardoroso. Além do mais, amava seu Senhor e aspirava promover a boa causa de todas as formas possíveis. Além disso, ele fizera o que poderia ser considerado promessas de visitas urgentes (Fm 22; Fp 1.25, 26). Consequentemente, uma longa permanência em Creta para Paulo pessoalmente estava fora de qualquer consideração.
  2. Não obstante, a organização das igrejas em Creta estava longe de ser um assunto encerrado, e a indevida precipitação em designar homens para algum ofício era contrário aos princípios de Paulo (IT m 3.6; 5.22).

A solução era: Paulo deveria seguir seu caminho e Tito devia fica para trás (cf. 2 Tm 4.13, 20) na ilha com a finalidade de pôr em ordem as coisas que ficaram por fazer, a saber (kixtpc, usada aqui neste sentido), estabelecer presbitérios. O apóstolo, que aprecia enfatizar o fato de que DEUS não deixa sem conclusão sua obra da graça (Fp 1.6; ITs 5.23), é um verdadeiro imitador de DEUS também neste aspecto; porque Paulo também tem aversão às questões não concluídas (ver 1 Tm 1.3 e 1 Ts 3.10 acerca de diferentes aplicações deste mesmo princípio). E com respeito a Tito, quase se podia afirmar que nenhuma tarefa lhe era demasiadamente difícil a ponto de não tentar efetuá-la e nenhum desafio tão formidável para não enfrentá-lo, na dependência da força e sabedoria divinas (ver pp. 51, 54).

O texto denota que o apóstolo dera ordens quanto à forma como (ôç = abreviação de tal maneira que) os presbíteros deviam ser designados. Isto se refere aos requisitos para o ofício que se deve levar em conta quando se nomeia homens para o presbiterato. Posto que os versículos que se seguem se referem tão-somente aos presbíteros, porém é evidente à luz de 1 Timóteo 3 que era a convicção de Paulo que (pelo menos no curso do tempo) uma igreja também carece de diáconos, podemos presumir que o apóstolo quer dizer que quando a obra que se deve executar se revela demasiadamente pesada para os presbíteros, deve-se designar de forma semelhante os diáconos (cf. At 6.1-6).

Por conseguinte, as diretrizes quanto aos requisitos para o ofício de presbítero ou ancião são aqui reafirmadas. Foram dadas oralmente enquanto Paulo e Tito estavam ainda juntos em Creta, e são agora reiteradas na forma escrita: “Por essa razão (antecipativo toútou xãpiv, seguido de Iva, como em E f 3.1, 14-16) o deixei em Creta, para… designasse presbíteros em cada cidade” (“completamente”, de “cidade por cidade”). Para a prática, ver Atos 14.23, e para este uso da preposição, ver Lucas 8.1; Atos 10.23. Razões possíveis para a repetição na forma escrita de uma diretriz dada previamente na forma oral:

(a)   Para a conveniência de Tito, a fim de ajudar sua memória;

(b)  Para a confirmação de sua autoridade no caso de alguém apresentar objeção;

(c)  Para a posteridade.

Embora Paulo dissesse: “para que você designe”, de modo algum exclui a cooperação responsável das congregações individualmente (ver Al 1.15-26; 6.1-6, note o mesmo verbo em At 6.3).

 

6-9.

6 – Uma pessoa [pode ser designada] se for irrepreensível, marido de uma só esposa, que tenha filhos crentes [que sejam] não acusados de comportamento dissoluto nem de insubordinação. 7 Porque o bispo, como despenseiro de DEUS, deve ser irrepreensível, não orgulhoso, não colérico, não alguém que se demora ao lado de [seu] vinho, não agressivo, não cobiçoso de lucro indigno, 8 porém hospitaleiro, amante do bem, sóbrio [ou sensato], justo, piedoso, dono si, 9 que se apega à palavra fiel, que está de acordo com a doutrina, a fim de que ele seja apto tanto para encorajar [outros], por meio de seu sólido ensino quanto para refutar os que [o] contradizem.

A lista de requisitos para os anciãos ou presbíteros é introduzida pelas palavras: “Se alguém for…” Temos aqui outro exemplo de discurso abreviado (ver C.N.T. sobre João 5.31, vol. I). Aqui, como em 1 Timóteo 5.10, não é difícil completar as palavras que estão implícitas. O significado, como requerido pelo contexto precedente, é: “Se alguém for irrepreensível, etc. …, o mesmo pode ser designado”; ou, segundo minha tradução: Uma pessoa [pode ser designada] se for, etc.

Os requisitos alistados ocorrem em três grupos:

(1) A pessoa que se destina a ocupar um posto tão importante deve ter uma reputação merecidamente elevada; e, se for casada (o que será geralmente o caso), deve ser um bom chefe de família (v. 6).

(2)  Não deve ser o tipo de pessoa que, para agradar-se, tenha perdido o interesse pelas demais pessoas (salvo para perturbá-las!) e que, se vê envolvido em um a disputa, se dispõe a sempre apelar para a violência. Apresenta-se uma lista de características negativas: qualidades que o bispo não deve ter (v. 7).

(3)  Todas suas ações devem dar evidência do fato de que em obra e em doutrina ele deseja ser um a bênção para os demais. Apresenta-se uma lista de características positivas: qualidades que o bispo deve ter (vv. 8, 9).

Os três grupos de requisitos correspondem a pessoas que por sua idade e dignidade são anciãos, e por sua tarefa são bispos. Ainda que seja verdade que o texto diz “o bispo”, no singular, o faz em sentido genérico, representando com um membro toda a classe considerada pelo prisma de um a característica definida (ver C.N.T. sobre 1 e 2Ts 1.9, nota 41). Poder-se-ia parafrasear o sentido da seguinte maneira: “Porque qualquer bispo, em razão do próprio fato de que deve viver à altura de seu ofício de bispo e no que respeito à administração da casa de DEUS (sendo mordomo de DEUS; ver comentário sobre 1 Tm 1.4; cf. I Co 4.1; I Pe 4.10), deve ser irrepreensível” , etc. Que para o autor das Pastorais as palavras ancião e bispo indicam a mesma pessoa, também se deduz do fato de que essencialmente os mesmos requisitos dados para um ancião aqui em Tito 1.5, 6 – que seja irrepreensível, marido de uma só mulher, filhos de bom testemunho – aparecem na lista com referência ao bispo em 1 Timóteo 3.2, 4.

Para evitar uma duplicação desnecessária e ao mesmo tempo mostrar a relação entre as duas listas bastante semelhantes de requisitos (Tt 1 e 1 Tm 3), dou a explicação dos versículos 6-9 na forma de uma tabela. Quando o requisito estipulado já estiver tratado em outro lugar (particularmente em 1 Tm 3). o leitor deve buscar a explicação mais completa que encontrará ali.

A coluna 1 contém a lista de requisitos dos anciãos ou bispos como se encontram em Tito 1. A coluna 2 dá o significado em termos breves de cada um desses requisitos. A coluna 3 dá uma lista dos requisitos da lista de Tito 1 que tem paralelo (em forma exata ou por meio de um sinônimo) na lista de requisitos do bispo de 1 Timóteo 3. A coluna 4, semelhantemente, mostra os paralelos na lista de requisitos para diáconos em 1 Timóteo 3. E a coluna 5 dá uma lista dos antônimos de quatro requisitos para bispos que não encontra paralelo em 1 Timóteo 3. Esses antônimos aparecem na lista de 2 Timóteo 3 sobre os traços do caráter das pessoas que vivem nos “últimos dias” (ver explicação de 2 Tm 3.1-5).

 

  1. A razão por que é especialmente indispensável que haja homens tão altamente qualificados para o ofício espiritual em Creta é agora exposta:

Porque há muitos insubordinados, faladores fúteis e enganadores, especialmente os do partido da circuncisão.

Esse grupo (vv. 10-14a) é o mesmo de que se faz menção em 1 Timóteo 1.3-11; note as semelhanças:

 

Tito Timóteo
Tito 1 insubordinados (v. 10) faladores fúteis (v. 10) 1 Timóteo 1 – insubordinados (v. 9) certos indivíduos… se desviado para a conversão fútil (v. 6)
Ensinando o que não é próprio (v.11) A fim de que você ordene a certos indivíduos a não ensinarem de forma diferente (v. 3); cf. 6.3
Sempre mentirosos (v. 12) Mentirosos (v. 10)
A fim de que sejam sadios na fé (v. 13) Contrário à sã doutrina (v. 10); cf. 6.3
Devotando-se aos mitos judaicos (v. 14) A não devotar-se a mitos e genealogias intermináveis (v. 4) cf. 4.7a.

 

Esses homens estão presentes aqui em Creta em número alarmante “muitos insubordinados” ; contraste com “certos indivíduos” em 1 Tm 1.3. Isso poderia dever-se ao fato de que seus erros peculiares estivessem em linha com o caráter nacional cretense e que estivessem sob a forte influência de rabinos judaicos (intrusos, vv. I4b-16). São insubordinados, ou seja, desobedientes à Palavra de DEUS. Além disso, são loquazes fúteis, não atingindo nenhum propósito proveitoso com seus contos fictícios acerca de Adão, Moisés, Elias e outros e com seu legalismo minudente (cf. 1 Tm 1.6); todavia enganam a mente (ver M.M., |). 675) dos fracos. Especialmente “os do partido da circuncisão”, ou seja, juDEUS membros da igreja (cf. At 10.45; Gl 2.12), pertencentes à classe dos faladores fúteis e enganadores. Provavelmente considerassem sua circuncisão e descendência de Abraão como marcas de excelência suprema, o que lhes daria o direito de ser ouvidos e estimados por outros.

 

  1. Paulo, porém, discordando agudamente da opinião que nutriam sobre si mesmos, diz com respeito a eles e igualmente com respeito ao restante dos faladores fúteis e enganadores; cuja boca precisa ser fechada, visto que, ao ensinarem, [estão] pervertendo famílias inteiras, por amor ao lucro vergonhoso, o que não é próprio.

Ao dizer a Tito o que deveria ser feito com tais pessoas, Paulo usa um verbo raro (ver M.M., p. 246), o qual tem como seu significado primário, “interromper a boca pelo uso de um freio, uma focinheira ou mordaça”. Os enganadores, pois, não devem ser tolerados, mas devem ser silenciados; e isso deveria ser feito por Tito e pelos presbíteros, como o contexto parece indicar (vv. 5-9).

Nesta passagem não se diz como deverão ser silenciados. Não obstante, ver comentário sobre 1 Timóteo 1.3, 4; 1.20; 4.7; 2 Timóteo 2.16, 21, 23; 4.2; Tito 1.13b; 3.10. De início, os errados deveriam ser cordialmente admoestados com o intuito de ganhá-los para a verdade. Se recusassem, deveriam ser repreendidos severamente e ordenados a desistir. A pessoa que persistisse em seus caminhos maus tinha de ser coibida pela igreja e disciplinada. A medida suprema, a excomunhão, poderia ser empregada com o fim de salvaguardar a igreja e para que o pecador fosse conduzido ao arrependimento. Na igreja de DEUS não há aquilo que se chama “liberdade de falar de maneira desorientadora”. Razão; seria perigoso demais. Os mestres de falsa doutrina “pervertem (cf. Jo 1.15) famílias inteiras”, levando-as a se desviarem da verdade (ver sobre 2 Tm 3.6). Fazem isto ao ensinar “o que não é próprio”, ou seja, “mitos judaicos e mandamentos de homens” (ver sobre v. 14). E seu propósito é obter proveito vergonhoso, proveito esse vergonhoso porque os homens que vão após ele são ávidos por enriquecer-se mesmo que seja a expensas da ruína de outros. São totalmente egoístas, nada mais almejando senão dinheiro e prestígio. (Cf. 1 Tm 3.3, 8; 6.5; Tt 1.7; e sobre todo o tema da remuneração para a obra espiritual, ver C.N.T. sobre I Ts 2.9.)

 

  1. Esses membros da igreja, juDEUS do tipo farisaico e matizados com gnosticismo incipiente, o qual às vezes conduzia à licenciosidade e às vezes ao ascetismo (ver sobre 1 Tm 4.3, 4), eram cretenses – havia muitos juDEUS em Creta (cf. At 2.11) – , e, além de serem influenciados por juDEUS incrédulos (ver sobre 14 b -16), haviam absorvido as piores características de seus compatrícios não juDEUS. Isto não tinha sido algo difícil, porque o judeu e o cretense tinham algo em comum: ambos se caracterizavam pelo emprego de artimanhas ou enganos para uma vantagem egoísta (cf. Jo 1.47 com Tt 1.12). Um judeu honesto ou um cretense honesto, ao que tudo indica, era então uma exceção. E certamente a combinação judeu-cretense não era muito feliz.

Quanto aos cretenses, eles se condenavam “por sua própria boca” . Diz Paulo: Um deles, um seu profeta, fez a afirmação: Os cretenses ‘ [são] sempre enganadores, brutos maus, ventres inativos.

Um profeta dentre eles estaria mais disposto a fanfarronar-se de seus compatriotas diante de outros do que a condená-los. Não obstante, condená-los é precisamente o que um profeta seu havia feito. Clemente de Alexandria (Stromata I. xiv. 59) e Jerônimo atribuem a devastadora caracterização a um poeta e reformador cuja data fornecida varia entre 630 e 500 a. C. Seu nome era Epimênedes, natural de Cnossos, nas proximidades de Iráklion (Candia) na costa norte de Creta, onde ainda hoje se pode visitar o museu que contém os tesouros extraordinários da era minoica. Em um hino “A Zeus”, Calimaco (cerca de 300-240 a.C.) havia citado as primeiras palavras: “Os cretenses [são] sempre enganadores” Quanto à pergunta se Paulo havia ou não lido realmente Epimênedes, nem todos dão a mesma resposta. Alguns sustentam que, já que a citação é realmente um provérbio, poderia ter sido extraída por Paulo de uma tradição oral extensamente difundida. Outros crêem que não é necessário confinar o conhecimento obtido por meio de leitura, por parte de Paulo, a limites tão estreitos”.

Ora, os antigos consideravam Epimênedes um profeta, “um homem divinamente inspirado” (segundo Platão), “um homem querido dos DEUSes” (segundo Plutarco). Paulo não tenciona dizer que o reformador cretense é realmente um profeta no sentido bíblico. Quer dizer “um homem que, por eles e outros, era considerado profeta, um porta-voz dos DEUSes” . Com referência à atividade supostamente profética de Hpimênedes, Platão (Laws I. 642 D e E) escreveu o seguinte:

“Esse homem divinamente inspirado, Epimênedes… nasceu em Creta, e dez anos antes da guerra persa, de acordo com o oráculo de DEUS, foi a Atenas…; e quando os atenienses se viram tomados de temor em razão das forças expedicionárias dos persas, fez esta profecia: A eles não virão por dez anos, e quando vierem, voltarão outra vez, não havendo realizado nada do que esperavam (realizar), e havendo sofrido mais dores do que terão infligido.”

Muitos consideravam Epimênedes como um dos “sete sábios” do mundo antigo. Estes sete eram: Bias de Priene, Cleóbulo de Lindo, Pitaco de Mitilene, Jilon de Esparta, Solon de Atenas, Tales de Mileto e Hpimênedes de Creta, ou Piandro de Corinto, ou Anajarsis o cita (ver Plutarco, Lives, Solon XII. 4-6; cf. Clemente de Alexandria, Stromata I. xiv).

Foi esse Epimênedes que, segundo Diógenes Laércio, aconselhou aos atenienses que fizessem sacrifícios “ao DEUS mais conveniente”, conselho que pode ter levado à edificação do famoso altar “ao DEUS desconhecido”, que proporcionou a Paulo o ponto de partida para a proclamação do DEUS vivo (At 17.23).

A citação de Epimênedes, aqui em Tito 1.12, é um poema que consiste em seis pés métricos (verso hexâmetro), algo como a Evangeline de Longfellow.

“Esta é a floresta primaveril. Os pinheiros murmurantes e acicuta…”

Tentei preservar o ritmo, e portanto traduzi o verso assim: “Os cretenses são sempre enganadores, brutos maus, ventres inativos.”

A representação dos cretenses como enganadores ou mentirosos pode ter surgido da pretensão deles de terem em sua ilha o túmulo de Zeus. Mas a reputação dos cretenses de serem mentirosos a fim de lograr fins egoístas (note o contexto, v. 11) era tão amplamente difundida que deu origem ao substantivo “cretismo”, que quer dizer “conduta cretense”, ou seja, “mentir” (Plutarco, Aemilius 26); e ao verbo “cretensiar” ou “falar como cretense”, que significa “dizer mentira”, “enganar” (exemplo, Políbio VIII. 19). Cf. “corintianizar”, que significa “viver de forma devassa como um coríntio” .

A expressão “brutos maus” demonstra o caráter selvagem e cruel dos cretenses dos dias de Epimênedes e dos dias de Paulo e Tito. Costumavam arredar todos de seu caminho para obterem vantagem pessoal. Alguns veem nesse epíteto conhecido uma alusão ao mitológico Minotauro cretense, metade touro e metade homem, a quem Minos escondeu no labirinto de Creta, onde até ser morto por Teseu, devorava jovens e donzelas atenienses que lhe eram levados como tributo a cada nove anos.

“Ventres inativos” estigmatiza os cretenses como glutões, indolentes e ávidos por sexo. Os cretenses, pois, são falsos, egoístas e amantes dos prazeres. Ora, alguns escritores consideram que a ação de Paulo ao citar esse veredicto devastador com respeito ao caráter dos cretenses mostra uma singular falta de tato, uma “nódoa” no bom nome de toda uma população. Entretanto, o caráter dos cretenses se exibe tão claramente, que a confirmação do severo juízo vem de todas as direções e não se limita a um só século. O leitor pode ver isso por si mesmo. Além do substantivo “cretismo” = mentira, e do verbo “cretensear” = enganar, dizer mentiras, temos os seguintes (as datas são aproximadas):

Políbio, historiador grego (203-120 a. C.): “Com efeito, o amor ao lucro desonesto e à cobiça predomina a tal ponto, que de todos os homens, os cretenses são os únicos em cuja estima não haver lucro é sempre um a desgraça” (The Histories VI. 46).

Cícero, orador romano, estadista e filósofo (106-43 a.C.): “De fato, os princípios morais [dos homens] são tão divergentes, que os cretenses… consideram os assaltos em estradas (ou “banditismo”) como algo honrado” (República III. ix. 15).

Lívio, historiador romano (59 a.C. – 17 d.C.): “Os cretenses seguiram [a Perseu] na esperança de receber dinheiro” (XLIV.xlvi).

Plutarco, ensaísta e biógrafo grego (46-120 d.C.): “De seus soldados, [somente] os cretenses o seguiram, não por serem favoravelmente dispostos [para com] ele, mas porque eram tão devotados às suas riquezas como são as abelhas às suas colmeias. Porque ele levava abundantes tesouros, e entregara para que se distribuíssem entre os cretenses taças e vasilhas e outros utensílios de ouro e prata, avaliados em cinquenta talentos” (Aemilius Paulus XXIII. 4). Werner Keller, The Bible as History, Nova York, 1956, pp. 172, 173, afirma que os antigos cretenses eram “bebedores poderosos” e apresenta uma interessante evidência arqueológica, o fato de que foram encontradas grandes quantidades de taças para vinho e cerveja, estas providas de filtros, nas colônias filistéias que, segundo as Escrituras (Am 9.7), vieram de Caftor, ou seja, Creta.

 

13 e 14. Não surpreende, pois, que Paulo tenha dito: Este testemunho é verdadeiro. As ações dos cretenses demonstravam tão claramente o caráter de falsidade e cobiça, que Paulo não pôde fazer outra coisa senão confirmar o juízo expresso no hexâmetro de Epimênedes.

Portanto, reprove-os severamente para que sejam sadios na fé. Os errados e os que lhes derem ouvidos devem ser reprovados (cf. 2 Tm 4.2) severamente (cf. 2Co 13.10), decisivamente, e isto não só pelos presbíteros (ver sobre v. 9 acima), mas também por Tito pessoalmente, a fim de que sejam (isto é, venham a ser) o que presentemente não são, isto é, íntegros (cf. 1 Tm 1.10) em sua posição com respeito à verdade como revelada em CRISTO.

Paulo prossegue: em vez de devotar-se aos mitos judaicos e a mandamentos de homens que voltaram as costas para a verdade. Para escapar do impacto da lei de DEUS, os amantes do erro se devotavam (ver sobre 1 Tm 1.4) aos “mitos judaicos”, isto é, a histórias fantasiosas sobre seus ancestrais; e a “mandamentos de homens”, isto é, a mandamentos formulados pelo homem. Estes, provavelmente, eram em grande parte também de caráter judaico. Na medida que podiam, diziam que tinham por base a lei de DEUS. Não obstante, na verdade obscureciam a real intenção e significado da lei. Cf. Mateus 5.43; 15.3, 6, 9; Marcos 7.1-23; Lucas 6.1 -11; e ver C.N.T. sobre João 5.1-18.

Por conseguinte, os enganadores cretenses se entretinham com anedotas talmúdicas e decisões meticulosas de caráter legal para as quais se mantinha a pretensão de tê-las extraído da lei. Os mandamentos que eles elogiavam e tentavam pôr em vigor sobre os demais, na verdade eram mandamentos de “homens que voltaram suas costas para a verdade”. Por tais homens estão implícitos os juDEUS, particularmente os rabinos e escribas judaicos. A situação, pois, era a seguinte:

Os crentes firmes da ilha de Creta se relacionavam diretamente com membros da igreja que não eram tão firmes, porém estavam dispostos a dar ouvido a enganadores judaizantes de retórica altissonante, matizada com gnosticismo. Esses falsos mestres, por sua vez, estavam sob a influência de homens que estavam completamente fora da igreja, por exemplo, os juDEUS que faziam propaganda farisaica e que rejeitavam simplesmente a CRISTO, dando as costas para a verdade redentora de DEUS revelada em seu Filho.

William Hendriksen, 1 Timóteo, 2 Timóteo e Tito, São Paulo: Cultura Cristã, 2001, p. 191-6 (Comentário do Novo Testamento).

 

A EPÍSTOLA A TITO – O testamento de Paulo à igreja – Hernandes Dias Lopes – Comentários Expositivos Hagnos

A supremacia da Palavra no ministério apostól1 Co (Tt 1.1-4)

A saudação apostólica (1.4)

Depois de se apresentar e mostrar suas credenciais, bem como o propósito de seu apostolado, Paulo menciona o destinatário de sua carta.

Em primeiro lugar, a identificação do destinatário (1.4). Dois fatos são dignos de nota acerca de Tito.

Ele era filho espiritual de Paulo (1.4). Paulo está se dirigindo a um filho espiritual. Trata-se de alguém que veio a CRISTO por intermédio do ministério de Paulo. William Hendriksen diz que a palavra “filho” é muito feliz porque combina duas ideias: “eu te gerei” e “tu és mui amado para mim”. Matthew Henry diz que Tito era filho de Paulo não por geração natural, mas por regeneração sobrenatural.

Tito era comprometido com o mesmo evangelho que Paulo pregava (1.4). Paulo era um judeu, e Tito, um gentio. Os dois, porém, abraçaram a mesma fé. A fé comum é a fé que está em todo cristão. A fé aqui é objetiva e não subjetiva. É o próprio conteúdo do Evangelho.

Warren Wiersbe está correto ao esclarecer que cristãos de diferentes denominações podem ter características distintas, mas todos os que possuem a mesma fé salvadora compartilham “[•••] da nossa comum salvação” (Jd 3). Há um corpo definido de verdades confiado à Igreja, a “[…] fé que uma vez por todas foi entregue aos SANTOs” (Jd 3). Qualquer ensinamento, portanto, que se desvie da “fé comum” é falso e não deve ser tolerado na congregação.

Em segundo lugar, as bênçãos rogadas ao destinatário (1.4). Paulo roga a DEUS a bênção da graça e da paz para Tito. A graça é a fonte e a paz é fluxo que corre dessa fonte. A graça é a raiz e a paz é o fruto. William Hendriksen diz que a graça é o favor operado por DEUS no coração de seu filho sem que ele tenha mérito algum. E seu CRISTOcêntr1 Co amor perdoador e fortalecedor. A paz é a consciência do filho de haver sido reconciliado com DEUS por meio de CRISTO. Graça é a fonte, e paz é a corrente que flui dessa fonte (Rm 5.1). Em terceiro lugar, a fonte das bênçãos rogadas (1.4). Tanto a graça quanto a paz provêm de DEUS Pai e de CRISTO JESUS, nosso Salvador. Tanto o Pai quanto o Filho são a origem e a fonte dessas bênçãos. A graça e a paz têm sua origem em DEUS, o Pai, e são obtidas para o crente pelos méritos de CRISTO JESUS. Eles dois, o Pai e o Filho, são a fonte única da graça e da paz.

Como distinguir os pastores dos lobos (Tt 1.5-16)

A carta de Paulo a Tito expõe de maneira eloquente o binômio: ortodoxia e piedade; teologia e ética; doutrina e dever.

No capítulo, 1 Paulo aborda esse binômio em relação à igreja; no capítulo 2, em relação à família; e, no capítulo 3, em relação ao mundo.

Paulo deixou Tito em Creta para colocar em ordem as coisas restantes nas igrejas e constituir nessas igrejas presbíteros (1.5). A palavra grega epidiorthose significa colocar em linha reta, colocar em ordem, endireitar. Warren Wiersbe escreve que esse é um termo méd1 Co e se refere a endireitar um membro torto.

A palavra para “restantes” significa o que está faltando. O texto da carta indica que havia graves faltas na vida individual e conjunta das igrejas de Creta, como:

1) falta de liderança espiritual (1.5); 2) falsos mestres (1.10,11); 3) conduta imoral entre os membros da família de DEUS, tanto jovens quanto velhos (Tt 2.1-10).

A ilha de Creta era uma região altamente marcada pela devassidão moral e pela disseminação de muitas heresias. As igrejas, ainda incipientes, corriam sérios riscos de ser atacadas por esses dois perigos mortais. Somente sob uma liderança bíblica e moralmente sadia a igreja poderia resistir a esse cerco ameaçador. A maneira mais adequada de combater o erro é espalhar a verdade. Você apaga o fogo falso com o fogo verdadeiro. A forma mais eficaz de combater os falsos mestres é multiplicar os verdadeiros mestres.

John Stott lembra que os versículos 6 a 16 apresentam um forte contraste entre os verdadeiros presbíteros que Tito designaria (1.6-9) e os falsos mestres que os presbíteros teriam de silenciar (1.10-16).

É importante ressaltar aqui quatro verdades, à guisa de introdução.

Em primeiro lugar, a liderança da igreja deve ser composta de um colegiado. Paulo determina a Tito que constitua presbíteros em cada igreja. A liderança da igreja local deve ser composta por uma equipe e um colegiado de presbíteros, e não por um líder autocrát1 Co. Assim como a igreja de Jerusalém tinha uma pluralidade de presbíteros (At 11.30); Paulo também constituiu presbíteros nas igrejas (At 14.23). Essa mesma prática deveria ser repetida em todas as igrejas da ilha de Creta (1.5).

Em segundo lugar, a liderança da igreja não é hierárquica. Paulo usa os termos presbítero (1.5) e bispo (1.7) para se referir à mesma pessoa. O bispo não é um ofício superior ao presbítero. Os dois termos, presbítero e bispo, são usados para descrever o mesmo líder (At 20.17,28). Assim, o presbítero e o bispo são termos correlatos e devem destacar características distintas do mesmo líder. O termo presbítero refere-se à maturidade e experiência do líder, enquanto o termo bispo diz respeito à sua responsabilidade e função de supervisão pastoral.

O modelo bíbl1 Co é de vários bispos em uma igreja, em vez de um bispo supervisionando várias igrejas.

Em terceiro lugar, a liderança da igreja deve ser constituída conforme prescrição bíblica. Paulo dá orientações claras e absolutamente precisas acerca dos atributos que um presbítero deve ter (1.6-9). As características do presbítero mencionadas pelo apóstolo têm mais a ver com sua vida do que com o seu desempenho. A vida do líder é a vida da sua liderança. A vida precede o ministério e é sua base.

Warren Wiersbe adverte que o fato de esses critérios se aplicarem aos cristãos da ilha de Creta, bem como àqueles da cidade de Éfeso (1 Tm 3.1-7), comprova que o padrão de DEUS para os líderes não varia. Tanto as igrejas das cidades grandes quanto aquelas das cidades pequenas precisam de pessoas piedosas nos cargos de liderança. Outra coisa importante é que o presbiterato pode ser legitimamente desejado (1 Tm 3.1), mas só o ESPÍRITO pode constituir alguém como bispo sobre a igreja (At 20.28).

Em quarto lugar, a principal função da liderança da igreja é alimentar o rebanho com a Palavra. Paulo diz que o bispo é um despenseiro de DEUS (1.7), ou seja, o que fornece o alimento na casa (1 Co 4.1,2). Sua função precípua não é cuidar da administração das mesas, mas cuidar da administração da Palavra.

Há duas diaconias fundamentais na igreja: a diaconia das mesas e a diaconia da Palavra. Cabe ao presbítero dedicar-se à diaconia da Palavra. Isso porque o presbítero é também pastor do rebanho (At 20.28), aquele que cuida das ovelhas e as conduz aos pastos verdejantes. John Stott diz que essas são metáforas que bem caracterizam o ministério da Palavra de DEUS, que abrange tanto o ensino da verdade quanto a ação de refutar o erro (1.9).

 

Os atributos dos presbíteros, os pastores que apascentam o rebanho (Tt 1.6-9)

O Novo Testamento detalha com grande precisão as funções do presbítero:

1) o presbítero deve pastorear a igreja do Senhor (Atos 20.28; 1 Tm 3.5; 1 Pe 5.2);

2) o presbítero deve proteger a igreja tanto dos ataques externos quanto dos internos (Atos 20.29-31);

3) o presbítero deve dirigir e governar a igreja, servindo-lhe de exemplo (1 Ts 5.12; 1 Tm 5.17; Hb 13.7,17; l Pe 5.3);

4) o presbítero deve pregar a Palavra, ensinar a sã doutrina e refutar aqueles que a contradizem (l Tm 5.17; Tt 1.9-11);

5) o presbítero deve orientar a igreja nas questões doutrinárias e éticas (Atos 15.5,6; 16.4);

6) o presbítero deve viver de tal forma que sua vida seja um exemplo para todo o rebanho (Hb 13.7; 1 Pe 5.3);

7) o presbítero deve corrigir com ESPÍRITO de brandura aqueles que são surpreendidos em alguma falta (G1 6.1);

8) o presbítero deve velar pela alma daqueles que lhes são confiados, sabendo que prestará contas desse pastoreio ao Supremo Pastor (Hb 13.17);

9) o presbítero deve exercer o ministério da oração, especialmente em relação aos crentes enfermos (Tg 5.14,15);

10) o presbítero deve estar engajado no cuidado dos crentes pobres (At 11.30).

O retrato que Paulo traça do presbítero é emoldurado pela irrepreensibilidade. O presbítero (1.6) ou bispo (1.7) deve ser irrepreensível. John Stott corretamente diz que isso não quer dizer que os candidatos teriam de ser totalmente isentos de falhas e defeitos, pois nesse caso todos seriam desqualificados.

A palavra empregada é anenkletos, “sem culpa, não passível de acusação” e não anômos, que significa “sem mácula”. O presbítero não pode deixar flancos abertos na sua vida nem ter brechas no seu escudo moral. Seu ofício é públ1 Co e sua reputação pública precisa ser inquestionável. O presbítero deve ser um homem de reputação ilibada, sem mancha. O presbítero precisa ter doutrina pura e vida pura.

 

O presbítero precisa ser irrepreensível em três áreas distintas.

Em primeiro lugar, o presbítero precisa ser irrepreensível como líder de sua família (1.6). O presbítero precisa ser irrepreensível em dois pontos vitais dentro de sua família:

Ele deve ser irrepreensível como marido (1.6). O presbítero precisa ser um homem íntegro em sua conduta conjugal. Ele precisa ser um marido fiel à sua esposa. Ele não pode ser um homem adúltero, mantendo relacionamentos extraconjugais; nem polígamo, casando-se com várias mulheres. A poligamia era tão comum entre os juDEUS, que o perverso costume quase se havia convertido em lei. Essa cultura estava em desacordo com o padrão divino para a liderança da igreja.

O que significa o termo “marido de uma só mulher?” Obviamente, Paulo não excluiu do presbiterato o homem solteiro ou o viúvo que se casou novamente. Antes, ele está instruindo a igreja que os polígamos e os que se divorciam e se casam novamente, por razões não amparadas nas Escrituras, estão desqualificados para esse ofício (Mt 19.9; 1 Co 7.15).

Ele deve ser irrepreensível como pai (1.6). O presbítero precisa ser o sacerdote do seu lar, o líder espiritual da sua família. Deve criar seus filhos na disciplina e admoestação do Senhor. Precisa orar com seus filhos e por seus filhos. Concordo com William MacDonald quando diz que, embora um pai não possa determinar a salvação de seus filhos, pode preparar o caminho do Senhor por intermédio da positiva instrução da Palavra, da amorosa disciplina, evitando toda forma de hipocrisia e a inconsistência da própria vida (Pv 22.6). Se o presbítero não sabe governar a própria casa, como poderá governar a igreja de DEUS, pergunta o apóstolo Paulo (1 Tm 3.4,5).

John Stott diz que os pais que não tiveram sucesso na condução dos próprios filhos não são merecedores de confiança quanto a conduzir a família de DEUS. Entretanto, Hans Burki diz que, quando os filhos em uma casa são obedientes e crentes, pode-se concluir que o pai também é apto para presidir a família eclesial. Concluímos, portanto, que os filhos dos presbíteros devem ser cristãos. Eles devem ser não apenas salvos, mas também bons exemplos de obediência e dedicação. Obviamente isso se aplica aos filhos que vivem com a família sob a autoridade do pai.

Paulo continua em seu argumento, dizendo que os filhos dos presbíteros não podem ser dissolutos nem insubordinados. A palavra grega asotia, “dissoluto”, significa dissolução ou libertinagem. Trata-se da pessoa incapaz de guardar dinheiro, alguém que desperdiça seus bens, especialmente com a implicação de fazê-lo em prazeres, arruinando, desse modo, a si mesmo com uma vida luxuriosa e extravagante. O homem asotos é o gastador extravagante que se entrega aos prazeres pessoais. É a palavra utilizada em Lucas 15.13 para referir-se à vida desenfreada do filho pródigo. O homem que é asotos destrói sua riqueza e finalmente arruína-se a si mesmo.

Os filhos dos presbíteros, de igual forma, não podem ser insubordinados, ou seja, precisam acatar e obedecer à autoridade dos pais. Hans Burki diz que a convivência em família era de significado essencial para a expansão e o aprofundamento da fé, uma vez que as igrejas ainda eram quase exclusivamente comunidades domiciliares, e porque o entorno muitas vezes hostil observava com atenção máxima o que acontecia nesses lares.

 

Em segundo lugar, o presbítero precisa ser irrepreensível como despenseiro de DEUS (1.7,8). Paulo, ao elencar as marcas de um presbítero, aborda o assunto sob duas perspectivas. Ele trata do assunto negativamente, o que um presbítero não deve ser e, positivamente, o que um presbítero deve ser.

Primeiro, o presbítero deve ser conhecido pelo que ele não é Tt 1.7. Antes de falar das virtudes do presbítero, Paulo fala dos defeitos que ele não deve ter. Paulo apresenta cinco termos negativos, que se relacionam com cinco áreas de grande tentação, ou seja: arrogância, temperamento irascível, não dado ao vinho, violento e ganancioso. Vejamos cada uma dessas descrições.

O presbítero não deve ser arrogante. A palavra grega authades, “soberbo, arrogante”, significa literalmente satisfazer a si mesmo. Trata-se da pessoa que exalta a si mesma, que só se preocupa consigo mesma e olha para os outros com discriminação e desprezo. É aquela pessoa que obstinadamente mantém a própria opinião, ou assevera os próprios direitos e não considera os direitos, sentimentos e interesses de outras pessoas. Gene Getz diz que o homem arrogante é um homem egocentrista. Ele constitui a própria autoridade. William Barclay descreve ainda o arrogante com as seguintes palavras:

É uma pessoa intolerante, que condena tudo o que não pode compreender; que pensa que não há outra forma de fazer as coisas que não seja a sua, que crê que não existe outro caminho para o céu que não seja o seu, que menospreza os sentimentos e as crenças dos demais.

O presbítero não deve ser irascível. A Bíblia não classifica toda ira como pecado (Ef 4.26); o que ela condena é o homem genioso, esquentado, de estopim curto, que, além de irar-se com facilidade, também fica remoendo por longo tempo a sua ira. Na língua grega há duas palavras para descrever esse ESPÍRITO irascível. A palavra thumos é aquela ira que surge rapidamente e também com a mesma rapidez vai embora. É a ira “fogo de palha”. A segunda palavra é orge, que significa uma ira crônica, que se agasalha e se aninha no peito e não cessa de arder.

Um homem que nutre mágoas e ressentimentos em seu coração definitivamente não está preparado para exercer o presbiterato. A palavra grega orgilos significa “colér1 Co, apimentado”. Hans Burki diz que um valentão colér1 Co ou apimentado em pouco tempo se torna solitário, alguém que tem apenas seguidores submissos, mas não irmãos corresponsáveis.

O presbítero não deve ser dado ao vinho. Todos presbíteros devem ser totalmente abstêmios (vinho alcoól1 Co) e são chamados à temperança e à moderação. A palavra grega paroinos significa literalmente ser indulgente com o vinho. A palavra descreve o caráter do homem que, ainda em seus momentos sóbrios, atua com falta de autocontrole como se estivesse bêbado.

Gene Getz nessa mesma linha de pensamento esclarece que paroinos descreve um homem que se assenta muito tempo junto ao seu vinho. Em outras palavras, ele bebe demais e, por conseguinte, fica escravizado pelo vinho e perde o controle dos seus sentidos. A bíblia ensina a abstinência total do vinho embriagante, o Antigo e o Novo Testamento se colocam claramente contra a bebedeira (Pv 23.19-21,29-35; 1 Pe 4.2,3).

O apóstolo Paulo é claro quando escreve aos efésios: “E não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas enchei-vos do ESPÍRITO” (Ef 5.18). Concordo com William MacDonald quando fala que a Bíblia distingue entre o uso do vinho e seu abuso. Seu uso moderado (vinho suco) era uma prática permitida quando JESUS transformou a água em vinho no casamento em Caná da Galileia (Jo 2.1-11). Seu uso com propósitos medicinais (vinho suco) foi prescrito por Paulo a Timóteo (1 Tm 5.23).

Porém, o abuso do vinho é condenado nas Escrituras (Pv 20.1; 23.29-35; Ef 5.18). Há uma situação em que Paulo recomenda a abstinência, ou seja, quando o beber vinho se torna motivo de escândalo para o irmão fraco (Rm 14.21). Talvez seja por essa razão que muitos crentes contemporâneos optaram pela abstinência do vinho até mesmo não sendo alcoólico.

O presbítero não deve ser violento.  A palavra grega plektes significa literalmente “golpeador”. Trata de violência tanto verbal quanto física. O plektes é o homem que ameaça e intimida seu semelhante. Aquele, porém, que abandona o amor e recorre à violência em palavras e ações não está preparado para exercer o presbiterato. A Bíblia faz referência a homens que tiveram ímpetos de violência, como Caim, que matou Abel; Moisés, que matou o egípcio; e Pedro, que decepou a orelha de Malco. Essas atitudes são inadequadas na vida de um presbítero. Aquele que governa os outros precisa governar primeiro suas emoções, ações e reações.

O presbítero não deve ser cobiçoso de torpe ganância. A palavra grega aischorokerdes descreve a pessoa que não se preocupa com os meios que utiliza para ganhar dinheiro, conquanto que o faça. Os cretenses eram conhecidos como indivíduos inveteradamente gananciosos. Plutarco, referindo-se a eles, disse que se apegavam ao dinheiro como as abelhas ao mel. Enquanto os falsos mestres ensinam o que não devem por torpe ganância (1.11), os presbíteros precisam ser homens despojados dessa torpe ganância (1.7).

Segundo, o presbítero deve ser conhecido pelo que ele é e faz Tt 1.7. Depois de ter falado dos pecados que o presbítero não deve cometer, Paulo alista uma série de virtudes que devem formar o seu caráter como despenseiro de DEUS. William Barclay diz que essas virtudes se agrupam em três seções: as qualidades que o presbítero deve demonstrar ante as outras pessoas, em relação a si mesmo e em relação à igreja.

Vejamos as qualidades que o presbítero deve mostrar diante de outras pessoas.

O presbítero deve ser hospitaleiro. A palavra grega philoxenos significa: “amigo das pessoas estrangeiras”. No mundo antigo havia muitas pessoas que viajavam, e as pousadas e estalagens eram caras, sujas e imorais. A hospitalidade era e é uma marca dos filhos de DEUS. O presbítero precisa ter o coração, o bolso e a casa abertos não apenas para os irmãos, mas também para os estrangeiros.

A hospitalidade é um distintivo do povo de DEUS desde a antiga dispensação (Lv 19.33,34). Na nova dispensação essa virtude foi destacada repetidas vezes: “Seja constante o amor fraternal. Não negligencieis a hospitalidade” (Hb 13.1,2).

O apóstolo Pedro escreveu: “Sede, mutuamente, hospitaleiros, sem murmuração” (l Pe 4.9). Muitos, sem saber, hospedaram anjos. Não apenas nós devemos estar a serviço do Reino de DEUS, mas também a nossa casa.

O presbítero deve ser amigo do bem. A palavra grega hilagathos significa amante ou amigo do bem, das coisas boas ou das pessoas boas. O presbítero precisa ser um homem amante das boas ações. Precisa ver o que existe de melhor nas pessoas. Ele não tem prazer mórbido de falar mal dos outros, mas tem grande deleite em dizer o bem das pessoas. Ele não apenas chora com os que choram, mas também se alegra com os que se alegram.

Vejamos, agora, as qualidades que o presbítero deve ter cm relação a si mesmo.

O presbítero deve ser sóbrio. A palavra grega sophron descreve o homem que tem domínio completo sobre suas paixões e desejos, o que o impede de ir além do que a lei e a razão lhe permitem e aprovam. Essa virtude era considerada pelos gregos a pedra fundamental da virtude. Carl Spain diz que essa palavra traz a ideia de uma espécie de sabedoria prática que se reflete na aplicação da ética cristã ávida diária com outros.

O presbítero deve ser justo. A palavra grega dikaios descreve o homem que concede a DEUS e aos homens o que lhes é devido. O presbítero é um homem que não usa dois pesos e duas medidas. Ele não faz acepção de pessoas nem tolera preconceitos. Ele é justo no falar e no agir.

O presbítero deve ser piedoso. A palavra grega hosios descreve o homem que reverencia a decência fundamental da vida, as coisas que vão além de qualquer lei ou norma feita pelo homem. DEUS não usa grandes talentos, mas homens piedosos. Nós somos o método de DEUS. Nós estamos à procura de melhores métodos, e DEUS está à procura de melhores homens. DEUS não unge métodos, unge homens piedosos.

O presbítero deve ter domínio próprio. A palavra grega egkrates significa “dono de si mesmo”. Descreve a pessoa que tem completo autocontrole. Ninguém está apto para liderar os outros se não tem domínio de si mesmo. Aquele que domina a si mesmo é mais forte do que aquele que domina uma cidade.

Finalmente, vejamos a relação do presbítero com a igreja. Essa relação se evidencia no seu ministério de ensino da Palavra. Esse ponto será esclarecido no tóp1 Co seguinte.

Em terceiro lugar, o presbítero precisa ser irrepreensível como mestre da Palavra (1.9). O presbítero precisa ser um homem íntegro na sua relação com a família, com o próximo e com as Escrituras. Deve ser um obreiro aprovado e manejar bem a Palavra da verdade. Paulo menciona aqui três coisas importantes:

O presbítero precisa demonstrar fidelidade doutrinária.

O presbítero precisa ser “[…] apegado à palavra fiel, que é segundo a doutrina…” (1.9).

O presbítero não pode ser um neófito (l Tm 3.6); deve ser um mestre na Palavra. Ele precisa ser um estudioso das Escrituras. Ele precisa afadigar-se na Palavra (l Tm 5.17). Paulo diz que os presbíteros têm dois ministérios com respeito à Palavra de DEUS:

1) edificar a igreja pela sã doutrina;

2) rejeitar os falsos mestres que espalham doutrinas perniciosas.

 

O presbítero precisa demonstrar capacidade para o ensino. Paulo prossegue: “[…] de modo que tenha poder […] para exortar pelo reto ensino…” (1.9). O poder para exortar não vem da força, das técnicas da psicologia nem mesmo do ofício que o presbítero ocupa, mas do conhecimento da verdade para aplicar corretamente as Escrituras. A exortação não é fruto de capricho ou opinião pessoal do presbítero, mas do reto ensino das Escrituras. Sua exortação está fundamentada no reto ensino da verdade.

O presbítero precisa demonstrar habilidade na apologética. Paulo diz que o presbítero precisa ter “[…] poder […] para convencer os que o contradizem” (1.9). Somente um indivíduo que tem destreza na verdade pode confrontar os falsos mestres, combater os falsos ensinos e convencer aqueles que contradizem a Palavra de DEUS.

John Stott está correto quando diz que refutar não é apenas contradizer os oponentes, mas vencê-los pela argumentação. O presbítero precisa ser um estudioso das Escrituras para distinguir o falso do verdadeiro e o precioso do vil.

As características dos falsos mestres, os lobos que devoram o rebanho (1.10-16). Depois de falar dos atributos dos verdadeiros mestres, Paulo passa a descrever as características dos falsos mestres. John Stott, comentando esse texto, pontua quatro características desses falsos mestres. Vamos aqui considerá-las.

Em primeiro lugar, a identidade dos falsos mestres (1.10). Havia muitos falsos mestres, especialmente os da circuncisão, ou seja, os judaizantes. Paulo menciona duas facetas desses falsos mestres.

Eles eram insubordinados (1.10). Os falsos mestres eram rebeldes e falastrões. Enquanto os presbíteros se colocavam debaixo da autoridade das Escrituras, eles se insurgiam contra ela e faziam isso com palavras insolentes e vazias. Essa palavra era usada para descrever soldados infiéis que se negavam a obedecer às ordens de seus comandantes. Os falsos mestres de igual forma se negavam a obedecer à sã doutrina e à liderança constituída da igreja.

Eles eram enganadores (1.10). A vida deles era errada e a doutrina deles era falsa. Sua palavra não apenas deixava de edificar; ela de fato levava ao erro. Em vez de levar os homens à verdade, esses falsos mestres os faziam afastar-se dela. Em vez de firmar as pessoas na fé, os desviavam dela. Os judaizantes negavam a eficácia do sacrifício de CRISTO na cruz e a suficiência da graça para a salvação e exigiam a necessidade da observância de ritos juda1 Cos para a pessoa ser salva.

Em segundo lugar, a influência dos falsos mestres (1.11). Três fatos devem ser aqui destacados:

Eles eram proselitistas quanto ao ensino (1.11). Esses falsos mestres eram itinerantes que saíam de casa em casa espalhando o veneno letal de sua falsa doutrina, tentando enredar os novos convertidos com seu falacioso e enganoso ensino. O ensino desses falsos mestres era fundamentalmente transtornador em vez de ser transformador. Eles não buscavam os pagãos nem queriam fazer discípulos entre os que viviam perdidos na mais tosca imoralidade, mas iam atrás daqueles que haviam abraçado a fé crista para desviá-los da sã doutrina. Ainda hoje as seitas heréticas seguem a mesma trilha.

Eles eram corruptores quanto à moral (1.11). Pervertiam casas inteiras. Sua influência era corruptora. Eles tinham má influência sobre a vida familiar. Como naquele tempo as igrejas se reuniam nas casas, eles pervertiam não apenas famílias inteiras, mas solapavam as igrejas com seu veneno mortífero. A doutrina deles produzia perversão, e não santidade; escravidão, e não liberdade; morte, e não vida.

Eles eram gananciosos quanto à motivação (1.11). Andavam de casa em casa, ensinando suas heresias, interessados não na vida espiritual das pessoas, mas no seu dinheiro. Esses falsos mestres não ministravam à igreja; usavam a religião para encher o próprio bolso. O vetor desses falsos mestres era o dinheiro e o lucro. Os falsos mestres não eram movidos pelo desejo de servir a DEUS ou ao próximo. Eles buscavam avidamente os “lucros sórdidos”. Não eram pastores do rebanho, mas lobos que procuravam devorar as ovelhas.

A ordem de Paulo é que esses falsos mestres precisavam ser silenciados“ É preciso fazê-los calar…” (1.11). Esse era um termo extremamente forte, cujo sentido refere-se a um tipo de mordaça usada para manter fechada a boca de cães ferozes.

Corroborando com essa ideia, Kelly afirma que o verbo grego epistomazein significa colocar uma mordaça, e não simplesmente um freio, na boca de um animal. Um bom presbítero (pastor) deve estar alerta para não permitir mediante seu silêncio que as doutrinas enganosas e prejudiciais avancem gradualmente, nem que os homens perversos tenham oportunidade de propagá-las.

 

Em terceiro lugar, o caráter dos falsos mestres (1.12,13). Paulo, citando Epimênides de Cnosso, um poeta, mestre religioso e taumaturgo cretense do século 6 a. C., traça um perfil dos falsos mestres e dos cretenses em geral, falando sobre três características de seu pervertido caráter.

Eles eram mentirosos (1.12). Não apenas estavam desprovidos da verdade, mas eram embaixadores da mentira. Esse conceito predominava tanto que o verbo “cretizar” era uma palavra da gíria para “mentir” ou “enganar”. Como o diabo é o pai da mentira, esses falsos mestres estavam a serviço do diabo, e Não a serviço de DEUS. Eles eram embaixadores do engano, e Não da verdade. Eles eram agentes da morte, e não promotores da vida.

Eles eram violentos (1.12). Os cretenses não eram apenas mentirosos, mas também violentos. Eram “feras terríveis”. Eram truculentos em palavras e atitudes.

Eles eram glutões preguiçosos (1.12). Os cretenses não eram dados ao trabalho. Eram glutões e preguiçosos. Viviam para o prazer imediato. Eram hedonistas inveterados. William MacDonald diz que os cretenses eram alérg1 Cos ao trabalho e viciados em glutonaria.

Em quarto lugar, os erros dos falsos mestres (1.14-16). Paulo menciona três erros graves que caracterizavam os falsos mestres.

Eles eram legalistas quanto à teologia (1.13b, 14). Davam muita importância aos mandamentos, regras e preceitos fabricados por homens em vez de serem fiéis à Palavra de DEUS. Kelly diz que é razoavelmente certo que o que Paulo tem em mente são exigências judeu-ascéticas (proibição do casamento e o repúdio a certos alimentos) tais quais estão subentendidos em 1 Timóteo 4.3-6.

O profeta Isaías havia alertado para esse pecado (Is 29.13). JESUS também denunciou esse mesmo erro nos fariseus, dizendo que “[…] não é o que entra pela boca o que contamina o homem, mas o que sai da boca, isto, sim, contamina o homem” (Mt 15.11; Mc 7.15). Assim, esses falsos mestres adoravam a DEUS em vão, ensinando doutrinas que são preceitos de homens (Mc 7.7,8).

Paulo, igualmente, pontuou esse mesmo pecado em sua carta aos Colossenses (Cl 2.22) e aos romanos (Rm 14.20). Os falsos mestres criavam longas listas de pecados. Era pecado tocar isto ou aquilo; era pecado comer esta ou aquela comida. As coisas que eram boas em si mesmas eles as transformavam em coisas contaminadas e impuras.

Eles eram corrompidos quanto ao julgamento (1.15). William MacDonald diz que, se nós pegarmos as palavras “para os puros todas as coisas são puras” fora do contexto, como uma verdade absoluta em todas as áreas da vida, estaremos encrencados. Todas as coisas não são essencialmente puras, mesmo para aqueles que têm a mente pura.

Muitas pessoas têm inescrupulosamente usado esse texto para justificar comportamentos reprováveis, vendo, ouvindo e manuseando coisas vergonhosas. Essas pessoas deturpam as Escrituras para a própria ruína (2 Pe 3.16).

Nessa mesma linha de pensamento William Elendriksen orienta que a expressão “todas as coisas” deve ser entendida no seu contexto, ou seja, tudo o que DEUS criou para ser consumido como alimento (1 Tm 4.3-5). Não é a coisa impura que faz o homem ser impuro, como equivocadamente sustentavam os juDEUS (Jo 18.28), mas são os homens impuros os que fazem com que todo o puro seja impuro (Ag 2.13).

Os falsos mestres davam mais valor à pureza aparente e ritual do que à pureza interior e moral. Eles proibiam o que DEUS aprovava. Porque viviam atolados na impureza, julgavam tudo como impuro. Refletiam a si mesmos em tudo o que viam. William Barclay está correto quando diz que, se alguém é puro em seu coração, todas as coisas são puras para ele. Se o coração é impuro, torna impuro tudo o que pensa, fala ou toca. A pessoa que tem a mente suja faz com que todas as coisas sejam sujas.

Concordo com a advertência de Warren Wiersbe de que o cristão que se entrega a práticas eróticas pecaminosas e diz que são puras porque seu coração é puro usa a Palavra de DEUS como desculpa para pecar. Pelo contexto, sabemos que Paulo aplica essa declaração aos alimentos e devemos ter cuidado para não generalizar.

Eles eram inconsistentes quanto ao testemunho (1.16). Visto que os hereges cretenses eram judaizantes, é possível que o apóstolo Paulo esteja criticando a pressuposição complacente de que eles eram uma elite com um conhecimento privilegiado de DEUS. Havia separação e dicotomia entre sua teologia e sua vida, entre a doutrina e o dever, entre a confissão e a prática. Seu conhecimento não produzia mudança no seu caráter. Diziam conhecer a DEUS, mas negavam a DEUS na sua conduta.

John Stott declara acertadamente que não podemos afirmar aquilo que negamos, nem negar o que afirmamos. Fazer isso é, no mínimo, a essência da hipocrisia, porque desse modo professamos DEUS com palavras e o negamos com nossos atos. Isso é um ritual desprovido de realidade; é ter aparência sem poder; declarações sem caráter; fé sem obras.

Paulo diz que o resultado dessa inconsistência é a abominação. A palavra grega bdeluktos, “abominável”, é utilizada particularmente para referir-se aos ídolos e às imagens pagas. Há algo de repulsivo na pessoa com uma mente hipócrita e obscena. Kelly diz que essa palavra denota o que causa horror e nojo a DEUS. Essas pessoas hipócritas são abomináveis para DEUS. São desobedientes e reprovadas para toda boa obra.

A palavra grega adokimos, “reprovado”, descreve uma moeda falsificada. É utilizada para descrever um soldado covarde que foge na hora da luta. E usada para descrever um indivíduo inútil e sem valor. É a palavra usada para descrever uma pedra defeituosa que os construtores rejeitavam.

Quando uma pessoa tem uma mente impura e uma vida inconsistente, sua vida não é útil para DEUS nem para o seu semelhante. Sua religião não passa de um embuste. John Stott está coberto de razão quando enfatiza: “A verdadeira religião é divina em sua origem, espiritual em sua essência e moral em seus efeitos”.

A mensagem precisa ser uma ponte entre o texto antigo e o leitor contemporâneo. Sendo assim, o que poderíamos aprender com o texto em tela? Destacamos dois pontos axiais.

A igreja não pode ficar na defensiva, mas precisa ser proativa. Diante da multiplicação dos falsos mestres e da disseminação de suas heresias nas igrejas, Paulo não ficou silencioso nem inerte, mas trabalhou no sentido de multiplicar os verdadeiros mestres, elegendo presbíteros sãos na fé e irrepreensíveis na conduta para ensinarem a verdade. Só podemos combater o erro com a verdade.

Só podemos neutralizar as trevas com a luz. Aqueles que andam no erro precisam ser convencidos pela verdade (1.9), precisam ser silenciados (1.11) e repreendidos severamente para que sejam sadios na fé” (1.13).

A igreja precisa velar pelas suas instituições de ensino. Não poderia expressar esse ponto melhor do que John Stott. Acompanhe suas palavras:

A principal instituição da igreja é o seminário ou faculdade teológica. Em cada país, a igreja reflete o que são seus seminários. Todos os futuros pastores e mestres da igreja passam pelo seminário. É ali que eles se formam ou “se estragam”, é ali que recebem toda a sua bagagem para a vida ministerial e são inspirados, ou são afetados negativamente. Portanto, importa que os seminários de todo o mundo se firmem na fé evangélica, tenham um nível acadêm1 Co excelente e se pautem pela piedade pessoal. Não há melhor estratégia do que essa para a reforma e a renovação da igreja.

A EPÍSTOLA A TITO – O testamento de Paulo à igreja – Hernandes Dias Lopes – Comentários Expositivos Hagnos

 

Comentários de – 1 Timóteo, 2 Timóteo e Tito – J. N. D. Kelly – Novo Testamento – Vida Nova – Série Cultura Cristã.

  1. Finalmente, depois da sua abertura pesada, porém profundamente significante, Paulo chega ao seu correspondente: A Tifo, verdadeiro filho, segundo a fé comum (“a fé que compartilhamos”). Para a expressão verdadeiro, i.é, legítimo, filho, ver sobre 1 Tm 1:2. Como naquela passagem, Paulo está relembrando que seu discípulo é um dos seus próprios convertidos (ver a Introdução, pág. 9), e está vendo a origem do seu relacionamento especial na fé que foi instrumental em implantar nele. Alguns preferem a tradução a fé comum, i.é, a fé em que compartilham todos os cristãos, e comparam o uso de “comum salvação” em Jd 3; mas assim seria destruída a nota íntima e pessoal que o presente contexto requer.

A saudação Graça e paz, em distinção de 1 Tm 1:2 e 2 Tm 1:2, conforma-se ao uso das Paulinas reconhecidas. Do outro lado, da parte de DEUS Pai e de CRISTO JESUS nosso Salvador é uma fórmula incomum. Esperamos “nosso Senhor” mas Paulo talvez se sente impulsionado a encaixar nosso Salvador de tal modo que equilibre a descrição de DEUS como “nosso Salvador” no v. 3. É relevante que suas duas únicas outras aplicações do título de “Salvador” a CRISTO nesta carta (2:13; 3:6) seguem de perto versículos em que designou DEUS pelo mesmo título.

 

ACERCA DOS OFICIAIS DA IGREJA

Paulo passa imediatamente a lembrar Tito da tarefa que deve realizar como seu representante em Creta. Essencialmente, é organizar as comunidades cristãs na ilha ao estabelecer ministros responsáveis e ao combater o falso ensino. Esta seção trata da primeira metade da sua tarefa, e pressupõe uma organização semelhante àquela que é prevista em 1 Timóteo, embora um pouco menos adiantada. Primeiramente, há a mesa de presbíteros, ou anciãos, que, como tais, conforme podemos conjeturar, não são ministros propriamente ditos, mas, sim, formam um Tribunal com Responsabilidade geral por cada comunidade. Normalmente iriam escolhidos; algum tipo de nomeação ou ordenação específica é subentendido. Ver sobre 1 Tm 5:17. Em segundo lugar, há oficiais executivos conhecidos como bispos ou superintendentes (em comunidades pequenas, poderia haver apenas um só) que cumpriam na prática os deveres ministeriais e pastorais necessários. Estes são selecionados das fileiras dos presbíteros, de modo que os dois títulos são virtualmente, embora não rigoro­samente, intercambiáveis. Para os superintendentes, ver a Introdução, págs. 20-23; também notas sobre 1 Tm 3:2; 5:17. A diferença principal de 1 Timóteo é que não há menção de diáconos nesta carta. Esta é evidência de uma etapa menos complexa, talvez menos avançada, de organização eclesiástica, vista que os diáconos eram os assistentes dos supervisores. Ver sobre 1 Tm 3:8.

  1. Por esta causa, Paulo começa, te deixei em Creta para que pusesses em ordem as coisas restantes. Não precisamos supor que esteja dando a Tito informações pela primeira vez, muito menos que esteja respondendo a um pedido para as tais. Como em 1 Timóteo, está recapitulando instruções já dadas de forma geral, parcialmente, sem dúvida, porque era útil tê-las registradas no preto sobre o branco, mas também para o benefício do rebanho de Tito, ao qual esperava que comunicasse a carta. O contexto subentende que o próprio Paulo já dirigiu uma missão em Creta; o verbo empregado (Gr.apoleipein) transmite a ideia de deixar para trás. Esta não pode ser identificada com a parada breve registrada em At 27, e, portanto, parece melhor datá-la depois do primeiro cativeiro romano (ver Introdução, págs. 14—17).

Embora o cristianismo tenha fincado pé em certo número de distritos, a igreja em Creta parece estar numa condição bastante desorganizada. Logo, entre as várias coisas que precisam de ser endireitadas, Paulo pede a Tito que constituísse presbíteros, conforme te prescrevi. Embora a existência dos presbíteros é pressuposta em 1 Timóteo, aqui estão sendo estabelecidos pela primeira vez. Para a prática de Paulo, cf. At 14:23.

Alguns, impressionados pelo fato de que Paulo em nenhum lugar menciona os presbíteros pelo nome nas suas cartas reconhecidas, preferem traduzir “nomear para os cargos pessoas de idade” sendo que o cargo é explicado no v. 7 como o de superintendente. Mas isto força muito desnecessariamente os vários contextos em que “presbítero” ocorre nas Pastorais, bem como força o Grego: ver sobre 1 Tm 5:17. Notamos que a responsabilidade total pela escolha dos presbíteros parece ter sido deixada com Tito, disposição esta que provavelmente fosse necessária pela imaturidade das comunidades cretenses. O “eu” (oculto em português) em conforme te prescrevi é enfático; a cláusula olha para o versículo seguinte e impressiona sobre Tito que seus presbíteros devem ser do tipo de homens que Paulo aprova.

  1. A lista de qualificações, positivas e negativas, assemelha-se de modo muito próximo àquela que é preceituada para os superintendentes em 1 Tm 3:2-7. Os presbíteros devem ser alguém que seja irrepreensível (o singular é usado no original, a construção sendo lit, “se alguém for irrepreensível. . .”). Ou seja: não devem oferecer qualquer lacuna para a crítica: ver sobre 1 Tm 3:2, 7. Além disto, devem ser marido de uma só mulher, expressão esta que provavelmente significa (ver sobre 1 Tm 3:2) “casado uma só vez” sendo aplicável a um homem que não se casou outra vez depois da morte da sua esposa ou depois do divórcio.

Os filhos, também, fornecem um teste útil da sua adequabilidade. Devem ser crentes, que compartilham da fé em CRISTO do seu pai, e na sua conduta diária não devem ser acusados de dissolução (Gr. asõtia: o advérbio cognato é usado em Lc 15:13 do “viver dissoluto” do filho pródigo), nem são insubordinados. Para a última qualidade, cf. 1 Tm 3: 4; ao homem que não pode criar seus filhos para serem bem comporta­ dos deve carecer a combinação de simpatia e firmeza exigida num presbítero.

  1. Paulo dá uma razão para estas qualificações, e acrescenta mais uma fileira deles —Porque é indispensável que o bispo seja irrepreensível como despenseiro (lit. “encarregado de uma casa ou família”) de DEUS. Por causa da introdução abrupta do “superintendente” (Gr. episkopos) no singular numa discussão acerca de presbíteros, e também porque Paulo parece estar recomeçando sua lista e estar usando matéria que reaparece em 1 Tm 3:2-7, vários autores colocam os w. 7-9 entre parênteses como uma interpolação. Pertencem a um período, argumentam eles, em que o episcopado monárquico, ou de um só homem, já se estabelecera. Os MSS, no entanto, não oferecem qualquer apoio a este ponto de vista, e a conexão dos versículos como o que antecede é confirmada pela repetição de irrepreensível que já aparece no v. 6. Sua afinidade com 1 Tm 3:2-7 é facilmente explicada se supormos que em ambas as passagens Paulo está tomando emprestada uma lista convencional de qualidades desejáveis em oficiais da igreja. O singular o bispo é provavelmente genérico: ver sobre 1 Tm 3:2. A mudança repentina de Paulo de presbíteros em geral para os superintendentes é bastante natural se, conforme é argumentado na Introdução págs. 20—23 e nas notas sobre 1 Tm 3:2; 5:17, estes últimos eram oficiais executivos escolhidos dentre as fileiras dos primeiros.

Uma congregação cristã, Paulo declara em 1 Tm 3:15, é “a casa de DEUS;”logo, um superintendente é o despenseiro de DEUS. A ênfase re­ cai em de DEUS; é porque representa a DEUS que deve ser irrepreensível. Cinco vícios que um superintendente deve evitar passam então a ser acrescentados. Não deve ser arrogante, i.é, obstinado ou voluntarioso, não irascível, visto que o trabalho pastoral requer paciência, não dado ao vinho, nem violento, (para estes vícios, ver sobre 1 Tm 3:3), nem cobiçoso de torpe ganância. Esta última falha (ver ibid.) era uma tentação especial para os ministros que tinham de manusear as ofertas da igreja e a assistência caridosa. A queixa de muitos comentaristas modernos que os padrões subentendidos nesta lista, como em 1 Tm 3:2-7, são por demais terrestres e prosaicos, revelam uma falta extraordinária de realismo. Paulo está colocando seu dedo nas tentações às quais os oficiais eclesiásticos decerto eram expostos, pela própria natureza das suas responsabilidades e trabalho, tanto na era apostólica quanto mais tarde.

  1. Para contrabalançar os cinco vícios, acrescenta sete virtudes que são ainda mais próximas daquelas que estão alistadas em 1 Tm 3:2 (ver as notas ali). O superintendente deve ser hospitaleiro, porque a responsabilidade de hospedar visitas em nome da comunidade recai sobre ele; amigo do bem (Gr. philagathos), adjetivo que conota a devoção a tudo aquilo que é melhor; sóbrio, em contraste com os traços desordeiros condenados no versículo anterior; justo, piedoso, i.é, exemplar nos relacionamentos tanto com seu próximo quanto com DEUS (cf. 1 Ts 2:10 para as mesmas duas qualidades justapostas); que tenha domínio de si, virtude esta que é louvada em G1 5:23 como sendo um dos frutos do ESPÍRITO.
  2. Finalmente, o ministro cristão deve ter o equipamento doutrinário certo de modo que tenha poder, assim para exortar pelo reto ensino como para convencer os que contradizem. É aqui, ha tarefa dupla de edificar os fiéis e de eliminar o erro, que, como um presbítero que também é um supervisor, enfrenta seu desafio principal. (Para reto ensino, ver a nota sobre 1 Tm 1:10). Se é que quer enfrentá-lo com sucesso, deve ser ele mesmo uma pessoa que é apegado à palavra fiel que é segundo a doutrina. Noutras palavras, deve ser dedicado de coração e alma à veracidade da mensagem apostólica, e, por implicação, convicto da veracidade dela – conforme se pode parafrasear a frase complexa literalmente traduzida nas nove palavras supra. Aquela mensagem é fiel, i.é, é digna de confiança, quando concorda com a doutrina, i.é, fielmente reflete “a forma de doutrina” Rm 6:17) que o próprio Apóstolo entregara. Há uma olhada crítica aqui no falso ensino que dentro em breve será denunciado. Pode também ser notado que o querigma primitivo já está começando a tomar forma como uma coletânea fixa nas ortodoxas (ver notas sobre 1 Tm 6:20; 2 Tm 1:13-14; 2:2).

 

OS FALSOS MESTRES 1:10-16

A menção de os que contradizem no v. 9 provoca Paulo a lançar um ataque contra estes mestres mal-orientados, aos quais acusa de se­ rem moralmente corruptos além de semearem erro e confusão entre os fiéis. Parece evidente que são cretenses de nascença, e embora seu en­ sino tenha pontos estreitos de contato com os mestres do erro em Éfeso (1 Tm 1:3-11; 6:3-10; 2 Tm 2:14-18), tem certos aspectos especificamente locais, e seu caráter judaico é ressaltado mais fortemente. A ação vigorosa é exigida de imediato, pois as congregações de Creta mal tiveram tempo de se estabelecer e já estão sendo subvertidas.

  1. Com porque existem muitos insubordinados, Paulo está dando a razão porque a nomeação de superintendentes com o caráter e o equipamento que ele mesmo estipulou é urgentemente necessário. Aqueles que são descritos no v. 9 como os que contradizem a doutrina apostólica são aparentemente por demais numerosos, e o adjetivo insubordinados vividamente retrata sua propensidade para desconsiderar as autoridades da igreja. Também são faladores frívolos (Gr. mataiologoi; para o subs. cognato, cf. 1 Tm 1:6), usando linguagem impressionante com pouco ou nenhum conteúdo sólido da verdade, e, como resultado, são enganadores que logram seus ouvintes crédulos.

Até aqui, a diatribe de Paulo é por demais generalizada para nos dar quaisquer informações concretas acerca da heresia deles, mas agora acrescenta que suas críticas severas se aplicam especialmente aos da circuncisão. Emprega esta expressão em Rm 4:12 para juDEUS, mas em G1 2:12 e Cl 4:11 (cf. também 10:45; 11:2) para cristãos juDEUS. Este último pode ser o significado aqui (cf. Moffatt: “os que vieram do judaísmo”). Podemos, portanto, inferir que, embora o grupo rebelde consistisse de cristãos tanto gentios quanto juDEUS, estes últimos formavam o elemento mais ativo. Há evidência (Josefo, Antiq. xvii. 327; Bell. Iud ii. 103; Filo, Leg. ad Gaium 282) de que os juDEUS eram numerosos em Creta.

  1. Paulo está a favor de perder pouco tempo com os dissidentes — É preciso fazê-los calar. Esta tradução preserva a metáfora vigorosa do verbo gr. epistomazein (hapax), que significa colocar uma mordaça, e não simplesmente um freio, na boca de um animal. É urgentemente necessário porque andam pervertendo (o verbo significa literalmente “estão virando de cabeça para baixo”) casas inteiras, ensinando o que não devem. Es­ ta frase enigmática relembra 1 Tm 5:13 (“falando o que não devem”), onde (ver a nota) os estudiosos têm suspeitado uma referência velada às artes mágicas. Pode haver semelhante referência aqui, mas é igual­ mente possível, que Paulo esteja pensando nos falsos ensinos dos mestres do erro.

O que parece claro de qualquer maneira é que estas pessoas perigosas, conforme o Apóstolo as vê, não estão movidas pelo desejo de servi a DEUS ou a seu próximo, mas, sim, estão a fim de fazer “lucros sórdidos” (torpe ganância). Acusa os dissidentes de Éfeso, também, de terem motivos mercenários (1 Tm 6:5), mas em nenhum caso indica se os lucros esperados viriam de emolumentos, ofertas, ou dalguma outra fonte. Este, também, é um toque de colorido local, pois os cretenses tinham má fama na antiguidade por sua avareza (e.g. Políbio, Hist. vi. 46. 3).

  1. Ao se comportarem assim, Paulo continua, estão meramente vivendo à altura do quadro pouco lisonjeiro do caráter cretense que dentre eles, um seu profeta, pintou. Passa então a citar a linha (é um hexâmetro no original), Cretenses, sempre mentirosos, feras terríveis, ventres preguiçosos. Cita refrões semi-proverbiais semelhantes de Menandro em 1 Co 15:33 e (se At 17:28 registra com exatidão suas palavras) de Arato no seu discurso em Atenas. O poeta em epígrafe aqui é, segundo Clemente da Alexandria (Strom. i. 59. 2), Epimênides de Cnosso, em Creta, um ensinador religioso e taumaturgo do século VI a.C. A linha às vezes tem sido atribuída a Calímaco (c. de 305 —c. de 240 a.C.) porque a primeira metade ocorre no seu Hino de Zeus, mas é provável que estivesse citando uma frase que já era proverbial nos tempos dele. Paulo chama Epimênedes um profeta, e assim enfatiza a autoridade do julgamento dele; mas é interessante notar que Platão, Aristóteles, Cícero, e outros falam dele como sendo um homem inspirado, profético.

Epimênides, segundo parece, estigmatizou os cretenses como sen­ do sempre mentirosos porque alegavam ter o túmulo de Zeus na sua ilha. Esta era uma impostura flagrante, pois Zeus era o principal dos DEUSes, e, no ponto de vista dos seus devotos, muitíssimo vivo. O dito, porém, tomou-se um lema popular, uma zombaria que dava expressão à reputação chocante que os cretenses tinham no mundo antigo pela sua falsidade. Este conceito predominava tanto que o verbo “cretizar” (Gr. krètigrar” Os comentários de que Paulo teria escrito de modo tão despojado de tato, para não dizer rudemente, numa carta real que visava ser lida em voz alta diante de umauditório cretense (conforme 3:15 sugere que es­ ta carta tinha tal destinação). Mas o Apóstolo está alarmado e zangado com a conduta dos sectários, e em tal disposição de ânimo as pessoas nem sempre deixam defalar francamente. De qualquer maneira, dificilmente teria esperado que os cristãos verdadeiros nas comunidades cretenses padecessem de sensibilidade nacionalista.

Nenhuma insinuação profunda precisa ser lida em feras terríveis, ventres preguiçosos. Sem forçar os pormenores (é uma citação, afinal das contas), Paulo considera que a linha expressa, com exatidão prática, a falsidade, a grosseria, e a gula do grupo dissidente em Creta. Tal testemunho é exato, acrescenta ele. O tom da frase sugere que teve amarga experiência pessoal na ilha. Tito, portanto, deve repreendê-los, i.é, os dissidentes, nãoos cretenses de modo geral, severamente. Sua severidade, no entanto, não deve ser negativa, mas, sim, deve visar garantir que sejam sadios na fé. Para a noção, característica nas Pastorais, que a ortodoxia doutrinária é“sadia, ” ao passo que o erro é uma forma de doença, ver sobre 1 Tm 1:10; 6:4.

Nas palavras que se seguem, e não se ocupem com fábulas judaicas, nem com mandamentos de homens desviados da verdade, Paulo finalmente lança alguma luz sobre o conteúdo dos ensinos dos mestres do erro.Primeiramente, consiste em fábulas (lit. “mitos”) judaicas, que provavelmente são muito semelhantes às “fábulas sem fim” atacadas em 1 Tm 1:4 (ver a nota ali), embora aqui sejam especificamente designadas judaicas.Em segundo lugar, os mestres do erro estão exigindo a observância de regulamentos que o Apóstolo desconsidera como mandamentos de homens. Estes não podem ser, conforme pensavam alguns dos Pais, os preceitosda Lei Mosaica, que, para Paulo, tinham origem divina. Nem po­ de a referência ser à “tradição dos antigos, ” com sua distinção entre’ carnes puras e impuras, etc., visto que acrescenta que os autores destas regras sãohomens desviados da verdade. É razoavelmente certo de que o que ele tem em mente são exigências judaicas ascéticas (e.g. a proibição do casamento e o repúdio a certos alimentos) tais quais estão subentendidasem 1 Tm 4:3-6. Pode ser notado que descreve as tendências ascéticas da heresia de Colossos como sendo “os preceitos e as doutrinas dos homens (Cl 2:21-22).

1 Timóteo, 2 Timóteo e Tito – J. N. D. Kelly – Novo Testamento – Vida Nova – Série Cultura Cristã.

 

Tito – John Macarthur – Novo Testamento Comentário Expositivo de Titus – MOODY PRESS/CHICAGO – 1996 – by THE MOODY BIBLE INSTITUTE

Introdução –

Tito – Esta carta foi projetada para ensinar Tito a instruir outros irmãos e anciões em Creta que estavam sobre sua liderança, e também para instruir membros em várias congregações. Também serviu para realçar a liderança de Tito ao falar que ele estava sobre a autoridade de Paulo. 1 Timóteo, 2 Timóteo e Tito pertencem ao grupo de escritos de Paulo, conhecidas como as Epístolas Pastorais. Eles são assim chamados porque eles foram dirigidas a dois dos filhos na fé muito queridos por Paulo, Timóteo e Tito, que possuía tarefas pastorais. Timóteo estava no comando da igreja em Éfeso e Tito daquelas que estavam na ilha de Creta. Como essas foram as últimas de suas cartas a serem escritas, elas nos informam sobre os últimos anos de seu ministério. Culto público, a seleção e qualificação de líderes da igreja, a vida pessoal do pastor e ministério público, a forma de confrontar o pecado na igreja, o papel das mulheres, o cuidado com as viúvas, e como lidar com dinheiro estão entre os assuntos discutidos. Eles também ensinam importantes verdades doutrinárias sobre as Escrituras, salvação e JESUS como Salvador.

AUTOR

A autoria de Paulo desta carta nunca foi seriamente questionada, nem a identidade de Tito. Como os dois homens haviam sido associados a um longo tempo, Paulo está se apresentando como “apóstolo de JESUS CRISTO” (1:1) Ele se identificou assim unicamente por causa dos crentes nas igrejas de Creta, que não o conheciam. Este foi provavelmente a última carta que Paulo escreveu.

 

DESTINATÁRIOS

Parece provável que Tito entrou na vida de Paulo durante a segunda viagem missionária do apóstolo, embora, por alguma razão, Lucas não faz menção a ele no livro de Atos. Nós não sabemos onde ou como ele se converteu ou precisamente quando ou como eles se conheceram, mas se tornou um homem associando a esse grande apóstolo. Paulo o chama de “meu verdadeiro filho na fé comum” (1:4) sugere que Tito assim como Timóteo (1 Tm. 1:2), foi levado a fé salvadora por Paulo. Após a primeira prisão de Paulo, ele levou com ele Tito a Creta, onde os dois ministraram juntos por algum tempo. Quando o apóstolo partiu, deixou Tito para trás para continuar o ministério (1:5). Tito tinha viajado e servido com Paulo extensivamente. Ele estava com o apóstolo em Corinto e é mencionado nove vezes na segunda carta de Paulo à igreja lá. Paulo lamentou que “quando cheguei a Trôade para pregar o evangelho de CRISTO, uma porta se abriu para mim no Senhor, não tive descanso em meu ESPÍRITO, não encontrando meu irmão Tito” (2 Coríntios. 2:12-13) . Por outro lado, alegrou-se “para a alegria de Tito, porque o seu ESPÍRITO foi recreado por vós todos” (7:13). Tito não era simplesmente suplente de Paulo, mas era o seu amado irmão e seu “companheiro e colaborador” (8:23). Tito acompanhou Paulo e Barnabé a Jerusalém para participar do Concílio de Jerusalém, durante o qual a questão dos judaizantes foi resolvida de uma vez por todas (Atos 15; Gal 2:1-3). Tito, na verdade, era o modelo de Paulo de um convertido nascido de Novo, um gentio cheio do ESPÍRITO, que não tinha necessidade de se identificar de alguma forma com o judaísmo religioso, seja através de circuncisão ou a obediência à Lei de Moisés (Gálatas 2:03 -5). Este jovem obreiro foi, portanto, bem familiarizado com os argumentos dos judaizantes que mais tarde teve de lidar em Creta (Tito 1:10, 14) e bem entendeu a posição oficial da Igreja sobre os argumentos contra seu falso evangelho. Porque Tito tinha sido associado com Paulo por muitos anos antes de começar seu ministério em Creta, é improvável que qualquer uma das doutrinas e padrões mencionados nesta epístola fossem novos para ele. Como mencionado acima, ele havia passado um ano com Paulo ministrando à igreja de Corinto, a igreja problema protótipo do Novo Testamento. Ele foi duas vezes encarregado de reunir ajuda para a igreja em Jerusalém (2 Coríntios. 8:6, 22-24). Mais tarde, ele retornou para continuar o ministério ali a pedido de Paulo, entregando a segunda carta do apóstolo para eles (2 Coríntios. 8:16-19). Ele sabia em primeira mão os ensaios e as desilusões de liderar um grupo de crentes que eram imaturos, egoístas, facciosos, e mundanos. O próprio fato de que ele era encarregado de tais atribuições indica a grande confiança de Paulo em sua doutrina, sua maturidade espiritual, a sua liderança, sua confiabilidade, e seu amor genuíno por aqueles que ele conduziu. Este dever de construir igrejas em Creta que poderia efetivamente evangelizar a ilha demonstra o compromisso de Tito para alcançar os não convertidos com o evangelho.

 

MENSAGEM

A carta a Tito é muito parecido com duas cartas de Paulo a Timóteo e foi escrito com o mesmo propósito de incentivar e fortalecer um jovem pastor a quem ele havia discipulado, em quem ele tinha grande confiança, e para quem ele tinha grande amor como um pai espiritual. Ele estava passando o bastão, por assim dizer, a esses jovens pastores que estavam ministrando em situações difíceis, Timóteo na igreja em Éfeso e Tito nas inúmeras igrejas na ilha de Creta. Ambos os homens tinham sido cuidadosamente treinados por este grande apóstolo, ambos foram altamente dotados pelo ESPÍRITO SANTO, e ambos haviam provado sua devoção incansável para Paulo e para a obra do Senhor. Tanto enfrentou homens como também enfrentou oposição ferrenha de dentro e de fora da igreja. Esta carta foi projetada para instruir Tito, para instruir os outros anciãos em Creta que trabalharam sob sua liderança, e para instruir os membros nas várias congregações. Também serviu para divulgar a liderança de Tito autorizada por Paulo.

O Capítulo 1 enfoca as qualificações da liderança da igreja, especificamente, sua teologia e seu caráter pessoal e conduta.

O Capítulo 2 enfoca o caráter e a conduta dos membros da igreja entre si e

O capítulo 3, ensina sobre o caráter e a conduta de ambos os líderes e membros perante o mundo incrédulo em que viviam e onde testemunhavam de CRISTO. Todas as três áreas de preocupação são essenciais para o real propósito da carta, que foi a construção de igrejas fortes que seriam eficazes no evangelismo. Embora o livro de Tito não seja tão doutrinário como algumas das outras cartas de Paulo, como romanos, no entanto, contém muitos tesouros doutrinais, incluindo algumas das doutrinas cardeais da fé, como a salvação pela graça de DEUS trabalhando através da fé do crente ( 3:5-7). Embora a carta relate muitas realidades magníficas da salvação, ela é eminentemente prática, estabelecendo as obrigações e responsabilidades que temos como filhos de DEUS e co-herdeiros com nosso Senhor JESUS CRISTO (3:7). A carta apresenta um guia compacto para o tipo de ministério cristão e da vida cristã pessoal que levará os não convertidos para a salvação. Tito é uma carta evangelística cujo principal objetivo era preparar a igreja para mais um testemunho eficaz para os incrédulos em Creta. Paulo fala repetidamente de ambos, o Pai celestial (1:3; 2:10; 3:4) e de JESUS CRISTO (1:4; 2:13, 3:6) como Salvador. Um dos propósitos para silenciar os falsos mestres era remover o veneno de suas idéias de corrupção e de vida corrupta, que ameaçavam não só a vida espiritual dos crentes em si, mas também a própria salvação daqueles que testemunhavam. Paulo sabia que a verdade salvífica da mensagem do evangelho cai em ouvidos moucos quando aqueles que a proclamam vivem vidas ímpias que mostram nenhuma evidência de redenção em si própria. Quando os cristãos vivem em pecado, eles não podem esperar que os incrédulos deem atenção a mensagem que deveria salvá-los do pecado. Um dos testemunhos mais fortes que um cristão pode dar é a de um viver justo, SANTO, numa vida de doação. Foi por essa mesma razão que Paulo lembrou aos cristãos na ilha de Creta que o nosso Senhor “se deu por nós, a fim de remirmos de toda iniquidade e purificar para si um povo para sua própria possessão, zeloso de boas obras” (2:14 ). E foi por essa razão que o próprio Senhor ordenou: “Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, de tal forma que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus” (Mt 5:16). DEUS é um DEUS salvador, que salva as pessoas para que eles possam viver uma vida religiosa, a fim de que outros possam também ser salvos, mediante a proclamação da verdade do evangelho apoiados pelo testemunho de vidas transformadas. DEUS prova o seu poder salvífico através de pessoas salvas. Embora Paulo esteja falando em Tito 2:10 especificamente de títulos de escravos, a vida de cada cristão deve ser “ornamento da doutrina de DEUS, nosso Salvador em todos os aspectos. Porque a graça de DEUS se manifestou “, continua ele,” trazendo salvação a todos os homens “(v. 11, grifo nosso).

 

AS IGREJAS EM CRETA

Creta é localizada no mar Mediterrâneo, ao sudeste da Grécia, sudoeste da Ásia Menor e norte da África. A ilha tem cerca de 160 quilômetros de comprimento e varia em largura de 7 a 35 milhas. Devido à sua localização estratégica, Creta foi exposta a civilização grega e romana, apesar da reputação de seus cidadãos por serem “mentirosos, bestas ruins, [e] ventres preguiçosos” (Tito 1:12). Alguns dos juDEUS em Jerusalém no dia de Pentecostes eram de Creta e ouviram o evangelho pregado na sua própria língua (At 2:11). Os crentes da igreja em Creta eram novos, imaturos na fé, e sem dúvida uma igreja pequena, embora seu crescimento possa ter sido considerável. A fim de supervisionar tantas congregações espalhadas por uma área tão grande, Tito, obviamente, iria precisar de ajuda. A primeira instrução do velho Paulo a este jovem chefe foi a de nomear e ordenar outros anciãos em cada igreja (1:5). A carta não era apenas um guia para Tito, mas foi um documento escrito para comprovar sua autoridade apostólica, delegada por Paulo. Quando Tito colocou em prática fielmente as admoestações da carta na igreja, ele o fez com autoridade apostólica, o apóstolo Paulo deixou claro que qualquer líder ou membro das igrejas que se opusessem a Tito estariam se opondo ao próprio apóstolo Paulo e, portanto, estariam contrárias ao Senhor JESUS que encomendou o apóstolo. As igrejas de Creta haviam atraído “muitos homens rebeldes, faladores vazios e enganadores, especialmente os da circuncisão” (1:10), falsos mestres que não só ensinaram doutrinas ímpias, e ainda viveram vidas ímpias. Alguns desses homens eram juDEUS de Creta que ouviram o evangelho no dia de Pentecostes, mas não acreditaram com a fé devida. Impunham-se porque a maioria da igreja era ainda vulnerável. Mesmo depois de ter o imenso privilégio de ensino pessoal de Paulo e exemplo eles continuaram a precisar de fiéis líderes competentes para fundamentá-los ainda mais na verdade de DEUS e para serem modelos de uma vida piedosa para eles. O compromisso do líder Paulo, servo de DEUS e apóstolo de JESUS CRISTO, era levar os eleitos de DEUS à fé e ao conhecimento da verdade que conduz à piedade, fé e conhecimento que se fundamentam na esperança da vida eterna, a qual o DEUS que não mente prometeu antes dos tempos eternos. No devido tempo, ele trouxe à luz a sua palavra, por meio da pregação a mim confiada por ordem de DEUS, nosso Salvador, a Tito, meu verdadeiro filho em nossa fé comum: Graça e paz da parte de DEUS Pai e de CRISTO JESUS, nosso Salvador. (1:1–4”.

Os primeiros quatro versos desta carta, que formam a saudação, compreendem uma frase longa, envolvente e comovente. A saudação é um pouco mais formal do que as cartas escritas a Timóteo, mas o propósito de todas as três cartas era quase a mesma coisa: encorajar e fortalecer um jovem pastor que tinha conseguido ser apóstolo em um ministério difícil. Como se verá ao longo desta epístola, a ênfase está na obra salvadora de DEUS (DEUS e CRISTO são repetidamente chamados de Salvador: 1:3, 4; 2:10, 13; 3:4, 6). A saudação de abertura define o tema, centrando sobre a natureza do evangelho no ministério. Porque Paulo passou muito menos tempo na fundação e estabelecimento das igrejas na ilha de Creta, que havia passado com uma única congregação em Éfeso (onde Timóteo estava pastoreando). A Saudação de abertura de Paulo nesta carta (é uma das mais claras representações de seu ministério em qualquer lugar do Novo Testamento) é Fiel e muito mais do que uma declaração dogmática de autoridade apostólica. Embora Paulo tivesse profundos sentimentos pessoais e até mesmo certos objetivos pessoais no ministério, como seu desejo de levar o evangelho a Bitínia (At 16:7) e em Espanha (Rom. 15:24), ele não escrevia sob o impulso da emoção ou desejo pessoal, muito menos de impulso, mas sob a compulsão de verdades absolutas reveladas pelo Senhor no poder do ESPÍRITO. DEUS, que deseja salvar os pecadores, queria preparar Tito para a construção de congregações capazes de alcançar os perdidos. Nesta rica saudação a Tito, Paulo revela sete características principais que nortearam sua vida e seu serviço ao Senhor, Compromissos fundamentais que cada líder dedicado à igreja de CRISTO deve manter:

 

1- O COMPROMISSO DE SER SUBMISSO A DEUS

Paulo, servo de DEUS e apóstolo de JESUS CRISTO, (1:1a) A primeira característica é a de ser submisso à  sabedoria de DEUS. Acima de tudo, o apóstolo se via como um homem totalmente sob a autoridade divina, expressado na frase “servo de DEUS”. O nome do apóstolo Paulo em hebraico era Saul, mesmo nome do rei de Israel. Logo após sua milagrosa conversão a CRISTO lhe foi dado por Este um novo nome, no entanto, ele veio a ser conhecido exclusivamente por seu nome grego, Paulos (Paulo). Com sinceridade plena, Paulo poderia ter se identificado como um brilhante estudante, líder da fé judaica, educado aos pés do famoso mestre Gamaliel, que também havia aprendido literatura e filosofia grega. Poderia ter tirado vantagem de sua cidadania romana, uma vantagem extremamente valiosa naqueles dias. Ele poderia ter se gabado de sua vocação original como apóstolo dos gentios, do privilégio e autoridade que lhe foi concedido por JESUS. Ele poderia ter se gabado de ser “arrebatado ao terceiro céu, ter visto o paraíso …” (2 Coríntios. 12:2, 4), ou de seu dom de milagres, de ser escolhido como o autor humano de grande parte das Escrituras da nova aliança. Apesar de todos esses privilégios, ele, no entanto, escolheu, antes de tudo identificar-se como um servo de DEUS. Doulos (servo) refere-se a pessoa mais servil na cultura dos dias de Paulo e é muitas vezes traduzido como “escravo”. Paulo estava na mais completa disposição e servidão a DEUS. Ele não tinha vida, ele até mesmo declarou que não tinha vontade própria, nenhum propósito de sua autoria, e nem planos pessoais. Tudo estava sujeito ao seu Senhor.Cada pensamento, cada respiração, e tudo estava sob o domínio de DEUS. Por que Paulo se refere a si mesmo como um servo de DEUS não só aqui, mas em todas as outras vezes referindo-se a si mesmo como um servo de CRISTO (ver, por exemplo, Rom 1:1; Gal 1:10; Fl 1…: 1)? – sua intenção é se colocar ao lado de homens de DEUS do Antigo Testamento.

 

2- COMPROMISSO COM A MISSÃO DE DEUS

Para levar os eleitos de DEUS à fé e ao conhecimento da verdade que conduz à piedade, fé e conhecimento que se fundamentam na esperança da vida eterna (1:1b–2a) Pela submissão de a maestria de DEUS, ele tinha um inabalável compromisso com a missão de DEUS. É a mesma missão que liga cada pregador e professor e, num sentido mais geral, todo líder de igreja e até todo crente. Como visto neste texto, que suas missões incluem evangelização, edificação e encorajamento.

EVANGELIZAÇÃO

Para levar os eleitos de DEUS à fé (1:1b) Paulo era reconhecido por sua responsabilidade de ajudar a busca os eleitos de DEUS, aqueles que são escolhidos de DEUS, a levar eles a fé salvadora em JESUS CRISTO. Cerca de um ano depois de escrever esta carta, o apóstolo disse a Timóteo: ” Por isso, tudo suporto por causa dos eleitos, para que também eles alcancem a salvação que está em CRISTO JESUS, com glória eterna” (2 Tm. 2:10). Preguemos o evangelho para que todos tenham a oportunidade de serem salvos.

 

3- EDIFICAÇÃO

É o conhecimento da verdade que conduz à piedade, (1:1c) Segunda responsabilidade de Paulo no cumprimento de seu compromisso com a missão de DEUS era para edificar aqueles que acreditavam, ensinando-lhes todo o conselho da Palavra de DEUS para que eles pudessem ser santificados pelo conhecimento da verdade. Epignosis conhecimento, traduz-se como à clara percepção de uma verdade. Paulo tem em mente a verdade salvadora, a verdade do evangelho que conduz à salvação.

 

4- ENCORAJAMENTO

Na esperança da vida eterna, (1:2a).

A Terceira responsabilidade de Paulo no cumprimento de seu compromisso com a missão de DEUS era trazer encorajamento bíblico para os crentes, com base na sua esperança divinamente garantida na vida eterna, esperando pelo dia de ser glorificado, totalmente aperfeiçoado na justiça do próprio CRISTO. Esse é o incentivo maravilhoso da esperança sobre a qual todos os ministros de DEUS podem garantir ser o povo de DEUS.

 

5- COMPROMISSO COM A MENSAGEM DE DEUS

A qual DEUS, que não pode mentir, prometeu antes dos tempos eternos, e no tempo próprio manifestou a sua palavra (1:2b–3a). A contemplação do conteúdo do ministério do evangelho leva Paulo a um terceiro princípio fundamental do ministério, ou seja, o compromisso inflexível com a mensagem de DEUS, as Escrituras divinamente reveladas. Esse compromisso é um corolário óbvio dos dois primeiros. O entendimento do domínio soberano de DEUS e da nossa missão vem exclusivamente através das Escrituras.

 

6- COMPROMISSO COM MEIOS DE DEUS

Mediante a pregação que me foi confiada segundo o mandamento de DEUS, nosso Salvador (1:3b) O quarto princípio básico da vida e ministério de Paulo era o seu compromisso com meios próprios de DEUS para o cumprimento do ministério para o qual ele foi chamado para a proclamação da Sua Palavra completa e inerrante. Proclamação traduz kērugma, que foi usado da mensagem que um arauto daria em nome do governante ou conselho da cidade com quem ele servia. No Novo Testamento, este termo (frequentemente traduzido por “pregar”) é sempre usada da proclamação pública da Palavra de DEUS, que, como o apóstolo acaba de salientar, leva os homens a fé salvadora, as edifica na verdade divina, e fortalece-os para uma vida piedosa. É por essa razão que a pregação expositiva pregação sistemática e rigorosa que explica o significado da Escritura é a única forma legítima para pregar. JESUS também declarou que “se alguém não nascer da água e do ESPÍRITO não pode entrar no reino de DEUS” (João 3:5). O pleno desdobramento da salvação é o plano e o trabalho de toda a Trindade. É a alegria de DEUS para salvar os pecadores (cf. Lc 15:7, 10, 20-24) e da tristeza de DEUS, quando se perdem (ver Lucas 19:21-24).

 

7- COMPROMISSO COM O POVO DE DEUS

A Tito, meu verdadeiro filho segundo a fé que nos é comum, graça e paz da parte de DEUS Pai, e de CRISTO JESUS, nosso Salvador (1:4) O quinto princípio fundamental da vida de Paulo que é ilustrado aqui foi o seu compromisso com o povo de DEUS. Ele tinha devoção leal  àqueles que, como Tito, seu verdadeiro filho na fé comum, possuíam. Ele usou palavras quase idênticas para Timóteo (1 Tm 1:1;… Cf 2 Tm 1:2). Verdadeiros gnēsios tem o significado básico de “estar legalmente gerado”. Teknon Criança traduz, como um filho legítimo, em contraste a um que nasceu fora do casamento. As duas palavras juntas, portanto, intensificam a declaração de Paulo de sua estreita relação com Tito, seu filho espiritual, no mais pleno sentido. O apóstolo era o agente humano usado para trazer Tito para a salvação, e ele claramente tinha a responsabilidade principal para nutri-lo no crescimento espiritual e para treiná-lo para o serviço espiritual. A fé comum pode ser interpretada subjetivamente ou objetivamente. Subjetivamente remete à fé salvadora, que Tito compartilhava em comum com Paulo e todos os outros crentes. Objetivamente remete para as verdades da fé cristã, que Tito compartilhava em comum com o apóstolo e com todos os outros crentes que são fiéis à doutrina. Embora Paulo estava aqui, provavelmente, salientando o aspecto subjetivo da fé de Tito, é óbvio a partir desta epístola e de passagens no livro de Atos, que Paulo e Tito obedeciam à mesma doutrina apostólica. Ele não teria deixado nenhuma igreja nas mãos de um líder que não fosse bem fundamentado na Palavra. Paulo já havia confiado a Tito o trabalho com a igreja mundana e problemática em Corinto. Em sua segunda carta à congregação Paulo fala de Tito nove vezes, sempre favoravelmente. “Mas DEUS, que consola os abatidos, nos consolou com a vinda de Tito. E não somente com a sua vinda, mas também pela consolação com que foi consolado por vós, contando-nos as vossas saudades, o vosso choro, o vosso zelo por mim, de maneira que muito me regozijei.” (2 Coríntios 7:6-7.). Alguns versos depois, ele elogia o jovem pastor, dizendo: “Graças a DEUS, que coloca a mesma seriedade em seu nome no coração de Tito” (8:16) e chamá-lo de “meu companheiro e cooperador entre vocês” ( v. 23). Ao longo da história, os líderes mais poderosos e eficazes na igreja foram envolvidos no desenvolvimento de parceiros e colegas de trabalho que se estendem e perpetuam o ministério de JESUS CRISTO. Apesar de Paulo ser o mais altamente dotado dos apóstolos, ele nunca ministrou sozinho, nunca tentou exercer um ministério de uma só mão. Até sua morte, ele estava intimamente associado com uma rede incrivelmente grande de pregadores, professores e outros líderes da igreja com quem foi sócio em serviço. Ele estendeu-se através dos outros, sabendo que o Senhor não o chamou para funcionar sozinho. Ele percebeu a importância de delegar responsabilidade e preparar outras pessoas para continuar seu ministério. Todas as cartas de Paulo levam saudações de e para os amigos e colegas de trabalho. No último capítulo de sua carta à igreja em Roma, envia saudações a vinte e sete homens e mulheres por nome e elogia muitos outros que estão sem nome. Ele realmente amou seus companheiros crentes e trabalhadores e construiu profundas relações pessoais com eles onde quer que fosse. Ele continuamente os encorajou e deu a si mesmo sacrificialmente para satisfazer as suas necessidades. Tanto como Timóteo, Tito foi especialmente caro a Paulo, seu pai espiritual e mentor. A graça é o dom maravilhoso de DEUS que traz a salvação e a paz é a maravilhosa bênção que Ele concede a todos aqueles que Ele graciosamente salva. Por essa razão a frase contendo a graça e a paz tornou-se uma saudação comum entre os primeiros cristãos, uma prática talvez iniciada por Paulo. Para esta saudação, acrescentou de DEUS Pai e JESUS CRISTO, nosso Salvador, um credo simples, mas profundo, que atesta a fonte da graça do crente e da paz. O apóstolo acaba de falar de “DEUS, nosso Salvador” no verso anterior, e agora, no final da mesma frase, ele fala de CRISTO JESUS, nosso Salvador. Embora DEUS se torna o Pai celeste de todos os que depositam sua fé em CRISTO JESUS, a ênfase de Paulo aqui é em relação única do Pai para “o seu Filho unigênito” (João 3:16) e sobre a verdade, acima mencionado, que o Pai e o Filho, JESUS CRISTO, estão inseparavelmente ligadas na obra da salvação.

 

As Qualificações De Um Pastor

Parte-1 e 2

Por esta causa te deixei em Creta, para que pusesses em boa ordem o que ainda não o está, e que em cada cidade estabelecesses anciãos, como já te mandei; alguém que seja irrepreensível, marido de uma só mulher, tendo filhos crentes que não sejam acusados de dissolução, nem sejam desobedientes. Pois é necessário que o bispo seja irrepreensível, como despenseiro de DEUS, não soberbo, nem irascível, nem dado ao vinho, nem espancador, nem cobiçoso de torpe ganância; mas hospitaleiro, amigo do bem, sóbrio, justo, piedoso, temperante; retendo firme a palavra fiel, que é conforme a doutrina, para que seja poderoso, tanto para exortar na sã doutrina como para convencer os contradizentes. (1:5–9)

 

Os padrões de DEUS para a liderança na igreja são elevados, uma verdade básica e extremamente fundamental que muitas igrejas evangélicas hoje negam ou ignoram. Nada é mais necessário na igreja do que a aplicação cuidadosa dos princípios bíblicos de liderança. No entanto,  líderes qualificados espiritualmente por DEUS são assustadoramente escassos nas igrejas contemporâneas. Nenhuma tendência na igreja é mais prejudicial para a obra de CRISTO do que a falta de disciplina e pastores desqualificados que cometeram graves pecados morais. O problema é que também muitos pastores mesmo tendo sido disciplinados e removidos de seus ministérios, muitas vezes são prontamente aceitos de volta na liderança tão logo cessam os comentários sobre seus delitos. Muitos dos líderes das maiores igrejas hoje absolutamente não passariam pelos padrões bíblicos. Igrejas raramente podem sobreviver a uma falha de liderança. Um pastor que tem afundado espiritualmente, doutrinariamente, ou moralmente, e não é punido e removido, inevitavelmente puxa muitos de seu povo com ele. DEUS oferece perdão e restauração espiritual a todos os crentes, incluindo pastores e líderes de todas igrejas, que sinceramente confessam e renunciam a seus pecados, não importa quão hediondo e público. A graciosa promessa de DEUS é para todos os cristãos: “Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” (1 João 1:9). Mas a Palavra também deixa claro que o Senhor não aceita tal pessoa, não importa quão talentoso, popular, anteriormente eficaz, ou arrependido de volta em uma posição de liderança. Nem deve a igreja diminuir os padrões de DEUS para aquele que Ele chama para o ministério pois ele o representa diante do mundo, bem como diante da igreja. Um líder que desobedeceu e desonrou a DEUS e enfraqueceu a igreja, que tenha esbanjado a sua integridade, manchou o púlpito, e destruiu a confiança dos crentes não perde a salvação ou o perdão quando se arrepende, mas ele, diante de DEUS, perde o privilégio da liderança da igreja.

Tema central de Paulo em Tito 1:5-9 é que só homens cujo caráter atende aos padrões divinos devem ser autorizadom a entrar ou permanecer no ministério. Tito foi selecionar esses homens para a liderança nas igrejas de Creta.

O apóstolo menciona duas razões para deixar Tito em Creta. Primeiro, ele queria que o jovem pastor pusesse em ordem o que restava. Epidiorthoō verbo (colocar em ordem) é composto de duas preposições, epi (“sobre”) e dia (“a”), ligados ao orthoō (“fazer direito”). É a partir orthos que derivam ortodontista, um dentista especialista que endireitar e alinhar dentes tortos. Nos tempos antigos, o termo foi usado para colocar ossos quebrados no lugar e alinhamento de membros tortos, uma função da especialidade médica que hoje chamamos de ortopedia. Tito foi encarregado com a tarefa de corrigir e endireitar as doutrinas (ver, por exemplo, 1:10-11, 13-14; 2:1) e práticas (ver, por exemplo, 1:12, 16; 3:9) nas igrejas de Creta que se tornaram defeituosas. A frase qualificativa indica ainda que o próprio Paulo, e talvez outros, tenham corrigido algumas coisas, mas Tito fora escolhido para concluir essa tarefa. A julgar pelas admoestações que se seguiram, os problemas eram de ordem moral e teológica com líderes das Igrejas envolvidos. Houve também problemas de atitude e responsabilidade pessoal nas igrejas. Porque alguns dos homens mais velhos não estavam refletindo a maturidade que deveria ter vindo com a idade, Tito deveria admoestá-los “para serem temperados, dignos, prudentes, firmes na fé, no amor, na perseverança” (2:2). Da mesma forma, Tito deveria instruir as mulheres mais velhas “, a ser reverentes em seu comportamento, não caluniadoras, nem escravas do vinho e ensinar o que é bom” (v. 3), para “encorajar as jovens a amarem seus maridos, a amarem seus filhos, para serem sensatas, puras, trabalhadoras em casa, estando sujeitas a seus maridos, para que a palavra de DEUS não fosse desonrada “(vv. 4-5).

Paulo orienta para que “Exorta semelhantemente os jovens a que sejam moderados. Em tudo te dá por exemplo de boas obras; na doutrina mostra incorrupção, gravidade, sinceridade, Linguagem sã e irrepreensível, para que o adversário se envergonhe, não tendo nenhum mal que dizer de nós. Exorta os servos a que se sujeitem a seus senhores, e em tudo agradem, não contradizendo, (v. 9).

O principal fator de correção foi nomear anciãos em cada cidade, como o apóstolo tinha dirigido, indicando que algumas das igrejas de lá ainda não tinha sua liderança qualificada no próprio local. Porque muitos, se não todas, as igrejas foram incomodadas por “homens rebeldes, faladores vazios e enganadores, especialmente os da circuncisão” (1:10), e porque muitas pessoas tinham se envolvido em “controvérsias tolas, genealogias e conflitos e disputas em torno da Lei “(3:9), a necessidade de liderança espiritual para xemplo moral era muito urgente. Ambos os versículos indicam que uma grande parte da controvérsia foi causada por judaizantes, juDEUS legalistas que tentaram impor as exigências cerimoniais da antiga aliança sobre os cristãos, mesmo aqueles que eram gentios. Paulo tinha por padrão do ministério levar homens e mulheres a CRISTO, criá-los na fé, dar-lhes a certeza da esperança eterna, e fortalecê-los com amor com líderes espirituais. Esse padrão é visto claramente no livro de Atos. Depois que Paulo e Barnabé “E, tendo anunciado o evangelho naquela cidade e feito muitos discípulos, voltaram para Listra, e Icônio e Antioquia, Confirmando os ânimos dos discípulos, exortando-os a permanecer na fé, pois que por muitas tribulações nos importa entrar no reino de DEUS. E, havendo-lhes, por comum consentimento, eleito anciãos em cada igreja, orando com jejuns, os encomendaram ao Senhor em quem haviam crido.” (Atos 14:21-23). Anciãos traduz presbuteros, que geralmente se refere a qualquer homem mais velho. Mas o termo já tinha chegado a ser usado como um título oficial para os líderes da igreja primitiva, como evidenciado pelos fatos que os anciãos estavam sendo nomeados e que eles possuíam o mais nobre caráter espiritual e possuíam a capacidade de ensinar. Não basta ser mais velho, mesmo velho na fé, isso não qualifica um homem para a liderança na igreja. De numerosas passagens do Novo Testamento parece certo que mais velho, supervisor (bispo), e pastor se refere ao mesmo cargo, os diferentes termos que indicam várias características do ministério, não com diferentes níveis de autoridade, como algumas igrejas adotam. As qualificações para um episkopos (literalmente, um supervisor, ou, como às vezes traduzido, bispo) que Paulo dá em 1 Timóteo 3:1-7 são claramente paralelas às dadas aqui para os idosos ou presbíteros. Tanto neste primeiro capítulo de Tito (vv. 5, 7) e no capítulo 20 de Atos (vv. 17, 28), os títulos de presbuteros e episkopos são usados para os mesmos homens. Em Atos 20:28, Paulo usa a forma verbal ainda para outro título (pastor), para o mesmo grupo de homens. “Olhai, pois, por vós, e por todo o rebanho sobre que o ESPÍRITO SANTO vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de DEUS, que ele resgatou com seu próprio sangue”. [episkopos], pastor [ou ‘pastor’, poimaino]  (v. 28). Em Efésios 4:11, Paulo fala dos chamados por JESUS para pastor (poimen) e professores (didaskalos). Embora a nomeação de anciãos foi uma das atribuições principais de Tito em Creta, a escolha desses homens não foi deixada ao seu próprio julgamento humano e discrição. Ele foi buscar a liderança do ESPÍRITO SANTO. No mesmo versículo (Atos 20:28), apenas duas vezes citado acima, Paulo deixa claro que a seleção dos mais velhos é uma prerrogativa divina do ESPÍRITO SANTO (“o ESPÍRITO SANTO vos constituiu vigilantes”). De uma passagem bíblica no início do livro de Atos nós aprendemos que, “E, servindo eles ao Senhor, e jejuando, disse o ESPÍRITO SANTO: Apartai-me a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado.”( Atos ênfase, 13:2 adicionado). Somente pela direção do ESPÍRITO SANTO, e depois do jejum e da oração que os líderes da igreja enviaram Paulo e Barnabé em sua primeira viagem missionária (v. 3). Durante essa viagem, “E, havendo-lhes, por comum consentimento, eleito anciãos em cada igreja, orando com jejuns, os encomendaram ao Senhor em quem haviam crido.” (Atos 14:23). A nomeação de anciãos pelos apóstolos e por seus emissários, como Timóteo e Tito, foi sempre feita, enquanto procuram a direção e sabedoria do ESPÍRITO SANTO. Seu chamado divino foi então confirmado pela Igreja. Cada cidade sugere que grande parte da ilha havia sido evangelizada por Paulo e que um número de igrejas locais haviam sido estabelecidas. Como o instruí indica que Paulo estava reiterando uma instrução anterior. Por essa confirmação por escrito de comando apostólico, as igrejas saberiam que as nomeações por Tito foram feitas ao abrigo de um mandato divino. Nos próximos quatro versos (6-9), Paulo menciona as qualificações inegociáveis para pastores ou anciãos (ou bispos) reveladas por DEUS. Esses líderes da igreja devem ter reputações públicas imaculadas (v. 6) e devem se qualificar em quatro áreas específicas: a moral sexual (v. 6b), a liderança da família (v. 6c), caráter geral (vv. 7-8), e habilidade no ensino (v. 9). Ao homem que não é qualificado em todos esses requisitos não é permitido ser um ancião ou Presbítero.

 

REPUTAÇÃO PÚBLICA alguém que seja irrepreensível, (1:6a) Anenklētos (irrepreensível) é formado a partir do prefixo negativo e um enkaleō o verbo (“chamar em conta”) e carrega a idéia de estar completamente inocente. Em seu Dicionário Expositivo de Palavras do Novo Testamento, WE Vine observa que este prazo “não implica absolvição apenas, mas a ausência de sequer uma carga ou de acusação contra uma pessoa.” No sistema jurídico dos dias de Paulo, uma pessoa que era anenklētos não tinha nem mesmo uma suspeita de acusação. Ser irrepreensível é de tal importância que Paulo repete esta qualificação no verso seguinte (7), onde ele se refere aos líderes da igreja mesmos bispos. Ser “irrepreensível” é qualificação também necessária aos diáconos (1 Tm. 3:10). Paulo não está falando de perfeição sem pecado, mas está declarando que os líderes da igreja de CRISTO não devem possuir defeitos em suas vidas que poderiam ser identificados como pecado, mas, pelo contrário, deveriam ser reconhecidos por sua virtude, sua justiça, ou a sua piedade. Não deve existir nada em suas vidas para desqualificá-los como modelos de caráter moral e espiritual para os crentes sob seus cuidados. Eles não só devem ensinar e pregar corretamente, mas também devem viver corretamente. Paulo cobrava de Timóteo: “sê o exemplo dos fiéis, na palavra, no trato, no amor, no ESPÍRITO, na fé, na pureza. (1 Tm. 4:12). O Senhor chamar todos os anciãos, ou presbíteros, ou pastores para serem líderes piedosos, os homens que por sua vida exemplar, bem como pela sua sã doutrina e pregação definam um padrão de virtude e devoção ao Senhor para servir de testemunho para que todos possam seguir. Equivocadamente, muitos líderes eclesiásticos exercem funções seculares na sociedade, mas  esses papéis contrastam nitidamente com os especificados no Novo Testamento.

Em 2 Timóteo 2 e 3, Paulo usa oito números diferentes para representar os “homens fiéis” (v. 2) que pudessem continuar o ministério:

Professores capazes (v. 2), Soldados na ativa (vv. 3-4), Atletas que competem de acordo com as regras (v. 5), Agricultores que trabalham duro (v. 6), Operários cuidadoso (v 15), Vasos úteis (v. 21) e Funcionários de títulos (v. 24).

Nenhuma dessas imagens são glamourosas ou de auto-engrandecimento. Todos eles exemplificam o esforço diligente e auto-sacrifício. E eles são chamados de “homem de DEUS” (3:17), um título técnico usado no Antigo Testamento para aquele cuja vocação é falar de DEUS.

Os líderes devem ganhar os perdidos para CRISTO, discipular e nutrir os fiéis, pregando e ensinando a sã doutrina, organizar as tomadas de decisão, terem sábia gestão cuidadosa dos recursos, vida de oração consistente e séria, disciplina dos membros que estiverem em pecado, e ordenação de outros anciãos qualificados. Mas, apesar dessas responsabilidades nobres e impressionantes, CRISTO não tinha a intenção de colocar o título de pastor ou presbítero como uma marca de status na hierarquia ou aristocracia da igreja. Como o próprio Senhor, em Sua encarnação, os líderes da igreja são, acima de tudo, servos humildes e fiéis a DEUS e ao Seu povo. As últimas palavras de JESUS a Pedro, antes de Sua ascensão foi:   “Apascenta as minhas ovelhas …. Pastoreie as minhas ovelhas … Apascenta as minhas ovelhas” (João 21:15-17). A palavra pastor, na verdade é uma metáfora que o Senhor a respeito de si mesmo. “Eu sou o bom pastor”, disse Ele, “o bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas …. Eu sou o bom Pastor, e conheço as minhas ovelhas, e as minhas ovelhas conhecem-me “(João 10:11, 14;. Cf v. 16). O escritor de Hebreus fala de CRISTO como “o supremo Pastor das ovelhas” (Hb 13:20). Pedro fala d’Ele como “o Pastor e Bispo das [nossas] almas” (1 Ped. 2:25) e como “o Supremo Pastor” (5:4). Pastores nunca gozaram status elevado. Eles sempre estiveram nos degraus inferiores da escada socioeconômica. Seu trabalho é importante e preenche uma função necessária, mas é semiqualificado na melhor das hipóteses, consistindo de tarefas rotineiras, repetitivas e sem glamour que a maioria das pessoas evitam. Se um pastor tem um coração de pastor, ele estará satisfeito e fiel ministrando as responsabilidades menos visíveis e menos atraentes, como aqueles que não são altamente visíveis e atraentes. Durante a Última Ceia, JESUS “Levantou-se da ceia, tirou as vestes, e, tomando uma toalha, cingiu-se. Depois deitou água numa bacia, e começou a lavar os pés aos discípulos, e a enxugar-lhos com a toalha com que estava cingido. – Depois que lhes lavou os pés, e tomou as suas vestes, e se assentou outra vez à mesa, disse-lhes: Entendeis o que vos tenho feito?
Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque eu o sou. Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, vós deveis também lavar os pés uns aos outros. Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também. Na verdade, na verdade vos digo que não é o servo maior do que o seu senhor, nem o enviado maior do que aquele que o enviou.
Se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se as fizerdes.” (João 13:4, 5, 12-17) No final da ceia, no entanto, “houve também uma disputa entre [os discípulos] a respeito de que um deles ser considerado o maior” (Lucas 22:24). Eles haviam esquecido totalmente a lição que o Senhor havia ensinado pouco tempo antes. “E Ele [JESUS] disse-lhes:” E ele lhes disse: Os reis dos gentios dominam sobre eles, e os que têm autoridade sobre eles são chamados benfeitores. Mas não sereis vós assim; antes o maior entre vós seja como o menor; e quem governa como quem serve.” (vv. 25-26). As marcas de um líder piedoso na igreja são humildade, amor, auto-doação. O Senhor não os chamou para serem celebridades ou personalidades carismáticas, feitores, muito menos dominadores, mas o oposto, abnegados servidores que encontram a sua maior satisfação e alegria em imitar a devoção, sacrifício, humildade e amor do seu Senhor, o Grande Pastor das ovelhas. Embora o pastor não tenha que ser altamente educado ou talentoso, ele deve ser maduro na fé e exercer o dom espiritual que ele recebeu. Mesmo em uma pequena congregação um pastor pode enfrentar uma enorme diversidade de problemas e desafios. Cada pastorado exige esforço, energia, devoção, paciência, persistência e sabedoria.  Um pastor, ou ancião, não é qualificado com base na inteligência, educação, influência, ou talento humano. Ele é qualificado com base no seu caráter moral e espiritual e sua capacidade de transmitir a Palavra e comunhão com DEUS. Como acabamos de observar, cada pastor deve ser trabalhador. Apenas esses homens são dignos de serem líderes na igreja de CRISTO. Líderes da igreja de CRISTO são também para funcionar como pais em uma família. Paulo freqüentemente se refere àqueles sob seus cuidados como seus filhos na fé. João refere-se àqueles a quem ele está escrevendo como “Meus filhinhos” (1 João 2:1). Como Paulo, cada líder deve ser capaz de dizer honestamente para aqueles a quem ele ministra: “Sede também meus imitadores, irmãos, e tende cuidado, segundo o exemplo que tendes em nós, pelos que assim andam.” (Fp 3:17; cf. 1 Tessalonicenses 2:7-12;. 5:12; 2 Tessalonicenses 3:9).. Os anciãos devem ser lembrados pelos crentes em suas igrejas como “aqueles que os levaram [eles]a JESUS, que falou a palavra de DEUS para [eles]”, e como aqueles cuja conduta e fé eram dignos de imitação (Hebreus 13:7). Para os cristãos perseguidos e espalhados por todo o Império Romano Pedro escreveu: “Aos presbíteros, que estão entre vós, admoesto eu, que sou também presbítero com eles, e testemunha das aflições de CRISTO, e participante da glória que se há de revelar:
Apascentai o rebanho de DEUS, que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto; Nem como tendo domínio sobre a herança de DEUS, mas servindo de exemplo ao rebanho.” (1 Ped. 5:1-3). Paulo exorta o jovem pastor a “Que guardes este mandamento sem mácula e repreensão, até à aparição de nosso Senhor JESUS CRISTO;” (6:14). Depois de perguntar retoricamente: “SENHOR, quem habitará no teu tabernáculo? Quem morará no teu SANTO monte?
Aquele que anda sinceramente, e pratica a justiça, e fala a verdade no seu coração.”(Sl 15:1-2). A integridade de Jó para com DEUS foi firmemente mantida contra todas as acusações e as adversidades. DEUS mesmo disse: “a Satanás,” Você já pensou em meu servo Jó? Pois não há ninguém como ele na terra, um homem íntegro e reto temente a DEUS e que se afasta do mal. E ele ainda mantém a sua integridade [de tummah, intimamente relacionado com tamim], embora você tenha me incitado contra ele, para arruiná-lo sem justa causa “(Jó 2:3). Foi essa integridade que a esposa de Jó tolamente aconselhou-o a abandonar. “Você ainda se apegam a sua integridade?”, Perguntou ela. “Amaldiçoa a DEUS e morrer!” (V. 9). Mas o testemunho inabalável de Jó era ” Longe de mim que eu vos justifique; até que eu expire, nunca apartarei de mim a minha integridade.”(Jó 27:5-6;. Cf 31:6). Isaías perguntou retoricamente: “Os pecadores de Sião se assombraram, o tremor surpreendeu os hipócritas. Quem dentre nós habitará com o fogo consumidor? Quem dentre nós habitará com as labaredas eternas?” (Isaías 33:14);? Disse Davi: “Eu andarei dentro da minha casa na integridade do meu coração” (Sl 101:2). “Meus olhos estarão sobre os fiéis da terra”, continua ele, “para que habitem comigo; o que anda de uma forma irrepreensível é o único que vai ministrar a mim” (v. 6).

Paulo declara,. Porque só “se um homem purificar a si mesmo,… [ele] será um vaso para honra, santificado e útil ao Senhor, e preparado para toda boa obra “(v. 21).

 

***MORALIDADE SEXUAL

Marido de uma só mulher, (1:6b) A primeira qualificação específica de um ancião é ele ser marido de uma esposa. A palavra grega para que a frase é mais literalmente traduzida como “um homem de uma só mulher”, ou “marido de uma mulher.” Porque que a qualificação é tantas vezes mal interpretado, é importante observar uma série de coisas que não significam. Embora a poligamia é claramente proibida no Novo Testamento (cf. 1 Cor. 7:2), que não é o ponto de Paulo aqui. Ser casado com apenas um dos cônjuges de cada vez se aplica a todos os crentes, não apenas os líderes da igreja. Nem é a referência a um viúvo que se casou novamente, uma prática que é perfeitamente admissível (Rm 7:1-3, 1 Coríntios 7:39;. 1. Tim 5:14). Nem que Paulo está dizendo que um presbítero deve ser casado. Se fosse esse o seu ponto, ele simplesmente poderia ter declarado tal. Mais significativamente, o próprio Paulo pode muito bem ter sido um ancião em Antioquia antes de ser apóstolo (cf. Atos 13:1), e aparentemente ele não era casado (cf. 1 Cor. 9:5).

 

Observação minha –  Ev. Luiz Henrique – Para mim aqui significa que houve uma aliança entre DEUS e o homem na hora do matrimônio ser realizado e seria quebra dessa aliança um novo casamento, pois se o homem estava agora, como viúvo, livre para servir integralmente a DEUS, como iria novamente estar se dedicando a DEUS e a seu cônjuge?

Mas não admitas as viúvas mais novas, porque, quando se tornam levianas contra CRISTO, querem casar-se; 1 Timóteo5:11

Estás ligado à mulher? Não busques separar-te. Estás livre de mulher? não busques mulher. 1 Coríntios 7:27

1 Coríntios 7:32-35

E bem quisera eu que estivésseis sem cuidado. O solteiro cuida das coisas do Senhor, em como há de agradar ao Senhor;

Mas o que é casado cuida das coisas do mundo, em como há de agradar à mulher.
Há diferença entre a mulher casada e a virgem. A solteira cuida das coisas do Senhor para ser santa, tanto no corpo como no ESPÍRITO; porém, a casada cuida das coisas do mundo, em como há de agradar ao marido.
E digo isto para proveito vosso; não para vos enlaçar, mas para o que é decente e conveniente, para vos unirdes ao Senhor sem distração alguma.
1 Coríntios 7:32-35

 

A LIDERANÇA DA FAMÍLIA tendo filhos crentes que não sejam acusados de dissolução, nem sejam desobedientes (1:6c) A segunda qualificação específica para o diaconato mencionado aqui é o da liderança da família. Um homem que não pode levar espiritualmente e moralmente a sua própria família não está qualificado para liderar uma congregação inteira. Para saber se um homem está qualificado para a liderança na igreja, olhe primeiro para a sua influência sobre os seus próprios filhos. Se você quer saber se ele é capaz de levar os incrédulos a fé em CRISTO e ajudá-los a crescer na obediência e santidade, basta examinar a eficácia de seus esforços com seus próprios filhos.

 

Éfeso: “No discurso, conduta, amor, fé e pureza, mostra-te um exemplo daqueles que acreditam” (1 Tm 4:12.). Deve-se notar que, assim como não é necessário para uma pessoa idosa se casar, nem é necessário uma pessoa idosa casada ter filhos. Mas onde não há casamento ou a paternidade, um homem precisa provar sua liderança espiritual em outras áreas da vida familiar. Também deve ser notado que Paulo assume que, se um ancião é casado, sua esposa é uma crente. O comando “Não estar vinculado com os infiéis;? Porque que sociedade tem a justiça e a ilegalidade, ou que comunhão tem a luz com as trevas” (. 2 Coríntios 6:14) tem implicações para o casamento e se aplica a todos os crentes, mas especialmente para os líderes da igreja. Em seu comentário sobre ter “um direito de levar conosco uma esposa crente, como também os demais apóstolos, e os irmãos do Senhor, e Cefas” (1 Cor. 9:5), Paulo deixa claro que “a mulher de um crente” é o único tipo de mulher que qualquer líder da igreja é pode ter.

Para continuar lendo adquira o livro seguinte ou acesse www.gospelbook.net  e leia todo esse conteúdo. Aproveite o que concorda com a bíblia toda.

Tito – John Macarthur – Novo Testamento Comentário Expositivo de Titus – MOODY PRESS/CHICAGO – 1996 – by THE MOODY BIBLE INSTITUTE OF CHICAGO

 

QUESTIONÁRIO LIÇÃO 11, A ORGANIZAÇÃO DE UMA IGREJA LOCAL

3º trimestre de 2015 – A Igreja E O Seu Testemunho – As Ordenanças De CRISTO Nas Cartas Pastorais

Comentarista da CPAD: Pr. Elinaldo Renovato de Lima

Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva

Complete os espaços vazios e marque com”V” as respostas Verdadeiras e com”F” as Falsas, conforme a revista da CPAD.

 

TEXTO ÁUREO
1- Complete:

“Por esta causa te deixei em ________________________, para que pusesses em boa ________________________ as coisas que ainda restam e, de cidade em cidade, estabelecesses ________________________, como já te mandei.”(Tt 1.5)
VERDADE PRÁTICA
2- Complete:

A igreja local deve subordinar-se à __________________________ de DEUS, através de sua _________________________, que é o “Manual de Administração Eclesiástica” por _________________________.

  1. A EPÍSTOLA ENVIADA A TITO
    3- Qual era o principal propósito da Epístola de Tito?

(    ) Tito recebeu a incumbência de dirigir a principal igreja na ilha de Creta e não sair de lá para nada.

(    ) O objetivo de Paulo era dar conselhos ao jovem pastor Tito a respeito da responsabilidade que ele havia recebido.

(    ) Tito recebeu a incumbência de supervisionar e organizar as igrejas na ilha de Creta.

(    ) Paulo havia visitado a ilha com Tito e o deixou ali com esta importante incumbência.
4- Qual a data em que foi escrita a Epístola de Tito?

(    ) Acredita-se que foi escrita no ano de 54.d.C., aproximadamente.

(    ) Acredita-se que foi escrita no ano de 64.d.C., aproximadamente.

(    ) A carta a Tito foi escrita na mesma época da Primeira Carta a Timóteo.

(    ) Provavelmente foi redigida na Macedônia, durante as viagens que Paulo fez quando esteve sob a custódia dos romanos.
5- Para Paulo e a Bíblia, o que é um viver correto?

(    ) Como ministro do evangelho, Paulo exige ordem na igreja e que os irmãos vivam de maneira correta, santa.

(    ) Segundo a Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal, a ilha de Creta era conhecida pela idolatria, trabalho escravo, diversão e prostituição de seus habitantes.

(    ) Segundo a Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal, a ilha de Creta era conhecida pela preguiça, glutonaria e maldade de seus habitantes.

(    ) Ao aceitar a CRISTO como Salvador, o novo convertido torna-se SANTO pela lavagem da regeneração do ESPÍRITO, por meio da Palavra de DEUS.

(    ) A santificação é também um processo gradual e contínuo que conduz ao aperfeiçoamento do caráter e da vida espiritual do crente, tornando-o participante da natureza divina.

(    ) Sem a santificação, jamais alguém verá a DEUS.

  1. O PASTOR PRECISA PROTEGER O REBANHO DE DEUS

6- Quais as principais qualificação dos pastores?

(    ) Em sua carta a Tito, Paulo enfatiza as qualificações do bispo, em relação a família, como homem casado, fiel à sua esposa e na criação de seus filhos de forma exemplar.

(    ) Paulo diz que os filhos dos ministros, presbíteros ou pastores, não devem ser “acusados de dissolução”, nem de serem “desobedientes”.

(    ) Paulo diz que os filhos dos ministros, presbíteros ou pastores, não devem ser “acusados de divisão na igreja”, nem de serem “preguiçosos”.

(    ) No original, tais adjetivos vêm de anupotaktos, “não sujeito”, “indisciplinado”, “desobediente”.

(    ) O exemplo mau dos filhos do sacerdote Eli é referência negativa para a família dos pastores..

(    ) Paulo mostra que o bispo deve ser uma pessoa íntegra, irrepreensível, “como despenseiro da casa de DEUS”.

(    ) Por outro lado, ensina também que o bispo não pode ser “soberbo”, “iracundo”, “dado ao vinho”, “não espancador”, “cobiçoso de torpe ganância”.

(    ) Paulo instrui que o obreiro precisa ser “[…] dado à hospitalidade, amigo do bem, moderado, justo, SANTO, temperante”.

 

7- Como eram os crentes de Creta?

(    ) Paulo ressalta o respeito que o presbítero deve ter à doutrina e a autoridade ministerial para argumentar com os contradizentes.

(    ) Entre os crentes da igreja de Creta, haviam os “complicados” e “contradizentes”, “faladores”, tipos não raros em igrejas nos tempos presentes.

(    ) Além de desordenados, eles são “detratores” e soberbos.

(    ) Além de desordenados, eles são “faladores” e murmuradores.

 

8- De que maneira o apóstolo Paulo indicou a maneira de tratar os falsos crentes de Creta e por que acontecia isso?

(    )  Aos contradizentes e desobedientes ao ensino da Palavra de DEUS, Paulo demonstra não ter nenhuma afinidade com eles, pois são perigosos, não só para a igreja local, mas para as famílias cristãs, e devem receber a admoestação e repreensão à altura: “[…] aos quais convém tapar a boca; homens que transtornam casas inteiras, ensinando o que não convém, por torpe ganância”.

(    ) O fato de tais falsos crentes terem espaço para transtornar “casas inteiras” se devia à realidade das igrejas cristãs em seus primórdios.

(    ) Elas funcionavam, em grande parte, nos templos judaicos..

(    ) Elas funcionavam, em grande parte, nas residências dos convertidos.

 

9- Como devia agir Tito, quanto aos desviados e hereges da igreja de Creta?

(    ) Tito, na condição de “supervisor”, estabelecendo igrejas, “de cidade em cidade”, tinha que ministrar a palavra de edificação e advertência contra os falsos cristãos.

(    ) Deveria repreendê-los de modo veemente.

(    ) Na verdade, eles eram desviados da verdade.

(    ) Mais adiante, Paulo resume como tratar os desviados e hereges: “Ao homem herege, depois de uma e outra admoestação, disciplina-o e o expulsa da igreja”.

(    ) Mais adiante, Paulo resume como tratar os desviados e hereges: “Ao homem herege, depois de uma e outra admoestação, evita-o”.

 

III. A PERCEPÇÃO DA PUREZA PARA OS PUROS E PARA OS IMPUROS

10- Para quem tudo é puro?

(    ) Paulo diz que “todas as coisas são puras para os puros”, pois esses procuram viver segundo a Palavra de DEUS.

(    ) Paulo diz que “todas as coisas são puras para os SANTOs”, pois esses amam as pessoas como DEUS.

(    ) Aqueles que vivem de modo SANTO não veem mal em tudo, pois seus olhos são bons, SANTOs.

(    ) Isso é reflexo de suas mentes e corações bondosos. DEUS nos chamou para sermos SANTOs em todas as esferas e aspectos da nossa vida.

(    ) Quem despreza esse ensino não despreza ao homem, mas sim a DEUS.

 

11- Para quem nada é puro?

(    ) De fato, para os “contaminados e infiéis”, tudo o que eles pensam e praticam é de má natureza.

(    ) De fato, para os “contaminados e infiéis”, tudo o que eles pensam e praticam é certo.

(    ) O motivo pelo qual “nada é puro para os contaminados” é porque “confessam que conhecem a DEUS, mas negam-no com as obras, sendo abomináveis, e desobedientes, e reprovados para toda boa obra”.

(    ) Esses são hipócritas e maliciosos, pois dizem uma coisa e fazem outra.

 

12- O que acontece com que conhece a DEUS?

(    ) Atualmente muitos dizem conhecer a DEUS, porém, se olharmos para suas atitudes veremos que estes nunca conheceram ao Senhor.

(    ) A nossa conduta revela a nosso caráter, nosso status e o nosso relacionamento com DEUS.

(    ) A nossa conduta revela a nossa fé e o nosso relacionamento com DEUS.

(    ) O que as pessoas aprendem com você ao observar a sua conduta na igreja e fora dela?

 

CONCLUSÃO
13- Complete:

A administração de uma igreja requer a __________________________ de preceitos e diretrizes, emanadas da Palavra de DEUS, o maior e melhor “manual de administração _________________________”. Por isso, Paulo escreveu três cartas pastorais, visando o estabelecimento, a organização e o __________________________ sadio da Igreja do Senhor JESUS.

 

RESPOSTAS DO QUESTIONÁRIO EM http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm

 

Referências Bibliográficas (outras estão acima)

 

Bíblia de estudo – Aplicação Pessoal.

Bíblia de Estudo Almeida. Revista e Atualizada. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2006.

Bíblia de Estudo Palavras-Chave Hebraico e Grego. Texto bíblico Almeida Revista e Corrigida.

Bíblia de Estudo Pentecostal. Traduzida em português por João Ferreira de Almeida, com referências e algumas variantes. Revista e Corrigida, Edição de 1995, Flórida- EUA: CPAD, 1999.

BÍBLIA ILUMINA EM CD – BÍBLIA de Estudo NVI EM CD – BÍBLIA Thompson EM CD.

CPAD – http://www.cpad.com.br/ – Bíblias, CD’S, DVD’S, Livros e Revistas. BEP – Bíblia de Estudos Pentecostal.

VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE – http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm

www.ebdweb.com.br

www.escoladominical.net

www.gospelbook.net

www.portalebd.org.br/

http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/alianca.htm

1 Timóteo, 2 Timóteo e Tito – J. N. D. Kelly – Novo Testamento – Vida Nova – Série Cultura Cristã.

William Hendriksen, 1 Timóteo, 2 Timóteo e Tito, São Paulo: Cultura Cristã, 2001, p. 191-6 (Comentário do Novo Testamento)

A EPÍSTOLA A TITO – O testamento de Paulo à igreja – Hernandes Dias Lopes – Comentários Expositivos Hagnos

Tito – John Macarthur – Novo Testamento Comentário Expositivo de Titus – MOODY PRESS/CHICAGO – 1996 – by THE MOODY BIBLE INSTITUTE

Publicado no site do Ev. Luiz Henrique

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.