A Corrupção dos Últimos Dias – Rede Brasil de Comunicação

Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Pernambuco

Superintendência das Escolas Bíblicas Dominicais

Pastor Presidente: Aílton José Alves

Av. Cruz Cabugá, 29 – Santo Amaro – Recife-PE / CEP. 50040 – 000 Fone: 3084 1524

LIÇÃO 09 – A CORRUPÇÃO DOS ÚLTIMOS DIAS – 3º TRIMESTRE DE 2015

(II Tm 3.1-4; 14-16)

INTRODUÇÃO

Os tempos difíceis que a Igreja, em seus primórdios sofrera, elucida acontecimentos preliminares e simbólicos dos tempos do fim, que sobrevirão, antes do retorno de Cristo. Segundo Paulo a corrupção do gênero humano iria atingir proporções bem maiores com o passar dos tempos (II Tm 3). Nesta lição, traremos a definição da palavra “corrupção” e das expressões tais como: “últimos dias”, “tempos trabalhosos”; veremos ainda, as marcas que comprovam a degeneração social e, por fim, como os crentes podem ser imunizados deste mal, mantendo-se irrepreensíveis em santidade, a fim de herdarem a vida eterna (1Ts 3.13; 1Co 15).

I – DEFINIÇÕES DO TERMO CORRUPÇÃO

1.1. Definição linguística. O nosso termo “corrupção” provém do latim, “corruptione”, e o Aurélio o define como “ato ou efeito de corromper; decomposição, putrefação”. Já no sentido figurado, a expressão significa: “devassidão, depravação, perversão” (FERREIRA, 2004, p. 560 – acréscimo nosso).

1.2. Definição teológica. Quando Boyer relaciona as palavras “corrupção”, “corruptível” e “corrupto”, ele dá destaque para o que é “corrompido, podre, depravado, pervertido, sujeito a putrefação, algo desmoralizado” (96, p. 201 – acréscimo nosso).

1.3. Definição Bíblica. A apresentação bíblica desse assunto é ampla, incluindo as seguintes categorias: (1) No Antigo Testamento: (a) A decadência do corpo, que é a corrupção física (Sl 16.10); (b) Os defeitos físicos em algum animal, que o tornavam impróprio para ser sacrificado, que é a corrupção cerimonial (Lv 22.20-23); (c) A ruína moral causada pelo pecado, que é a corrupção moral (Dt 9.12); (2) No Novo Testamento, encontramos as palavras gregas “phthora” e diaphthora”, ambas traduzidas por “corrupção”. A primeira delas (phthora) aparece por nove vezes denotando a decadência do corpo físico (1 Co15.42,50); do universo físico (Rm 8.21; Cl 2.22; 1Pd 2.2); da moral e religiosidade (1Pd 1.4; 2.9) (CHAMPLIN, 2013, p. 934 – acréscimo e grifo nosso).

II – A PREDIÇÃO DO APÓSTOLO PAULO

“A expressão ‘últimos dias’ no texto, aparece somente nas epístolas pastorais, em At 2.17 e em Tg 5.3. Porém, expressa de maneira diferente, e de ocorrência comum; um tema muito comum entre os líderes da igreja primitiva (Mt 24; At 2.17; Tg 5.3; 2 Pe 3.3; Jd 18) (CHAMPLIN 2014, p. 501 – acréscimo nosso). “Paulo passa a falar sobre o fim dos tempos, isto é, a era cristã na sua totalidade, onde as coisas se tornarão piores à medida que o fim se aproxima (2Pd 3.3; 1Jo 2.18; Jd 17,18). O que parece, é que o apóstolo acreditava que vivenciava os últimos dias, pois esta expressão abrange todo o intervalo entre o primeiro advento de Cristo, e o seu advento final, designado como o fim dos séculos (1Co 10.11) (ADEYEMO, 2010, p. 1519 – acréscimo e grifo nosso).

2.1. Tempos trabalhosos (II Tm 3.1). “A heresia do gnosticismo era ‘suave’, quando contrastada com as heresias futuras que antecedem a segunda vinda de Cristo, pois haverá uma apostasia de proporções gigantescas. Da expressão ‘tempos difíceis’, no grego, temos o adjetivo “chapelos”, que significa ‘difícil’, ‘árduo’, dando a entender um período de ‘tensão’, de ‘maldade’; serão tempos difíceis de suportar, perigosos e problemáticos para a igreja em geral (CHAMPLIN, 2014, p 502 – acréscimo nosso). A expressão “difíceis” é usada para descrever a natureza selvagem de dois homens possuídos por demônios (Mt 8.28). Essas eras ou épocas selvagens ou perigosas serão cada vez mais frequentes e severas à medida que se próxima a volta de Cristo; a era da igreja está repleta desses movimentos perigosos que, pelo fato de o fim estar se aproximando, estão ganhando força (Mt 7.15; 24.11,12,24; 2Pd 2.1,2) (ALMEIDA, 2010, p. 1672).

2.2. As marcas deste tempo (II Tm 3.2-5). “Esse período é o mesmo que o apóstolo se refere como ‘últimos tempos’; Na primeira carta a Timóteo (1Tm 4.1), Paulo focaliza a proliferação de falsas doutrinas, e aqui (2Tm 3.1), o apóstolo enfatiza a degeneração social, a perversidade das pessoas que se tornam totalmente egoístas e buscam apenas satisfazer seus próprios desejos, sem nenhuma consideração pelos outros (2Tm 3.3); Elas tem pouco interesse na religião e zombam das coisas de Deus, mas gostam de cultivar uma fachada cristã (2Tm 3.4-5), amam os prazeres da carne (2Tm 3.6), e se interessam por novas ideias apenas pelo fato de serem novas, porém, não estão dispostas a chegar ao conhecimento da verdade (2Tm 3.7). “Nestas descrições, o apóstolo Paulo está usando termos familiares aos judeus e, sendo assim, o mesmo, pelo Espírito Santo, caracterizou o perfil das pessoas destes ‘últimos tempos’; Como disse E. K. Simpson: “O mundo se fará mais mundano” (apud, BARCLAY, sd, p. 67 – acréscimo e grifo nosso).

III – TIPOS DE CORRUPÇÃO

A sociedade está caminhando a passos largos para o auge da corrupção. Ela, aos poucos, está se degenerando; o sistema está pervertido e corrompido. Há pessoas que mostram em seus comportamentos que a corrupção está em todas as esferas, principalmente no que tange ao relativismo moral (nada é definitivamente certo nem absolutamente errado) e as leis incoerentes. Vejamos na tabela abaixo, os possíveis tipos de corrupções e associemos aos comportamentos típicos que o apóstolo Paulo elenca na sua segunda carta a Timóteo:

TIPOS DE CORRUPÇÃO 2TM 3.1-9
1 Moral “… amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, ingratos, profanos, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, traidores, obstinados, orgulhosos…” (2Tm 3.1-3).
2 Teológica “… nunca podem chegar ao conhecimento da verdade…” (2Tm 3.7).
3 Religiosa “… irreconciliáveis, mais amigos dos deleites, aparência de piedade…” (2Tm 3.3-5).
4 Familiar “…desobedientes a pais e mães…” (2Tm 3.2).
5 Política “… resistem à verdade, sendo homens corruptos…” (2Tm 3.8).
6 Sentimental “… sem afeto natural…” (2Tm 3.3).
7 Pedagógica “… aprendem sempre…” (2Tm 3.7).

 

IV – IMUNIZANDO-NOS PELA PALAVRA DE DEUS

Como não é possível a igreja se isentar deste mal, o apóstolo nos mostra que é possível se imunizar, se defender. “Paulo adornava suas cartas a Timóteo com incentivos, desafios, esperanças, e confirmações. Nesta última seção, antes de suas considerações finais, ele deu a confiabilidade das Escrituras, a inspirada Palavra de Deus, e a constância do seu próprio exemplo (2Tm 3.10-17), como duas orientações seguras para a imunização contra as corrupções citadas acima, mostrando um elo existente entre a ‘Ortodoxia’ (do grego “orthodoxos” “orthos”, “direito” + “doxa”, “doutrina”) e a ‘Ortopraxia’ (do grego “orthopraxia” “orthos”, “direito” + “praxis”, “prática”)” (RIBAS, 2009, p. 537 – acréscimo e grifo nosso). Vejamos na tabela abaixo o exemplo do apóstolo Paulo nestas duas vertentes, praticando a ortodoxia que ensinava:

ORTODOXIA ORTOPRAXIA
1 “… ensino…” (1Tm 3.16). – instruir no Evangelho “… o meu ensino, meu procedimento …”
2 “… repreensão… (1Tm 3.16).– Expor os erros “… meu propósito, a minha fé…”
3 “… correção…” (1Tm 3.16). – Redirecionar o

comportamento errado

“… a minha longanimidade, o meu amor e a minha

perseverança…”

 

4 “… educação na justiça…” (1Tm 3.16). – Nutrir os

crentes e santidade

“… as minhas perseguições e os meus sofrimentos…”
PARA O APÓSTOLO A ORTODOXIA DEVE GERAR A ORTOPRAXIA

“… aperfeiçoamento, habilidade para toda boa obra…”

 

CONCLUSÃO

Vivemos os dias, que previu o apóstolo Paulo, pelo Espírito Santo. Tempos difíceis. Cada dia que se passa, precisamos nos voltar para as Escrituras que por Deus são inspiradas (2Tm 3.16), a fim de nutrirmos as nossas almas, para que possamos aguardar, irrepreensíveis em santidade, o retorno glorioso de Jesus Cristo e, assim o que é corruptível se revestirá da incorruptibilidade e o que é mortal se revestirá da imortalidade e, por toda a eternidade estaremos com o Senhor.

REFERÊNCIAS

  • ANDRADE, Claudionor Corrêa. Dicionário Teológico. CPAD.
  • BOYER, Orlando. Pequena Enciclópopédia Bíblica. IBAD.
  • CHAMPLIN, R. N. Dicionário de Bíblia, Teologia e Filosofia. HAGNOS.
  • MACARTHUR. Bíblia de Estudo MacArthur. SBB
  • STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD.

Publicado no Portal da Rede Brasil de Comunicação

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.