Vivendo com a Mente de Cristo – Francisco Barbosa

Vivendo com a Mente de Cristo – Francisco Barbosa

Lição 14

31 de Dezembro de 2017

Vivendo com a mente de Cristo

Texto Áureo Verdade Prática
“Porque quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo” (1Co 2.16). Diante de um mundo marcado pelos dias maus, não podemos viver sem ter a mente de Cristo.
Leitura Diária
Segunda — Mt 5.1-12

As bem-aventuranças trazem bom senso para a vida

Terça — Mt 5.13-16

Sendo sal para temperar e luz para iluminar

Quarta — Mt 5.21-26

Sabedoria no relacionamento interpessoal

Quinta — Mt 5.38-42

Guardando o coração do ódio e do mal

Sexta — Mt 6.1-4

Fazendo o bem com a motivação correta

Sábado — Mt 6.9-15

Orando a Deus com sabedoria

Leitura Bíblica em Classe
1 Coríntios 2.12-16.
12 — Mas nós não recebemos o espírito do mundo, mas o Espírito que provém de Deus, para que pudéssemos conhecer o que nos é dado gratuitamente por Deus.

13 — As quais também falamos, não com palavras de sabedoria humana, mas com as que o Espírito Santo ensina, comparando as coisas espirituais com as espirituais.

14 — Ora, o homem natural não

compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.

15 — Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido.

16 — Porque quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo.

HINOS SUGERIDOS. 159, 463 e 620 da Harpa Cristã
Objetivo Geral
Explicar porque não podemos viver sem ter a mente de Cristo.
Objetivos Específicos
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.

I. Mostrar que somos peregrinos neste mundo tenebroso;

II. Compreender que precisamos viver em esperança e com a mente de Cristo.

COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
A doutrina da glorificação dos salvos, estudada na lição anterior, traz esperança à nossa vida. Ela nos lembra que somos peregrinos e forasteiros neste mundo e, por isso, devemos sempre ter a consciência da fugacidade da vida. A melhor maneira de viver com essa consciência é ter a mente de Cristo. [Comentário. Filipos era uma colônia do Império romano. Os cidadãos viviam como romanos, respeitando as leis de Roma e pagando impostos a César. Eles gozavam da segurança e dos benefícios de serem cidadãos romanos, ainda que vivessem a uma grande distância de Roma. Parte da força de Roma era a união de suas colônias através do mundo antigo: todas elas estavam se esforçando juntas pelo bem comum. Semelhantemente, os cristãos filipenses eram uma “colônia” do céu. Quando Paulo escreveu “vivei de um modo digno” (v. 27), ele estava lhes dizendo para “viverem como cidadãos” de sua cidade capital: o céu (Fp 30.20). Um cidadão tem que manter um certo perfil. Como o resto do mundo saberia que os filipenses eram romanos? Eles viviam como romanos. Como o mundo saberia que eles eram cidadãos do céu? Eles teriam que viver como santos: em união, amor e serviço. O Império Romano era forte, mas no fim caiu. A unidade da cidadania cristã é parte de “um reino inabalável” (Hb 12.28). Para os santos filipenses servirem bem uns aos outros, deixando seus próprios desejos pelo bem comum de todos os santos, eles teriam que aprender a ser desprendidos. Muitos reinos tinham caído por causa do egoísmo e da ganância. Mas o reino do céu estava estabelecido no serviço desinteressado aos outros. Jesus Cristo — o próprio Rei — veio como um servo (vs. 6-7), e serviu a toda a humanidade vivendo sem pecado e morrendo numa cruz. Se Jesus pode humilhar-se para descer do céu e servir os homens, estes podem humilhar-se para descer de seu orgulho e servir os outros. A salvação é uma dádiva de Deus (Rm 6.23), mas exige uma resposta por parte dos homens para a receberem. Essa resposta é obediência. Paulo encoraja-os a continuarem obedecendo, justo como tinham feito quando ele estava com eles (v. 12). Ele incita-os a obedecer “porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade” (v. 13). Quando obedecemos a Deus fielmente, ele trabalha em nós para a salvação. A obediência jubilosa e unida dos servos de Deus é “luz” num mundo escuro onde as pessoas vivem com ira e disputa, servindo só a si mesmas. Paulo conclui com três exemplos de serviço desinteressado. Paulo estava feliz (vs. 17-18) por ser “oferecido por libação sobre o sacrifício e serviço da vossa fé”. Timóteo (vs. 19-24) não era como os outros, que “buscam o que é seu próprio” (v. 21), mas queria fazer as jornadas perigosas de ida e volta a Filipos para servir a Paulo e seus irmãos. E Epafrodito (vs. 25-30), “por causa da obra de Cristo chegou às portas da morte e se dispôs a dar a própria vida”. Que Deus ajude todos nós a sermos um exemplo de serviço desinteressado(1). Vamos pensar maduramente a fé cristã?]

1. Carl Ballard. Estudo Textual: Filipenses 1:27-2:30 A Mente de Cristo. Disponível em:https://www.estudosdabiblia.net/fil2.htm. Acesso em 20 dez, 2017

PONTO CENTRAL
Somos peregrinos em terra estranha.

 

I. PEREGRINOS NESTA TERRA
1. Peregrinos na terra. O peregrino está de passagem por uma terra que não lhe pertence, ele caminha em direção a um país cujo coração almeja. Para isso, o peregrino se torna nômade, não se apega ao local de estadia porque sabe que ele é provisório. Por onde caminha não experimenta conforto, pois carrega o mínimo de bagagem possível a fim de tornar o trajeto mais leve. O patriarca Abraão é o modelo bíblico dessa imagem peregrina. O nosso pai da fé saiu da sua terra, deixou sua parentela, foi ao encontro da Terra Prometida e fez da peregrinação um estilo de vida (Hb 11.9). Da mesma forma, nós os cristãos somos peregrinos neste mundo. Por isso, não podemos nos embaraçar com as coisas desta vida nem permitir que ocupem o lugar que pertence ao Senhor em nosso coração (1Tm 2.4). Isso não significa irresponsabilidades com o trabalho, os estudos e a família, mas uma motivação correta do coração para priorizar “as coisas que são de cima” (Cl 3.1). Comentário:Nas meditações de Lutero, ele escreve: “… confessando que eram estrangeiros e peregrinos sobre a terra”. (v. 13) – Assim sendo, o apóstolo Pedro quer mostrar que devemos encarar esta vida como um estrangeiro e um peregrino encaram a terra na qual são forasteiros e visitantes. Um estrangeiro não pode dizer: esta é a minha terra natal, pois não nasceu naquele país. Um peregrino não pensa em ficar na terra por onde peregrina, tampouco, na hospedaria onde está pernoitando, mas, seu coração e pensamentos estão voltados para outra direção. Na hospedaria, ele apenas descansa e faz as refeições e, então, prossegue viagem a seu lar. Por isso, também vocês devem considerar-se visitantes e estrangeiros nesta terra ou hospedaria estranha, da qual vocês não tomam outra coisa senão comida, bebida, roupa, calçado e o que precisam para passar a noite. Mas o pensamento estará voltado exclusivamente para a terra natal, onde está a cidade de vocês. Convém ter isso sempre em mente. Devemos deixar de lado essa idéia de edificar para nós mesmos uma vida eterna neste mundo; lutando e apegando-nos a isso como se fosse o nosso maior tesouro e reino dos céus, como se quiséssemos aproveitar-nos de Cristo, o Senhor, e do evangelho para esta vida, adquirindo riquezas ou poder por meio dele. Ao contrário, já que temos de viver neste mundo tanto tempo quanto Deus quiser, devemos, também, comer, beber, namorar, plantar, construir, ter casa e lar e tudo o mais que Deus dá, ter e usar tudo isso como estrangeiros e peregrinos numa terra estranha, como pessoas que estão conscientes de que têm de deixar tudo isso para trás e seguir viagem, deixando a terra estranha e a hospedaria ruim e insegura, e rumando para a pátria verdadeira, onde tudo é certeza, paz, descanso e alegria eterna(2). Dessa forma, não podemos estar presos às coisas deste mundo. Na luta contra o pecado a perfeição vem somente por Cristo (Cl 2.1-19). Muitos, porém, insatisfeitos com a simplicidade disso, criam rígidos regulamentos físicos para “governar os fiéis” e os mantém “longe do pecado”. Os fariseus fizeram isto e Jesus os reprovou (Mt 15.1-9). Hoje alguns continuam seguindo suas próprias regras físicas como se fossem um meio de purificar a alma. Mas Paulo mostra aos Colossenses que a purificação só vem quando morremos com Cristo para uma nova vida espiritual. Morremos com Cristo (Cl 2.20-23). No batismo somos “sepultados” com Cristo (Cl 2.12; Rm 6.1-4), morrendo para o pecado e “para os rudimentos do mundo” (Cl 2.20). Estes “rudimentos do mundo” incluem:

1. a lei de Moisés, com todas as suas sombras “das coisas que haviam de vir” (Cl 2.13-17);

2. as coisas baseadas na “mente carnal”, como “culto dos anjos” e “visões”, as quais não retêm a autoridade de Cristo (Cl 2.18-19); e

3. ordenanças “segundo os preceitos e doutrinas dos homens” (Cl 2.20-22).

Deus nos revelou “todas as coisas que conduzem à vida e à piedade” para nos livrar “da corrupção das paixões que há no mundo” (2Pd 1.3-4). Qualquer outra coisa – regras humanas sobre alimentos, cortes de cabelo, proibições contra TV, etc. – podem ter “aparência de sabedoria”, mas “não têm valor algum contra a sensualidade” (Cl 2.23). Afinal, se um homem não morre com Cristo, ele não vai deixar de pecar nas coisas sensuais só porque não assiste a televisão. Ressuscitamos com Cristo (Cl 3.1-4). No batismo, somos “ressuscitados” com Cristo “mediante a fé no poder de Deus” e recebemos “novidade de vida” (Cl 2.12; Rm 6.1-5). Sendo que Cristo vive “assentado à direita de Deus”, nós devemos buscar “as coisas lá do alto” e pensar “nas coisas lá do alto” (Cl 3.1-2). Devemos fazer nossas vidas em Cristo, não em ordenanças (Cl 3.3-4). Quando aprendemos a amar Cristo e viver para ele, então guardaremos os mandamentos dele sem regras de homens para nos “manter fiel” (Jo 14.15,21). Quando somos fiéis a Cristo e não a regras, seremos “manifestados com ele, em glória” (Cl 3.4). A nova vida (Cl 3.5-11). A nova vida vem pela mudança de natureza e não pela mudança de algumas regras externas. “A natureza terrena” com todas as coisas pertencentes a ela tem que morrer (Cl 3.5). Isto acontece quando obedecemos a Cristo em amor, sabendo que “a ira de Deus [vem] sobre os filhos da desobediência” (Cl 3.6). Quando amamos a Deus, não queremos decepcioná-lo. Assim, deixamos de fazer as coisas erradas que fazíamos antes na velha vida de pecado (Cl 3.5-9), e aprendemos a nos revestir “do novo homem” (Cl 3.9-10). A vida deste novo homem é uma vida espiritual, refletindo o amor e a santidade do seu Criador (Cl 1.16, 3.10)(3).

2. Meditações de Lutero. Disponível em:http://www.lutero.com.br/novo/vida_de_lutero_como_pregou2.php?id=337. Acesso em 20 dez, 2017.

3. Buscai as Coisas Lá do Alto. Disponível em: https://www.estudosdabiblia.net/col4.htm. Acesso em 20 dez, 2017.

2. Cidadãos celestiais. A Bíblia se refere ao fato de que os crentes não são deste mundo (Jo 17.16) e anseiam por sua pátria celestial (Fp 3.20). Dessa forma, não podemos nos conformar com este mundo, pois o nosso estilo de vida deve refletir o exemplo de Jesus revelado nos Evangelhos: uma vida marcada pela prática da justiça, do acolhimento aos sofredores, da libertação dos oprimidos pelo Diabo e, especialmente, da prática de amar o próximo, uma virtude eterna (1Co 13.13). Nesse sentido, podemos viver um pouco do Reino de Deus nesta Terra (Mt 6.33), embora haja uma tensão entre o tempo presente e a esperança da glória futura a ser manifestada brevemente (Rm 8.18,19,25). Comentário: O ver Hernandes Dias Lopes escreve: “O apóstolo Paulo diz: “E não vos conformeis com o presente século…” (Rm 12.2). O crente não vive numa bolha espiritual, mas no mundo. Ele foi salvo do mundo, está no mundo, mas não pertence ao mundo. Os valores do mundo não são mais os seus valores. A ética do mundo não é mais a sua ética. O crente tem, agora, a mente de Cristo. Conformar-se com o mundo é adaptar-se ao seu sistema. É se com o mundo é adaptar-se ao seu sistema. É abraçar seu relativismo. É entrar no seu esquema. O mundo tem uma fôrma que está sempre mudando de acordo com suas conveniências. O mundo não tem um padrão absoluto de conduta. Ele está entregue ao relativismo moral e à decadência dos costumes. A lei da vantagem prevalece nos acordos comerciais e nos relacionamentos. As pessoas existem para serem exploradas e não para serem servidas. Os desejos da carne existem para serem atendidos e não controlados. O prazer carnal deve ser consumado sem levar em conta a verdade de Deus ou o amor ao próximo. A ética do mundo é egoísta, é imoral, é atentatória contra Deus e contra o homem. Se quisermos, portanto, experimentar em nossa vida a vontade de Deus não podemos nos conformar com esse sistema corrompido de valores. O crente é uma pessoa inconformada com a filosofia prevalecente no mundo. Ele não ama o mundo nem é amigo do mundo. Ao contrário, ele é luz do mundo; tão oposto a ele como a luz é das trevas; tão necessário a ele, como a luz é para trazer claridade na escuridão. Agora, o apóstolo complementa: “… mas, transformai-vos pela renovação da vossa mente…” (Rm 12.2). A ética do mundo está em constante mudança. Aquilo que era vergonhoso ontem é aplaudido hoje. Os princípios de Deus, porém, são imutáveis. Temos um padrão absoluto. Não precisamos ficar confusos e perdidos nos labirintos da dúvida. Jesus Cristo é o nosso modelo. Quando olhamos para ele e estudamos sua Palavra, somos transformados progressivamente em sua própria imagem. Avançamos para o alvo rumo à estatura do varão perfeito. Somos, então, transformados de glória em glória, avançamos de fé em fé e caminhamos de força em força até entrarmos na glória, onde teremos um corpo semelhante ao corpo da glória de Cristo. A vontade de Deus não é conhecida por meios místicos, mas através de uma vida de consagração, onde nos apresentamos a Deus, nos inconformamos com o mundo e somos transformados pela renovação da nossa mente.(4). Como cidadãos dos Céus, devemos representar nossa pátria, o Reino de Deus. O domínio do Rei Jesus Cristo chegou às mentes e corações do povo de Deus durante o primeiro século. E lhes disse: “Em verdade vos afirmo que, dos que aqui se encontram, alguns há que, de maneira nenhuma, passarão pela morte até que vejam ter chegado com poder o reino de Deus” (Mc 9.1). Homens e mulheres ouviram a mensagem do reino e se tornaram cidadãos do reino do Senhor. “Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor” (Cl 1.13). O reino dos céus na terra não é um reino terrestre. Jesus disse: “O meu reino não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, os meus ministros se empenhariam por mim, para que não fosse eu entregue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui” (Jo 18.36). O que significa “não é deste mundo”? “Interrogado pelos fariseus sobre quando viria o reino de Deus, Jesus lhes respondeu: Não vem o reino de Deus com visível aparência. Nem dirão: Ei-lo aqui! Ou: Lá está! Porque o reino de Deus está dentro de vós” (Lc 17.20-21). “Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo” (Rm 14.17). O que é o reino? Reino, basileia, significa monarquia, império, poder real, domínio. Portanto, o governo do céu chegou à terra. Mas o reino celestial não é como os reinos mundanos. O governo de Deus se dirige ao coração (espírito) do homem. Deus governa seu povo em seu Filho pela persuasão moral que é dada através de escritos sagrados, a Bíblia. Os cidadãos do reino são aqueles que renasceram. “A isto, respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus…Em verdade, em verdade te digo: Quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no reino de Deus” (Jo 3.3,5). “Tendo purificado a vossa alma pela vossa obediência à verdade, tendo em vista o amor fraternal não fingido, amai-vos, de coração uns aos outros ardentemente, pois fostes regenerados não de semente corruptível, mas de incorruptível, mediante a palavra de Deus, a qual vive e é permanente” (1Pd 1.22-23). Os cidadãos do reino de Deus deixam que a palavra dele tenha domínio sobre suas vidas. Eles seguem a Bíblia e formam hoje, coletivamente, o território da nação de Deus. Assim, nesse sentido, eles são o território que Deus governa. Eles não têm autoridade, pois todo o governo e domínio pertencem a Cristo. “Jesus, aproximando-se, falou-lhes, dizendo: Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra” (Mt 28.18). Assim, quando se olha para a palavra reino, deve-se primeiro estar se lembrando do rei que governa. A igreja forma o território do governo espiritual de Cristo. O que significa igreja? A assembléia de cristãos que foram libertados das trevas do pecado pelo sangue de Cristo. A igreja e o reino são intimamente ligados, mas não são palavras sinônimas. Reino destaca o governo do Rei. Igreja salienta o povo de Deus que está sob o governo de seu Senhor e Rei, Jesus Cristo.(5)

4. LOPES. Hernandes Dias. Como experimentar a vontade de Deus. Disponível em: http://hernandesdiaslopes.com.br/portal/como-experimentar-a-vontade-de-deus/. Acesso em 20 dez, 2017.

5. POARCH Tommy. ‘O Reino dos Céus na Terra’. Disponível em:https://www.estudosdabiblia.net/a15_23.htm. Acesso em 20 dez, 2017..

SÍNTESE DO TÓPICO I
Estamos neste mundo de passagem, o nosso destino é o céu.
‘VENHA COMIGO ENVIAR UM MISSIONÁRIO À ÁFRICA!’

Venha com o Blog Auxílio ao Mestre apoiar o projeto da jovemMissionária KILANNY QUEIROZ, com uma pequena oferta mensal. Ela precisa do nosso apoio. Clique na imagem, conheça o projeto e saiba como ajudar.

II. VIVENDO EM ESPERANÇA COM A MENTE DE CRISTO
1. Passando pelas provações com a mente de Cristo. Enquanto vivermos neste mundo, seremos afetados pelas fraquezas e circunstâncias difíceis. Por isso devemos aprender a viver com a sabedoria do alto (Tg 3.17; Fp 4.8). Nesse aspecto, o apóstolo Paulo exorta a igreja de Filipos a ter o mesmo sentimento de humildade de Cristo, esvaziando-se da prepotência, do orgulho, do apego aos títulos e posições, para cumprir o celestial propósito de servir (Fp 2.5-8). Ora, se temos a mente de Cristo, como ensina o apóstolo dos gentios, logo, sabemos discernir bem as coisas espirituais das materiais; por isso, escolhemos priorizar o Reino de Deus e a sua justiça na esperança de que Deus cuidará de nossas vidas (Mt 6.33).Comentário: Em tempos que o orgulho deixou de ser um vício para se tornar uma “virtude”. Na cultura dos winners (vencedores) versus loosers (derrotados), a lição da vida de Jesus compreendida pelo apóstolo Paulo soa como uma ofensa aos valores Pós-Modernos. O texto de Filipenses 2.3-5 nos leva a refletir o tipo de cristianismo que estamos vivendo cuja mensagem central abandonou o evangelho da graça para uma busca por realização pessoal. Como uma fórmula mágica, as pessoas têm procurado o segredo do sucesso, ou seja, como ter prosperidade, como ser uma pessoa que vive seu potencial no máximo, etc. Na contramão dessa corrente, ter o sentimento de Jesus implica em não apegar-se na sua condição, não se fiar no seu ego, na sua auto-imagem, mas é se despir de seu status e viver para servir os outros. Sucesso na vida com Jesus não está relacionado na quantidade de seus bens ou no seu bem estar, mas no quanto você se entrega, em amor, pelos outros(6). O grande desafio nos nossos dias é REMIR O TEMPO, é nos conduzirmos com aproveitamento máximo, gerando atos que redundem em glória para Deus e satisfação diária para nossas almas. Paulo, em Efésios 5.15,16, recomendou: “Portanto,vede prudentemente como andais, não como néscios, mas como sábios, remindo o tempo, porquanto os dias são maus”. Veja também em salmo 90.12: “Ensina-nos a contar os nossos dias, de tal maneira que alcancemos coração sábio”. Remir neste contexto significa aproveitar o tempo e todas as oportunidades com a qual deparamos. Temos que nos disciplinar para não esbanjarmos o tempo com conversas fúteis, leituras que não edificam, programas de TV inadequados (novelas, filmes…). Ao invés de gastar, devemos investir, com sabedoria, o tempo que Deus nos coloca ao dispor. Queridos, amem e priorizem a Deus, honrando-o com amor, com o modo de ser e agir, com a nossa oferta a Ele das primícias de nosso tempo, com nossos dons, talentos e nossos bens materiais, amem o seu próximo como a vocês mesmos, cooperando com o Senhor, a fim de que Seu plano de salvação seja conhecido por todos, e Seu reino seja estabelecido em cada coração. “não ter tempo para Deus é viver a vida perdendo tempo!”(7).

6. DELPHINO Juliano Henrique. ‘Humildade: o mesmo sentimento de Cristo Jesus!’. Disponível em: http://estudosbiblicos.blogspot.com.br/2015/11/humildade-o-mesmo-sentimento-de-cristo.html. Acesso em 20 dez, 2017.

7. Sem. Fábio e Suzana. ‘Tenham tempo para Deus. Priorizem o seu reino’. Disponível em: http://www.igrejabatistagenesis.com.br/mensagens/tenham-tempo-para-deus-priorizem-o-seu-reino-0. Acesso em 20 dez, 2017.

2. Um olhar para além das circunstâncias. Neste tempo presente, com os olhos focados em Cristo, podemos viver em esperança (Hb 11.1). Quando o nosso pensamento está de acordo com os ensinos do nosso mestre, podemos voltar os nossos olhos para além das circunstâncias difíceis. Isso não significa escapismo ou fantasia, mas uma alegre motivação e encorajamento para enfrentarmos as batalhas com a convicção de que Deus nos fortalecerá. Quando temos esperança em Cristo, e por intermédio dEle aprendemos a viver melhor, buscamos uma vida mais simples parecida com Jesus (Mt 6.19-21) e nos lançamos aos seus pés na certeza de que Ele tem cuidado de nós (1Pe 5.7). Assim, a vida fica mais leve (Mt 11.28-30).Comentário: Jesus nos adverte solenemente contra a ansiedade que a vida cria no homem. Em sua interpretação da parábola do semeador (Lc 8.11-15), as preocupações foram comparadas aos abrolhos e espinhos que sufocam a vida nova em Cristo (v. 14). É somente como crianças que ingressamos no reino (Mc 10.15), e toda criança bem cuidada sabe que não tem motivo algum para se preocupar. Os bons pais inculcam confiança tal que o medo do futuro mantém-se desconhecido. Isso também ocorre com os filhos de Deus que confiam suas vidas aos cuidados do Pai. Mas Deus é invisível. O mundo está presente e é palpável a toda hora, trazendo-nos a tentação de abandonar a vida alicerçada na fé, para buscar a segurança no mundo. Deus acalma os corações daqueles que lhe pertencem, como Jesus, enquanto caminhava em cima das vagas do mar da Galiléia. Os discípulos imaginavam que o desastre brevemente os alcançaria. As palavras de Jesus: “Sou eu, não temais” (Jo 6.20), ainda valem para todos os discípulos do século XX, que vêem no mundo uma incontável hoste de ameaças. Se pudermos crer na promessa de Jesus Cristo: “Eis que estou convosco até o fim do século” (Mt 28.20), experimentaremos a paz que ultrapassa todo entendimento: “E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus”. (Fp 4.7). Toda preocupação suscitada pelas condições do mundo é pecado. A ansiedade nos é proibida pelo mandamento inspirado: “Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças” (Fp 4.6)(8). O imperador Nero incendiou Roma em 64 d.C. Para aplacar as massas enfurecidas, ele culpou um pequeno grupo religioso, os cristãos. Aos poucos, mas de forma constante, os não-cristãos começaram a perseguir os seguidores de Cristo por todo o império. O apóstolo Pedro viu a crescente angústia da igreja. Em 1 Pedro, ele instrui os fiéis a permanecerem alegres e satisfeitos, mesmo quando sofressem perseguições por um tempo. O poder supremo de Deus os sustentaria (1 Pe 1.3-6). Como escreveu o professor de Bíblia Warren Wiersbe: “Deus não prometeu proteger-nos dos problemas, mas proteger-nos nos problemas”. Pedro queria que seus irmãos percebessem que Deus era o único refúgio verdadeiro, como já testemunhou o salmista: “Deus é nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente nas tribulações” (Sl 46.1)(9). Leia mais aqui.

8. Daniel Dutra. ‘Deixe a ansiedade, ele tem cuidado de você’. Disponível em:http://www.ipirondonopolis.com.br/2014/12/mensagem-deixe-ansiedade-ele-tem.html. Acesso em 20 dez, 2017.

9. Peter Colón citando Warren W. Wiersbe, The Bumps Are What You Climb On (Grand Rapids: Baker Books, 2002), 57. Disponível em:http://www.chamada.com.br/mensagens/deus_tem_cuidado.html. Acesso em 20 dez, 2017.

SÍNTESE DO TÓPICO II
Para manter a nossa esperança viva precisamos ter a mente de Cristo.
CONCLUSÃO
Somos peregrinos em terra estranha. Sentimos saudades de uma terra que ainda não conhecemos, como canta o poeta: “Oh! que saudosa lembrança / tenho de ti, ó Sião” (Harpa Cristã, nº 2). Portanto, vivamos sabiamente com a mente de Cristo até o nosso Salvador voltar para nos buscar. Maranata! Comentário: Eclesiastes 3.11 diz: “Também pôs no coração do homem o anseio pela eternidade“. Deus nos criou com este sentimento! E, por causa disso, nunca estaremos plenamente satisfeitos nesta vida. Nada chega à altura do céu. Aquele dito popular “vazio do tamanho de Deus” que o homem carrega dentro de si, nada mais é do que ‘Saudades da Pátria Eterna’, ‘Saudades do Céu’, ‘Saudades de Deus’. C. S. Lewis em seu livro Cristianismo Puro e Simples, escreve na página 179: “foi quando os cristãos deixaram de pensar no outro mundo que se tornaram tão incompetentes nesse aqui. Se você aspirar ao Céu, ganhará a terra “de lambuja”: se aspirar a Terra, perderá ambos”. Fomos criados para conhecer a Deus. Fomos criados para irmos ao céu. Deus pôs em cada homem esse instinto de voltar ao lar e somente estaremos completos quando O virmos face a face.] “… corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus …” (Hebreus 12.1-2),

Francisco Barbosa

Campina Grande-PB

Dezembro de 2017

PARA REFLETIR
A respeito de vivendo com a mente de Cristo, responda:
Conceitue a palavra “peregrino”.

Peregrino significa andante, alguém que está caminhando fora da sua terra, estrangeiro.

Quem é o modelo bíblico de uma vida peregrina?

O patriarca Abraão é o modelo bíblico dessa imagem peregrina.

O que o nosso estilo de vida deve refletir?

O nosso estilo de vida deve refletir o exemplo de Jesus revelado nos Evangelhos: uma vida marcada pela prática da justiça, do acolhimento aos sofredores, da libertação dos oprimidos pelo Diabo e, especialmente, da prática de amar o próximo, uma virtude eterna.

Qual a consequência de termos a mente de Cristo?

Se tivermos a mente de Cristo, como ensina o apóstolo dos gentios, logo, sabemos discernir bem as coisas espirituais das materiais.

Você tem esperança?

Resposta pessoal. Mas neste tempo presente, com os olhos focados em Cristo, podemos viver em esperança. Quando o nosso pensamento está de acordo com os ensinos do nosso Mestre, podemos voltar os nossos olhos para além das circunstâncias difíceis.

Publicado no blog Auxílio ao Mestre

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.