O Trabalho e Atributos do Ganhador de Almas – Eliseu Antonio Gomes

O Trabalho e Atributos do Ganhador de Almas – Eliseu Antonio Gomes

O trabalho e atributo do ganhador de almas

EBD - terceiro trimestre de 2016 - CPAD. O Desafio da evangelizacão. Obedecendo ao ide do Senhor de levar as Boas Novas a toda criatura. Comentarista: Claudionor de Andrade. Lição 4: O trabalho e atributo do granhador de almas.

Por Eliseu Antonio Gomes

A palavra “evangelista” provém do vocábulo grego “euaggelistes”, e significa aquele que traz boas-novas.  O termo era usado no período da Grécia Clássica, para designar a pessoa incumbida de comunicar uma notícia agradável. A partir da fundação da Igreja de Cristo, no Pentecostes, a palavra passou a designar aquele que proclama o Evangelho. O evangelista é chamado e vocacionado para ganhar almas.

A palavra “evangelista” é composta por dois vocábulos gregos: “eu” (bom); e, “ággelos” (anjo ou mensageiro). A etimologia do termo leva-nos a concluir que o evangelista é o “anjo / mensageiro do bem”. Eis o porque no Apocalipse, os responsáveis pela igreja na Ásia Menor foram assim nomeados pelo Senhor.

Os atributos do evangelista, são:

• amor às almas;
• ser chamado por Deus;
• conhecimento da Palavra de Deus;
• fé;
• espiritualidade plena;
• disponibilidade;
• perseverança.

No Antigo Testamento, o ministério que se aproxima ao do evangelista neotestamentário é o de Profeta. A palavra hebraica que aparece em Isaías 40.9 e 52.7 traz a ideia de “mensageiro” e “pregador”. O ministério profético neotestamentário tinha o objetivo de convencer o rei e o povo de seus pecados, arrependerem-se, e voltar a andar segundo a vontade de Deus, tal qual a objetivo da evangelização nos dias atuais.

O trabalho de evangelista é um precioso dom de Cristo à Igreja, é a capacitação espiritual dada aos obreiros, a vocação dada por Deus através do Espírito Santo, e confiado à Igreja por Cristo, visando à proclamação extraordinária das Boas-Novas da salvação. Sem o ministério da proclamação, o Evangelho teria morrido em Jerusalém.

O dom de evangelista é um dom ministerial, outorgado à Igreja pelo Espírito Santo. Na Carta aos Efésios, capítulo 4, versículo 11, o apóstolo Paulo apresenta o dom de evangelista como sendo o segundo dom ministerial em importância. Os que recebem este dom são impulsionados pelo Espírito Santo a proclamar a mensagem do Evangelho, que reúne em si a oferta e o poder da salvação (Romanos 1.16). Entretanto, todo crente tem como tarefa suprema evangelizar e ganhar almas para Cristo.

Por intermédio de obreiros como Filipe, a mensagem da cruz ultrapassou a fronteira da Judeia. Em Atos 8, encontramos o relato da atuação de Filipe em Cesareia, Gaza, Azoto e Samaria. E de Samaria, as Boas-Novas não demoraram a alcançar os confins da Terra. Filipe claramente retrata o papel do bom evangelista. O livro de Atos nos conta que ele, junto com Estevão, foi um dos sete diáconos mais importantes nomeados originalmente para cuidar das viúvas (6.1-6); era morador de Cesareia, era pai de quatro filhas virgens que profetizavam na Igreja Primitiva (Atos 21.8-9). Durante a perseguição promovida por Saulo de Tarso, foi forçado a mudar-se com a família para Samaria (8.5). E, através de Filipe toda a Samaria foi evangelizada (8.4-7). O livro de Atos também narra que Filipe, guiado pelo anjo do Senhor, foi ao caminho de Gaza e Jerusalém e ali encontrou o eunuco e mordomo-mor da rainha dos etíopes, Candance; o etíope lia a Escritura no livro de Isaías, mas não entendia a leitura; Filipe, percebendo a inabilidade do etíope, passou a explicar o texto sagrado, e assim aquele homem teve um encontro com Cristo (8.26-40).

O Arauto do Reino de Deus, o portador das Boas-Novas, vivendo neste mundo em que a sociedade está dominada pelas ideias e cosmovisões que afrontam o propósito do Altíssimo para a humanidade, ama o pecador e não economiza esforços para alcançá-la em todas as esferas da sua existência. Amar: esta é a palavra-chave do autêntico evangelista de Cristo!

O ministério evangelístico não se limita a uma escolha pessoal; firma-se em uma intimação do próprio Cristo. Devemos evangelizar não porque seja agradável, fácil, ou porque podemos ter sucesso, mas porque Jesus nos chamou.

O evangelista consciente de seu ministério não se limita a evangelizar baseado na itinerância. O deslocamento do evangelista contemporâneo se dá no sentido de encontrar não-crentes, os que não conhecem o Evangelho. Ele vai de pessoa a pessoa, casa a casa, rua a rua, comunidade em comunidade. Ele vai a lugares que ninguém vai, e apresenta o plano da salvação em lugares onde Cristo nunca foi anunciado. Além disso, realiza a apologia da fé cristã e integra o novo-convertido ao meio social da congregação.

E.A.G.

Compilações:
Ensinador Cristão, página 38; ano 17, nº 67, julho-setembro de 2016, Bangu, Rio de Janeiro – RJ (CPAD).
Lições Bíblicas – O Desafio da Evangelização: obedecendo ao ide do Senhor Jesus de levar as Boas-Novas a toda criatura – Professor – Claudionor de Andrade, páginas 27-29, 31; 3º trimestre de 2016, Bangu, Rio de Janeiro – RJ (CPAD).
O Desafio da Evangelização – Obedecendo ao ide do Senhor Jesus de levar as Boas-Novas a toda criatura; Claudionor Gonçalves; páginas 39 e 40; 1ª edição 2016; Bangu, Rio de Janeiro – RJ (CPAD).

Publicado no blog Belverede
There is 1 comment for this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *