Sobre a Família e a sua Natureza – Pr. Josaphat Batista

Sobre a Família e a sua Natureza – Pr. Josaphat Batista

SOBRE A FAMÍLIA E A SUA NATUREZA

A família (do termo latino família) é um agrupamento humano formado por indivíduos com ancestrais em comum e/ou ligados por laços afetivos e que, geralmente, vivem numa mesma casa. Veremos que a família é a célula da sociedade.

 

TEXTO BÍBLICO

Gênesis 2.18-24

18 E disse o SENHOR Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele.

19 Havendo, pois, o SENHOR Deus formado da terra todo o animal do campo, e toda a ave dos céus, os trouxe a Adão, para este ver como lhes chamaria; e tudo o que Adão chamou a toda a alma vivente, isso foi o seu nome.

20 E Adão pôs os nomes a todo o gado, e às aves dos céus, e a todo o animal do campo; mas para o homem não se achava ajudadora idônea.

21 Então o SENHOR Deus fez cair um sono pesado sobre Adão, e este adormeceu; e tomou uma das suas costelas, e cerrou a carne em seu lugar;

22 E da costela que o SENHOR Deus tomou do homem, formou uma mulher, e trouxe-a a Adão.

23 E disse Adão: Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne; esta será chamada mulher, porquanto do homem foi tomada.

24 Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne.

 

A INSTITUIÇÃO DA FAMÍLIA

(Gn 2:18-24)

1 – Deus instituiu o matrimônio e celebrou o primeiro casamento.

Ele deseja, portanto, que o casal permanecia unido, até que a morte os separe, em benefício da família e da sociedade. As organizações humanas por mais sólidas que sejam, tendem a se desestruturar com o tempo.

No entanto, o que Deus estabeleceu, tem solidez, pois ele zela pela sua permanência até um determinado prazo.O que depende de nós, façamos com empenho, para manter a família unida.

A família foi instituída por Deus como padrão da vida social, moral ou legal espiritual e doutrinária.

A – Padrão Social

Da família é que vem a sociedade, até porque em termos de unidade, ela é o conjunto de todas as pessoas que vivem sob o mesmo teto, proteção ou dependência do dono ou chefe da casa, que visam o bem-estar do lar; Em fim, que se comunica, se amam e se ajudam.

Na sociedade hebraica a família era o âmago da estrutura social. Na Tanach, exclusivamente em Berê’shlth (Gênesis), encontramos o princípio judaico-cristão da família no texto que diz: “E disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma adjutora que esteja como diante dele.

Então, o Senhor Deus fez cair um sono pesado sobre Adão, e este adormeceu; e tomou uma das suas costelas e cerrou a carne em seu lugar. E da costela que o Senhor Deus tomou do homem formou uma mulher; e trouxe-a a Adão, E disse Adão; Esta é agora osso dos meus ossos e carne da minha carne; esta será chamada varoa, porquanto do vario foi tomada.

Portanto, deixará o varão o seu pai e a sua mãe e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne, E ambos estavam nus, o homem e a sua mulher; e não se envergonhavam’ (Gn 2.18,21-25).

Segundo o filósofo Lévi-Strauss, o princípio da família é dado pelo texto da Escritura que diz: ‘deixará o varão o seu pai e a sua mãe’, regra infrangível ditada a toda a sociedade para que possa estabelecer-se e durar” (BENTHO, Esdras Costa, A Família no Antigo Testamento; História e Sociologia, Rio de Janeiro: CPAD, 2011, p.23).

B – Padrão Moral ou Legal 

O casamento está amparado e garantido por lei: No ato do casamento os conjugues se submetem a um processo legal que regularmente a sua convivência e comportamento, de um para com o outro.

A sagrada escritura é enfática quando dar base para os preceitos legais mais justos e dignos de confiabilidade acerca do casamento, (Rm 7.2).

C – Padrão Espiritual

O casamento tem como fundamento a vontade suprema do criador, e é nessa proporção que Deus criou homem e mulher (macho e fêmea), dois sexos distintos, com atração natural de um pelo outro. “Por isso deixará o homem pai e mãe e se unirá à sua mulher tornando-se dois numa só carne”(Gn 2.24).

D –  Padrão Doutrinário

O casamento é uma doutrina bíblica (Gn 2.18-24; Mc 10.6-9). Biblicamente o matrimônio está ligado intimamente ao desenvolvimento da soteriologia (Doutrina bíblica acerca da salvação).

Obs.: A família é uma instituição Divina. Cada um de seus membros deve fazer a sua parte a fim de promover a felicidade, a integridade e o fortalecimento da união familiar; e desempenhar sua missão bíblica para a glória de DEUS.

2 – O Lar

A palavra lar vem de lare (Latim), significando, etimologicamente, ” a parte da cozinha onde se acende o fogo”; “a família”. Certamente, isso dá ideia de lugar íntimo, aconchegante.

Daí, vem a palavra “lareira”, onde a família se reunia para conversar, ao redor do fogo, principalmente nas noites e dias frios.

Podemos dizer que o lar é o ambiente em que convive uma família. Hoje, a TV tem prejudicado a reunião da família. É um verdadeiro “altar”.

“Disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só. Far-lhe-ei uma auxiliadora (ajudadora, complemento) que lhe seja idônea. Então o Senhor fez cair pesado sono sobre o homem, e este adormeceu (Não foi Adão Que Procurou Pela Mulher, DEUS É Que Lhe Deu, Ele Estava Dormindo Enquanto DEUS Trabalhava.); tomou uma de suas costelas, e fechou o lugar com carne (Não Pegou Da Cabeça, Para Que A Mulher Não Mandasse No Marido; Não Pegou Do Pé, Para Que O Homem Não Pisasse Nela).

E disse o homem: Esta, afinal, é osso dos meus ossos e carne da minha carne (Indica União, Mesma Essência.); chamar-se-á varoa, porquanto do varão foi tomada. Por isso deixará o homem pai e mãe, e se unirá à sua mulher (Deixar Aqui É Sob Três Aspectos: Geográfico, Financeiro e Emocional), tornando-se os dois uma só carne. Ora, um e outro, o homem e sua mulher, estavam nus, e não se envergonhavam”(Quem trouxe a ideia de errado ou vergonhoso no sexo foi o pecado.) (Gn. 2:18-25.).

Lembre-se De Que DEUS Fez Uma Eva Para Um Adão, Se DEUS Quisesse Que A Mulher Ou O Homem Fossem Polígamos Faria Diferente.

 

SUBSÍDIO TEOLÓGICO

A Constituição do Núcleo Familiar. A constituição do núcleo familiar a priori composta por um homem e uma mulher. Mais tarde, acrescentou-se ao casal os filhos gerados dessa união.

A partir do nascimento dos primeiros filhos, a família tornou-se o primeiro sistema social no qual o ser humano é inserido.

A primeira família, formada apenas duas pessoas, tornou-se numerosa meio dos filhos que, ao serem gerados, se inseriram ao núcleo familiar um indo diversos papéis dentro do ema: filho, irmão, neto, primo, etc.

A família não foi criada, portanto, como um sistema fechado, mas dinâmico, e, com passar do tempo, o número de seus membros foi aumentando gradativamente, e destes formando novos núcleos familiares ligados por consanguinidade e afinidade.

Para mencionar mais uma vez Lévi-Strauss, este considerava que o grupo familiar tem sua origem no casamento. Este núcleo é constituído pelo marido, pela mulher e pelos filhos nascidos dessa união, bem como por parentes afins aglutinados a esse núcleo.

No contexto desse sistema familiar, cada membro do grupo passa por uma série de funções ou papéis sociais determinados tanto por fatores exógenos, que estão ligados aos cenários sociais próximos a ele, como por endógenos, ligados a idade, sexo e maturação psicológica” (BENTHO, Esdras Costa. A Família no Antigo Testamento: História e Sociologia. Rio de Janeiro: CPAD, 2011, pp.25-26).

Natureza do Casamento

A natureza indissolúvel do casamento “Portanto, deixará o varão o seu pai e a sua mãe e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma só carne’ (Gn 2.24).

O Senhor Jesus Cristo disse que essa passagem bíblica significa a indissolubilidade do casamento: ‘Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não separe o homem’ (Mt 19.5,6).

É uma união íntima entre duas pessoas de sexos opostos que assumem publicamente o compromisso de viverem juntas; é uma aliança solene, um pacto sagrado, legal e social.” Para conhecer mais, leia Casamento, Divórcio & Sexo à Luz da Bíblia, CPAD, pp. 16,17.

 

SUBSÍDIO VIDA CRISTÃ

Os Apelos da Consciência

O apóstolo Paulo entendeu a ligação entre uma consciência cristã e uma mente espiritual. Ele escreveu: ‘Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido.

Porque quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós ternos a mente de Cristo’ (l Co 2.15,16). O cristão que tem a mente de Cristo conhece a sua vontade e seu propósito, por isso ele aprende a viver com uma consciência dos valores morais e espirituais estabelecidos por sua Palavra.

Quando praticamos alguma ação, dizemos uma palavra, pensamos algo ou adotamos alguma atitude, devemos agir com uma mente espiritual.

Ao avaliar essas várias situações, nossa consciência acenderá sua luz verde ou vermelha, concordando ou discordando; acusando ou defendendo.

O julgamento da consciência será de acordo com o senso de justiça que a estiver dominando, se estiver purificada, jamais ela concordará com o erro; se contaminada, ela não conseguirá julgar corretamente.

Devemos sempre comparar nossas ações à luz da justiça que a Bíblia apresenta. Nossas ações devem corresponder à uma consciência baseada na Palavra de Deus (2 Tm 3.16,17)” (CABRAL, Elienai. A Síndrome do Canto do Galo: Consciência Cristã. Um desafio à ética dos tempos modernos, 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2000, p.134).

 

CONCLUSÃO

Todos os problemas da família não serão resolvidos de uma só vez, mas devemos buscar o aperfeiçoamento cada dia. “tendo por certo isto mesmo, que aquele que em vós começou a boa obra a aperfeiçoará até o dia de Cristo Jesus.” Fp 1.6.

O perdão deve ser exercitado diariamente na vida do casal, perdoando-se mutuamente e conversando abertamente a cada dia: terminem o dia com uma folha limpa.

“Confessai, pois, os vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros, para serdes curados” Tg 5.16.

 

Bibliografia

A Bíblia Plenitude – E.R.C.

A Bíblia de Estudos das profecias. E.R.A.

A Bíblia de Jerusalém

A Bíblia Vida Nova.E.R.A – No Brasil.

Lições Bíblicas da E.B.D. de Jovens e Adultos

Publicado no site do CTEC Vida Cristã

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *