A Segunda Vinda de Cristo – Sulamita Macedo

A Segunda Vinda de Cristo – Sulamita Macedo

Lição 11: A Segunda Vinda de Cristo

Professoras e professores, observem estas orientações:

1 – Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham uma conversa informal e rápida com os alunos:

– Cumprimentem os alunos.

– Dirijam-se aos alunos, chamando-os pelo nome, para tanto é importante uma lista nominal para que vocês possam memorizar.

– Perguntem como passaram a semana.

– Escutem atentamente o que eles falam.

– Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.

– Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.

2 – Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.

Outro fator importante para estabelecer vínculos com os alunos é através das redes sociais, adicionem os alunos e mantenham comunicação com eles.

3 – Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email ou pelas redes sociais,deixando uma mensagem “in box” dizendo que sentiu falta dele(a) na EBD).

Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.

4 – Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.

5 – Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associando a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!

6  – Agora, vocês iniciam o estudo da lição. Vejam estas sugestões:

– Apresentem o título da lição: A Segunda Vinda de Cristo.

– Apresentem o que defende a declaração de fé da Assembleia de Deus:

. Na segunda vinda de Cristo, em duas fases distintas: a primeira — invisível ao mundo, para arrebatar a sua Igreja antes da Grande Tribulação; a segunda — visível e corporal, com a sua Igreja glorificada, para reinar sobre o mundo durante mil anos (1 Ts 4.16, 17; 1 Co 15.51-54; Ap 20.4; Zc14.5; Jd 1.14);

No comparecimento ante o Tribunal de Cristo de todos os cristãos arrebatados, para receberem a recompensa pelos seus feitos em favor da causa de Cristo na Terra (2 Co 5.10);

– Em seguida, trabalhem o conteúdo da lição.
– Utilizem adinâmica  “Prestando contas”.

Ao trabalhar o conteúdo da lição, vocês devem oportunizar a participação do aluno, envolvendo-o através de exemplos e situações próprias de sua idade. Dessa forma, vocês estão contextualizando o tema com a vida do aluno, além de promover uma aprendizagem mais significativa.

Tenham uma excelente e produtiva aula!

Atenção! Professores da classe dos novos convertidos:

Vocês encontram sugestões para a revista Discipulando do 1o. ao 4o. ciclo, no marcador “Discipulando”, deste blog.

Para a revista 1 e 2 do Discipulado, vocês encontram no marcador “Subsídio Pedagógico Discipulado 1” e “Subsídio Pedagógico Discipulado 2”, do currículo antigo. Façam bom proveito!

Dinâmica: Prestando contas

Objetivos:

Estudar sobre o Tribunal de Cristo e os galardões.

Refletir sobre o julgamento que participaremos no Tribunal de Cristo.


Material:

Figuras de ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno e palha.

01 caixa ou uma cesta

01 quadro ou cartolina

01 marcador para quadro branco ou pincel atômico

01 coroa(pode ser de metal dourado ou confeccionada de cartolina coberta com papel laminado dourado)
Procedimento:

– Coloquem numa caixa ou cesta os 06 tipos de figuras. Estas figuras deverão estar repetidas. Deve haver uma quantidade bem maior que o número de alunos.

– Passem a cesta e para que cada aluno retire 01 figura que melhor representa as atitudes e ações que ele tem feito na obra do Senhor.

– Escrevam no quadro a expressão “Tribunal de Cristo”.

– Falem que um dia seremos julgados, nosso atos serão avaliados no Tribunal de Cristo, evento esse que acontecerá após o Arrebatamento.

– Falem: o Juiz será Jesus. Nossas obras serão julgadas, queimadas conforme I Co 3. 12 a 15.

As nossas obras poderão ser jugadas como ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno ou palha.

– Perguntem: Qual o tipo de figura que você escolheu? Por quê?

Faça um levantamento dos tipos de figuras escolhidas.  Certamente que a maioria, senão todos, tenham escolhido ouro, prata ou pedras preciosas. Mas, pode ocorrer que alguns tenham escolhido madeira, feno ou palha.

– Falem: Nós julgamos que nossas obras são de ouro, prata ou pedras preciosas, mas Jesus o justo juiz, aquele que conhece o nosso interior, nossas intenções com relação as atividades que desempenhamos, é que julgará com reta justiça nossas obras.

– Depois, receberemos galardões(apresentem uma coroa, para representar os galardões). Vejamos o que o apóstolo Paulo afirma sobre isto:

“Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé. Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda”(2 Timóteo 4:7,8).

– Depois, iniciem o estudo da lição.

Por Sulamita Macedo.

Sugestão para a conclusão do trimestre:

Que tal fazer uma revisão sobre Declaração de Fé da Assembleia de Deus?

Para isso, utilizem 16 envelopes, coloquem dentro de cada deles, uma parte da Declaração de Fé, conforme descrição abaixo. Por fora do envelope, escrevam o nome que está em negrito, para identificação.

No momento da conclusão, entreguem os 16 envelopes para os alunos.

Peçam que um aluno de cada vez leia o que consta por fora do envelope e em seguida o que está dentro dele.

Por fim, todos devem ler: Nós cremos na Bíblia Sagrada, em Deus, na Trindade, em Jesus Cristo, no Espírito Santo, na Pecaminosidade humana, no Novo Nascimento,  na Igreja, no Batismo por imersão, na Santidade, no Batismo no Espírito Santo, nos Dons espirituais, na Segunda vinda de Cristo,  no Tribunal de Cristo, no Juízo Final, no Casamento e na família.

Bíblia Sagrada: Na inspiração divina verbal e plenária da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé e prática para a vida e o caráter cristão (2 Tm 3.14-17);

Deus/Trindade: Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas distintas que, embora distintas, são iguais em poder, glória e majestade: o Pai, o Filho e o Espírito Santo; Criador do Universo, de todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, e, de maneira especial, os seres humanos, por .um ato sobrenatural e imediato, e não por um processo evolutivo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29; Gn 1.1; 2.7; Hb 11.3 e Ap 4.11);

Jesus Cristo: No Senhor Jesus Cristo, o Filho Unigênito de Deus, plenamente Deus, plenamente Homem, na concepção e no seu nascimento virginal, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal dentre os mortos e em sua ascensão vitoriosa aos céus como Salvador do mundo (Jo 3.16-18; Rm 1.3,4; Is 7.14; Mt 1.23; Hb 10.12; Rm 8.34 e At 1.9);

Espírito Santo: No Espírito Santo, a terceira pessoa da Santíssima Trindade, consubstancial com o Pai e o Filho, Senhor e Vivificador; que convence o mundo do pecado, da justiça e do juízo; que regenera o pecador; que falou por meio dos profetas e continua guiando o seu povo (2 Co 13.13; 2 Co 3.6,17; Rm 8.2; Jo 16.11; Tt 3.5; 2 Pe 1.21 e Jo 16.13);

Pecaminosidade humana: Na pecaminosidade do homem, que o destituiu da glória de Deus e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo podem restaurá-lo a Deus (Rm 3.23; At 3.19);

Novo Nascimento: Na necessidade absoluta do novo nascimento pela graça de Deus mediante a fé em Jesus Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus para tornar o homem aceito no Reino dos Céus (Jo 3.3-8, Ef 2.8,9);

No perdão dos pecados, na salvação plena e na justificação pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor (At 10.43; Rm 10.13; 3.24-26; Hb 7.25; 5.9);

Igreja: Na Igreja, que é o corpo de Cristo, coluna e firmeza da verdade, una, santa e universal assembleia dos fiéis remidos de todas as eras e todos os lugares, chamados do mundo pelo Espírito Santo para seguir a Cristo e adorar a Deus (1 Co 12.27; Jo 4.23; 1 Tm 3.15; Hb 12.23; Ap 22.17);

Batismo por imersão: No batismo bíblico efetuado por imersão em águas, uma só vez, em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo (Mt 28.19; Rm 6.1-6; Cl 2.12);

Santidade: Na necessidade e na possibilidade de termos vida santa e irrepreensível por obra do Espírito Santo, que nos capacita a viver como fiéis testemunhas de Jesus Cristo (Hb 9.14; 1 Pe 1.15);

Batismo no Espírito Santo: No batismo no Espírito Santo, conforme as Escrituras, que nos é dado por Jesus Cristo, demonstrado pela evidência física do falar em outras línguas, conforme a sua vontade (At 1.5; 2.4;10.44-46; 19.1-7);

Dons espirituais: Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme sua soberana vontade para o que for útil (1 Co 12.1-12);

Segunda vinda de Cristo: Na segunda vinda de Cristo, em duas fases distintas: a primeira — invisível ao mundo, para arrebatar a sua Igreja antes da Grande Tribulação; a segunda — visível e corporal, com a sua Igreja glorificada, para reinar sobre o mundo durante mil anos (1 Ts 4.16, 17; 1 Co 15.51-54; Ap 20.4; Zc14.5; Jd 1.14);

Tribunal de Cristo: No comparecimento ante o Tribunal de Cristo de todos os cristãos arrebatados, para receberem a recompensa pelos seus feitos em favor da causa de Cristo na Terra (2 Co 5.10);

Juízo Final: No Juízo Final, onde comparecerão todos os ímpios: desde a Criação até o fim do Milênio; os que morrerem durante o período milenial e os que, ao final desta época, estiverem vivos. E na eternidade de tristeza e tormento para os infiéis e vida eterna de gozo e felicidade para os fiéis de todos os tempos(Mt 25.46; Is 65.20; Ap 20.11-15; 21.1-4);

Casamento: Cremos, também, que o casamento foi instituído por Deus e ratificado por nosso Senhor Jesus Cristo como união entre um homem e uma mulher, nascidos macho e fêmea, respectivamente, em conformidade com o definido pelo sexo de criação geneticamente determinado (Gn 2.18; Jo 2.1,2; Gn 2.24; 1.27).

Por Sulamita Macedo.

Publicado no blog Atitude de Aprendiz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *