A Salvação pela Graça – Luciano de Paula Lourenço

A Salvação pela Graça – Luciano de Paula Lourenço

Aula 07 – A SALVAÇÃO PELA GRAÇA

4º Trimestre/2017

Texto Base: Romanos 5:6-10,15,17,18,20; 11:6

 “Pois assim como por uma só ofensa veio ajuízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida” (Rm.5:18).

INTRODUÇÃO

Nesta Aula trataremos a respeito da graça salvadora de Deus. A Salvação do homem não se dá por nenhum mérito humano, mas que ela é resultado do favor divino, um favor que o homem, por ter pecado, não merece receber. Este favor imerecido é a Graça de Deus. Como diz o apóstolo Paulo aos efésios: “…pela graça sois alvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus”(Ef.1:8). Portanto, a nossa salvação é resultado desta graça, ou seja, do favor imerecido de Deus à humanidade pecadora. A graça de Deus traduz a bondade do Senhor e o seu desejo de favorecer o homem, de ser misericordioso com o ser humano, ainda que o homem não mereça esta benevolência divina, vez que pecou e se rebelou contra o seu Criador. Mas, apesar do pecado, Deus mostra seu amor em relação ao ser humano, por intermédio da sua graça. A todos quantos crerem na Obra do Filho, Deus permite que venha novamente a ter comunhão com Ele, ainda que imerecidamente. É este favor imerecido que consiste na maravilhosa graça de Deus.

I. LEI E GRAÇA

A Lei e a Graça são opostas; apesar de serem opostas, elas se complementam. A lei cumpre seu papel no propósito de preparar o homem a receber pela fé a promessa. A lei toma o pecador pela mão e o leva a Cristo. A força da lei está em que ela define o pecado; sua debilidade está em que ela nada pode fazer para remediar o pecado. Portanto, o propósito da lei é revelar o pecado em vez de removê-lo.

Segundo afirma o Rev. Hernandes Dias Lopes, a Lei é como um espelho que mostra a sujeira do nosso rosto, mas não a remove; é como um prumo que mostra a sinuosidade da nossa vida, mas não a endireita; é como uma luz que mostra o obstáculo do caminho, mas não o remove; é como uma tomografia computadorizada que mostra os tumores escondidos em nossas entranhas, mas não é o bisturi que faz a cirurgia.

  1. O propósito da Lei.O propósito da Lei não é salvar, mas convencer o homem do seu pecado, tomá-lo pela mão e levá-lo ao Salvador. A Lei torna o homem consciente do seu pecado e de sua condenação. Paulo disse: “Até ao regime da lei havia pecado no mundo, mas o pecado não é levado em conta quando não há lei” (Rm.5:13); “Pela Lei vem o pleno conhecimento do pecado” (Rm.3:20); “…onde não há lei, também não há transgressão” (Rm.4:15); “…eu não teria conhecido o pecado, senão por intermédio da lei” (Rm.7:7).

O pacto da Lei, firmado no Monte Sinai entre Israel e Deus, não teve a intenção de ser meio de salvação. Foi celebrado com Israel depois de sua redenção alcançada mediante poder e sangue. Deus já havia restaurado Israel à justa relação com ele, mediante a graça. Israel já era seu povo. O Senhor desejava dar-lhe algo que o ajudasse a continuar sendo seu povo e a ter uma relação mais íntima com ele. O motivo que levasse a cumprir a lei haveria de ser o amor e a gratidão a Deus por havê-los redimido e feito filhos seus.

Os israelitas prometeram solenemente cumprir toda a Lei (cf. Êx.19:5-8), mas não perceberam quão fraca é a natureza humana nem quão forte é a tendência para pecar. Séculos depois, parece que se esqueceram de que estavam obrigados pelo pacto a obedecer. Imaginaram que o pacto era incondicional e que bastava ser descendente de Abraão para gozar do favor divino (vide Jr.7:4-16; Mt.3:9; João 8:33). Embora a salvação de Israel fosse um dom de pura graça, podia, contudo, ser perdida pela desobediência.

Em geral são estes os propósitos da Lei:

  • Proporcionar uma norma moral pela qual os redimidos possam demonstrar que são filhos de Deus e viver em justa relação com seu Criador e com o próximo.
  • Demonstrar que Deus é santo e ele exige a santidade de toda a raça humana.
  • Mostrar à humanidade seu estado pecaminoso e fazê-la entender que somente mediante a graça pode ser salva (Gl.3:24,25).

Enfim, a Lei era um mestre para ensinar a Israel através dos séculos e ajudá-lo a permanecer em contato com Deus (Gl.3:24). Mas, junto com a lei foi instituído um sistema de sacrifícios e cerimônias para que o pecado fosse retirado. Assim se ensinou que a salvação é pela graça. Os profetas posteriores demonstraram que, sem fé e amor, as formas, cerimônias e sacrifícios da Lei de nada valiam (Mq.6:6-8; Amós 5:21,24; Oséias 6:6; Is.1:1-15).

  1. A Lei nos conduziu a Cristo.Afirma o apóstolo Paulo: “De maneira que a lei nos serviu de aio, para nos conduzir a Cristo, para que, pela fé, fôssemos Justificados” (Gl.3:24). “Aio, no grego “paidagogos”, significa literalmente “tutor, guia, guardião de crianças”. O “paidagogos” era encarregado dos meninos entre 6 e 16 anos, cuidando do seu comportamento e acompanhando-o sempre que saísse de casa. Vale ressaltar que o “aio” não era o pai da criança; seu trabalho era preparar essa criança para a maturidade. Quando a criança atingisse a maturidade, a função do “aio” deixaria de ser necessária.

Da mesma forma, a Lei foi uma preparação para a chegada de Cristo. O papel da lei era levar o homem a Cristo, o verdadeiro Mestre, o único que pode libertar. O papel da Lei era levar as pessoas a Cristo a fim de que fossem justificados por fé; mas, tendo vinda a Fé, já não permanecem mais subordinados ao “aio”. Calvino disse “que sob o Reino de Cristo não há mais uma infância que necessite ficar sob a tutela de um “paidagogos” e, em consequência, a lei resigna de seu ofício”. Em outas palavras, a Lei era uma preparação para Cristo, e era temporária.

Segundo o Rev. Hernandes Dias Lopes, o propósito da Lei é convencer o homem de que ele é pecador e precisa do Salvador. Quando o homem olha para a Lei e vê que é pecador, tem consciência de que está perdido e condenado e de que necessita desesperadamente do Salvador. A Lei prepara o caminho da fé. A Lei pavimenta a estrada para Cristo.

Diz mais o Rev. Hernandes Dias Lopes: “É a lei que desmascara o pecado e condena o homem. Somente um homem consciente de sua culpa busca o Salvador. O evangelismo que ignora a lei enfraquece a graça. Sem a lei o homem não consegue ver o brilho da graça. É na escuridão da noite que vemos o brilho das estrelas. Da mesma forma, é no contexto da escuridão densa do pecado e do juízo que o evangelho resplandece”.

John Stott foi brilhante em seu argumento: “Só depois que a lei nos fere e esmaga é que admitimos a nossa necessidade do evangelho para atar nossas feridas. Só depois que a lei nos aprisiona é que anelamos que Cristo nos liberte. Só depois que a lei nos tiver condenado e matado é que vamos clamar a Cristo por justificação e vida. Só depois que a lei nos tiver levado ao desespero é que vamos crer em Jesus. Só depois que a lei nos tiver humilhado até o inferno é que vamos buscar o evangelho para nos elevar até o Céu” (John Stott. A mensagem de Gálatas).

Portanto, a Lei não tem poder de libertar do pecado, mas prepara o homem para encontrar o libertador, Cristo Jesus, o Salvador. Diz o apóstolo Paulo: “Mas a Escritura encerrou tudo sob o pecado, para que, mediante a fé em Jesus Cristo, fosse a promessa concedida aos que creem” (Gl.3:22).

  1. A graça revela que a Lei é imperfeita.A Lei é imperfeita porque ela, conquanto ordenada para o bem, não conseguiu justificar ninguém, conforme se observa em todo contexto da Epístola aos Gálatas. Pelo contrário, foi alvo de muitas transgressões e culpas que deveriam levar o homem a conhecer a sua própria miséria e impotência e, partindo daí, a se humilhar diante de Deus, arrepender-se e a ser salvo mediante a fé. Todavia, em si mesma, a Lei não tinha poder algum para levar o homem ao Criador. Afirma o apóstolo Paulo: “E é evidente que, pela lei, ninguém será justificado diante de Deus, porque o justo viverá da fé” (Gl.3:11). Portanto, estar sob a Lei significa derrota, escravidão, maldição e impotência espiritual, porque a Lei não pode salvar (Gl.3:11-13,21-23,25; 4:3,24,25; 5:1). Estar sob a Lei é estar sob maldição, pois maldito é aquele que não persevera em toda a obra da lei para cumpri-la (Gl.3:10). A Lei exige de nós perfeição, e por isso mesmo nos condena, pois não somos perfeitos. Porém, quando somos guiados pelo Espirito, já não estamos debaixo da tutela da Lei e, por isso, somos livres; é o que afirma o apóstolo Paulo: “Mas, se sois guiados pelo Espírito, não estais sob a lei” (Gl.5:18). O Espirito Santo é quem nos põe em liberdade (Gl.4:29; 5:1,5).

II. O FAVOR IMERECIDO DE DEUS

  1. Superabundante graça.Não há pecador, por pior que seja, que não possa ser alcançado pela graça divina, pois onde abundou o pecado, que foi exposto pela Lei, superabundou a graça de Deus (Rm.5:20). Portanto, a graça é maior que o pecado. Assim como o segundo Adão é maior do que o primeiro, assim como a obra de Cristo é maior do que o pecado de Adão, também a graça é maior do que o pecado. A redenção levou o homem não apenas ao seu estado original, mas a horizontes mais sublimes. Não somente restituiu o que ele havia perdido, mas o colocou numa posição superior aos anjos, tornando-o membro da família de Deus. A nova vida que recebemos pelo perdão dos pecados faz com que tenhamos comunhão com Deus, e o Espírito de Deus testifica com o nosso espírito, que volta a ter relacionamento com Deus, que somos filhos de Deus (Rm.8:16). Adotado por Deus, o crente é considerado como filho do Pai Celeste (1João 3:2), como irmão de Jesus (Hb.2.11), como herdeiro dos céus (Rm.8.17). De igual modo, é libertado do medo (Rm.8.15) e desfruta de segurança e certeza de vida eterna (Gl.4.5,6).
  1. Fé e Graça.Estes são os dois fatores imprescindíveis para a Salvação do ser humano. A salvação é um dom da Graça de Deus, mas somente podemos recebê-la em resposta à fé, do lado humano. É válido ressaltar que somos salvos não pela fé, mas pela graça mediante a fé. A fé não é a causa meritória, mas a causa instrumental da justificação. A Fé é a mão estendida que recebe o presente da vida eterna. Portanto, a Fé e a Graça atuam juntamente na obra da salvação.

Efésios 2:8-10 pode ser visto como o resumo mais completo no Novo Testamento do processo da nossa salvação:

“Porque pela graça sois salvos mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie. Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas”.

A maneira como recebemos a dádiva da salvação é mediante a Fé. Ter fé nesse caso significa assumir o lugar de pecador culpado e perdido e receber o Senhor Jesus como única esperança da salvação. A verdadeira fé que salva se manifesta quando a pessoa se entrega totalmente a Cristo.

“Não vem de vós”. Qualquer ideia de merecimento ou de que o homem pode adquirir a salvação pelas obras é completamente destruída pelas palavras “não vem de vós”. Pecadores nada merecem a não ser julgamento.

“É dom de Deus”. O “dom de Deus” é a salvação “pela graça mediante a fé”. Esse dom é oferecido a todas as pessoas em todos os lugares. Observe que não é a fé que opera a salvação, mas a graça de Deus que atua mediante a fé do crente no Filho de Deus (Rm.3:28; 5:2; Fp.3:9).

Se é verdade que o pecado se estendeu a todos os homens, sejam judeus, sejam gentios, e que, por causa dele, todos os homens estão destituídos da glória de Deus (Rm.3:23), também é verdade que os homens podem, agora, ser justificados gratuitamente por Deus pela Sua graça e pela redenção que há em Cristo Jesus (Rm.3:24).

Portanto, a Graça é a causa meritória da nossa salvação. Sem que o homem mereça coisa alguma, Deus providenciou um meio pelo qual o homem pudesse retornar a conviver com Ele. Ele enviou seu Filho para que morresse em nosso lugar e satisfizesse a justiça divina. A todos quantos creem na Obra do Filho, Deus permite que venha novamente a ter comunhão com Ele, ainda que imerecidamente. É este favor imerecido que consiste na maravilhosa Graça de Deus.

  1. A graça não é salvo conduto para pecar.Segundo o ensino das Sagradas Escrituras, a graça jamais pode ser vista como um salvo conduto para a prática do pecado ou da libertinagem. Diz o apóstolo Paulo: ”Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade; porém não useis da liberdade para dar ocasião à carne” (Gl.5:13).

Fomos chamados para uma vida nova, para a liberdade, e não para a escravidão do pecado. Todavia, a liberdade cristã não é uma licença para pecar, mas o poder para viver em novidade de vida. A liberdade cristã não é licenciosidade, mas deleite na santidade. A liberdade cristã é a liberdade irrestrita para aproximar-se de Deus como seus filhos, não uma liberdade irrestrita para chafurdar em nosso egoísmo. A licenciosidade desenfreada não é liberdade alguma, é outra forma mais terrível de servidão, uma escravidão aos desejos de nossa natureza caída. Enfim, a liberdade cristã não é liberdade para pecar, mas liberdade de consciência, liberdade para obedecer. O cristão salvo pelo sangue de Cristo é livre para viver em santidade.

Muitos defendem a liberdade do amor livre, a prática irrestrita do aborto, o uso indiscriminado das drogas e o homossexualismo, porém, isso não é liberdade, é escravidão. Jesus disse que aquele que pratica o pecado é escravo do pecado (João 8:34).

À época de Paulo, os inimigos da graça apresentava um argumento supostamente irrefutável: “Se a graça é superabundante onde o pecado é abundante, se a multiplicação das transgressões serve para demonstrar o esplendor da graça, então não deveríamos pecar mais para que Deus seja ainda mais glorificado na magnificência da sua graça?”. Esta pergunta retratava tanto a distorção antinomiana como a objeção dos legalistas à doutrina da justificação pela graça, por meio da fé, independentemente das obras. A inferência licenciosa é imediata e energicamente rejeitada por Paulo; responde o apóstolo: “De modo nenhum! Nós que estamos mortos para o pecado, como viveremos ainda nele?” (Rm.6:2). De acordo com esta resposta de Paulo, não podemos continuar a pecar porque morremos para o pecado. Trata-se de um fato acerca de nossa condição. Quando Jesus morreu para o pecado, Ele o fez como nosso representante. Morreu não apenas como nosso substituto, ou seja, por nós e em nosso lugar, mas também como nosso representante, ou seja, como se nós estivéssemos lá. Assim, quando Ele morreu, nós também morremos. Ele morreu para o problema do pecado e resolveu-o de uma vez por todas. Para Deus, todos que estão em Cristo também morreram para o pecado. Isto não quer dizer que o cristão é impecável; antes, ele é identificado com Cristo em sua morte e tudo o que ela significa.

III. O ESCÂNDALO DA GRAÇA

A Graça é um escândalo para aqueles que não se converteram de verdade a Cristo, que não nasceram de novo. Exatamente pelo fato de a Graça de Deus ser um escândalo é que existe tanta dificuldade em compreendê-la de forma plena. Certamente, uma das formas de compreender é perceber o conceito da Graça de Deus presente na Parábola dos trabalhadores da vinha (cf. Mt.20:1-16); nesta Parábola, mesmo que o senhor tenha sido injusto aos olhos dos trabalhadores que iniciaram primeiro, não há méritos por tempo de serviço ou produtividade; a mesma recompensa dos que iniciaram o trabalho no fim do dia é dado aos que começaram no início do dia. É esta aparente “injustiça” sob a ótica humana, que caracteriza a Graça de Deus, que produz escândalo.

  1. Seria a graça injusta?A justiça divina, se comparada com a humana, é imensamente perdoadora; por isso, a graça torna-se injusta sob a ótica humana, pois é imerecida e incoerente. Por esse motivo, Paulo classificou-a como escandalosa (1Co.1:23; Gl.5:11). Paulo pregava a mensagem da cruz, anunciando que uma pessoa é justificada e aceita por Deus somente pela cruz de Cristo. As pessoas detestavam e ainda, hoje, detestam ouvir que só podem ser salvas ao pé da cruz, e opõem-se ao pregador que lhes diz isso. À época de Paulo, os falsos mestres ficavam ofendidos com essa pregação; eles sustentavam que a morte de Cristo não era suficiente para tornar uma pessoa aceitável a Deus; diziam que a cruz não era o bastante; era preciso algo mais. O argumento de Paulo, porém, é que a salvação pelas obras da lei é falsa. A salvação não é resultado do que fazemos para Deus, mas do que Cristo fez por nós na cruz. Logo, pelas obras é impossível o pecador se salvar; ele depende única e exclusivamente da maravilhosa graça de Deus para encontrará descanso eterno com Cristo no Céu (Mt.11:28-30).
  1. A divina graça incompreendida.Na época do apóstolo Paulo, e hoje também, muitos não compreenderam, nem compreendem, seus ensinamentos sobre a Graça de Deus. Por isso, ao longo da história da Igreja, dois extremos estiveram presentes acerca da compreensão da Graça:

a) Liberdade total para pecar (Rm.6:1,2).É bom saber que a liberdade do cristão está em Cristo Jesus, e isso exclui qualquer ideia de que de alguma maneira possa significar liberdade para pecar. Não devemos nunca transformar a liberdade numa base de operações para a natureza carnal. Portanto, a liberdade proporcionada por Cristo não é uma liberdade para o crente fazer o que quer, mas para fazer o que deve. Exorta-nos o apóstolo Paulo:

“E, libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça. Falo como homem, pela fraqueza da vossa carne; pois que, assim como apresentastes os vossos membros para servirem à imundícia e à maldade para a maldade, assim apresentai agora os vossos membros para servirem à justiça para a santificação. Porque, quando éreis servos do pecado, estáveis livres da justiça. E que fruto tínheis, então, das coisas de que agora vos envergonhais? Porque o fim delas é a morte. Mas, agora, libertados do pecado e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida eterna. Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus, nosso Senhor” (Rm.6:18-23).

b) a impossibilidade de receber tão valioso presente (Gl.5:4,5).A Graça é favor imerecido; e isto chega a ser um escândalo para os que não creem. Muitos entendem que para ser salvo por Deus é preciso dar algo em troca. Mas, não é o que fazemos para Deus que nos garante o Céu, e sim o que Deus fez por nós em Cristo Jesus. O Céu não é um prêmio que merecemos, mas uma oferta que recebemos; não é uma conquista das obras, mas um presente da graça de Jesus Cristo – “Pela graça sois salvos” (Ef.2:8). O crente salvo não confia em si mesmo, nas suas obras para a sua salvação. Se para ser salvo as obras tivessem algum valor creditório, então, certamente, isto levaria o crente ao orgulho espiritual (Ef.2:8-10) e geraria toda sorte de comportamentos hipócritas, como foram os escritas e fariseus legalistas à época de Cristo (Mt.23:23). Portanto, buscar a salvação pelas obras é desligar-se de Cristo e decair da Graça. Não há salvação para aqueles que tentam alcançar o favor de Deus por meio das obras, de atitudes legalistas. Afirma o apóstolo Paulo: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé…Não vem das obras, para que ninguém se glorie” (Ef.2:8,9).

  1. Deixe-se presentear pela Graça. Sem qualquer mérito humano, mas unicamente pela sua Graça, Deus quis prover um meio de salvar o ser humano. E proveu. E a Graça salvadora de Deus, que é inesgotável, envolve todo o mundo e oferece oportunidade a toda humanidade de escapar da justa e inevitável condenação – “Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus, nosso Senhor”(Rm.6:23). E porque é o “Deus de toda a graça”, conforme está escrito em 1Pedro 5:10, ele “…quer que todos se salvem e venham ao conhecimento da verdade”(1Tm.2:4). Os que compreendem esse favor inefável de Deus, mediante sua Graça, devem deixar-se presentear por ela. Quem compreende o que significa ser justificado por Deus se permite embalar nos braços de amor e de perdão do Pai.

Somos pecadores, precisamos nos arrepender e mudar de vida, precisamos reconhecer que valemos menos que nada e que não merecemos a salvação; todavia, não podemos nos prostrar diante destas realidades; devemos, sim, ao revés, sermos profundamente felizes porque o Senhor teve misericórdia de nós e tomou o nosso lugar na cruz do Calvário e, agora, devemos viver alegres no Senhor. Para os filhos de Deus, cônscios do valor da Graça do Pai, tudo é dádiva Sua, tudo é favor imerecido. Portanto, deixe-se presentear pela graça de Deus!

CONCLUSÃO

Ninguém poderá ser salvo pelas obras e boas ações, ou por tentar guardar os mandamentos de Deus. Para sermos salvos precisamos receber a provisão divina da salvação (Ef.2:4,5), ser perdoados do pecado (Rm.4:7,8), ser espiritualmente vivificados (Cl.1:13), ser feitos novas criaturas (Ef.2:10; 2Co.5:17) e receber o Espírito Santo (João 7:37-39; 20:22). Nenhum esforço de nossa parte poderá realizar essas coisas. O que opera a salvação é a Graça de Deus mediante a Fé (Ef.2:5,8). Devemos diligentemente desejar e buscar a maravilhosa Graça de Deus (Hb.4.16).

——-

Luciano de Paula Lourenço

Disponível no Blog: http://luloure.blogspot.com

Referências Bibliográficas:

Bíblia de Estudo Pentecostal.

Bíblia de estudo – Aplicação Pessoal.

Comentário Bíblico popular (Novo Testamento) – William Macdonald.

Revista Ensinador Cristão – nº 72. CPAD.

Wayne Grudem. Teologia Sistemática Atual e exaustiva.

Claiton Ivan Pommerening. Obra da Salvação. CPAD.

Rev. Hernandes Dias Lopes. 1,2,3 João.

Ev. Caramuru Afonso Francisco. O Deus da Redenção. PortalEBD_2008.

Ev. Caramuru Afonso Francisco. As Doutrinas da Graça de Deus. Portal EBD.2006.

Comentário Bíblico Pentecostal. Novo Testamento. CPAD.

Rev. Hernandes Dias Lopes. Romanos – O Evangelho segundo Paulo. Hagnos.

A Mensagem de Romanos. John Stott. ABU.

Maravilhosa Graça. José Gonçalves. CPAD.

Rev. Hernandes Dias Lopes. Gálatas, a carta da liberdade cristã. Hagnos.

Publicado no Blog do Luciano de Paula Lourenço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *