Princípios Norteadores para uma Educação Cristã Reformada – Rev. Gildásio Reis

Princípios Norteadores para uma Educação Cristã Reformada – Rev. Gildásio Reis

Vivemos em uma época de diversidade de conceitos, ideologias e paradigmas, fruto de um ambiente pluralista. Diversidade esta que se faz presente em todos os segmentos da sociedade. Na educação não é diferente. Penso que é desejo de todo líder cristão oferecer a sua igreja uma educação que seja eficaz, mas também bíblica. Sendo assim, para não cair na armadilha das muitas filosofias pós-modernas, precisamos estabelecer alguns pressupostos para a educação cristã.


1. O que é Educação (Cristã)?

Antes de vermos o que é educação cristã, precisamos primeiramente ver o que é educação. A educadora Maria Lúcia Aranha nos dá uma definição, escreveu ela:

A educação é um conceito genérico, mais amplo, que supõe o desenvolvimento integral do ser humano, quer seja da sua capacidade física, intelectual e moral, visando não só a formação de habilidades, mas também do caráter e personalidade social. [1]

Este tem sido um conceito de educação quase que universalmente aceito; ou seja, a educação, pelo menos em tese, visa também desenvolver o caráter do ser humano. Tendo isso em mente, podemos dizer que a educação cristã também se propõe a desenvolver o ser humano de maneira integral, em suas habilidades e caráter. No entanto, trata-se de um processo distinto daquela “educação”, pois a educação cristã é assim adjetivada, em razão de ter seus fundamentos e princípios baseados nos ensinamentos das Escrituras Sagradas.

Algumas definições de Educação Cristã:

Educação Cristã é um processo de educação e aprendizado sustentado pelo Espírito Santo e baseado nas Escrituras. Procura guiar indivíduos a todos os níveis de crescimento através de métodos do ensino em direção ao conhecimento e vivência do plano e propósito divinos mediante Cristo em todos os aspectos da vida. Também equipa as pessoas para o ministério efetivo com uma ênfase geral em Cristo como Mestre Educador por excelência e seus mandamentos de fazer e treinar discípulos. [2]

A Educação Cristã é o processo Cristocêntrico, baseado na Bíblia e relacionado com o estudante, para comunicar a Palavra de Deus através do poder do Espírito Santo com o propósito de levar outros a Cristo e edificá-los em Cristo. [3]

A Educação Cristã é o esforço divino-humano deliberado, sistemático e contínuo de comunicar ou apropriar-se do conhecimento, valores, atitudes, habilidades, sensibilidades e o comportamento que constituem ou são consistentes com a fé cristã. Apóia a transformação e a renovação de pessoas, grupos e estruturas pelo poder do Espírito Santo para conformar-se à vontade de Deus, tal como expressa do Velho e Novo Testamentos e preponderantemente na pessoa de Jesus Cristo. [4]

Educação Cristã é um processo que ocorre tanto informalmente como através de uma série de eventos planejada, sistemática e contínua, objetivando levar o crente à conformar-se à imagem de Cristo (maturidade), tendo como base autoritativa as Escrituras Sagradas e sustentada pelo Espírito Santo, visando a glória de Deus.[5]

Desdobrando esta última definição temos sete distintivos teológicos importantes:

1.1.  Educação Cristã é um processo

Devemos ver a educação cristã como um processo de desenvolvimento do ser humano. Por “ processo” entendemos uma ação progressiva que ocorre através de uma série de atos e eventos que produzem mudanças, e não importa se são rápidas ou lentas, [6] desde que conduza a um progresso, a uma melhora.

José Abraham também vê a educação cristã como um processo. Diz ele que a educação é:

O processo através do qual a comunidade de fé se conscientiza e se transforma, à luz de sua relação com Deus em Jesus como o Cristo, que o chama a viver em amor, paz e justiça consigo mesmo, com seu próximo e com o mundo, em obediência ao Reino de Deus.[7]

Ele continua explicando a razão em se ver Educação Cristã como um processo, usando a natureza como ilustração:

Uma forma de entender isto é observar os processos da natureza, como por exemplo, uma semente. A semente tem a potencialidade de se transformar em uma árvore de onde se colha os frutos, porém, isto não ocorre instantaneamente. Ela requer que a semente seja plantada em um lugar onde há terra e água. Através do tempo e das diferentes mudanças que vão ocorrendo nela, germinará e começará seu processo de crescimento e em um dia nos dará os seus frutos. E tudo isso tomará tempo, em alguns casos mais do que outros.[8]

A educação cristã entendida como um processo vai nos ajudar a planejar uma série de passos sistemáticos para que, aplicados e à luz das Escrituras Sagradas, possamos promover mudanças e crescimento. E não devemos esquecer, que este processo é altamente pessoal e individualizado. Isto porque, cada um de nós recebeu uma educação ou formação diferente da dos outros, e cada um também se encontra numa fase de desenvolvimento espiritual. Educação cristã é um processo, e este não é igual para todos.


1.2. Educação Cristã ocorre informalmente (Piedade pessoal do educador)

Educação informal é aquela realizada não intencionalmente (ou, pelo menos, sem a intenção de educar). Freqüentemente, o exemplo de um líder cristão é mais educacional do que os conteúdos que ele ensina, pois seus alunos podem aprender mais conteúdos valiosos em decorrência da observação de suas atitudes e de seu comportamento do que em conseqüência de seu ensino.

Um exemplo desta educação informal pode ser visto quando pais freqüentemente, procuram educar seus filhos, e em grande parte das vezes tentam fazê-lo através do ensino (via de regra verbal). As atitudes, o comportamento dos pais, porém, podem ensejar a aprendizagem e compreensão de conteúdos bíblicos, sem que os pais tenham a intenção de que seus filhos aprendam alguma coisa em decorrência da maneira pela qual se comportam. E assim por diante.

Para Timóteo não ser desprezado em seu trabalho na Igreja de Éfeso, Paulo orienta-o a ser um modelo, no grego tipos (tupo , V) [9] para seus ouvintes. Entre outras coisas, Timóteo deveria ser padrão na conduta (Cf. I Tm 4:12). Ele já havia sido orientado a respeito da necessidade de os presbíteros e diáconos serem irrepreensíveis (cf. I Tm 3:2,8). Mas uma conduta irrepreensível também era exigida dele. Não obstante Timóteo ser muito jovem, precisava conquistar o respeito de seus ouvintes através de um comportamento exemplar. Isto porque “a influência do testemunho do pregador sobre a aceitação do sermão requer que nossa vida esteja posta sob o domínio da Escritura”. [10]

Entende-se por conduta o modo de vida, maneira de tratar as pessoas, nos costumes, hábitos, vida no trabalho, relacionamento familiar, modo de lidar com as finanças, etc.[11] Timóteo deveria manifestar uma conduta educadora que manifestasse a vida de Cristo. Uma conduta que estivesse acima da reprovação. “A conduta é um reflexo do caráter, o qual é nutrido e alimentado num relacionamento crescente, submisso e comprometido com Cristo”.[12]

O educador cristão vai ensinar muito com sua vida, desde que ela esteja em harmonia com as Escrituras.

Paulo, em duas passagens em sua carta aos Filipenses, nos convida a olhar para a sua vida e imitar o seu comportamento: “Irmãos, sede imitadores meus e observai os que andam segundo o modelo que tendes em nós” (Fl 3:17) e “O que também aprendestes, e recebestes e vistes em mim, isso praticai” (Fl 4:9). Perry Dows chama a isto de “aprendizado por observação” e afirma que a “imitação dos modelos é um conceito bíblico para conduzir o povo à maturidade”.[13]

1.3 Educação Cristã é um processo planejado, sistemático e contínuo

A educação formal é aquela realizada e organizada com o objetivo de educar. Exige-se um planejamento de temas, com horários determinados e uma série de eventos e atividades de ensino elaboradas sistematicamente com a intenção clara de educar. Os alunos sabem exatamente quando a educação começa e quando termina.

Muitas igrejas possuem um departamento educacional interno denominado de Comissão de Educação Cristã ou Religiosa. Seu objetivo é formular um programa unificado de educação, onde objetivos são fixados e uma série de esforços são programados e organizados para a eficácia do ensino. A Educação sistemática e contínua exige, portanto, um bom programa de educação cristã, e este normalmente apresenta os seguintes aspectos:

a) Um estudo cuidadoso das necessidades da igreja local, quais os pontos fortes e fracos, qual área necessita de um investimento mais emergente;

b) O conteúdo bíblico a ser estudado é adequado às atuais necessidades. Pois não é suficiente estudar a Bíblia, mas que o tema adotado seja relevante para a vida da igreja;

c) Tem objetivos claramente fixados, ou seja, sabe-se onde pretende chegar;

d) Tem um programa de recrutamento, treinamento e capacitação de líderes e professores;

e) Reuniões periódicas para avaliação do que foi realizado até então, com possibilidade de remanejamento.

1.4. Educação Cristã tem como objetivo levar o crente á maturidade


Paulo em Cl 1:28 diz: “ o qual nós anunciamos, advertindo a todo homem e ensinando a todo homem em toda a sabedoria, a fim de que apresentemos todo homem perfeito em Cristo”.

Note bem que Paulo diz que ensinava com uma finalidade: “apresentar todo homem perfeito em Cristo”. Obviamente que perfeito aqui não significa ausência de pecados, mas maturidade espiritual. O que queremos dizer por maturidade cristã é o processo de santificação, o caminho progressivo para a conformidade à imagem de Cristo no crente. A imagem original, desfigurada com a Queda (Gn 1:26-27), porém agora é renovada em Cristo quando da conversão (Cl 1:15; Rm 8:29; I Jo 3:2, II Co 9:18). Sabemos que a conversão apenas dá início a uma nova vida, mas, ao nascer o novo crente inicia uma longa caminhada na espiritualidade, a qual necessitará de uma educação e que seja cristã, a fim de proporcionar-lhe crescimento na fé, e assim, torná-lo “perfeito” em Cristo, ou seja, um crente maduro.

Esta maturidade cristã (santificação progressiva) pode ser vista em passagens como Cl 3:9,10, onde o apóstolo Paulo lembra a seus ouvintes de que eles se despiram do velho homem e se revestiram do novo. Este novo homem é descrito como aquele “que se refaz para o pleno conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou” (v.10).

A palavra grega avnakainou,menon (anakainoumenon) traduzida por “que se refaz” ou que “está sendo refeito”, é um particípio e encontra-se no tempo presente. Com isto o significado pretendido pelo autor é uma renovação que perdura por toda a vida do crente. [14]

Um crente maduro é aquele que está crescendo progressivamente e continuamente sendo transformado á imagem de Cristo, e sob a obra graciosa do Espírito Santo, ele prossegue mortificando as práticas pecaminosas a que era inclinado. (cf. 2 Co 3:18; Cl 3:3; Rm 6:6; 8:13; Ef 4:22-24) [15]

1.5. Educação Cristã deve se fundamentar nas Escrituras Sagradas


Calvino dizia que para alguém chegar a Deus, o Criador, é necessário que tenha a Escritura por guia e mestra. [16] O verdadeiro conhecimento de Deus está na Bíblia. Isto porque, a Escritura é a única regra inerrante de fé e prática da vida da igreja.

Devemos proclamar a palavra como medida única daquilo que é justo e verdadeiro, e o evangelho como a única proclamação da verdade salvadora. A verdade bíblica é indispensável para a educação cristã na Igreja. Aliás, sem a Escritura não existe educação cristã. Todo o processo educativo da igreja deve estar fundamentado na palavra, e só quando ela estiver sendo estudada e crida como nosso guia e mestra, é que cresceremos em direção a estatura de Cristo. Creio que uma educação que nos leva em direção á maturidade espiritual não pode prescindir do conhecimento das Escrituras

Argumentando sobre a importância da Palavra na educação cristã, Perry Dows faz a seguinte observação:

Porque é a verdade que santifica e liberta, e porque a Palavra de Deus é a verdade, uma educação eficaz deve ensinar a Palavra de Deus. A interação com a Escritura é essencial para a saúde espiritual da congregação e sem ela o crescimento espiritual é impossível. [17]

É fato que vivemos dias confusos, e uma significativa parcela do evangelicalismo moderno está vivenciando uma crise doutrinária e teológica. Num cenário em que tantas opiniões pessoais querem ter a primazia, é preciso reportar-se às Escrituras que sempre tem a palavra final em qualquer questão. A Confissão de Fé de Westminster assim se expressa:

O Juiz Supremo, pelo qual todas as controvérsias religiosas têm de ser determinadas, e por quem serão examinados todos os decretos de concílios, todas as opiniões dos antigos escritores, todas as doutrinas de homens e opiniões particulares; o Juiz Supremo, em cuja sentença nos devemos firmar, não pode ser outro senão o Espírito Santo falando na Escritura. [18]

Um dos pressupostos da Hermenêutica Reformada é a crença na inspiração e autoridade das Escrituras. Paulo afirma que toda a Escritura é inspirada por Deus (2Tm 3.16,17). Toda a Escritura, portanto, é o sopro de Deus; é a própria vida e Palavra de Deus. Isto significa dizer que as Escrituras por serem divinamente inspiradas, não contém erros; sendo absolutamente inerrantes, verídicas em todas as suas afirmativas e, portanto, autoritativas quanto a todos os assuntos sobre os quais faz seguras afirmações. Esta verdade permanece inabalável em tudo o que ela diz sobre a salvação, valores éticos e da moral, bem como tudo aquilo que acontece na história e no mundo (cf. 2Pe 1.20,21; note também a atitude do salmista para com as Escrituras no Sl 119).

A Confissão de Fé de Westminster declara a autoridade da Escritura:

A autoridade da Escritura Sagrada, razão pela qual deve ser crida e obedecida, não depende do testemunho de qualquer homem ou igreja, mas depende somente de Deus (a mesma verdade) que é o seu autor; tem, portanto, de ser recebida, porque é a palavra de Deus. (Ref. II Tim. 3:16; I João 5:9, I Tess. 2:13.) [19] 

Uma educação cristã reformada prima pela relevância e indispensabilidade da Palavra de Deus. Em dias confusos como os nossos, temos que nos voltar para o Sola Scriptura e resgatar nossa confiança no seu ensino, a única que mediante o seu poder é capaz de transformar vidas.

1.6. Educação Cristã é sustentada pelo Espírito Santo

Falando da inspiração das Escrituras, Pedro afirma que “Homens santos falaram ao serem movidos pelo Espírito Santo” (2 Pe 1.21). Assim, cremos que as Escrituras são o produto do Espírito Santo, que não apenas no-las dá, mas também nos capacita a entendê-las, iluminando as nossas mentes e aplicando a verdade de Deus no coração da Igreja. (2 Tm 3.15-17; cf. 1 Tm 4.13)

Vemos a importância do Espírito Santo na educação no seguinte texto da nossa confissão de Fé:

Pelo testemunho da Igreja podemos ser movidos e incitados a um alto e reverente apreço pela Escritura Sagrada; a suprema excelência do seu conteúdo, a eficácia da sua doutrina, a majestade do seu estilo, a harmonia de todas as suas partes, o escopo do seu todo (que é dar a Deus toda a glória), a plena revelação que faz do único meio de salvar-se o homem, as suas muitas outras excelências incomparáveis e completa perfeição são argumentos pelos quais abundantemente se evidencia ser ela a Palavra de Deus; contudo, a nossa plena persuasão e certeza da sua infalível verdade e divina autoridade provém da operação interna do Espírito Santo que, pela Palavra e com a Palavra, testifica em nossos corações. [20]

Cremos que Deus é o autor supremo das Escrituras, e estas nos foram dadas para nos guiar e nos fazer ver a vontade de Deus para as nossas vidas. Cremos também que apenas o Espírito Santo pode nos fazer compreender a mente de Deus nas Escrituras. Portanto, devemos ter como pressuposto que ninguém pode prescindir do Espírito de Deus, caso contrário, seremos incapazes de conhecer o que Deus quer para nós. [21]

Em círculos reformados, há uma ação tríplice do Espírito em relação à Escritura. Primeiramente, ele inspirou os autores sagrados, colocando em seus corações aquilo que deveria ser registrado; em segundo lugar, tem preservado [22] de distorções a sua Palavra pura através dos séculos; e em terceiro lugar, ele age sobre os ministros e ouvintes, iluminando suas mentes para que compreendam corretamente o significado dos textos, e sua aplicação para a edificação do povo de Deus.

A Confissão de Fé fala sobre o Testemunho Interno do Espírito Santo, e sobre isso B.B. Warfield afirma:

O Testemunho Interno do Espírito Santo é um ato sobrenatural do Espírito por meio da Palavra de Deus atentamente lida e ouvida, pela qual o coração do homem é movido, aberto, iluminado, voltado para a obediência da fé, de tal forma que o homem iluminado, verdadeiramente percebe a Palavra que é proposta a ele, como tendo procedido de Deus, e dá a ela, portanto, uma aprovação inabalável.[23]

Como educadores reformados devemos ensinar a necessidade deste testemunho interno do Espírito, mesmo porque, sabemos que a razão não é suficiente para nos convencer de que a Bíblia é a Palavra de Deus, em razão de nosso intelecto ter sido afetado pela queda, e é por isso que Calvino diz que “o testemunho do Espírito é mais excelente do que toda a razão”. [24]

Nas Institutas, Calvino assevera que:

Aqueles a quem o Espírito Santo tem ensinado interiormente verdadeiramente descansam sobre a Escritura, e que a Escritura é de fato auto-autenticada. Portanto, não é correto sujeitá-la à prova do raciocínio. E a certeza de que ela merece confiança vem do Espírito Santo. Mesmo que ela ganhe reverência por si mesma, pela sua própria majestade, ela nos afeta seriamente somente através do Espírito Santo.[25]

O que Calvino está afirmando é que a Palavra só será crida e obedecida como Palavra de Deus, quando confirmada pelo Testemunho interno operado pelo Espírito. (cf. I Co. 2:14 ; Atos 16:14 ; II CO. 4:3,4,6). Paulo diz que o homem natural, não regenerado, não tem condições de compreender a Bíblia. Ele não tem capacidade para isto, e necessita portanto, que o Espírito Santo lhe abra os olhos para que ele venha deslumbrar as maravilhas da Lei do Senhor. – Sl 119: 18: “Desvenda os meus olhos para que eu veja as maravilhas da Tua Lei”.

Desta forma, o educador cristão deve insistir que a iluminação do Espírito Santo é necessária na interpretação, compreensão e aplicação das Escrituras.

1.7. Educação Cristã visa a Glória de Deus.

 

Quais sãos os objetivos finais do processo de educação cristã? Qual é o ponto principal do ensino bíblico? Por que nos gastamos tempo, esforços e energia no processo educacional dentro da igreja?

O Catecismo Maior de Westminster em resposta a pergunta 1 diz: “O fim supremo e principal do homem é glorificar a Deus e gozá-lo plena e eternamente”. [26] Existem muitas passagens bíblicas que sustentam esta proposição. [27] Se concordarmos que este é nosso objetivo último na educação cristã, então isso irá mudar a forma como ensinamos as Escrituras. Iremos ensinar não apenas para que os membros em nossas igrejas aprendam o conteúdo bíblico, mas também para que eles venham a ter uma relação com o Autor da Bíblia. Nós não iremos apenas ensinar para que aprendam mais sobre Deus, mas para crescerem em sua relação com Deus.

Jesus Cristo disse a seu Pai na oração sacerdotal: “Eu te glorifiquei na terra, consumando a obra que me confiaste para fazer”. N ós glorificamos a Deus com a educação cristã, fazendo aquilo que ele nos confiaste para fazer: levar os crentes à maturidade em Jesus Cristo. Isto glorifica a Deus. Entendemos que o fim último da Educação Cristã é atender ao chamado de Deus para sermos educadores, e assim colaborando em Seu projeto que é o de transformar os homens renovando-os à Imagem de Cristo. “A Educação da alma é a alma da educação”.

Portanto, o processo de educar (edu cere = trazer para fora) o povo de Deus, fazendo-o crescer no “conhecimento e na graça do Senhor Jesus”, é, com toda certeza, algo que glorifica a Deus. [28] 


II. Distintivos Teológicos da educação cristã Reformada

Os educadores reformados pressupõem quatro distintivos teológicos que orientam sua visão educativa. Afirmamos que a filosofia educacional da Igreja é transformar o Corpo de Cristo através de uma formação que seja: bíblica, confessional, eclesial e contextual.

1) Bíblica porque entendemos que as Escrituras Sagradas constituem o alicerce que deve nortear todas as nossas atividades. A Bíblia é o manual, o livro texto do professor cristão e sem a Escritura não haverá crescimento espiritual. De acordo com Paulo “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra” II Tm 3:16.

2) Confessional: Valorizamos a historicidade da nossa fé. Entendemos que os catecismos e a Confissão de Fé de Westminster são importantes para nós que vivemos no terceiro milênio. Isto porque “não somos essencialmente diferentes dos crentes que viveram nos primeiros séculos da era cristã”. [29] A importância destes símbolos é que eles nos ajudam dando o alicerce para uma teologia sadia. A nossa fé também tem raízes históricas e esta é a razão porque julgamos serem tão importantes estes documentos para os nossos dias tão cheios de confusão teológica. (cf. Salmo 44:1-2).

3) Eclesial : Os membros de nossas igrejas, alunos em nossos Seminários e Institutos Bíblicos foram dotados de dons para o serviço, os quais precisam ser descobertos e desenvolvidos para o fortalecimento e para o bem de toda a Igreja. Note que Paulo em Ef 4:12 descreve o resultado da educação. Diz ele que os pastores e mestres foram dados à igreja com “vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho de seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo”.

Hendriksen ao comentar esta passagem diz:

A idéia resultante é que Cristo deu alguns homens na qualidade de (…) mestres, com o propósito de “aperfeiçoar” (cf. I Ts 3:10; Hb 13:21; I Pe 5:10) ou prover o equipamento necessário para todos os santos com vistas à obra de ministrar uns aos outros bem como edificar o corpo de Cristo. [30]

Ainda mais sabemos que uma educação cristã não será adequada se não atentar para o fato que é no desenvolvimento de relacionamentos e num contexto de amor, serviço, paciência, apoio, correção, disciplina, perdão e aceitação que a fé cresce e amadurece.

4) Contextual: porque estamos inseridos em uma sociedade, em uma cultura, e é obrigação nossa como cristãos vivermos nesta sociedade ativamente de modo a sermos sal e luz, promovendo uma transformação. É tarefa educacional da igreja ajudar as pessoas a terem uma cultura cristã em que elas usem a teologia interagindo com tudo o que há na vida. Mt 9:35-38. Expressar a glória de Deus em todas as áreas da vida: na família, na sociedade, na igreja. A Educação reformada em sua melhor expressão visa capacitar as pessoas a lidar com as implicações de uma visão cristã para toda a vida. [31]

Sabemos da importância de Calvino também na educação. [32] Ele foi um grande educador e, nesta qualidade, tinha como objetivo formar pessoas não apenas para o ministério, mas também para servirem na sociedade. [33]

Wilson Castro Ferreira ao descrever um pouco da influência que Calvino exerceu em Genebra com a sua Academia afirma:

Calvino quis fazer da educação um instrumento hábil para produzir indivíduos capazes de servir na vida pública ou qualquer outra função, com a consciência do dever e sentido de vocação, tudo para a mais alta finalidade – a glória de Deus. [34]

III. Que objetivos educacionais a Educação Cristã deve procurar DESENVOLVER?

Quando falamos de objetivos educacionais, temos em mente um certo desempenho esperado daqueles que ensinamos. Dito em outras palavras, onde queremos chegar? O que desejamos que nossos alunos sejam no futuro como fruto de nosso ensino?

Para responder a esta questão, formulamos nossos objetivos em termos comportamentais considerando a já conhecida tríade expressa nos três aspectos humanos: conhecer-ser-fazer.


1) Conhecer:
Este aspecto intelectual (notitia) ou cognitivo, se refere a como as pessoas reconhecem as coisas e pensam sobre elas. Jesus disse: “ Amarás o Senhor , teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento . ..”. (Mt 22:37)

A Bíblia deixa bem explícito que há uma relação direta entre como pensamos e como agimos. Paulo descreve os inimigos da cruz de Cristo como aqueles que “ só se preocupam com as coisas terrenas ” (Fl 3:19), em oposição aos crentes, os quais devem pensar nas coisas lá do alto”, e não nas que são daqui da terra”. (Cl 3:2)

Podemos ver também esta relação feita pelo apóstolo, em Rm 12:2: “ E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente , para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus”.

Observe bem a relação feita por Paulo. Escreveu ele: Renove a mente, pois ela moldará o comportamento, fazendo-o experimentar a vontade de Deus. Portanto, se a maturidade cristã é moldada pela maneira como pensamos, deve ser um de nossos objetivos educacionais levar nossos ouvintes a conhecerem corretamente a Deus e a maneira como ele quer que nos comportemos.

Precisamos trabalhar para o crescimento intelectual (cognitivo) de nossos alunos. Precisamos ensiná-los a pensar teologicamente, conhecer as verdades bíblicas e refletir nos conceitos (categorias) bíblicos e teológicos.

Conhecer a verdade é conhecer o alicerce sobre o qual se erguerá o edifício da fé cristã. Sem um bom alicerce, o edifício será frágil. Sem um bom conhecimento bíblico, teremos um crente frágil.

Se é verdade que a mente molda o coração e a vontade, então é imperativo que os cristãos aprendam a pensar sobre a verdade. Uma educação cristã eficaz molda os alunos a conhecerem a verdade e a pensarem com a verdade, para que seus comportamentos sejam moldados pela verdade. [35]

Em Cristo, o homem antes rebelde, encontra sua plena satisfação em Deus. [36] A educação cristã deve ser cristocêntrica procurando capacitar as pessoas a conhecer através da Palavra, a pessoa de Cristo e crescer nele. Por isto, o educador cristão tem a responsabilidade de ajudar as pessoas a lidar pessoal e corporativamente, com as implicações do Senhorio de Jesus.


2) Fazer:
É tarefa da Educação Cristã ajudar as pessoas a pensarem corretamente sobre Deus, contudo, não queremos que nossos ouvintes, alunos ou nossas ovelhas tenham uma fé meramente intelectual. Fazendo menção de Lucas 6:46 onde Jesus disse : “Por que me chamais Senhor, Senhor, se não fazeis o que vos mando?” Observe, que Jesus critica uma fé que se limita ao aspecto cognitivo.

A teologia, ou seja, aquilo que conhecemos a respeito de Deus não pode estar divorciado das nossas experiências de vida. Não é suficiente conhecer o conteúdo da verdade, precisamos aplicar este conteúdo em nosso dia a dia. Jesus em João 13:17 afirmou: “Se sabeis (conhecer) estas coisas, bem-aventurados sois se as praticardes (fazer)”. Saber e fazer, um binômio inseparável.

Esta é uma excelência educacional que devemos almejar alcançar. Devemos ter como objetivo promover uma educação que leve ao aprendizado prático da verdade conhecida.

Maturidade cristã significa viver a verdade nas diversas situações da vida. Tiago nos exorta dizendo que a fé (conhecer) sem obras (fazer) é morta. Não resta dúvida, de que a Educação cristã é um processo em aprender a viver. Sem prática não há aprendizagem. E se não há aprendizagem, não há educação. “Detesto qualquer informação que é dada, que aumenta minha instrução, mas não muda minha atividade”. [37]


3) Ser: Afirmamos que o conhecer não pode estar divorciado do fazer, senão, o saber se transforma numa ortodoxia morta. Mas é verdade também que o fazer sem o conhecer pode se transformar numa mera religiosidade vazia, pois sabemos ser possível fazer a coisa certa sem ter qualquer relacionamento com Deus. Daí a necessidade de uma terceira excelência a ser buscada.

Para uma educação cristã eficaz é imprescindível educar o aluno a ser. Nosso desejo e desafio é conduzir as pessoas à maturidade cristã, e esta é produto de uma experiência prática que tem como conteúdo a Palavra de Deus. Contudo, o fazer não deve ser uma mera repetição do conhecimento adquirido, mas sim, fruto de uma transformação do coração. Faço (fazer), não apenas porque sei (conhecer), mas porque sou (ser) assim.

Mais uma vez o texto de Mt 22:37 nos é útil: “Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração (ser), de toda a tua alma/força (fazer) e de todo a tua mente (conhecimento)”.

Quando falamos em educar o aluno para ele SER, estamos fazendo referência ao conceito bíblico de coração. Conforme o ensino das Escrituras, o coração é o órgão central da personalidade humana (Pv 27:19), de onde emanam todas as coisas (Mt 15:19). O profeta Jeremias disse que o coração é desesperadamente corrupto (17:9). O coração do homem entregue a si mesmo sempre estará produzindo afeições, emoções e ações desordenadas. As nossas ações são resultado daquilo que somos – Pv 4:23. Em razão disso que em nossa teologia e filosofia educacional, primamos pela educação do ser, ou melhor, do coração.

Conjuro-te, perante Deus e Cristo Jesus…prega a Palavra, insta, quer seja oportuno quer não, corrige, repreende, exorta com toda longanimidade e doutrina. Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário cercar-se-ão de mestres segundo suas próprias cobiças…e se recusarão a dar ouvidos à verdade, entregando-se às fabulas. (II Tm 4:1-4)

NOTAS:

[1] – ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Filosofia da Educação .São Paulo, SP: Ed. Moderna. 1989. p.49 [voltar]

[2] – Werner Graendorf, citado por Pazmino in: Cuestiones Fundamentais de la educación Cristiana , Dadeland, Miami: Editorial Caribe. 1995. p. 96[voltar]

[3] – PAZMINO, Roberto. Op Cit., p. 96 [voltar]

[4] – Idem Ibidem., p. 97 [voltar]

[5] – Reis , Gildásio. Apostila Fundamentos Teológicos e Filosóficos da Educação Cristã. JMC. 2004 [voltar]

[6] – Hoekema definindo a santificação progressiva, ensina que este processo de crescimento varia de pessoa para pessoa e em graus diferentes ( Veja o capítulo 12 de Salvos pela Graça, pp. 199-239 ) [voltar]

[7] – Jesús, José Abraham. En Busca de una Definición de educación Cristiana, in: http://www.receduc.com/educacioncristiana/defincn.html(capturado em 12/08/04) [voltar]

[8] – Idem [voltar]

[9] – Das 14 ocorrências do substantivo tipos no N.T., metade faz referência á exemplificação. Cf. “O Exemplo” por George J. Zemek in:Redescobrindo o Ministério Pastoral , Rio de Janeiro, RJ: CPAD. 1995. pp.294-313 (Cf. também em HOHLENBERGER III, John R. ., Edward W. Goodrick e James A. Swanson. The Exhaustive Concordance To The Greeck New Testament. Grand Rapids, Michigan: Zondervan Publishing House. 1995) [voltar]

[10] – CHAPELL, Bryan. Pregação Cristocêntrica . São Paulo, SP: Ed. Cultura Cristã. 2002. p. 29 [voltar]

[11] – Hendriksen , William. Comentário do Novo Testamento – 1 Timóteo, 2 Timóteo e Tito . São Paulo, SP: Editora Cultura Cristà. 2001. p. 199[voltar]

[12] – Stowell, Joseph M. Pastoreando a Igreja. São Paulo, SP: Ed. Vida . 2000. p. 174 [voltar]

[13] – DOWS, Perry G. Introdução à Educação Cristã – Ensino e Crescimento. São Paulo, SP: Editora Cultura Cristã. 2001. p. 194 [voltar]

[14] – Robertson, Archibald Thomas. Word Pictures In The New Testament . Grand Rapids, Michigan: Backer Book House. 1931 [voltar]

[15] – HOEKEMA, Antony. Salvos Pela Graça – A Do utrina Bíblica da Salvação . São Paulo, SP: Cultura Cristã. 1997. p. 214 [voltar]

[16] – CALVINO, João. Institución de la Religión Cristiana . Apartado, Paises Bajos: Felire. 1986. I, 6 [voltar]

[17] – Downs, Op Cit., p. 16 4 [voltar]

[18] – Confissão de Fé de Westminster. Cap. I, parágrafo X [voltar]

[19] – Confissão de Fé de Westminster, Cap. I, parágrafo IV [voltar]

[20] – Idem., cap. I, parágrafo V (grifo nosso) [voltar]

[21] – SILVA, Moisés. A Função do Espírito Santo na Interpretação da Bíblia , Fides Reformata vol II- Número 2 (Julho-Dezembro 1997). p.91 [voltar]

[22] – Falando sobre a preservação das Escrituras, Paulo Anglada a define da seguinte forma: “O texto bíblico, revelado e inspirado por Deus para garantir seu fiel registro nas Escrituras, foi cuidadosamente preservado por Ele no decorrer dos séculos, de modo a garantir que aquilo que foi revelado e inspirado continue disponível a todas as gerações subseqüentes” cf. Sola Scriptura – A Doutrina Reformada das Escrituras. Ed. Puritanos. P. 163,164.[voltar]

[23] – Citado por Benjamim Warfield. Calvin and Calvinism p. 77 [voltar]

[24] – Calvino. Institución de la Religión Cristiana . Livro I, VII. 6 [voltar]

[25] – Calvino. Op Cit., I, VII.5 [voltar]

[26] – Catecismo Maior de Westminster. São Paulo, SP: Editora Cultura Cristã. [voltar]

[27] – Apenas para citar algumas: Rm 11:36; I Co 10:31; Sl 73:24-26; João 17:22-24 [voltar]

[28] – KISTEMARKER, Simon. Comentário do Novo Testamento – I Coríntios. São Paulo, SP: Editora Cultura Cristã. 2004. p. 498 [voltar]

[29] – Campos, Héber Carlos de. A Relevância dos Credos e Confissões. Fides Reformata. Vol. II – Número 2 (Julho-Dezembro 1997). P.98 [voltar]

[30] – Hendriksen, Willian. Efésios – Comentário do Novo Testamento . São Paulo, SP: Ed. Cultura Cristã. 1992. p.246 [voltar]

[31] – Cornélius Van Til, Essays On Christian Education. Presbyterian & Reformed, Nutley , Nueva Jersey. 1977. pp.78-80. [voltar]

[32] – Indico a leitura do artigo do Dr. Héber Carlos de Campos intitulado “A Filosofia Educacional de Calvino e a Fundação da Academia de Genebra ‘ publicado na Revista Fides Reformata 5/1 de 2000. [voltar]

[33] – T.M. Moore. Some Observations Concerning The educational Philosophy Of John Calvin, “Westminster Theological Journal 46 – 1984, p. 140[voltar]

[34] – FERREIRA, Wilson Castro. Calvino: Vida, Influência e Teologia . São Paulo: Campinas. Ed. Luz Para o Caminho. 1990. p.189 [voltar]

[35] – DOWS, Perry G. Op Cit., p. 222 [voltar]

[36] – PIPER, John. Teologia da Alegria- A Plenitude da Satisfação em Deus. São Paulo,SP: Edições Shed. 2001 p. 9 [voltar]

[37] – Goethe in: Dimenstein, Gilberto, Fomos Maus Alunos, Editora Papirus ( Campinas: SP – 2003 ) p. 33 [voltar]


Rev. Gildásio Reis, Pastor da Igreja Presbiteriana de Osasco, Psicanalista Clínico, Mestre em Teologia pelo centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper (Educação Cristã) e Professor de Teologia Pastoral no Seminário Presbiteriano “ Rev. José Manoel da Conceição ”.

Artigo publicado no blog Monergismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *