Perseverança e Fé em Tempo de Apostasia – Sulamita Macedo

Perseverança e Fé em Tempo de Apostasia – Sulamita Macedo

Lição 06: Perseverança e Fé em Tempo de Apostasia

Professoras e professores, observem estas orientações:

1 – Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham uma conversa informal e rápida com os alunos:

– Cumprimentem os alunos.

– Dirijam-se aos alunos, chamando-os pelo nome, para tanto é importante uma lista nominal para que vocês possam memorizar.

– Perguntem como passaram a semana.

– Escutem atentamente o que eles falam.

– Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.

– Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.

2 – Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.

Outro fator importante para estabelecer vínculos com os alunos é através das redes sociais, adicionem os alunos e mantenham comunicação com eles.

3 – Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email ou pelas redes sociais, deixando uma mensagem “in box” dizendo que sentiu falta dele(a) na EBD).

Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.

4 – Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.

5 – Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associando a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!

6 – Agora, vocês iniciam o estudo da lição. Vejam estas sugestões:

– Apresentem o título da lição: Perseverança e Fé em Tempo de Apostasia.

– Em seguida, trabalhem o conteúdo da lição.

Ao trabalhar o conteúdo da lição, vocês devem oportunizar a participação do aluno, envolvendo-o através de exemplos e situações próprias de sua idade. Dessa forma, vocês estão contextualizando o tema com a vida do aluno, além de promover uma aprendizagem mais significativa.

Depois, utilizem a dinâmica “Vida Frutífera”.

– Para concluir, leiam o texto “Plantando boas sementes”.

Tenham uma excelente e produtiva aula!

Atenção! 

Professores da classe dos novos convertidos:

Vocês encontram sugestões para a revista Discipulando do 1o. ao 4o. ciclo, no marcador “Discipulando”, deste blog.

Para a revista 1 e 2 do Discipulado, vocês encontram no marcador “Subsídio Pedagógico Discipulado 1” e “Subsídio Pedagógico Discipulado 2”, do currículo antigo. Façam bom proveito!

Dinâmica: Vida Frutífera

Objetivo:

Refletir sobre o cuidado que devemos ter com nossa vida espiritual e moral.

Alertar sobre a apostasia e a infidelidade a Deus.

Material:

½ folha de papel ofício para cada aluno

Procedimento:

– Distribuam a metade da folha de papel ofício para cada aluno.

– Orientem para que eles desenhem uma semente (do lado esquerdo) e uma árvore com raízes a mostra( do lado direito).

– Agora, solicitem que eles façam o seguinte:

Ao lado das raízes, o aluno deverá escrever em que ou em quem está alicerçado.

Está firmado em Deus ou sua fé está cambaleante com poucas raízes? Continua firme ou qualquer vento mais forte quer derrubá-la? É bom ter cuidado com a apostasia e com os falsos mestres.

No solo, deverá escrever qual o tipo de solo em que a semente e a árvore estão plantadas. Também como este solo tem sido tratado para que sua vida espiritual frutifique.

Na copa da árvore, deverá desenhar frutos. Que tipo de frutos tem o aluno colhido na sua árvore espiritual. Como tem se apresentado em todas as estações de sua vida?

– Para concluir, falem: Temos plantando boas sementes em solos bem preparados, receptivos a Palavra de Deus? Não façamos como o povo de Israel, com o solo do coração endurecido, rejeitou Deus, com apostasia, infidelidade a Deus.

Por Sulamita Macedo.

Texto de Reflexão

Plantando Boas Sementes

“Como principiante no jardim, logo aprendi que um terreno não cultivado era impróprio para a plantação de sementes e para o crescimento. Mas quando plantei boas sementes numa terra bem preparada, o sol e a chuva fizeram a sua parte, até que veio a colheita.

Um terreno bem preparado, as sementes certas e a bênção de Deus são essenciais para a produção de frutos, não somente num jardim, mas também na vida cristã.

O profeta de Deus, Oseias, pregou este princípio ao povo de Israel. Eles haviam semeado sementes de maldade e confiavam nos seus próprios caminhos, em vez de confiar em Deus. Então eles comeram os frutos amargos de mentiras, especialmente a mentira de que a sua própria de que sua segurança e sucesso vinham da sua própria força militar(Oseias 10.13).

Oseias rogou a Israel para seguirem a Deus – deixaram o terreno endurecido dos seus corações e “buscar ao Senhor”. Se eles semeassem justiça, iriam colher a misericórdia do Senhor e Ele faria chover bênçãos sobre eles.

Está o solo do seu coração resistindo a Deus e à Sua Palavra, em vez de ser receptivo(a)? Está você confiando na sua própria maneira de viver em vez de confiar em Deus? Então é tempo de buscar o Senhor em sincero arrependimento, semear atos e atitudes certas na sua vida e crescer espiritualmente. Acima de tudo, dependa do poder de Deus e não do seu próprio para que sua vida seja frutífera.

Fonte: Nosso Pão Diário.

Texto Pedagógico

Os Pilares da Educação

São quatro os pilares da educação, de acordo com o relatório que contém o eixo condutor para a educação do século XXI, organizado por diversos pesquisadores de várias partes do mundo, no final do século passado.

Conforme conclusão dos especialistas, os alunos, para que ajam de forma eficaz, precisam ter competências para o desenvolvimento do ser humano, tais como: “Aprender a Conhecer”, “Aprender a Fazer”, “Aprender a Conviver” e “Aprender a Ser”, convergindo para a educação integral.

De acordo com o dicionário, a palavra “pilar” tem o significado de coluna que sustenta uma construção. O conhecimento a ser ensinado para os alunos está em construção e deverão ser aprendidos mediante os pilares já mencionados.

Vejamos como estas aprendizagens “Aprender a Conhecer”, “Aprender a Fazer”, “Aprender a Conviver” e “Aprender a Ser” podem ser observadas e praticadas na Educação Cristã e principalmente na Escola Bíblica Dominical. Antes, porém, é necessário que se entenda o que significa cada aprendizagem. Os pilares são apresentados separados para melhor compreensão do leitor, mas eles devem acontecer de forma conjunta.

Aprender a Conhecer se refere às competências para a compreensão daquilo que está sendo ensinado não de forma passiva, mas com participação do aluno para que a informação se transforme em conhecimento, não apenas vendo o que o professor está realizando, mas como ser ativo do seu próprio conhecimento. Pode-se também afirmar que “Aprender a Conhecer” é também “Aprender a Aprender”.

O conteúdo a ser ministrado na EBD deve ser de forma que não seja unilateral, isto é, somente o professor fala sem a participação dos alunos. O docente deve proporcionar espaço para o aluno ao ser instigado, busque o conhecimento, através de situações diversas que possibilitem a apropriação do conhecimento. A Palavra de Deus recomenda: “Antes crescei na graça e conhecimento de nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo”(II Pe 3.18).

Aprender a Fazer se refere à aprendizagem para as atividades do cotidiano da sala de aula para que o aluno entenda e descubra o conhecimento através das práticas realizadas durante o processo de ensino.

Na educação Cristã, o conteúdo a ser ensinado deve ser forma que saia do campo teórico e o aluno possa transformar este conhecimento em prática cristã. O professor precisa contextualizar o que está ensinando com a vida cristã do seu aluno, para que diariamente ponha em prática os ensinamentos bíblicos. O apóstolo Paulo recomenda: “O que também aprendestes, e recebestes, e ouvistes, e vistes em mim, isso fazei”(Filipenses 4:9).

Aprender a Conviver se refere a ter oportunidade para se relacionar com seus pares, com os diferentes, evitar conflitos, respeitar as opiniões divergentes, relacionar-se de forma adequada com as pessoas, através de regras básicas de convivência.

A Escola Dominical é um espaço educativo no qual a convivência e a comunhão devem acontecer a contento. A convivência pode e deve se realizar dentro e fora da EBD. Os relacionamentos precisam ser alargados e ao mesmo tempo estreitados e solidificados com a socialização entre os professores, alunos e demais componentes. O apóstolo Tiago orienta: “Quem dentre vós é sábio e entendido? Mostre pelo seu bom trato as suas obras em mansidão de sabedoria”(3:13).

Aprender a Ser se refere ao desenvolvimento da responsabilidade pessoal, ética, moral, reflexão crítica, iniciativa, autonomia, criatividade, valorização do outro.

Na Escola Dominical, estes pontos elencados acima podem ser trabalhados nas atividades propostas na aula, para tanto o professor deve proporcionar situações que podem favorecer o “aprender a ser”, tomando atitudes relevantes diante das experiências da sala de aula. A Bíblia adverte: “Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo. Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros”(Filipenses 2. 3,4).

Poucos são os professores da Escola Bíblica Dominical que têm consciência da importância desses pilares para formação integral dos alunos.  Observa-se que estes pilares estão sumidos ou quase desaparecidos de muitas classes de EBD. A Bíblia indaga: “Se forem destruídos os fundamentos, que poderá fazer o justo?”(Salmo 11:3). O que os professores, coordenação pedagógica, diretores de EBD podem fazer diante da ausência desses pilares no ensino?

É necessário ter consciência de que os pilares são importantes para a construção do conhecimento na Educação Cristã, pois a Palavra de Deus ao ser ensinada transformará a vida do aluno, quando ele entende e torna-se prático para ele. Outro ponto a ser mencionado é a mudança de mentalidade por parte dos professores no sentido de entender e agir para que a aprendizagem se concretize através da busca pelo conhecimento, com atitudes reflexivas diante das situações propostas, com respeito ao outro na convivência e na diversidade, formando o ser integral.

Sendo assim, as mudanças ocorrerão, pois trabalhar dentro desta perspectiva implica em entender que ensinar vai além do transmitir informações e do acúmulo de conhecimento, dissociado da vida do aluno.  Para que isto ocorra de forma exitosa é importante a escolha de metodologias que desencadeiem experiências de aprendizagem de conhecer, de fazer, de conviver e de ser.

Por Sulamita Macedo.

Publicado no blog Atitude de Aprendiz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.