Os Gigantes da Fé e seu Legado para a Igreja – Luciano de Paula Lourenço

Os Gigantes da Fé e seu Legado para a Igreja – Luciano de Paula Lourenço

Aula 11 – OS GIGANTES DA FÉ E O SEU LEGADO PARA A IGREJA

1º Trimestre/2018

Texto Base: Hebreus 11:1-8, 22-26,30-34

 

“Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisas que se não veem” (Hb.11:1).

INTRODUÇÃO

Dando continuidade ao estudo da Epístola aos Hebreus, estudaremos nesta Aula a respeito dos heróis da fé – descritos no capítulo 11 – e o seu legado para a Igreja. Trataremos a respeito da jornada de fé desses homens e mulheres de Deus, e como isso deveria ser tomado como exemplo para os cristãos da Nova Aliança (cf.Hb.11:1-40). A fé demonstrada por esses gigantes da fé em diferentes momentos da história, e em diferentes situações, foi o que garantiu as suas inserções na galeria dos heróis bíblicos. Esses heróis e heroínas eram pessoas comuns, sujeitos às intempéries da vida, mas a fé deles em Deus fez com que superassem grandes obstáculos, fazendo com que o nome do Senhor fosse exaltado. Eles deixaram, sem dúvida alguma, um legado extraordinário, o qual deve ser considerado pela igreja durante a sua jornada rumo à Pátria celestial. É válido ressaltar que esses heróis da fé não tinham as Escrituras Sagradas como temos hoje, o que tornava o conhecimento deles a respeito de Deus limitado, se comparado a nós hoje. Essa mesma fé, que garantiu que eles sempre avançassem e nunca recuassem, é a que devemos imitar.

I. A FÉ QUE GERA CONFIANÇA EM DEUS

  1. O sacrifício de Abel.“Pela fé, Abel ofereceu a Deus mais excelente sacrifício do que Caim; pelo qual obteve testemunho de ser justo, tendo a aprovação de Deus quanto às suas ofertas. Por meio dela, também mesmo depois de morto, ainda fala” (Hb.11:4).

Caim e Abel foram os dos primeiros filhos e Adão e Eva (cf. Gn.4:2-5). Caim tornou-se lavrador e Abel tornou-se pastor de ovelhas. Ao fim de algum tempo, ambos resolveram oferecer um sacrifício a Deus. Caim levou alguns frutos do solo, mas Abel ofereceu o melhor dos seus carneiros. Deus se agradou da oferta de Abel, mas não a de Caim (Gn.4:4,5) – “Pela fé, Abel ofereceu a Deus mais excelente sacrifício do que Caim” (Hb.11:4).

Por que Deus rejeitou a oferta de Caim? A razão de Deus ter aceitado o sacrifício de Abel e rejeitado o de Caim não foi baseado no fato de que o sacrifício de Caim era sem sangue; muitas das oferendas exigidas no Antigo Testamento eram sem sangue, como as ofertas de manjares (cf. Lv.2:1-16). A diferença estava nos corações daqueles dois ofertantes. A Bíblia relata que o modo de vida de Caim não era agradável a Deus e, por isso, Deus não aceitou a sua oferta. Abel ofereceu com fé (Hb.11:4), ao passo que Caim, não. Aliás, a Bíblia afirma que Caim era do maligno (1João 3:12), ou seja, não tinha um coração temente e submisso a Deus e, por isso, não foi aceita a sua oferta. Esta diferença básica entre os dois ofertantes é indicada pelas palavras no texto sagrado: Deus “atentou para Abel e para sua oferta. Mas para Caim e para a sua oferta não atentou” (Gn.4:4,5). Provérbios 21:27 diz: “O sacrifício dos ímpios é abominação; quanto mais oferecendo-o com intenção maligna!”. Somente quando são oferecidos com fé, os sacrifícios e o serviço dos homens agradam a Deus (cf.Is.1:11-17; Ml.1:6-14).

Na realidade, a chave para o fracasso de Caim se encontra nas cuidadosas descrições do texto sagrado, referentes ao tributo de Caim e Abel – “Caim trouxe do fruto da terra uma oferta ao Senhor” (Gn.4:3). Aqui, não há indicação que este “fruto da terra” seja o primeiro e o melhor. Abel ofertou o melhor que tinha; ele “trouxe dos primogênitos das suas ovelhas e da sua gordura” (Gn.4:4); seu coração era sincero; seu culto era verdadeiro (Hb.11:4). Portanto, o pecado de Caim foi a superficialidade. Ele parecia religioso, porém seu coração não era totalmente dependente de Deus, não era sincero nem grato.

Hoje, o que oferecemos ao Senhor no culto? Nossas ofertas demonstram a atitude real de nossos corações? (Sl.51:17). Deus se agrada do gesto de gratidão e reconhecimento, do que está no coração do homem, não do que está sendo apresentado em termos materiais. Tanto assim é que, ao indagar Caim sobre sua oferta, Deus diz que ele deveria ter feito bem, ou seja, não como um mero formalismo, não como um mero ritual, mas como algo espontâneo e que proviesse do fundo da alma, pois, somente neste caso é que haverá aceitação por parte do Senhor (Gn.4:7).

  1. O testemunho de Enoque.“Pela fé, Enoque foi trasladado para não ver a morte e não foi achado, porque Deus o trasladara, visto como, antes da sua trasladação, alcançou testemunho de que agradara a Deus” (Hb.11:5).

Enoque é a sétima personagem mencionada na descendência de Adão pela linhagem piedosa de Sete. Dentre todos os homens antediluvianos é o que mais se destaca, pois, ao contrário dos demais, não provou a morte, pois, diz a Bíblia, andou com Deus trezentos anos e Deus para Si o tomou (Gn.5:22). Com relação ao tempo de vida à época, ele morreu muito cedo – “Todos os dias de Enoque foram trezentos e sessenta e cinco anos” (Gn.5:23). Quando ele tinha 65 anos nasceu seu filho Metusalém (Gn.5:21), que foi o homem mais longevo da terra – “novecentos e sessenta e nove anos; e morreu” (Gn.5:27). Entretanto, quando Matusalém morreu, sobreveio o dilúvio. “…É melhor viver menos tempo como Enoque, andar com Deus e ser levado por Ele, do que viver muitos anos como Metusalém e morrer na lama do dilúvio…” (Osmar José da SILVA. Reflexões filosóficas de eternidade a eternidade, v.3, p.24).

“Enoque foi trasladado para não ver a morte e não foi achado, porque Deus o trasladara”. Veja que a credencial para que Enoque fosse trasladado para não ver a morte foi andar com Deus (Gn.5:22). Deus chamou Enoque para perto de si por causa do seu andar na fé. Sem fé ninguém agrada a Deus. Assim como Enoque foi trasladado para não ver a morte, a Igreja será arrebatada para viver eternamente com o Senhor (1Ts.4:13-18; 1Co.15:51-58). Somente os verdadeiros e sinceros servos do Senhor, que andam com Deus, têm a consciência do arrebatamento e, por causa disto, mantêm-se vigilantes, aguardando o Senhor a qualquer momento (Mt.24:43,44; Mc.13:29-37; Lc.21:34-36).

Enoque, apesar de andar com Deus, não abandonou a vida social nem familiar, pois é dito que teve filhos e filhas (Gn.5:23). Andava com Deus num ambiente de maldade e de infidelidade. Enoque tinha comunhão com Deus levando uma vida de fé e pureza, não separado dos seus, mas como chefe de uma família. Isto nos mostra que para servir a Deus não há necessidade de se isolar do mundo. Aliás, a santidade nada tem a ver com o isolamento físico, como bem nos mostrou Jesus (Lc.7:31-35). Para o homem andar com Deus, é preciso que esteja de acordo com a Sua Palavra (Am.3:3). A Igreja que será arrebatada é aquela que não se misturou com o mundo nem com o pecado, que preferiu seguir o seu Senhor (Ap.3:8-10; Ef.5:25-27).

Andar com Deus significa renunciar a si mesmo e aceitar viver única e exclusivamente para fazer a vontade divina (Mt.10:37-39; 16:24-27; Mc.8:34-38; Lc.9:23-26; Ef.5:15-17).

Andar com Deus significa renunciar ao pecado e à impiedade (Sl.1:1,2;Tt.2:11-14).

Andar com Deus significa tomar o caminho estreito e apertado, mas que conduz à salvação. Significa submeter-se ao Senhor Jesus (Mt.7:13,14; João 14:5,6; 15:14).

Para andar com Deus, portanto, devemos andar como Cristo andou, e assim seremos vitoriosos (1João2:6; 1Co.11:1; Ef.5:1; Fp.3:17; 1Pd.2:21).

A Igreja primitiva tinha tanta preocupação em andar com Deus que era conhecida como o Caminho (At.18:26; 19:9; 22:4; 24:14).

  1. A confiança de Noé.“Pela fé, Noé, divinamente avisado das coisas que ainda não se viam, temeu, e, para salvação da sua família, preparou a arca, pela qual condenou o mundo, e foi feito herdeiro da justiça que é segundo a fé” (Hb.11:7).

A Bíblia descreve Noé como sendo um homem reto e justo e que andava com Deus. Escolhido por Deus para preservar a humanidade e os animais do Dilúvio que havia de vir, Noé viveu numa época parecida com a nossa: violenta, má e corrupta. Os homens viviam alienados de Deus, sem padrões éticos e morais, sem amor, presunçosos, violentos… Sua maldade e degeneração eram tais que o Senhor decidiu destruir toda a humanidade (Gn.6.7,13).  Entretanto, Noé escolheu ser um homem temente a Deus, a tal ponto que achou graças aos seus olhos (Gn.6:8) em um mundo caído.

Diz o escritor aos hebreus que Noé construiu a arca pela fé, porque confiou no aviso divino da destruição. Foi a fé de Noé que o fez pregar durante cem anos, sem que ninguém tivesse crido. A fé de Noé deve ser imitada por nós. Noé creu em algo que nunca havia visto, a chuva; construiu algo que nunca imaginara fazer, a Arca; durante um ano cuidou de animais que jamais tinha sequer conhecido. Tudo fez por fé e, por isso, foi poupado da destruição, abençoado e se tornado uma bênção para toda a humanidade. De igual modo, todos aqueles que, nos dias anteriores à vinda de Cristo, nEle confiarem, também serão guardados da hora da tentação que há de vir sobre o mundo (Ap.3:10,11).

II. A FÉ QUE FAZ VER O INVISÍVEL

  1. A obediência de Abraão.“Pela fé, Abraão, sendo chamado, obedeceu, indo para um lugar que havia de receber por herança; e saiu, sem saber para onde ia” (Hb.11:8).

Abraão provavelmente era um idólatra que vivia em Ur dos caldeus quando Deus lhe apareceu dizendo que se mudasse. Com a obediência da fé, ele deixou sua casa, sem saber o destino final. Sem dúvida, seus amigos o ridicularizaram por tal loucura, mas esta foi sua atitude, em obediência ao chamado de Deus. A caminhada da fé muitas vezes dá aos outros a impressão de imprudência e insensatez, mas o homem que conhece a Deus está contente em ser guiado com os olhos da fé, porque é com os olhos da fé que o crente enxerga o desconhecido e acredita no futuro prometido por Deus à sua amada Igreja.

A Epístola aos Hebreus explica que “pela fé Abraão obedeceu”, e descreve três atos resultantes da fé de Abraão: (a) ele mudou-se para uma nova terra (Hb.11:8); (b) ele foi pai na sua velhice (Hb.11:11); (c) ele estava disposto a obedecer à ordem de Deus de sacrificar o seu único filho (Hb.11:17). Abraão demonstrava a sua fé por meio dos seus atos. A sua fé o justificou diante de Deus.

A fé de Abraão é vista, em primeiro lugar, na sua obediência em sair de sua terra e ir para um lugar que havia de receber de Deus por herança. Abraão partiu com base na promessa de Deus, sem saber para onde ia (vide Gn.12:1-9). Abraão confiou nas promessas que Deus lhe fez, de bênçãos ainda maiores no futuro. A vida de Abraão era cheia de fé.

Os crentes podem se sentir encorajados com o exemplo de fé de Abraão. Deus pode nos pedir para abandonarmos um ambiente seguro e familiar para realizar a sua vontade; Ele pode nos pedir para realizarmos tarefas difíceis. Mas nós podemos ter a certeza de que o resultado será sempre para o nosso bem e nos levará para mais perto dele. Pense nisso!

  1. A fidelidade de José.“Pela fé, José, próximo da morte, fez menção da saída dos filhos de Israel e deu ordem acerca de seus ossos” (Hb.11:22).

A Escritura testemunha sobre a fidelidade de José. Ele foi fiel a Deus em todas as circunstâncias. Foi fiel a Deus, temeu ao Senhor, não importando o que lhe aconteceria ao longo da vida: foi fiel a Deus na casa de seu pai, como filho; como escravo, em terra estranha; na casa do cárcere, como preso injustiçado e; no palácio de Faraó, como governador do Egito. Esta firmeza e constância é algo que devemos reproduzir no nosso andar com Cristo até que o Senhor volte ou que nos chame para a sua glória. O Senhor é bem claro em sua carta à igreja de Esmirna: “…Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida”(Ap.2:10).

Devido à fidelidade de José a Deus, ele foi promovido para um alto posto no Egito. O diácono Estevão, em seu grande discurso diante dos seus algozes, ratificou este fato – “E livrou-o de todas as suas tribulações e lhe deu graça e sabedoria ante Faraó, rei do Egito, que o constituiu governador sobre o Egito e toda a sua casa” (Atos 7:10). Mas, embora José pudesse ter usado a sua posição para construir um império pessoal, ele lembrou-se da promessa de Deus a Abraão. José creu na promessa de Deus de que os filhos de Israel iriam sair do Egito e retornar a Canaã. Ele tinha tanta certeza disso, que lhes recomendou, quando estava próximo da morte (Hb.11:22), que levassem os seus ossos consigo quando partissem, para que ele pudesse ser sepultado na Terra Prometida (Gn.50:24,25; Ex.13:19; Js.24:32). Mesmo no seu leito de morte, José perseverou na sua fé, esperando desejosamente as promessas que Deus tinha feito. É essa fé, que nos faz enxergar o desconhecido e acreditar no futuro.

  1. A determinação de Moisés.“Pela fé, Moisés, sendo já grande, recusou ser chamado filho da filha de Faraó, escolhendo, antes, ser maltratado com o povo de Deus do que por, um pouco de tempo, ter o gozo do pecado; tendo, por maiores riquezas, o vitupério de Cristo do que os tesouros do Egito; porque tinha em vista a recompensa” (Hb.11:24-26).

Moisés foi o grande líder do povo de Israel, escolhido pelo Senhor não só para libertar o seu povo da escravidão no Egito, mas para construir a nação israelita nos moldes desejados por Deus. Não é à toa que Moisés, até hoje, é tido e havido pelos israelitas como o mais importante integrante da nação de todos os tempos.

A grande fé de Moisés foi revelada por meio de sua difícil determinação. A Epístola aos Hebreus apresenta Moisés como um homem que soube fazer escolhas: escolheu deixar um nome de glória passageira – filho da filha de Faraó – e as benesses do título, para sofrer conduzindo um grupo de escravos recém libertos para uma terra prometida, que no momento estava plenamente ocupada por nações altamente experimentadas em guerras e sem um mínimo de temor a Deus. Caso optasse em permanecer no Egito, se tornaria certamente um grande rei com toda a formação que recebeu, e seria também mais um corpo mumificado a ser descoberto por arqueólogos. Para Deus não teria nenhum valor. Mas por abrir mão de seu título e da glória inerente a ele, Deus cuidou de Moises em toda a sua vida, inclusive do seu sepultamento (Dt.34:4-7). Moisés sabia que não poderia tomar parte em um modo de vida fácil e confortável enquanto seus companheiros hebreus estavam escravizados. Devido à sua fé, Moisés sabia que o conforto terreno não era o objetivo final de sua vida.

Moisés é um exemplo de que a fé exige que as pessoas deixem seus próprios desejos de lado por Cristo. Ele era motivado porque tinha em vista a recompensa que Deus lhe daria (Hb.11:26). Embora Moisés não conhecesse pessoalmente Jesus Cristo, ele sofreu para realizar a vontade de Deus e para proclamar o caminho da redenção de Deus para os hebreus. Em lugar de fazer do Egito e deste mundo o seu lar, Moisés deixou o Egito e foi adiante, “porque ficou firme, como vendo o invisível (Hb.11:27). Pela fé, ele estava certo daquilo que não podia ver (Hb.11:1). Que possamos seguir o exemplo de fé de Moisés na nossa jornada espiritual!

III. A FÉ QUE DÁ PODER PARA AVANÇAR

  1. A ousadia de Josué.“Pela fé, caíram os muros de Jericó, sendo rodeados durante sete dias” (Hb.11:30).

Josué era conhecido pela profunda confiança em Deus, como um homem cheio do Espírito Santo (Nm.27:18). Na península do Sinai, foi Josué quem comandou as tropas de Israel na vitória sobre os amalequitas(Êx.17:8-13). Somente ele teve permissão de subir com Moisés ao monte santo, onde foram outorgadas as tábuas da lei (Êx.24:13,14). E foi ele quem ficou de vigia na provisória tenda de encontro, que Moisés levantou antes de erigir o tabernáculo (Êx.33:11). Certamente, dentre os nomes mais importantes da história de Israel, Josué destaca-se como um personagem que tem servido de modelo de liderança. Escolhido por Deus, ele foi um líder moldado por Moisés ao longo da peregrinação de Israel, especialmente a partir da saída dos israelitas da terra do Egito em sua peregrinação no deserto.

Foi líder guerreiro desde a juventude.  É chamado de moço (Êx.33:11) poucos meses após sair de Egito, provavelmente tendo mais ou menos trinta anos de idade. Perante os ataques dos amalequitas, Moisés lhe diz: “Escolhe alguns de nossos homens e lute contra os amalequitas. Amanhã tomarei posição no alto da colina, com a vara de Deus em minhas mãos”(Êx.17:9). Apesar de ser tão jovem, foi escolhido entre os 40.500 homens de guerra de sua tribo, Efraim (Nm.2:18,19), como o melhor para espiar a terra de Canaã (Nm.13:2,8).

Josué foi o grande líder escolhido por Deus para suceder a Moisés na condução do povo à Terra Prometida. Após a travessia do Jordão, o primeiro desafio de Josué foi conquistar a fortificada Jericó. O ingresso na Terra Prometida não poderia ser feito enquanto Jericó permanecesse de pé. Essa não era uma tarefa fácil. Exigiria dos israelitas confiança e fé em Deus para derrotar uma cidade de grandes fortalezas e muros muito altos que escondiam tudo o que havia em seu interior (Js.6:1).

Jericó tinha uma característica importante: quando era ameaçada e o medo surgia, seus habitantes se recolhiam dentro dos seus muros, fechando-se. Conquistar aquela cidade era estratégico por duas razões: primeiro, porque nada do que nela havia agradava a Deus; segundo, porque aquela fortaleza deveria exercer certa influência de insegurança e medo no povo de Deus (parece-me que Josué olhava para ela com certo temor – Js.5:13,14). Conquistá-la e destruí-la liberaria o povo de Deus da contaminação de Jericó e da insegurança que ela trazia.

Deus fala a Josué dando as instruções de como deveria proceder à conquista: a cidade deveria ser cercada por seis dias; sete sacerdotes levariam sete buzinas; no sétimo dia rodeariam a cidade sete vezes e os sacerdotes tocariam as buzinas; quando o povo ouvisse as buzinas, gritaria e assim o muro cairia. Assim aconteceu. Os israelitas entraram na cidade e destruíram totalmente o que havia na cidade ao fio da espada, poupando somente Raabe e sua família. A cidade e tudo o que havia na cidade foi queimado.

A conquista de Jericó aconteceu quase 3.500 anos atrás, mas a conquista serve como um exemplo importante para nos instruir. Paulo disse que os exemplos do Antigo Testamento servem para nos instruir (1Co.10:6) e para demonstrar a fidelidade de Deus em cumprir as suas promessas (Rm.15:4).

Fé em Deus, obediência aos seus desígnios e ousadia são requisitos indispensáveis para aqueles que almejam superar todos os obstáculos da vida espiritual e destruir as fortalezas do inimigo – “Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas, sim, poderosas em Deus, para destruição das fortalezas”(2Co.10:4). Nossa luta é contra as hostes espirituais da maldade (Ef.6:12). Por isso, as armas carnais e humanas, tais como, habilidade, riqueza, capacidade organizacional, eloquência, persuasão, influência e personalidade, são em si mesmas inadequadas para destruir as fortalezas de Satanás. As únicas armas adequadas para desmantelar os arraiais de Satanás, a injustiça e os falsos ensinos são as que Deus nos dá. Paulo alista algumas dessas armas: a dedicação à verdade, uma vida de retidão, a proclamação do evangelho, a fé, o amor, a certeza da salvação, a Palavra de Deus e a oração perseverante (Ef.6:11-19; 1Ts.5:8). Mediante o emprego dessas armas contra o inimigo, a igreja sairá vitoriosa.

  1. A coragem de Raabe.“Pela fé, Raabe, a meretriz, não pereceu com os incrédulos, acolhendo em paz os espias” (Hb.11:31).

Na queda de Jericó, Raabe escapou com vida. Josué ordena o rasgaste de Raabe e sua família (Js.6:17,25). Raabe e sua casa foram poupadas porque ela teve fé em Deus e ajudou os espias israelitas (Hb.11:31). Tiago também faz menção à fé dessa mulher quando diz: “E de igual modo não foi a meretriz Raabe também justificada pelas obras, quando acolheu os espias, e os fez sair por outro caminho?” (Tg.2:25). Embora fosse uma mulher pagã, com atitudes totalmente repreensíveis, Raabe reconheceu o poderio e a grandeza do Deus de Israel. Ela creu que o Senhor era poderoso para subjugar a cidade de Jericó, apesar de sua fortaleza e fama; por isso tornou-se o elo da vitória de Israel sobre o restante de Canaã.

Raabe tornou-se uma pessoa muito especial, porque, depois de ter constituído um piedoso lar com Salmom, e ter gerado a Boaz(Rt.4:21), bisavô de Davi, passou a integrar a genealogia de Davi e de Jesus(Mt.1:5,6). Isto ilustra o fato que Deus aceita qualquer pessoa “que em qualquer nação, o teme e faz o que é justo”(At.10:35). A fé de Raabe deve servir de inspiração e motivação para quem está na jornada rumo à Canaã celestial.

  1. O heroísmo de Gideão.O autor fecha a sua lista dos heróis da fé citando vários personagens bíblicos. O autor apresentou uma lista imponente de homens e mulheres que demonstraram fé e perseverança no período do Antigo Testamento.

“E que mais direi? Faltar-me-ia o tempo contando de Gideão, e de Baraque, e de Sansão, e de Jefté, e de Davi, e de Samuel, e dos profetas, os quais, pela fé, venceram reinos, praticaram a justiça, alcançaram promessas, fecharam as bocas dos leões, apagaram a força do fogo, escaparam do fio da espada, da fraqueza tiraram forças, na batalha se esforçaram, puseram em fugida os exércitos dos estranhos” (Hb.11:32-34).

Observe que o autor faz uma pergunta retórica: “e que mais direi?” (Hb.11:32). O que mais ele teria de apresentar para deixar claro o que pensa? Não lhe faltavam exemplos, mas tempo. Levaria muito tempo para entrar em detalhes, então ele se satisfaria em nomear alguns e dar uma breve lista de triunfos e provas de fé.

A lista é encabeçada por Gideão, um dos juízes durante o regime tribal israelita. Ele foi um dos juízes de Israel escolhido por Deus para livrar o povo de Israel dos seus inimigos. Gideão foi desafiado por Deus a buscar o livramento do seu povo por meio da fé. O exército comandado por ele foi reduzido de trinta e dois mil para trezentos. Primeiro foram mandados para casa os covardes e depois os que pensavam demais no próprio conforto. Com um time ferrenho de verdadeiros discípulos, Gideão derrotou os midianitas (cf. Juízes 6:11-8:35). Gideão venceu os midianitas pela fé; ele confiou na Palavra do Senhor que lhe daria a vitória. Deus não conta com número, Ele conta com quem tem fé. Nós também podemos obter a vitória pela fé em Cristo.

CONCLUSÃO

A lista dos gigantes da fé que estudamos não é exaustiva, e o próprio autor deixa essa impressão. Todavia, ela é suficiente para nos incentivar a seguir com fé o desconhecido futuro prometido, independentemente das circunstâncias. A nossa vida pode não incluir o tipo de acontecimentos dramáticos registrados no capítulo dos heróis da fé, que foi estudado, mas certamente inclui momentos em que a nossa fé é posta à prova. Devemos dá testemunho nesses momentos, publicamente e honestamente, e, desta forma, incentivar a fé de outras pessoas. A fé nos leva a suportar a perseguição (Hb.11:27) e nos leva a sofrer por amor a Deus (Hb.11:25,35-38). A única forma de não retroceder é caminhar com fé. A fé derruba o obstáculo, abate o inimigo e levanta o abatido. A fé deve ter como fundamento alguma revelação de Deus, alguma promessa de Deus. Não é um tatear no escuro. Ela exige a evidência mais segura no universo, que é encontrada na Palavra de Deus. Ela não está limitada a possibilidades; ela invade o reino da possibilidade. Alguém disse: “A fé começa onde terminam as possibilidades. Se é possível, não há nisso glória para Deus”.

——–

Luciano de Paula Lourenço

Disponível no Blog: http://luloure.blogspot.com

Referências Bibliográficas:

Bíblia de Estudo Pentecostal.

Bíblia de estudo – Aplicação Pessoal.

Comentário Bíblico popular (Novo Testamento) – William Macdonald.

Revista Ensinador Cristão – nº 73. CPAD.

Comentário Bíblico Pentecostal. CPAD.

Comentário do Novo Testamento – Aplicação Pessoal. CPAD.

Paul Hoff . O Pentateuco. Ed. Vida.

Leo G. Cox.  O Livro de Êxodo – Comentário Bíblico Beacon. CPAD.

Victor P. Hamilton. Manual do Pentateuco. CPAD.

Publicado no Blog do Luciano de Paula Lourenço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.