O Cultivo das Relações Interpessoais – Pr Adilson Guilhermel

O Cultivo das Relações Interpessoais – Pr Adilson Guilhermel

O Cultivo das Relações Interpessoais

Lição 13 – 26 de Junho de 2016

Texto Áureo: “Ao único Deus, sábio, seja dada glória por Jesus Cristo para todo o sempre. Amém!” (Rm 16.27)

Leitura Bíblica em Classe: Romanos 16.1-16.

Introdução: O conceito de relacionamento interpessoal no âmbito da sociologia significa a relação entre duas ou mais pessoas, dentro do contexto onde ele está inserido. Encontra-se no relacionamento familiar, escolar, trabalho, comunidade e no caso do cristão, na Igreja. O fato de nos identificarmos e nos saudarmos como irmãos em Cristo envolve nesse aspecto uma forma de relacionamento interpessoal. Esse relacionamento para ser autentico exige um conjunto de normas comportamentais que orientam as interações entre os membros da Igreja. Existem níveis de relacionamento interpessoal que podem estar no amor, compaixão, amizade, comunhão e outros mais. Este relacionamento pode ser interrompido ou alterado por conflitos ocasionados por divergência entre os envolvidos. O rompimento do relacionamento interpessoal entre irmãos é algo gravíssimo aos olhos do Senhor, caso ele se prolongue sem que haja uma reconciliação entre ambos. Podemos verificar na Bíblia que Deus recomenda e se agrada quando os irmãos estão envolvidos nesse relacionamento interpessoal: (Oh! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união. Salmos 133:1). Deus também adverte que se esse relacionamento for quebrado é preciso uma reconciliação: (Portanto, se trouxeres a tua oferta ao altar, e aí te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, Deixa ali diante do altar a tua oferta, e vai reconciliar-te primeiro com teu irmão e, depois, vem e apresenta a tua oferta. Mateus 5:23,24).

  1. A IMPORTÂNCIA DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS NA IGREJA
  2. É preciso sempre valorizar as pessoas, não as coisas – Romanos 16.1 RECOMENDO-VOS, pois, Febe, nossa irmã, a qual serve na igreja que está em Cencréia, v.2 Para que a recebais no Senhor, como convém aos santos, e a ajudeis em qualquer coisa que de vós necessitar; porque tem hospedado a muitos, como também a mim mesmo.

O apóstolo Paulo deu bons exemplos de relacionamento interpessoal, pois em toda sua caminhada como ganhador de almas, também ele fazia muitos amigos. Esses amigos que Paulo fazia se tornaram fieis colaboradores do seu ministério apostólico, por essa razão ele lhes dava o devido valor. Eram amigos que o ajudaram, tanto pessoalmente como também nos seus momentos de grande necessidade de ajuda. Aprendemos com isso, que todos nós precisamos uns dos outros, pois essa é a vontade de Deus para com os seus filhos. Entre os colaboradores de Paulo havia tanto homens como mulheres, o que é o caso de Febe uma mulher que servia na igreja de Cencréia e foi incumbida de uma missão muito importante de levar a carta aos Romanos para os cristãos daquele lugar. Paulo fazendo essa recomendação na carta objetivava mostrar que tanto a carta era de grande valor, quanto à portadora da mesma. Essa recomendação também era uma credencial para Febe ser bem recebida pelos cristãos de Roma.

  1. O valor das mulheres deve ser reconhecido no meio cristão – Romanos 16.3 Saudai a Priscila e a Áqüila, meus cooperadores em Cristo Jesus,

A saudação para Priscila e Áquila demonstra que eles estavam em Roma onde em sua casa faziam reuniões para prestarem culto ao Senhor com os demais irmãos. Quando Paulo os encontrou pela primeira vez tinham vindo recentemente de Roma ao serem expulsos daquela cidade pelo decreto do imperador Cláudio, o qual ordenara para os judeus deixarem a cidade. (Atos 18.2,3 E, achando um certo judeu por nome Áquila, natural do Ponto, que havia pouco tinha vindo da Itália, e Priscila, sua mulher (pois Cláudio tinha mandado que todos os judeus saíssem de Roma), ajuntou-se com eles,). Paulo conheceu os dois em Corinto estabelecendo um excelente relacionamento interpessoal. Assim como Paulo, além de pregadores do evangelho, eram fabricantes de tendas, como era Paulo. (3. E, como era do mesmo ofício, ficou com eles, e trabalhava; pois tinham por ofício fazer tendas.) Foram grandes colaboradores de Paulo na proclamação do evangelho. Esse casal foi extremamente leal a Paulo, do qual receberam muitas instruções sobre o evangelho. Na época em que Paulo envia a carta a Roma, possivelmente o casal havia retornado para lá continuando a fazer cultos em sua casa. (1 Coríntios 16.19  As igrejas da Ásia vos saúdam. Saúdam-vos afetuosamente no Senhor Áqüila e Priscila, com a igreja que está em sua casa). Paulo valorizava as mulheres no seu ministério e isso é notório pela admissão de Priscila como sua associada na obra do Senhor.

  1. Irmandade e companheirismo são essenciais nas relações interpessoais– Rm 16.7,8 Saudai a Andrônico e a Júnias, meus parentes e meus companheiros na prisão, os quais se distinguiram entre os apóstolos e que foram antes de mim em Cristo. 8 Saudai a Amplias, meu amado no Senhor.

Ândronico e Júnias, eram discípulos já muito antes da conversão de Paulo, provavelmente se converteram a Cristo após o sermão de Pedro no dia de Pentecoste. Eram mercadores ambulantes que viajavam por vários lugares e se estabeleceram nas regiões da Ásia menor. Foi por ali que houve o encontro com Paulo durante uma das suas viagens missionárias. Nesse relacionamento interpessoal eles abraçaram a causa de Paulo se tornando seus auxiliares e companheiros na obra do evangelho. Outro colaborador de Paulo foi Amplias, ombreado na sua missão evangelizadora e suportando com fidelidade todos os labores do evangelho. Essa lista de colaboradores mostra o papel dessas pessoas no ministério do apóstolo Paulo. A cooperadora Febe foi a protetora de muitos em toda a sua caminhada. Priscila e Áquila eram cooperadores destemidos, os quais arriscaram a vida por Paulo. A lista segue com outros personagens que tiveram um papel importante no ministério de Paulo. Paulo reconhecia o trabalho de cada um deles e dava graças a Deus por estes valentes e dedicados obreiros que contribuíram muito para o sucesso da obra empreendida por este apóstolo.

  1. OS COMPORTAMENTOS QUE AMEAÇAM ÀS RELAÇÕES INTERPESSOAIS
  2. O individuo individualista não se enquadra nas relações interpessoais – Rm 16.17; E rogo-vos, irmãos, que noteis os que promovem dissensões e escândalos contra a doutrina que aprendestes; desviai-vos deles.

No meio evangélico nem todos estão sintonizados ao nosso relacionamento interpessoal. Isto porque, infelizmente há os joios possuídos de sentimentos egoístas, que tentam causar divisões entre os membros da igreja, como também a disseminação e doutrinas falsas. No caso de Paulo, os seus antagonistas eram na sua maioria judaizantes que causaram muitos problemas a Paulo em várias igrejas. É muito nocivo às igrejas o surgimento desses indivíduos que tentam espalhar as suas próprias ideias e convicções ao povo sem qualquer respaldo bíblico, como também no uso das escrituras usa de distorções para atingir os seus próprios ideais e interesses. Todos esses devem ser identificados e rejeitados, pois são falsos cristãos enviados por Satanás e, um, dia será desmascarado. (Salmos 101.7  O que usa de engano não ficará dentro da minha casa; o que fala mentiras não estará firme perante os meus olhos).

  1. O sensualismo e antinomismo são repreensíveis por Deus – Romanos 16.18 ; Porque os tais não servem a nosso Senhor Jesus Cristo, mas ao seu ventre; e com suaves palavras e lisonjas enganam os corações dos simples.

Qualquer indivíduo que não é autêntico no seu relacionamento interpessoal e demonstra pelas suas atividades discórdias entre os membros, não pode ser um cristão verdadeiramente convertido ao Senhor. Quem não busca o bem estar de todos e um relacionamento saudável entre os irmãos e os seus intuitos são alcançar suas próprias vantagens, são incompatíveis para conviver no meio cristão. Muitos eram inclinados ao lucro financeiro sendo taxados como mercenários da fé usando de meios antibíblicos para tirar proveitos próprios numa ganância desenfreada. Exigiam dinheiro em troca de serviço espiritual, prática essa que acontece de uma forma explícita em nossos dias denegrindo a imagem do evangelho. Muitos hoje, que possuem habilidades na sua prédica com talentos naturais para persuadir pessoas e não podem ser vistos como homens de Deus, embora se autoqualificam como sendo. Como muitos crentes gostam de fábulas, eles usam e abusam desses incautos explorando e enganando com aparência de santo, os quais não são. Fazem do púlpito um palco de teatral, onde com certeza não há o poder do Espírito nesse negócio. Como o povo na sua maioria é voltado ao materialismo e eles sabem disso, então falam aquilo que o povo deseja ouvir e não o que o povo precisa ouvir. Esses elementos não servem ao Senhor Jesus Cristo, porque as suas pretensões é iludir os símplices na fé. Paulo alertou pela carta que muitos hereges judeus perseguidores em várias igrejas fundadas por ele, também poderiam estar em Roma atuando junto aos irmãos.

III. A ÚNICA FONTE DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS É CRISTO

  1. Essa fonte existe em razão da sabedoria e soberania de Deus – Romanos 16.25; Ora, àquele que é poderoso para vos confirmar segundo o meu evangelho e a pregação de Jesus Cristo, conforme a revelação do mistério que desde tempos eternos esteve oculto,

A preocupação de Paulo era que os crentes de Roma fossem seduzidos pelos enganadores e faz advertências para que não se tornassem vítimas desses elementos usados por Satanás. Paulo enfatizou que o seu Evangelho não é outro, senão o Evangelho deixado por Jesus Cristo. É nesse evangelho que estão envolvidos as muitas provisões espirituais, em contraste com as falsas religiões que nada produzem espiritualmente. Na mera pregação muitos tem essa condição, porém para quem ouve, não é o bastante, pois deve necessariamente de igual modo, a atuação do Espírito Santo.

  1. Essa fonte existe unicamente em razão da graça de Deus – Rm 16.26,27 Mas que se manifestou agora, e se notificou pelas Escrituras dos profetas, segundo o mandamento do Deus eterno, a todas as nações para obediência da fé; 27 Ao único Deus, sábio, seja dada glória por Jesus Cristo para todo o sempre. Amém.

Os profetas do Antigo Testamento profetizaram a respeito de Cristo sem qualquer ideia a respeito dele. Foi através da vinda de Cristo que essas sombras obscuras se dissiparam e os tesouros da sabedoria divina foram revelados quando se abriram. Assim, esse mistério foi revelado a judeus e gentios através da obra redentora de Cristo. Essa promessa revelada foi algo que se cumpriu e continua se cumprindo em cada alma que se rende ao Senhor Jesus Cristo. Paulo se despede glorificando ao grande e único Deus fazendo menção ao plano perfeito de Deus na revelação de Jesus Cristo. Assim ele oferece toda a glória ao Deus por Jesus Cristo.


Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel

Publicado no blog Esboços da EBD

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *