A Necessidade Universal da Salvação em Cristo – Rede Brasil de Comunicação

A Necessidade Universal da Salvação em Cristo – Rede Brasil de Comunicação

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Pernambuco

Superintendência das Escolas Bíblicas Dominicais

Pastor Presidente: Aílton José Alves

Av. Cruz Cabugá, 29 – Santo Amaro – Recife-PE / CEP. 50040 – 000 Fone: 3084 1524

LIÇÃO 02 – A NECESSIDADE UNIVERSAL DA SALVAÇÃO EM CRISTO

2º TRIM/2016 (Rm 1.18-20, 25-27; 2.1, 17-21)

INTRODUÇÃO

Dentre tantas promessas descritas nas Escrituras, a promessa da salvação é, sem dúvidas, uma das mais gloriosas. Isto porque, ela não está restrita ou predestinadas à algumas pessoas, mas sim, para toda a humanidade (Jo 3.16; 1Tm 1.15; 2.3,4; Tt 2.11). Nesta lição, veremos o que significa o termo salvação; estudaremos a universalidade do pecado fazendo uma comparação entre o pecado original e o pessoal; apontaremos esta doutrina quanto ao tempo, ao espaço e as barreiras culturais; debruçaremos sobre os três aspectos da salvação; verificaremos a promessa da salvação tanto no AT como NT; e, finalizaremos observando as suas etapas tanto no lado divino quanto no humano.

I – A UNIVERSALIDADE DO PECADO

Há inequívocas declarações nas Escrituras que indicam a pecaminosidade universal do homem (1Rs 8.46; Sl 14.3; 143.2; Ec 7.20; Rm 3.1-12, 19, 20, 23; Gl 3.22; Tg 3.2; 1Jo 1.8, 10). Várias passagens ensinam que o pecado é uma “herança” do homem desde a hora do seu nascimento, e, portanto, está presente na natureza humana. A Bíblia é muito explícita relativamente à extensão (universalidade) do pecado (Sl 51.5; Jó 14.4; Jo 3.6; Rm 5.12). Em Ef 2.3 diz o apóstolo Paulo que os efésios eram “por natureza” filhos da ira, como também os demais”. Nesta passagem a expressão “por natureza” indica uma coisa inata e original, em distinção daquilo que é adquirido (Is 53.6). Então, o pecado é uma coisa da própria natureza humana, da qual participam todos os homens e que os fazem culpados diante de Deus (Rm 5.12-14), por isso, que todos os homens se acham sob condenação do pecado e necessitam da redenção (BERKHOF, 2000, p. 235).

1.1 O pecado original ou universal. Pecado original não é uma expressão que vamos encontrar na Bíblia, mas é uma expressão teológica (Rm 3.10, 23). Originou-se num ato totalmente livre de Adão como o “representante da raça humana” numa transgressão da Lei de Deus e numa corrupção da natureza humana, tornando-se sujeito à punição de Deus (Rm 5.14-19). A raça humana fazia parte de Adão em forma de semente; portanto, quando Adão pecou, pecamos nele, pois,“todos os homens nascem por natureza” (Ec 7.20; Sl 51.5; 143.2). O pecado não ficou restrito somente a Adão e Eva, mas estendeu-se a toda a raça humana, é o que chamamos de “culpa herdada” (Rm 5.12). Sendo assim, toda a raça humana passou a ser pecadora por natureza a partir de Adão. Aos olhos de Deus, o pecado de Adão foi o pecado de todos os seus descendentes, de modo que eles nascem como pecadores (Rm 3.23; 7.23; Ef 2.1-2; Mt 15.18-19; Hb 6.1; 9.14). Devemos estar vigilantes contra o erro de pensar que Deus criou o homem já na condição de pecador e culpar a Deus do mal. Esta ideia é claramente excluída pela Escritura (Jó 34.10; Dt 32.4; Sl 92.16; Tg 1.13), ou como alguns afirmam, que os homens não nascem pecadores, mas sim, apenas com a tendência ao pecado (isso é uma heresia chamada de pelagianismo). O único ser cuja natureza humana não se mostrou corruptível (pecadora) desde a sua concepção e nascimento foi o Senhor Jesus Cristo (Hb 4.15; 7.26).

1.2 O pecado pessoal ou factual. Com respeito à origem do pecado na história da humanidade, a Bíblia ensina que ele teve início com a transgressão de Adão no paraíso, e, portanto, com um ato perfeitamente voluntário da parte do homem. A expressão “pecados fatuais” ou “culpa pessoal” não indica apenas as ações externas praticadas por meio do corpo, mas também todos os pensamentos e volições conscientes que decorrem do pecado original, ou seja, da natureza pecaminosa (Ec 7.20; Rm 7.18). São os pecados individuais expressos em atitudes da natureza e inclinação herdada (Rm 5.18,19). O pecado original é somente um, o de Adão; já o pecado factual é múltiplo, que são os pessoais, e são por estes pecados que prestaremos contas diante de Deus, ou seja, não somos responsáveis pelo pecado de Adão, apenas pelos nossos (1Rs 8.46; Pv 20.9; Gl 5.19-21; Ef 2.3).

II – O QUE SIGNIFICA SALVAÇÃO?

A palavra “salvação” do grego “soteria” significa: “libertação, ser tirado de um perigo, livrar-se, escapar”. A salvação é o livramento espiritual eterno concedido imediatamente por Deus aos que aceitam as condições estabelecidas por Ele referentes ao arrependimento e fé no Senhor Jesus e sob confissão dEle como Senhor. “segundo a sua misericórdia nos salvou” (Tt 3.5, ver também At 4.12; Rm 10.10). A Salvação é uma milagrosa transformação espiritual, operada na alma, na vida e no caráter de toda a pessoa que, pela fé, recebe Jesus Cristo como seu único Salvador pessoal (Ef 2.8,9; 2 Co 5.17; Jo 1.12; 3.5) (VINE, 2002, p. 967). Trata-se da redenção do ser humano do poder do pecado (1Pe 1.18,19), da libertação do cativeiro espiritual (Rm 8.2), e a saída do pecador dentre o poder das trevas do pecado (Cl 1.13). E, finalmente, é o retorno do exílio espiritual do pecador para Deus (Ef 2.13) (CABRAL, 2009, p. 338).

III – OS TRÊS ASPECTOS DA SALVAÇÃO

3.1 Justificação. É a mudança de posição externa e legal do pecador diante de Deus de condenado para justificado. Pela justificação passamos a pertencer aos justos. Justificação é o tempo passado da nossa salvação, mas sempre presente em nossa vida espiritual (1Co 6.11; Rm 8.30,33b; 5.1; 3.24; G1 2.16).

3.2 Regeneração. É a mudança de condição do pecador de servo do pecado para filho de Deus. A regeneração é tão séria diante de Deus, que a Bíblia chama-a de “batismo em Jesus” (1Co 12.13; G1 3.27; Rm 6.3). Trata-se de um ato interior, dentro do indivíduo, abrangendo também todo o seu ser. É um termo ligado a família, filhos: “gerar”; é o novo nascimento (Jo 3.5). Mediante a regeneração somos chamados “filhos de Deus” (Gn 2.7; Jo 20.22; 15.5).

3.3 Santificação. É a mudança de caráter (mudança subjetiva); é a mudança de serviço (mudança objetiva), “em Cristo” (posicional), como lemos em João 15.4 e 17.26.

IV – AS ETAPAS DA SALVAÇÃO

A salvação nos é concedida mediante a graça de Deus manifesta em Cristo Jesus (Rm 3.24,25; 5.8,10, Hb 7.25). Ela é recebida de graça, e mediante a fé em Cristo (Rm 3.22, 24, 25, 28). Isto é, ela resulta da graça de Deus (Jo 1.16), mas, há a resposta humana também (At 16.31; Rm 1.17; Ef 1.15; 2.8). A salvação é manifesta pelo menos tem três etapas: passado, presente e futuro. Vejamos cada uma delas:

4.1 A etapa passada da salvação. É o que Deus fez por nós livrando-nos da pena do pecado (1Co 6.11; Rm 5.1; 8.30,33). Ela é referida na Bíblia como ocorrida no passado e inclui a experiência pessoal mediante a qual nós, como crentes, recebemos o perdão dos pecados (At 10.43; Rm 4.6-8) e passamos da morte espiritual para a vida espiritual (1Jo 3.14); do poder do pecado para o poder do Senhor (Rm 6.17-23), do domínio de Satanás para o domínio de Deus (At 26.18).

4.2 A etapa presente da salvação. É aquilo que Deus faz em nós agora livrado-nos do domínio do pecado (2Co 7.1; 1Ts 5.23; Fp 2.12; 1Jo 2.6). É a santificação em conduta, diante do mundo e a salvação do poder do pecado. É aquilo que Deus faz em nós agora. Ela abrange: (a) o privilégio de um relacionamento pessoal com Deus e com Jesus como nosso Senhor e Salvador (Mt 6.9; Jo 14.18-23; Gl 4.6); (b) a conclamação para nos considerarmos mortos para o pecado (Rm 6.1-14); (c) o convite para sermos cheios do Espírito Santo (At 2.33-39; Ef 5.18); (e) a exigência para nos separarmos do pecado (Rm 6.1-14; At 2.40; 2Co 6.17); e (f) a chamada para travar uma batalha constante em prol do reino de Deus contra Satanás e suas hostes demoníacas (2Co 10.4,5; Ef 6.11,16; 1Pe 5.8).

4.3 A etapa futura da salvação. É o que Deus fará conosco na glória celestial (1Pe 1.5; 1Jo 3.2; Rm 8.23; 13.11). Abrange: (a) nosso livramento da ira vindoura de Deus (Rm 5.9; 1Co 3.15; 5.5; 1Ts 1.10; 5.9); (b) nossa participação da glória divina (Rm 8.29; 2Ts 2.13,14) e nosso recebimento de um corpo ressurreto, transformado (1Co 15.49-52); e (c) os galardões que receberemos como vencedores fiéis (Ap 2.7; 1Co 9.24-27; Fp 3.8-14).

V – O LADO DIVINO E HUMANO DA SALVAÇÃO

A salvação tem um lado objetivo (o lado divino), e um, subjetivo (o humano). O primeiro refere-se a Deus como o doador da salvação; e o segundo refere-se ao homem como o recebedor. (CABRAL, 2009, p. 335). Vejamos a salvação quanto ao tempo:

O LADO DIVINO DA SALVAÇÃO O LADO HUMANO DA SALVAÇÃO
A salvação é eterna (Jo 6.37; 15,16; Rm 9.11-13; Ef 1.4; Mt 25.34; Ef 1.4; Ap 13.8) A salvação é preciso que o homem queira (Mt 16.24-25).
A salvação é livre e gratuita (Ef 2.8-9; Jo 3.16; Mc 16.15; Mt 28.18-20; Lc 9.23).

 

A salvação é responsiva (Dt 30.15,17,19; Is 55.7; Jo 5.40; 8.24; Ap 3.20; 22.17; Rm 14.12; 2Co 5.10)
A salvação é soberana (Mt 20.1-16; Rm 9.14,29). A salvação exige esforço (Mt 11.12; Lc 13.24; 16.16).
A salvação é completa e instantânea (Lc 23.39-43; 19.9; Fp 2.13). A salvação é progressiva (Fp 2.13; 2 Pe 1.10; 1Pd 1.14-16;).
A salvação é para todos. (Jo 3.16; 12:.32; 17.21; 1Jo 2.2; 1Co 15.22; 1Tm 2.3-4; Hb 2.9; 2Pe 3.9; 1Jo 2.2). A salvação é santificante (Mt 18.3; Rm 6.4; 1Pd 2.2).

 

CONCLUSÃO

Jesus é o autor da salvação (Lc 2.11; 2Tm 1.10; Lc 2.30; Hb 5.9), e como Salvador, Ele têm poder de perdoar os nosso pecados (Mc 2.10), a todos quanto O receberam, Ele deu o poder para serem filhos de Deus, aos que creem em seu nome (Jo 1.11-12). Porque Ele recebeu todo o poder nos céus e na terra (Mt 28.18). Porque isto é bom e agradável diante de Deus, nosso Salvador, que quer que todos os homens se salvem e venham ao conhecimento da verdade (1Tm 2.3-5).

REFERÊNCIAS

GILBERTO, et al. Teologia Sistemática Pentecostal. CPAD.

CHAFER, Lewis Sperry. Teologia Sistemática. CPAD.

STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD.

BERKHOF, Louis. Teologia Sistemática. Editora Cultura Cristã.

 

Publicado no Portal da Rede Brasil de Comunicação

There are 2 comments for this article
  1. Nei William Assis do Nascimento at 12:28

    Olá pastor é um prazer ser aluno do senhor. Eu sou Diácono do ministério do Belém SP. Gostaria de receber mais e mais estudo vindo dá pessoa do Senhor.

    • Nei William Assis do Nascimento at 12:31

      Bom dia pastor Ailton ! Uma gloriosa paz do Senhor Jesus Cristo. Meu amado pastor é um grande prazer ser aluno do senhor. Quero cada dia venho aprendendo com os ensinamentos do senhor. Sou Diácono do ministério do Belém SP. E quero mais e mais aprender com o senhor a palavra de Deus. Um forte abraço e aguardo sua resposta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *