Mansidão: Torna o Crente Apto para Evitar Pelejas – Francisco Barbosa

Mansidão: Torna o Crente Apto para Evitar Pelejas – Francisco Barbosa

Mansidão: Torna o Crente Apto para Evitar Pelejas

TEXTO ÁUREO VERDADE PRÁTICA
“[…] que andeis como é digno da vocação com que fostes chamados, com toda a humildade e mansidão, com longanimidade suportando-vos uns aos outros em amor.” (Ef 4.1,2) A mansidão, como fruto do Espírito, torna o crente apto para evitar contendas, pelejas e dissensões.
[Comentário do Texto de Ouro:andeis’ Nesta segunda parte da carta, Paulo detalha o ‘caminho’ ou vida de boas obras, mencionado pela primeira vez em 2.10. Essa figura de linguagem para conduta moral é comum nas Escrituras. ‘vocação’ Paulo falou acima de uma esperança para a qual os crentes são chamados (1.18;4.4); agora, concentra-se sobre a vida para a qual são chamados. Ele já havia indicado claramente qual a forma e o significado dessa vida (1.4;2.10). Extraído de: nota teológica Ef 4.1,2; Bíblia de Estudo de Genebra. SBB e Ed Cultura Cristã. Pág. 1405.]

LEITURA DIÁRIA
Segunda – Cl 3.12

Revestindo-se de mansidão

Terça –  2Co 10.1

A mansidão e a benignidade de Paulo

Quarta –   Mt 11.29

Jesus, o exemplo perfeito de mansidão

Quinta – 1Tm 6.11

Desejando e seguindo a mansidão

Sexta – Sf 2.3

Busquem ao Senhor os mansos

Sábado –  2 Tm 2,25

Mansidão, essencial ao ensino

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Hebreus Efésios 4.1-7.
1 ROGO-VOS, pois, eu, o preso do Senhor, que andeis como é digno da vocação com que fostes chamados,

2 Com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor,

3 Procurando guardar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz.

4 Há um só corpo e um só Espírito, como também fostes chamados em uma só esperança da vossa vocação;

5 Um só SENHOR, uma só fé, um só batismo;

6 Um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, e por todos e em todos vós.

7 Mas a graça foi dada a cada um de nós segundo a medida do dom de Cristo.

HINOS SUGERIDOS: 145, 432,434 da Harpa Cristã.

OBJETIVO GERAL

Mostrar que a mansidão, fruto do Espírito, torna o crente apto para evitar as pelejas.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.

  1. Saber que a mansidão é o oposto da arrogância;
  2. Mostrar que o crente precisa evitar as pelejas e contendas;

III. Compreender que os mansos são bem-aventurados.

INTERAGINDO COM O PROFESSOR

Na lição de hoje estudaremos sobre mais um aspecto do fruto do Espírito, a mansidão. Muitos confundem mansidão com timidez, medo, covardia. Mas, ser manso é ser corajoso, humilde e saber dominar o nosso temperamento em momentos de crise. Estêvão, o primeiro mártir da Igreja Primitiva era cheio do Espírito Santo, de coragem e também cheio de mansidão. Ele não deixou que a ira e a amargura dominasse seu coração enquanto era apedrejado injustamente pela multidão. Mesmo ferido e quase morto, ele ora ao Pai pedindo que perdoe os seus algozes. Isso é mansidão! Como professor, você tem agido com mansidão para com todos os seus alunos? Que venhamos pedirão Pai um espirito manso, afim de que possamos, com dedicação, realizamos o nosso ministério de ensino, sendo exemplo para nossos alunos.

COMENTÁRIO

INTRODUÇÃO

Na lição de hoje, estudaremos mais um aspecto do fruto do Espírito, a mansidão. Veremos também as peleja como obra da carne e como a o posição à brandura. Para ser manso, o crente precisa ter outra virtude que é a humildade. A arrogância, assim como as pelejas, são obras da carne e quem as pratica não pode agradar a Deus, pois Ele abomina o altivo de coração (Pv 16.5). Na Palavra de Deus, os crentes são comparados às ovelhas. Por que tal alegoria? Porque as ovelhas são animais dóceis, mansos e submissos ao pastor (Jo 10.14,15). Se você é ovelha de Jesus, então aprenda a ser manso e humildade. Ouça a voz do Bom Pastor.[Comentário: A mansidão é um aspecto do fruto do Espírito que parece esquecido em nossa cultura agressiva e egocêntrica. A mansidão é mal compreendida e subestimada na sociedade de extremos de hoje – onde muitas vezes as pessoas tendem a reagir com raiva ou a reagir passivamente. Talvez por ser associada equivocadamente à fraqueza, hoje a maioria não admira os outros por serem “mansos”. O Dicionário Online de Português PRIBERAM define assim: 1. Qualidade de manso. 2. Brandura de .gênio. 3. Quietação. 4. Lentidão, vagar (no .atuar). “mansidão”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://www.priberam.pt/dlpo/mansid%C3%A3o [consultado em 27-02-2017. Nem uma só destas palavras se aplica a Jesus Cristo ou mesmo a Moisés, que a Bíblia afirma que “ E era o homem Moisés mui manso, mais do que todos os homens que havia sobre a terra.” (Nm 12.3). Esses termos descrevem o rei guerreiro Davi, um homem muito amado por Deus? Ou Paulo, o apóstolo incansável, que corajosamente enfrentou perseguições perigosas e dolorosas? Não, porém, uma vez que compreendemos o que é a mansidão bíblica, podemos facilmente ver que esses homens eram de fato mansos. A mansidão, sendo um aspecto do fruto do Espírito, é um atributo do próprio Deus Todo-Poderoso e importante para o nosso ser conformado à Sua imagem e um verdadeiro testemunho de nossa regeneração. De fato, essa característica determinará em grande parte quanta paz e satisfação estão em nossas vidas e quão bem nós fazemos durante as provações.] Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?

I – MANSIDÃO, O OPOSTO DA ARROGÂNCIA

  1. Mansidão não é covardia. Ser manso é ser humilde, amável e cortez. A mansidão, como fruto do Espírito, é uma atitude interior que nos leva a agir com graça e amor, mesmo diante de situações difíceis. Paulo, ao escrever a Segunda Epístola aos Coríntios, estava enfrentando uma situação muito difícil. Alguns falsos apóstolos estavam difamando-o, distorcendo suas mensagens, enfraquecendo sua autoridade e seu apostolado (2 Co 10—13). Contudo, o apóstolo agiu com mansidão e bondade para com os irmãos. Ele inicia a epístola falando a respeito do consolo que recebera de Deus e dos irmãos (2 Co 1.1-6). Muitos podem pensar que Paulo era um tanto rígido com os irmãos, mas ele era muito equilibrado. Quando era preciso usava de firmeza para com aqueles que, não querendo andar na verdade, desafiavam sua autoridade apostólica (1Co 4.21), mas, no trato com os crentes, era como uma paciente e amorosa ama (1Ts 2.7). [Comentário: Quando o apóstolo Paulo lista a “mansidão” como o oitavo aspecto do fruto do Espírito em Gálatas 5.23, ele usa o substantivo grego praotes – e “mansidão” é a tradução mais próxima para a palavra grega usada aqui. A mansidão é uma parte importante do amor verdadeiro. “O amor é sofredor, é benigno…, não se irrita, não suspeita mal” (1Co 13.4,5). É preciso coragem para ser manso e gentil neste mundo maligno. Se a mansidão não é covardia, então o que significa ser manso? Os dicionários definem como “gentil, submisso, manso, ou rendido“. Mansidão não é covardia ou fraqueza, mas sim poder sob controle. John MacArthur identificou três atitudes primárias que são ligadas à mansidão (prautēs) no Novo Testamento: (1) a Submissão à vontade de Deus (Cl 3.12); (2) capacidade de ensino (Tg 1.21), e (3) a consideração dos outros (Ef 4.2). A partir daí podemos entender que a mansidão é a atitude de coração que aceita as situações difíceis como boas, perfeitas e aceitáveis e não estão abertas para disputa ou resistência. Uma Ilustração que poderia elucidar esta questão é aquela do treinamento ou doma de um cavalo selvagem que Foi treinado para seguir as ordens do seu condutor. Diríamos que o cavalo foi “amansado”. O treinador foi capaz de deixar aquele animal forte e poderoso sob controle – nesse sentido, diríamos que Paulo foi domado (At 22.1-16). O cavalo selvagem, quando domado, continua tendo tanta força e energia como antes, mas agora pode ser controlado. Ao defender seu apostolado, Paulo escreve em 2Co 1.12 que a sua base para alegrar-se e gloriar-se era a sinceridade e a integridade do seu comportamento. Ele tomara a resolução de que, por toda sua vida cristã, permaneceria fiel ao seu Senhor; recusar-se-ia a conformar-se com o mundo, que crucificou seu Salvador, e perseveraria na santidade, até Deus levá-lo para o lar celestial (Rm 12.1,2). Na vida eterna futura, nossa maior alegria será a consciência de termos vivido a nossa vida “com simplicidade e sinceridade de Deus”, por Cristo nosso Salvador.]

 

  1. Ser manso é ser corajoso. A mansidão não faz do crente um covarde ou tímido, mas permite que se oponha ao espírito da arrogância e viva de maneira que o nome do Senhor seja exaltado. Moisés era manso, mas, ao mesmo tempo, demonstrou força e coragem (Nm 11.15; 12.3). Jeremias era um forte proclamador das verdades divinas, mas disse que não passava de um manso cordeiro (Jr 11.19). [Comentário:Não devemos presumir que aquele que é identificado como sendo manso, seja incapaz de exercer justa indignação. Jesus se descreveu como sendo manso (Mt 11.29), no entanto, virou mesas no templo e distribuiu açoites – que coragem para fazê-lo! (Mt 21.12) – por conta da perversidade do pessoas. “Certamente ninguém afirmaria que Jesus estava sendo jactancioso ou orgulhoso quando disse: “sou manso e humilde de coração” (Mt 11.29). Jesus estava apenas declarando fatos. De igual modo, Moisés não estava se vangloriando ou se enchendo de orgulho pela sua mansidão. Não, ele estava simplesmente declarando um fato, porque isso era crucial para se Entender o significado dos evento que ele estava narrando. O capítulo 11 de números relata que depois que o Espírito do Senhor veio sobre Eldade e Medade, fazendo-os profetizar, Josué aproximou-se de Moisés e disse: “Moisés, meu senhor, proíbe-lho” (Nm 11:28). A resposta de Moisés é uma perfeita ilustração de sua mansidão: “Tens tu ciúmes por mim? Quem dera todo o povo do Senhor fosse profeta, que o Senhor lhes desse o seu Espírito!” (Nm 11:29). Moisés demonstrou ter o caráter de um homem manso, que não se irou porque Deus estava usando outros para profetizar; demonstrou ser humilde, não interessado em sua própria glória, mas somente na glória do Senhor. Quando Moisés foi confrontado por Miriã e Arão (12:1), ele não respondeu em defesa própria. Esta é uma característica da mansidão. Por que Moisés não falou com eles? Por que não lhes falou com franqueza? Por que Deus teve de falar com Miriã e Arão, em favor de Moisés? A explicação encontra-se em Nm 12:3. Moisés não estava lá para glorificar-se a si mesmo. Se ele tivesse respondido em sua própria defesa, estaria justificando as queixas que eles tinham feito contra a sua pessoa. Mas Moisés não era o líder do povo por ter tido qualquer espécie de ambição, nem por ter confiado em si mesmo, nem por exercer uma obstinada busca de subir ao poder. Ele foi escolhido por Deus. Assim, a passagem em questão é uma declaração quanto ao caráter de Moisés, que está simplesmente atestando um fato. Não é uma afirmação cheia de orgulho. Extraído do livro MANUAL POPULAR de Dúvidas, Enigmas e “Contradições” da Bíblia. Norman Geisler – Thomas Howe”. http://www.cacp.org.br/era-o-varao-moises-mui-manso/.]
  1. A mansidão, fruto do Espírito. Como fruto do Espírito, a mansidão faz parte das qualidades que devem estar presentes na vida dos súditos do Reino de Deus (Mt 5.11). Jesus ensinou a mansidão e ofereceu o seu fardo a todos aqueles que estavam sofrendo com as cargas impostas pelo judaísmo, pelos romanos e por Satanás (Mt 11.29,30). Jesus era simples, humilde e dócil (Mt 11.29). As pessoas tinham prazer em estar ao seu lado. É muito difícil estar ao lado de pessoas altivas. Em geral, os altivos gostam de pelejas, pois acreditam que estão sempre com a razão e que são os donos da verdade. Você conhece alguém assim? Então, ore por ele (a) para que venha a se arrepender, ser cheio do Espírito Santo e desenvolver o fruto do Espírito. [Comentário: É perfeitamente apropriado que na Bíblia o Espírito Santo seja simbolizado pela pomba, Jesus pelo cordeiro e os Seus seguidores sejam simbolizados pela ovelha. Todos esses são símbolos que falam de mansidão – o fruto espiritual da mansidão. De todos os atributos que estamos analisando, provavelmente esse é o mais difícil de definir, porque estamos falando de uma atitude interior e não de algum ato externo. Mansidão ou o Amor Humilde é a característica que se opõe ao orgulho e tem a ver com humildade, mas não com passividade. Como já dito, consiste em moderação, paz e submissão, sem qualquer ideia de fraqueza ou sentimento de inferioridade. Nada há de covardia na mansidão. Na Bíblia vemos que ela está relacionada com coragem, fortaleza moral e resolução. Moisés era homem muito manso; mas, ao mesmo tempo estava sempre pronto a agir em momentos difíceis. É o Espírito Santo que age permitindo que os crentes sejam muito mais mansos e gentis do que jamais poderiam ser, como Paulo mostra em sua carta às igrejas da Galácia. Paulo sabia que os crentes haviam retrocedido e demonstravam atitudes hostis e conflitos pessoais. Ele escreveu: “Mas se vocês se mordem e se devoram uns aos outros, cuidado para não se destruírem mutuamente” (Gl 5.15). Ele os exortou a “por meio do amor, servirem uns aos outros” (Gl 5.13), lembrando-lhes: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Gl 5.14). Somos instruídos a vestir-nos com mansidão. Isto é algo que devemos buscar ativamente (1Tm 6.11), e usar como uma vestimenta divina. Paulo disse à igreja Colossense para “Portanto, como povo escolhido de Deus, santo e amado, revistam-se de profunda compaixão, bondade, humildade, mansidão e paciência”. (Cl 3.12); A mansidão produzida pelo Espírito Santo não é uma característica natural da personalidade, nem é ser omisso ou passivo diante dos problemas, tampouco ser uma pessoa que não tem opinião própria ou vive em cima do muro. Esse amor humilde, que só o Espírito pode gerar em nós por meio da Sua graça, é manifesto na nossa vida quando somos completamente submissos à Palavra de Deus (Tg 1.21,22).]

SÍNTESE DO TÓPICO I

Ser manso é ser corajoso e a mansidão é aposta a arrogância.

SUBSÍDIO DIDÁTICO

Professor, para iniciar o primeiro tópico da lição, providencie a figura de uma pomba, de um cordeiro e de algumas ovelhas. Você pode conseguir as figuras na internet ou recortar de revistas usadas que não sirvam mais. Mostre a figura da pomba e pergunte aos alunos: “O que vem a sua mente quando vocês veem a figura de uma pomba?” Ouça os alunos.

Em seguida, diga que a pomba é símbolo do Espírito Santo. Depois mostre a figura de um cordeiro e pergunte novamente o que vem a mente deles quando olham a figura. Diga que Jesus é apresentado nas Escrituras como o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo (Jo 1.35).

Em seguida, mostre a figura das ovelhas. Diga que somos ovelhas do rebanho de Cristo, o Bom Pastor (Jo 10.14,15). Depois pergunte aos alunos: “O que esses animais têm em comum?” Ouça-os e incentive a participação de todos tornando a aula mais participativa. Explique que eles têm em comum o fato de serem animais dóceis, mansos. Conclua explicando que a mansidão é um aspecto do fruto do Espírito Santo que nos ajuda a evitarmos as pelejas e contendas.

CONHEÇA MAIS

MANSIDÃO

“Este fruto é um dos mais difíceis de definir, principalmente porque é impossível traduzir prautes (mansidão) por um único termo em nosso idioma. Ser manso não tem conotação de ser ‘desalentado, desanimado, mole, fraco ou destituído de energia ou força moral’. Mansidão é a combinação de força e suavidade. Quando temos prautes, tratamos todas as pessoas com cortesia perfeita, reprovamos sem rancor, argumentamos sem intolerância, enfrentamos a verdade sem ressentimento, iramos, mas não pecamos, somos gentis, mas não fracos.” Para conhecer mais leia, Comentário Bíblico Beacon, CPAD, p. 76.

II – EVITANDO AS PELEJAS E CONTENDAS

  1. Pelejas e discórdias. Na língua portuguesa, tais palavras possuem quase o mesmo significado, porém no grego a palavra utilizada para discórdia é eritheiai que significa desavença e desarmonia. Esta palavra também é utilizada para descrever um mercenário, pessoa que luta por posição e glória. Paulo exortou os crentes da Galácia mostrando que as Inimizades, porfias, emulações, pelejas e dissensões são obra da carne (Gl 5.20). [Comentário: A peleja, da maneira como aparece na lista das obras da carne, sugere discórdia ou uma disputa política, busca por primazia, formação de grupos de interesses. Geralmente acontece quando alguém não concorda com um pensamento, com uma tese, com um ponto de vista e quer que o seu ponto de vista prevaleça. Então ele inicia uma campanha para conseguir adeptos de suas idéias. Na igreja em Corinto haviam os adeptos de Paulo, os de Apolo, os de Pedro e os de Cristo. Esse comportamento causa o enfraquecimento da unidade da igreja e gera grandes divisões. Este pecado é mais comumente praticado por líderes, por pastores. Quem não tem o poder ou não o aspira, dificilmente vai se envolver em pelejas, facções. Ou seja, pastores e líderes, em geral, podem praticar as obras da carne, geralmente, revestidos de um sentimento de estar lutando pelo crescimento da obra de Deus. Onde há peleja, não há corações puros. Um coração puro age como o de Abraão, que chamou seu sobrinho Ló e disse: “…Não haja contendas entre nós, porque irmão somos… Se fores para a direita irei para esquerda, se para a esquerda fores, eu irei para a direita… sem mágoas!” http://www.sandovaljuliano.com.br/site/estudos-biblicos/58-as-obras-da-carne-e-o-fruto-do-espirito/632-inimizades-porfias-emulacoes-e-pelejas. O Comentário do Novo Testamento: Aplicação pessoal. Vol.2 (CPAD) traz o seguinte: “Quando nos tornamos crentes, a nossa natureza pecadora continua existindo. Mas Deus nos pede que coloquemos a nossa natureza pecadora sob o controle do Espírito Santo de modo que Ele possa transformá-la. Este é um processo sobrenatural. Nunca devemos subestimar o poder da nossa natureza pecadora, e nunca devemos tentar combatê-la com as nossas próprias forças. Satanás é um tentador ardiloso, e nós temos uma capacidade ilimitada de inventar desculpas. Em lugar de tentar superar o pecado com a nossa própria força de vontade, devemos aproveitar o tremendo poder de Cristo. Deus permite a vitória sobre a nossa natureza pecadora — Ele envia o Espírito Santo para residir em nós e nos capacitar. Mas a nossa capacidade de resistir aos desejos da natureza pecadora irá depender do quanto estamos dispostos a ‘viver de acordo’ com o Espírito Santo. Para cada crente, este processo diário requer decisões constantes.Comentário do Novo Testamento: Aplicação pessoal. Vol.2. Rio de Janeiro: CPAD, 2010, p. 294.]
  1. Ações do homem carnal. Atualmente, muitos não estão lutando mais pela causa de Cristo, porém apenas por cargos e posições. Um dos sinais de que uma pessoa não está preparada para exercer o ministério cristão é quando manifesta um desejo incontrolável de, passando por cima de todos, alcançar postos e mandatos. O crente que é sábio, e tem dons ministeriais, espera com paciência e mansidão o momento de Deus. Ele não promove pelejas e nem faz politicagem para alcançar aquilo que é divino, pois tem consciência de que tais atitudes pertencem à velha natureza.[Comentário: O vocábulo grego “eritheiai” é o plural de “eritheia”, que significa uma distinção requerida, um desejo de colocar-se acima, um espírito partidário e faccioso, um sentimento de rancor, hostilidade e oposição baseado em inveja e implicando em rivalidade. “eritheia” também indica a feitura de algo com propósitos egoístas e com espírito faccioso. Antes do Novo Testamento, essa palavra é encontrada somente em Aristóteles, significando uma perseguição egoísta do ofício político por meios injustos… Tiago falou que a sabedoria terrena que se opõe à sabedoria do alto é própria da natureza humana e é diabólica (Tg 3.15), a qual se manifesta por meio dos sentimos de inveja amarga e de ambição egoísta (gr. “eritheian”) (Tg 3.14), como também mediante o espírito faccioso (gr. “eritheia”) (Tg 3.16). Em 2 Co 12.20, apóstolo Paulo disse que ia visitar a igreja de Corinto, mas quando chegasse lá não queria encontrar pecados de “eritheiai” (palavra grega traduzida por “ambição egoísta” na AS21 e por “discórdias” na ARA). A exemplo do que ocorrera entre os Filipenses, infelizmente muitos crentes estão caindo nesse tipo de pecado dentro das igrejas atuais, ao brigarem por cargos eclesiásticos e por reconhecimentos humanos, movidos pelos sentimentos de ambição egoísta e de rivalidade. Apóstolo Paulo afirmou, em Fp 1.17, que alguns pregam a Cristo por “eritheias”, ou seja, por “ambição egoísta” (NVI), “discórdia” (ARA) ou por “interesse pessoal” (NTLH). Para nos prevenir desse tipo de pecado, a Bíblia recomenda que a gente faça a obra de Deus sem interesse pessoal (gr. “eritheian”) e sem vaidade (Fp 2.3) Este texto foi extraído do artigo AMBIÇÕES EGOÍSTAS E CONTENDAS DE PALAVRAS, de autoria do Ev. Fábio Henrique. disponível emhttp://www.admossoro.com.br/reflexoes/ambicoes-egoistas-e-contendas-de-palavras/.]
  1. Um espírito aguerrido. Ao crente não convém qualquer tipo de peleja ou porfia (2 Tm 2.24). Deus exige santidade do seu povo. Precisamos nos manter incorruptíveis, santos, sinceros e justos em um mundo de trevas (Fp 2.15). Aqueles que estão no mundo têm mentalidade e valores mundanos. Em geral, as pessoas incentivam os outros a brigarem, a contenderem por seus direitos, mas o cristão que tem a vida pautada nos ensinos de Jesus é diferente, pois o Mestre nos manda seguir a segunda milha e amar aqueles que nos perseguem (Mt 5.39-44). A única forma para combater a peleja é ser cheio do Espírito Santo (Ef 5.18). O Consolador nos ajuda a seguir os passos de Jesus Cristo. Ele jamais procurou ser famoso, mas era humilde e amoroso (Fp 2.5-8). A única forma para combater a peleja é ser cheio do Espírito Santo. [Comentário: Ao descrever este conjunto de opostos, Paulo nos lembra de verdades vitais e maravilhosas. O que não conseguimos fazer, Deus consegue e fará, tanto em nós quanto para nós. Nunca nos tornaremos as pessoas verdadeiramente boas que desejamos ser, tentando obedecer à Lei de Deus. Mas, nos tornamos gradativamente mais justas à medida que confiarmos no Espírito de Deus para nos orientar e capacitar” RICHARDS, Lawrence O. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento, 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2012, p. 414. Uma peleja que vale a pena é aquela para se manter incorruptível e justificado diante de Deus (Fp 2.15). Paulo não deixa dúvida em seu comentário final em Gálatas 5.21: “…a respeito das quais eu vos declaro, como já, outrora, vos preveni, que não herdarão o reino de Deus os que tais cousas praticam“. Há uma ligação inegável entre nossa conduta e nossa salvação eterna. A pessoa que não permite ao Espírito mudar totalmente sua vida e remover tal carnalidade não receberá o prêmio de um lar eterno com Deus. Devemos ser transformados de dentro para fora (Rm 12.1-2).]

SÍNTESE DO TÓPICO II

O crente deve evitar toda a forma de pelejas e contendas.

SUBSÍDIO TEOLÓGICO

CONTENDA

Palavra muitas vezes utilizada na Bíblia Sagrada. Foi utilizada em 1 Timóteo 1.6 na expressão ‘vãs contendas’ (Tt 1.10). Há versões que trazem a expressão ‘discursos vãos’. Uma boa tradução da palavra é aquela que transmite a ideia de discussão. Evidentemente significa orgulho, presunção, faiar contra aquilo que Deus revelou e faiar contra o próprio Deus.

Várias palavras gr. e heb. são usadas para sugerir contenda, luta e briga, A contenda pode ser física, oral ou espiritual. Ela pode descrever a natureza de um homem (Jr 15.10; He 1,3). O orgulho pode trazer a contenda (Pv 13.10). Os cristãos são admoestados a evitar as brigas contenciosas (1Co 1.11; Tt 3.9). A intensa disputa entre Barnabé e Paulo (At 15.39) pode referir-se a mais um caso de irritação e incitamento interior do que a uma expressão exterior de contenda” (Dicionário Bíblico Wycliffe. 1.ed. Rio de Janeiro; CPAD, 2009, p. 448).

III – BEM-AVENTURADOS OS MANSOS

  1. O Sermão da Montanha. Encontramos nos capítulos 5 a 7 do Evangelho de Mateus os princípios estabelecidos por Jesus para todos os que querem fazer parte do Reino dos Céus. Um dos princípios do Mestre é a mansidão (Mt 5.5). Os judeus estavam sob o jugo dos romanos, por isso, ansiavam por um messias que viesse fazer uma revolução e os libertasse da opressão política. Mas Jesus mostrou que seu reino não era desse mundo, e felizes não eram os que se envolviam em pelejas e motins, mas os mansos e os pacificadores. O que significa ser manso? Ser manso significa ser humilde e submisso a Deus. Significa que entregamos tudo ao Pai. No Sermão do Monte, há uma recompensa para os mansos: “[…] eles herdarão a terra” (Mt 5.5). [Comentário: “O erudito em grego W. E. Vine diz que, na Bíblia, a mansidão é uma atitude em relação a Deus “na qual aceitamos seu trato conosco como algo bom e, portanto, não discordamos ou resistimos”. Vemos isso em Jesus, que se deleitou em cumprir a vontade de Seu Pai. Vine prossegue, dizendo: “a mansidão manifestada pelo Senhor e ordenada àquele que crê é o fruto do poder… O Senhor era ‘manso’ porque tinha os recursos infinitos de Deus sob Seu controle”. Ele poderia ter chamado anjos do céu para evitar Sua crucificação. Jesus disse aos Seus seguidores cansados e sobrecarregados: “Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma” (Mateus 11:29). Ele foi o modelo perfeito de mansidão. Quando estamos cansados e atribulados, Jesus nos convida a descobrir a paz de confiar mansamente nele.”Este trecho foi extraído de: http://paodiario.org/2016/03/30/bem-aventurados-os-mansos-2/. A mansidão como bem-aventurança em Mt 5.5 assemelha-se à do Salmo 37.11 que diz: “Os humildes herdarão a terra e gozarão de paz e prosperidade” e, talvez esteja baseada nela. A mansidão aqui referida é de natureza espiritual! É uma atitude de humildade e submissão a Deus que somente os regenerados podem apresentar como característica. Nosso modelo de mansidão é Jesus, que se submete à vontade do Pai.]
  1. Estêvão um homem manso. Estêvão era cheio de fé e do Espirito Santo. Diante dos seus algozes, ele se colocou de joelhos e clamou ao Senhor por eles dizendo:”[…] não lhes imputes este pecado […]” (At 7.60). Se Estêvão fosse um homem carnal, com certeza desejaria vingança e agiria com ira diante daqueles que o apedrejavam. Somente cheios do Espírito podemos permanecer mansos e tranquilos diante daqueles que desejam e executam o mal contra nós. [Comentário: Quando o trabalho de Estêvão ficou conhecido, algumas pessoas se levantaram contra esse servo (At 6.8-14). Discutiam com ele, mas não conseguiam resistir seu ensinamento. Estêvão pregava a verdade, mas esses homens não tinham a humildade bastante para admitir seus próprios erros. Ao invés de aceitar e apoiar o trabalho desse servo, os homens usaram táticas desonestas para opô-lo. Subornaram falsas testemunhas para provocar uma reação popular contra Estêvão. Ele foi um exemplo de mansidão. Ao invés de praguejar ou vociferar contra seus agressores, orou por eles enquanto estava sendo apedrejado até morrer (At 7.59,60).]
  1. A mansidão de Cristo. O Senhor Jesus sofreu as piores dores que um homem pode experimentar. Suas dores foram físicas e emocionais, mas em momento algum Ele abriu a boca para reclamar ou murmurar contra o Pai e contra aqueles que o maltratavam. O texto de Isaías afirma que “Ele foi oprimido, mas não abriu a boca; como um cordeiro, foi levado ao matadouro e, como a ovelha muda perante os seus tosquiadores, ele não abriu a boca” (Is 53.7). Como você age diante daqueles que o maltratam e querem o seu mal? Que venhamos a pedir ao Senhor mansidão.[Comentário:Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém, um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado” (Hb 4.15-16). “Aquele que nos primeiros dias do Seu ministério disse: “Bem-aventurados os mansos”, mais tarde também disse “Sou manso” (Mt.5v5; 11v29). Isso foi somente a prerrogativa dEle em poder dizer: “Sou manso”, e ainda permanecer assim. Entre os homens, tal alegação à mansidão negaria aquela mansidão fingida. Os outros podem dizer que um homem é manso, mas quando aquele mesmo homem assim fala, deixa de ser a verdade. Com o amado Salvador era diferente. Ele podia dizer: “Sou manso” e ainda permanecer manso. Mansidão é o fruto do Espírito e desejamos ponderá-la na sua perfeição na vida do Senhor Jesus. Os grandes homens do mundo sempre desprezaram mansidão. Eles a confundiram com moleza e fraqueza. Os Faraós do Egito, os Reis da Babilônia, os Imperadores de Roma, os Príncipes da Pérsia, não toleravam mansidão. Mas mansidão não é fraqueza. De fato, mansidão é a verdadeira força e pode ser vista como tal no ministério do Salvador. Alguém o descreveu como “excesso de falta de raiva”. A definição pode parecer incômoda, mas é certa. Houve tempos e ocasiões quando o nosso Senhor poderia estar irado. Houve circunstâncias que O tornaram assim (Mc3v5). Mas é dito de amor que não é facilmente provocado, e assim foi com o grande Amante das almas. Existe uma raiva em nós que pode vir de malícia e amargura. Isto é errado, embora que nós, às vezes, podemos também estar com a justa ira, sem pecar (Ef.4v26). Aquele Homem amado, manso e humilde era excessivamente sem ira e sempre desconhecedor da malícia. No Salmo 45, um salmo Messiânico predizendo os triunfos do Cristo, é profetizado do Messias, que Ele prosperaria na causa da verdade, mansidão, e retidão. Sem dúvida, há de ter um cumprimento milenial disso no futuro, mas era verdade durante a Sua estada entre nós. Ele pregava a verdade e vivia em retidão. Mansidão une os dois. Foi o Espírito no qual Ele pregava e vivia enquanto esteve aqui na terra. Outra vez, o profeta havia dito: “Eis que o teu Rei aí te vem, manso e assentado sobre uma jumenta”. (Mt.21v5). Isto se cumpriu no dia em que o Salvador entrou em Jerusalém na jumenta, com roupas e ramos de árvores estendidos pelo caminho. “Hosana!” eles clamaram, “Hosana!” Mas o nosso Senhor sabia que a cruz estava perto, e Ele recebeu os seus louvores em mansidão. Ele, que um dia reinará e cavalgará em um cavalo branco em triunfo, assentou mansamente sobre uma jumenta, para ser crucificado dali a alguns dias (Veja Ap.19). Quão mansamente o Salvador tolerou os escárnios injustos dos Seus inimigos. “Odiaram-me sem causa”, Ele podia dizer (Jo 15.25). Injustamente o acusavam, eram os Seus inimigos (Sl.69v4). Note quão mansa e gentilmente Ele respondia mesmo às injustiças. “Não dizemos nós bem que és samaritano, e que tens demônio?”, eles O acusaram (Jo.8v48-49). “Não tenho demônio”, Ele respondeu, mas sem referência aos samaritanos. Bem Ele podia ter dito “Não sou samaritano”, mas em mansidão característica Ele não ofenderia. Afinal, uma vez ele viajou para Sicar para trazer salvação a uma samaritana (Jo.4). Mas será que realmente vemos a Sua mansidão quando O vemos no meio de inimigos cruéis acusando-O durante aquela última noite longa e solitária? Ele estava como um cordeiro levado ao matadouro. Ele estava como uma ovelha muda perante os seus tosquiadores. Como eles O despiram de tudo que era dEle, até as Suas próprias vestes, Ele era como a gentil corça da alvorada de Sl.22. Os touros de Basã e os cães de Roma O rodearam. Os líderes orgulhosos e arrogantes da nação e os soldados insensíveis de César O cercaram. No meio de tudo, o objeto da sua crueldade, Ele permaneceu em silêncio e sem queixa. Um tempo antes no jardim, Ele tinha dito a Pedro “Ou pensas tu que eu não poderia agora orar a meu Pai, e que Ele não Me daria mais de doze legiões de anjos?” (Mt.26v53). Mas, sabendo que tudo estava ao Seu comando, Ele suportou mansamente tudo que Lhe fizeram. E quando eventualmente eles O levaram para fora para morrer, e estenderam as Suas Mãos para cravá-las na cruz, em mansidão Ele disse: “Pai, perdoa-lhes” (Lc.23:34). Não foi isto verdadeira força? Foi bem cedo mesmo no Seu ministério que Ele tinha ensinado os Seus discípulos: “Amai os vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem” (Mt.5v44). Esta exortação foi parte daquele mesmo ministério no qual Ele tinha dito “Bem-aventurados os mansos”(Mt.5v5). Quão literalmente Ele cumpriu as instruções que Ele tinha dado aos Seus, enquanto Ele orou pelos que estavam fisicamente O pregando naquela cruz. É gostoso notar que no mesmo Salmo do Seu sofrimento lemos “Os mansos…..se fartarão” (Sl.22v26). O Príncipe de Sofredores um dia será recompensado pela Sua mansidão, porque “Os mansos herdarão a terra” (Sl.37v11). Ele regerá e reinará quando os reis da terra já passaram e são esquecidos. Que nós, que O amamos e que desejamos ser semelhantes a Ele, sejamos sempre achados em “humildade e mansidão”; “modestos, mostrando toda a mansidão para com todos os homens” (Ef.4v2; Tt.3v2). Bem-aventurados são os mansos.”http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao9-ofrutodoespirito-mansidao-ofrutodaobediencia.htm] Sugiro a leitura da Lição 9 – O Fruto Do ESPÍRITO – MANSIDÃO – o Fruto Da Obediência, no link: http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao9-ofrutodoespirito-mansidao-ofrutodaobediencia.htm

 

SÍNTESE DO TÓPICO III

Jesus declarou no Sermão do Monte que os mansos são bem-aventurodos.

SUBSÍDIO TEOLÓGICO

A mansidão é essencial para o ministério eficaz ao Senhor. Deus nos escolheu para representá-lo perante um mundo perdido e agonizante. O que o mundo vê em nós que atrai as pessoas a Jesus Cristo. Todos os aspectos da mansidão — submissão, elementos necessários de nosso testemunho e serviço cristão, quer testemunhando para os perdidos, fazendo discípulos para Jesus ou restaurando um irmão fraco” (GILBERTO, António. O Fruto do Espírito: A plenitude de Cristo na vida do crente. 2.ed. Rio de Janeiro: CPAD,2004 p. 112).

CONCLUSÃO

Evitemos todo tipo de peleja, pois já somos novas criaturas (Jo 3.3). Sejamos mansos e humildes de coração, sempre seguindo o exemplo de nosso Salvador, procurando em tudo glorificar o seu nome. [Comentário: Como vimos ao longo deste comentário, mansidão é uma disposição do caráter que aceita, sem discutir, a verdade e a vontade de Deus. É uma postura dócil de completa submissão e aprendizado em Cristo (Mt 11.28), logo, só pode ser fruto da atuação do Espírito Santo no crente. Enfatizo que não se trata de simples obediência, passividade ou indolência, mas de transformação moral segundo à obediência de Cristo (1Pe 1.2). Segundo Paulo, aquele que não é capaz de ser manso e se submeter aos seus pastores não é digno da comunhão cristã (2Ts 3.14). Uma virtude que faz parte do caráter de Jesus não pode ser transformada em defeito pelo mundo e pelo diabo. É mentira que o manso é um covarde, que é uma pessoa de caráter fraco, que se deixa levar pelos outros, pelo contrário, o manso é uma pessoa dominada pelo Espírito Santo, que tem um caráter riquíssimo, que sabe dosar as atitudes com a necessária resposta, que tem domínio próprio e que está mais perto, muito mais perto, do perfeito caráter de Jesus.] “NaquEle que me garante: “Pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus” (Ef 2.8)”,

Francisco Barbosa

Campina Grande-PB

Fevereiro de 2017

PARA REFLETIR

A respeito da mansidão, torna o crente apto para evitar pelejas, responda:

  • De acordo com a lição, o que é ser manso?

Ser manso é ser humilde, amável e cortez.

  • Cite exemplos bíblicos de mansidão.

Jesus, Estêvão, Moisés.

  • Segundo a lição, qual a única forma para combater a peleja?

Sendo cheio do Espírito Santo.

  • Qual a palavra utilizada no grego para discórdia? Qual o seu significado?

Na grego a palavra utilizada para discórdia é eritheiai que significa desavença e desarmonia.

  • Qual a recompensa para os mansos segundo o Sermão da Montanha?

Eles herdarão o Reino dos Céus.

Publicado no blog Auxílio ao Mestre

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *