Jesus – Sumo Sacerdote de uma Ordem Superior – Francisco Barbosa

Jesus – Sumo Sacerdote de uma Ordem Superior – Francisco Barbosa

Jesus — Sumo Sacerdote de uma Ordem Superior

TEXTO ÁUREO

“Porque nos convinha tal sumo sacerdote, santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores, efeito mais sublime do que os céus.” (Hb 7. 26)

VERDADE PRÁTICA

Como Sumo Sacerdote de outra ordem, a de Melquisedeque, Jesus possui um sacerdócio imutável, perfeito e eterno.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Hebreus 7.1-19

Almeida Corrigida e Revisada Fiel Nova Versão Internacional King James Atualizada
1 PORQUE este Melquisedeque, que era rei de Salém, sacerdote do Deus Altíssimo, e que saiu ao encontro de Abraão quando ele regressava da matança dos reis, e o abençoou; Esse Melquisedeque, rei de Salém e sacerdote do Deus Altíssimo, encontrou-se com Abraão quando este voltava, depois de derrotar os reis, e o abençoou; Porquanto, esse Melquisedeque, rei de Salém, sacerdote do Deus Altíssimo, que saiu ao encontro de Abraão, quando este voltava, depois de haver derrotado os reis, e o abençoou;
2 A quem também Abraão deu o dízimo de tudo, e primeiramente é, por interpretação, rei de justiça, e depois também rei de Salém, que é rei de paz; e Abraão lhe deu o dízimo de tudo. Em primeiro lugar, seu nome significa “rei de justiça”; depois, “rei de Salém” quer dizer “rei de paz”. para o qual também Abraão entregou o dízimo de tudo; em primeiro lugar, seu nome quer dizer “Rei de Justiça”; em segundo lugar, “Rei de Salém”, que significa, “Rei da Paz”;
3 Sem pai, sem mãe, sem genealogia, não tendo princípio de dias nem fim de vida, mas sendo feito semelhante ao Filho de Deus, permanece sacerdote para sempre. Sem pai, sem mãe, sem genealogia, sem princípio de dias nem fim de vida, feito semelhante ao Filho de Deus, ele permanece sacerdote para sempre. sem pai, sem mãe, sem origem nem antepassados, sem princípio de dias nem fim de vida; no entanto, por ser à semelhança do Filho de Deus, Ele permanece sacerdote perpetuamente.
4 Considerai, pois, quão grande era este, a quem até o patriarca Abraão deu os dízimos dos despojos. Considerem a grandeza desse homem: até mesmo o patriarca Abraão lhe deu o dízimo dos despojos! Considerai, portanto, como era grande esse homem a quem até mesmo o patriarca Abraão entregou todo o dízimo dos despojos!
5 E os que dentre os filhos de Levi recebem o sacerdócio têm ordem, segundo a lei, de tomar o dízimo do povo, isto é, de seus irmãos, ainda que tenham saído dos lombos de Abraão. A lei requer dos sacerdotes dentre os descendentes de Levi que recebam o dízimo do povo, isto é, dos seus irmãos, embora estes sejam descendentes de Abraão. Ora, os que dentre os filhos de Levi receberam o sacerdócio têm o mandamento de recolher, de acordo com a Lei, os dízimos do povo, isto é, dos seus irmãos, ainda que tenham todos estes descendido de Abraão;
6 Mas aquele, cuja genealogia não é contada entre eles, tomou dízimos de Abraão, e abençoou o que tinha as promessas. Este homem, porém, que não pertencia à linhagem de Levi, recebeu os dízimos de Abraão e abençoou aquele que tinha as promessas. contudo, este homem que não pertencia à genealogia de Levi, recebeu os dízimos de Abraão e abençoou aquele que tinha as promessas.
7 Ora, sem contradição alguma, o menor é abençoado pelo maior. Sem dúvida alguma, o inferior é abençoado pelo superior. Evidentemente, não pode haver qualquer dúvida de que o inferior é abençoado pelo superior.
8 E aqui certamente tomam dízimos homens que morrem; ali, porém, aquele de quem se testifica que vive. No primeiro caso, quem recebe o dízimo são homens mortais; no outro caso é aquele de quem se declara que vive. No primeiro caso, são homens mortais que recebem o dízimo; no outro caso, entretanto, é aquele de quem se testifica que vive.
9 E, por assim dizer, por meio de Abraão, até Levi, que recebe dízimos, pagou dízimos. Pode-se até dizer que Levi, que recebe os dízimos, entregou-os por meio de Abraão, E, por assim dizer, pode-se entender que Levi, que recebe os dízimos, entregou-os por meio de Abraão,
10 Porque ainda ele estava nos lombos de seu pai quando Melquisedeque lhe saiu ao encontro. pois, quando Melquisedeque se encontrou com Abraão, Levi ainda estava no corpo do seu antepassado. pois, quando Melquisedeque se encontrou com Abraão, Levi ainda não havia sido gerado por seu pai.
11 De sorte que, se a perfeição fosse pelo sacerdócio levítico (porque sob ele o povo recebeu a lei), que necessidade havia logo de que outro sacerdote se levantasse, segundo a ordem de Melquisedeque, e não fosse chamado segundo a ordem de Arão? Se fosse possível alcançar a perfeição por meio do sacerdócio levítico (pois em sua vigência o povo recebeu a lei), por que haveria ainda necessidade de se levantar outro sacerdote, segundo a ordem de Melquisedeque e não de Arão? Sendo assim, se houvesse uma maneira de alcançar a perfeição por intermédio do sacerdócio levítico, considerando que durante sua vigência a Lei foi entregue ao povo, por qual razão haveria ainda necessidade de se levantar outro sacerdote, conforme a ordem de Melquisedeque e não de Arão?
12 Porque, mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também mudança da lei. Pois quando há mudança de sacerdócio, é necessário que haja mudança de lei. Pois, mudando o sacerdócio, obrigatoriamente, ocorre também mudança de lei.
13 Porque aquele de quem estas coisas se dizem pertence a outra tribo, da qual ninguém serviu ao altar, Ora, aquele de quem se dizem estas coisas pertencia a outra tribo, da qual ninguém jamais havia servido diante do altar, Porque aquele sobre quem se fazem estas afirmações pertencia a outra tribo, da qual ninguém jamais havia servido diante do altar;
14 Visto ser manifesto que nosso Senhor procedeu de Judá, e concernente a essa tribo nunca Moisés falou de sacerdócio. pois é evidente que o nosso Senhor descende de Judá, tribo da qual Moisés nada fala quanto a sacerdócio. porquanto, é bem sabido que o nosso Senhor descende de Judá, tribo da qual Moisés nada fala quanto a sacerdócio.
15 E muito mais manifesto é ainda, se à semelhança de Melquisedeque se levantar outro sacerdote, O que acabamos de dizer fica ainda mais claro, quando aparece outro sacerdote semelhante a Melquisedeque, E este fato torna-se ainda mais claro com o surgimento de outro sacerdote à semelhança de Melquisedeque,
16 Que não foi feito segundo a lei do mandamento carnal, mas segundo a virtude da vida incorruptível. alguém que se tornou sacerdote, não por regras relativas à linhagem, mas segundo o poder de uma vida indestrutível. não constituído segundo o decreto de um mandamento humano relativo à linhagem, mas de acordo com o poder de uma vida inextinguível.
17 Porque dele assim se testifica: Tu és sacerdote eternamente, Segundo a ordem de Melquisedeque. Pois sobre ele é afirmado: “Tu és sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque”. Porque sobre Ele está escrito: “Tu és sacerdote para sempre, conforme a ordem de Melquisedeque”.
18 Porque o precedente mandamento é ab-rogado por causa da sua fraqueza e inutilidade A ordenança anterior é revogada, porquanto era fraca e inútil Assim, o mandamento anterior é anulado por causa de sua fragilidade e inutilidade,
19 (Pois a lei nenhuma coisa aperfeiçoou) e desta sorte é introduzida uma melhor esperança, pela qual chegamos a Deus. (pois a lei não havia aperfeiçoado coisa alguma), sendo introduzida uma esperança superior, pela qual nos aproximamos de Deus. pois a Lei jamais conseguiu aperfeiçoar nada, sendo, portanto, estabelecida uma esperança muito superior, por meio da qual temos pleno acesso a Deus.

Comentário

   INTRODUÇÃO

O capítulo sete de Hebreus apresenta o sacerdócio de Jesus numa nova perspectiva — Ele é sumo sacerdote segundo a Ordem de Melquisedeque (SI 110.4. cf. Hb 7-17). O autor mostra que a profecia do salmista, na qual revela um sacerdócio de outra ordem, superior à de Arão e à levítica, teve seu fiel cumprimento em Jesus (Hb 7.13). Mas mesmo pertencendo à mesma ordem sacerdotal, o autor sublinha a proeminência de Jesus sobre Melquisedeque quando afirma que este “foi feito semelhante ao Filho de Deus” (Hb 7.3) e não o contrário. O pensamento do autor é mais bem compreendido se observarmos o sacerdócio de Jesus quanto aos aspectos de sua tipologia, de sua natureza e de seus atributos. Há muitas especulações sobre a pessoa de Melquisedeque, mas à luz do contexto bíblico é melhor vê-lo como uma pessoa histórica de natureza tipológica. Melquisedeque, portanto, deve ser visto como um tipo que aponta para Jesus Cristo. Nesse aspecto, o escrito sagrado mostra o sacerdócio de Jesus como de natureza eterna, imutável e perfeita. (LB CPAD, 1º Trim 2018, Lição 7, 18 fev 18)

Melquisedeque é um personagem enigmático na história bíblica. Mas ele foi um verdadeiro adorador, no meio de uma gente idólatra e corrompida. Exerceu o papel de rei e sacerdote, sem fazer parte da linhagem de Israel. “E Melquisedeque, rei de Salem, trouxe pão e vinho; e este era sacerdote do Deus Altíssimo” (Gn 14.18). Sua ordem sacerdotal, com aspectos peculiares, tornou-se um tipo do sacerdócio de Cristo, que em tudo, é superior a todas as ordens sacerdotais. O aparecimento e desaparecimento repentinos de Melquisedeque no livro de Gênesis são misteriosos. Melquisedeque e Abraão se conheceram pela primeira vez depois da vitória de Abrão contra Quedorlaomer e seus três aliados. Melquisedeque ofereceu pão e vinho a Abraão e aos seus homens que estavam muito cansados, demonstrando amizade. Ele abençoou Abraão em Nome de El Elyon (“Deus Altíssimo”) e louvou a Deus por ter dado a Abraão vitória na batalha (Gn 14.18-20). O Dicionário Bíblico Wycliffe (CPAD, 2006) assim apresenta esta personagem do Antigo Testamento: “Em hebraico Malkisedeq ou ‘rei da justiça’, é mencionado em Gênesis 14.18; Salmo 110.4; Hebreus 5.6,10; 6.20; 7.1,10,11,15,17. No livro de Gênesis ele é um rei-sacerdote cananeu de Salém (Jerusalém) que abençoou Abrão quando este retornou depois de salvar Ló, e a quem Abrão pagou o dízimo. Quanto à religião, ele era ‘sacerdote do Deus Altíssimo‘” (Dicionário Bíblico Wycliffe. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, p. 1247). Este sacerdote é um tipo de Cristo e de seu sacerdócio; seu sacerdócio não estava limitado à raça humana ou à tribo, sendo, portanto, universal. Sua realeza não foi herdada de seus pais. E essa realeza também não foi transmitida a um descendente; e assim ela era eterna. Assim, em Melquisedeque temos uma tipologia de Cristo e de seu sacerdócio eterno e universal. O autor de Hebreus identificou Jesus como sumo sacerdote de acordo com a ordem de Melquisedeque, tanto no capítulo 5 como no 6. Mas quem é Melquisedeque? Por que Jesus é um sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque, em vez da ordem levítica? No capítulo 7, o autor responde a ambas as questões. Melquisedeque aparece na história bíblica durante apenas um curto período (veja Gênesis 14:18-20). Porque a Bíblia não registra seu nascimento, morte nem mesmo sua genealogia, Melquisedeque parece ser de natureza eterna, como o Filho de Deus. Ele é identificado como sendo tanto o rei de Salém como sacerdote do Deus Altíssimo. Vamos pensar maduramente a fé cristã?

   TÓPICO l – QUANTO AO ASPECTO DE SUA TIPOLOGIA

  1. Um sacerdócio com realeza.O autor sacro destaca que Melquisedeque era um sacerdote-rei. Como sacerdote, recebeu dízimos de Abraão e como rei governava sobre Salém (Hb 7.2). Embora os reis tivessem alguma participação no culto da Antiga Aliança (2 Sm 6.12-14; 1Rs 3.4,15; 9.25), todavia, a função sacerdotal levítica, de oferecer sacrifícios e representar o povo diante de Deus, cabia somente aos sacerdotes (1Sm 13.9,13; 2 Cr 26.16-18). Eles não eram reis. A ordem do sacerdócio levítico não previa a existência de um sacerdote-rei. A existência de um sacerdote-rei, portanto, no contexto bíblico só poderia acontecer se este fosse de outra ordem. Jesus, que era da tribo de Judá, é levantado por Deus como sumo sacerdote segundo essa nova ordem, da qual Melquisedeque é o tipo (SI 110.4). (LB CPAD, 1º Trim 2018, Lição 7, 18 fev 18)

Como já vimos, Melquisedeque é uma figura histórica, citado em duas passagens do Antigo Testamento e é, em certos aspectos, um tipo de Cristo (Cf. Gn 14.17-24; Sl 110.4). Salém é Jerusalém – a primeira referência à cidade de Jerusalém se encontra em Gn 14.18, onde aparece como Salém. Com o seu nome atual, Jerusalém, aparece pela primeira vez em Josué 10.1, onde reinava Adoni-Zedeque, que se uniu a quatro outros reis para lutarem contra Jerusalém. A união do rei e o sacerdote em Jerusalém haveria de levar Davi (o primeiro israelita a sentar-se no trono de Melquisedeque) a entoar cânticos sobre um Melquisedeque mais grandioso que havia de vir (SI 110.4). Sobre Melquisedeque, Antônio Neves de Mesquita escreve em sua obra intitulada Estudo no livro de Gênesis (JUERP): “Alguns querem que seja Cristo, no seu estado de pré-encarnação, mas esta teoria está em conflito com o Sal. 110:4 e com o teor geral das Escrituras, que fazem Cristo e Melquisedeque duas personalidades distintas e dois sacerdotes também distintos, um prefigurado no outro. Uma coisa não pode ser prefigurada em si mesma. Quem era, pois, esse homem? Um anjo? Não. Do pouco que sabemos dele, cremos que era um homem pio que permanecia fiel à religião de Noé, ou ao primitivo monoteísmo e neste caráter era um sacerdote como Jetro, sogro de Moisés

Além dessas passagens esse personagem aparece no livro apócrifo 2Enoch, conhecido também como Enoch Eslavo. Neste apócrifo há uma sessão que se chama “Exaltação de Melquisedec”. Nela se conta como ele nasceu de uma virgem (Sofonim), esposa de Nir, irmão de Noé. Nasceu depois que sua mãe morreu. Sentou-se na cama ao lado do corpo da mãe, e, quando nasceu, era já desenvolvido, vestido e falando bendizia ao Senhor. Havia já os vestidos do sacerdócio. 40 dias após seu nascimento o arcangelo Gabriel o leva até o Jardim do Édem, sendo salvo do dilúvio, sem ter que ir para a Arca de Noé. Talvez a frase em Hebreus 7,3 tenha esse backgroud: Sem pai, sem mãe, sem genealogia, sem começo nem fim de vida como o Filho de Deus, Melquisedec permanece sacerdote para sempre. Também em Qumran, na gruta 11, foi encontrado um texto que fala de Melquisede (1Q13 – 11QMelch). Neste texto ele é visto como um ser divino a quem é dato também o títolo de Elohim. Segundo esse texto será ele que proclamará o dia da expiação e julgará os povos.” (ROSA, Luis: Melquisedeque. Disponível em:http://www.abiblia.org/ver.php?id=732. Acesso em 12 fev, 2018)

  1. Um sacerdócio firmado na justiça.Mostrando a tipologia sobre o sacerdócio de Melquisedeque, o autor destaca que este fora “rei de justiça e depois também rei de Salém, que é rei de paz” (Hb 7.2). A figura histórica de Melquisedeque como rei de Salém aparece em Gênesis 14.18-20 no contexto da guerra de cinco reis contra quatro no vale do Rei. O nome Melquisedeque, cujo significado original era “Sedeque é rei”, é interpretado pelo autor de Hebreus como “rei de justiça” (Hb 7.2). É fora de qualquer dúvida que Melquisedeque é um tipo de Jesus, que reinaria com justiça e cujo reinado não teria fim (Is 32.l;Jr 23.5; Lc 1.33). (LB CPAD, 1º Trim 2018, Lição 7, 18 fev 18)

O significado do nome é muito discutido. Hebreus 7,1 diz que Melquisedeque significa “rei de justiça”; além disso, ele é “rei de Salém”, isto é, “rei de paz”. O Comentário acima quanto ao nome Melquisedeque – nome hebraico, ou a junção de duas palavras hebraicas “melqui” que significa “meu rei” e “sedeque” que significa “justo”. Portanto, e segundo o Dicionário Wycliffe [Dicionário Bíblico Wycliffe. led. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, p. 1247], Melquisedeque significa, “meu rei justo” oi “rei da justiça”; o significado normalmente é baseado na palavra hebraica “melek”, que significa “rei” e “tzedek” (“justo”), assim, talvez haja um equívoco quando o comentarista afirma acima: ‘cujo significado original era “Sedeque é rei”’.  A opinião tradicional diz que Melquisedeque era um verdadeiro adorador do Senhor (conforme Josefo, Irineu, Calvino, KD, Leupold, et ai). Se a data da vida de Abraão (aprox, 2000 a.C.) estiver correta, então Melquisedeque viveu antes da substituição de El como principal deus dos cananeus. A adoração a Baal-Hadade foi estabelecida pela invasão dos amorreus no início do 2“ milênio a.C.. Note o leitor que no mundo cananeu e fenício existe o deus Suduk ou Sudek, assim, admitir que o significado seja “Sedeque é rei”, leva este tipo ou figura de Cristo ao patamar de sacerdote de uma divindade pagã – Sudek. Porém, como lido em Hb 7.1, Melquisedeque era “Sacerdote de El Elion” – o Deus Altíssimo. Por isso o texto afirma que primeiramente é, por interpretação, rei de justiça, e depois também rei de Salém, que é rei de paz. (v.2) Assim, seu ministério era legítimo diante de Deus e reconhecido perante os homens. Justiça e paz são características do Messias e apontam para Jesus que exerceu os ofícios de profeta, sacerdote e rei (Cf. Is 9.6, 7; Sl 110.1, 4). E somente por Jesus podemos ser justificados e termos paz com Deus – Rm 5.1. Segundo Gardner [LIÇÕES BÍBLICAS CPAD – ADULTOS – 2º Trimestre de 2017, Lição 3], “Melquisedeque conhecia a Deus por meio de uma tradição que se espalhou após o Dilúvio ou devido a uma revelação sobrenatural. Percebeu que Abraão servia ao mesmo Deus”. O certo é que ele cria em Deus e o servia, pois era sacerdote “do Deus Altíssimo”.

  1. Um sacerdócio com legitimidade divina.O versículo três de Hebreus sete — “sem pai, sem mãe, sem genealogia” —, deve ser visto como um contraste entre o sacerdócio levítico e o de Melquisedeque. O sacerdócio levítico dependia da genealogia para se legitimar. Quem não fosse da tribo de Levi não podia oficiar como sacerdote. É exatamente isso o que o autor quer mostrar, pois assim como o sacerdócio de Melquisedeque não dependia de genealogia para mostrar sua legitimidade sacerdotal, da mesma forma o sacerdócio de Cristo era também legítimo por pertencer a uma ordem superior, a ordem de Melquisedeque. (LB CPAD, 1º Trim 2018, Lição 7, 18 fev 18)

Não há registro de genealogia e sucessão nas Escrituras em relação a Melquisedeque. Ele aparece do nada e desaparece sem deixar rastro. Não tem predecessor nem sucessor. O silêncio das Escrituras nesse ponto é incomum.[Carson, D. A. Comentário Bíblico Vida Nova, Vida Nova, SP, 2009, p. 2005.] Esta falta de informação a respeito do nascimento fortalece a tipologia de Melquisedeque em relação a Cristo.[Comentário Bíblico Moody, Hebreus, p. 38.] Ele é semelhante ao Filho de Deus no sentido de que ele prefigura o seu sacerdócio singular e que nunca tem fim. Assim, ele foi semelhante a Cristo no sentido de que o seu sacerdócio foi universal (v.1); foi real (vv.1, 2; cf. Zc 6.13); foi justo (v.2; cf. Sl 72.2; Jr 23.5; 1Co 1.30); foi pacífico (v.2; cf. Sl 72.7; Is 9.6; Rm 5.1); e interminável (v.3; cf. vv.24, 25). Seu nome (meu rei é justiça) e seu título – rei de Salém (em hebraico “paz”) (rei de paz) indicam o Messias, cuja pessoa e ministério se caracterizam pela justiça (Is 32.1; Jr 23.5; Ml 4.2; 1 Co 1.30) e pela paz (1Cr 22.9; Zc 9.10; Ef 2.14,15). Estas duas graças se encontram em Cristo, de modo perfeito. Quando o autor da Epístola aos Hebreus escreve: “Sem pai, sem mãe” (Hb 7.3) não significa que este personagem literalmente não tivesse pais nem parentes, nem que era anjo. Significa tão somente que as Escrituras não registram a sua genealogia e que nada diz a respeito do seu começo e fim. Por isso, serve como tipo de Cristo eterno, cujo sacerdócio nunca terminará. Vivendo sempre para interceder (Hb 7.25). Cristo vive no céu, na presença do Pai. (8.1), intercedendo por todos os seus seguidores, individualmente, de acordo com a vontade do Pai (cf. Rm 8.33,34; 1Tm 2.5; 1 Jo 2.1 Lição 11; 13 de  Dezembro  de 2015; Melquisedeque Abençoa Abraão. [http://auxilioebd.blogspot.com.br/2017/04/licao-3-melquisedeque-o-rei-de-justica_9.html]

‘VENHA COMIGO ENVIAR UM MISSIONÁRIO À ÁFRICA!’

Venha com o Blog Auxílio ao Mestre apoiar o projeto da jovem Missionária KILANNY QUEIROZ, com uma pequena oferta mensal. Ela precisa do nosso apoio. Clique na imagem, conheça o projeto e saiba como ajudar.

   TÓPICO II – QUANTO AO ASPECTO DE SUA NATUREZA

  1. Um sacerdócio perfeito.A palavra teleiôsis (perfeição) usada pelo autor em Hebreus 7.11, quer dizer também um “alvo a ser atingido”. Nesse contexto ela é usada para se referir ao relacionamento com Deus. Nem a Lei nem o sistema sacerdotal do Antigo Testamento puderam resolver o problema da culpa e produzir o perdão que a santidade de Deus exigia. O autor sacro destaca que o problema do relacionamento do homem com Deus só pode ser resolvido por um sacrifício perfeito, algo que o sistema levítico não tinha possibilidade de realizar. (LB CPAD, 1º Trim 2018, Lição 7, 18 fev 18)

Em Hb 7.11 esse “outro sacerdote”, que seria levantado, é nosso Senhor Jesus Cristo, de quem foi dito: “Jurou o Senhor e não se arrependerá: Tu és um sacerdote eterno, segundo a ordem de Melquisedeque” (SI 110.4). Era uma mensagem profética e messiânica, que apontava para Cristo, através de Davi. Essa “ordem de Melquisedeque” não era reconhecida pelos judeus, que só aceitavam e reconheciam a “ordem de Arão” ou “levítica”. Em Hebreus, o autor se refere à mensagem profética de Davi sobre Cristo, dizendo: “Assim, também Cristo não se glorificou a si mesmo, para se fazer sumo sacerdote, mas glorificou aquele que lhe disse: Tu és meu Filho, hoje te gerei. Como também diz noutro lugar: Tu és sacerdote eternamente, segundo a ordem de Melquisedeque” (Hb 5.5,6).

O sacerdócio de Melquisedeque não estava limitado à raça humana ou à tribo, sendo, portanto, universal. Sua realeza não foi herdada de seus pais. E essa realeza também não foi transmitida a um descendente; e assim ela era eterna. Portanto, Melquisedeque é uma tipologia de Cristo e de seu sacerdócio eterno e universal'” [Dicionário Bíblico Wycliffe.1.ed.  Rio de Janeiro: CPAD, 2006, p. 1247]. O Rev. Ronaldo Éber de Oliveira Brito, (pastor da Igreja Presbiteriana do Jardim Elba (http://www.jardimelba.cjb.net) – São Paulo-SP) escreve no artigo “Jesus e Melquisedeque”: “A clara alusão do Salmo 110:4 na descrição de Cristo como nosso Sumo-Sacerdote celestial em Hebreus 6:20 põe a base para o midraxe que temos em 7:1-10. Nesse texto o autor introduz Gênesis 14:17-20 para identificar o Melquisedeque do Salmo 110:4 (verso 1 a 3) e para exibir a base na história para a superioridade do Sumo-sacerdócio de Cristo dobre o sacerdócio levítico (versos 4 a 10). […] Ao analisarmos mais de perto esses três versículos podemos ver que logo no início do capítulo 7 temos a conjunção “Porque”. Essa conjunção põe essa frase em relação com a expressão com a qual termina Hebreus 6:20, aonde se proclama o sacerdócio eterno de Jesus. Podemos captar em tudo isso o caminho do pensamento do autor, que é certamente o seguinte: para comentar os versículos de Gênesis 14:18-20 ele os relaciona com o oráculo do Salmo 110:4 e descobriu que esses textos se iluminam mutuamente.” [Leia mais acessando o link: http://www.webservos.com.br/gospel/estudos/estudos_show.asp?id=303.]

  1. Um sacerdócio imutável.O capítulo sete ainda destaca que “mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também mudança da lei” (Hb 7.12). O Espírito Santo havia falado por boca de Davi que seria levantado um sumo sacerdote de outra ordem, a ordem de Melquisedeque (SI 110.4). Se uma nova ordem se instauraria, consequentemente a antiga passaria. Essa profecia quando cumprida, necessariamente, tornava obsoleta a lei mosaica e o sacerdócio levítico, demonstrando dessa forma o seu caráter transitório. Somente o sacerdócio de Jesus seria imutável e de caráter não transitório. (LB CPAD, 1º Trim 2018, Lição 7, 18 fev 18)

Como visto no tópico anterior, por ser o sacerdócio levítico imperfeito (cf. 10.4) e exercido por homens pecadores (vv. 27,28), foi substituído pelo sacerdote perfeito, o Filho de Deus. Cristo é um sacerdote perfeito porque é totalmente justo. Precisou morrer uma só vez como sacrifício pelos nossos pecados. Permanece como nosso sacerdote eterno diante de Deus no céu, e vive para sempre (vv. 24-28). Por isso, Ele pode salvar completamente e para sempre todos aqueles que por Ele se chegam a Deus.

“Porque, sendo imperfeitos, o sacerdócio e a Lei não poderíam continuar para sempre (w. 15-19). O termo “outro”, em Hebreus 7:15, significa “outro de um tipo diferente”. Os sacerdotes levíticos foram ordenados para o sacerdócio pela autoridade temporária e imperfeita da Lei. JESUS CRISTO foi feito Sacerdote por uma declaração de DEUS. “Por causa [da] fraqueza e inutilidade” da Lei (Hb 7:18), ela não poderia continuar para sempre. Mas, uma vez que JESUS CRISTO é o Filho eterno de DEUS, ele vive “segundo o poder de vida indissolúvel” (Hb 7:16). Que contraste entre a Lei inútil e a vida indissolúvel!” [Luiz Henrique. Disponível em:file:///C:/Users/Familia/Downloads/2T2017_L3_luiz%20atualiz.pdf. Acesso em 12 fev, 2018].

  1. Um sacerdócio eterno.Assim, o sacerdócio de Cristo “não foi feito segundo a lei do mandamento carnal, mas segundo a virtude da vida incorruptível” (Hb 7.16). A expressão “vida incorruptível” é uma referência a ressurreição de Jesus e seu triunfo sobre a morte, demonstrando assim o caráter eterno do seu sacerdócio. Cristo não era sacerdote por uma imposição humana ou mandamento carnal, mas por atribuição divina. Como diz o versículo 17: “Porque dele assim se testifica: Tu és sacerdote eternamente, segundo a ordem de Melquisedeque” (Hb 7.17). (LB CPAD, 1º Trim 2018, Lição 7, 18 fev 18)

Por intermédio de Abraão, toda a nação hebreia reverenciou Melquisedeque, até mesmo os sacerdotes da tribo de Levi, que sequer haviam nascido (Hb 7.9). Ora, se o sacerdócio levítico era temporário, o de Melquisedeque não podia ser interrompido pela morte, pois é eterno. Um sacerdócio, aliás, que haveria de ser exercido por Cristo (Sl 110.4).

 “JESUS, desse, sim, pode-se testificar: “Tu és sacerdote eternamente”. Em várias passagens das Escrituras nos é dito que CRISTO seria um sacerdote eterno e não temporário. Isso indica claramente que a extensão maior de seu sacerdócio era divina, e não humana. Portanto, na sua morte não houve nenhuma mudança de comportamento em seu sacerdócio, pois Ele permaneceu o mesmo, não sofrendo nenhuma mudança, a não ser a glorificação de seu corpo, de mortal para a imortalidade perene.

JESUS continua seu sacerdócio no céu – continua intercedendo – Quem é que condena? Pois é CRISTO quem morreu, ou antes quem ressuscitou dentre os mortos, o qual está à direita de DEUS, e também intercede por nós. Romanos 8:34”.[Luiz Henrique. Disponível em:file:///C:/Users/Familia/Downloads/2T2017_L3_luiz%20atualiz.pdf. Acesso em 12 fev, 2018].

   TÓPICO III. QUANTO AO ASPECTO DE SEUS ATRIBUTOS

  1. Um sacerdócio santo.Santidade é um dos atributos de Deus (Is 6.3). Em outro ponto da carta aos Hebreus, o autor sagrado afirma que sem “a santificação, […] ninguém verá o Senhor” (Hb 12.14). Esta era uma das exigências da lei mosaica: que o sumo sacerdote não apresentasse nenhum defeito, inclusive físico (Lv 21.16-23). Assim, devido à condição humana, não apenas os sacerdotes não eram perfeitos, mas todo sistema sacerdotal levítico era imperfeito. Somente Cristo podia atender as exigências de um sacerdócio inteiramente santo e perfeito (Hb 7.26). (LB CPAD, 1º Trim 2018, Lição 7, 18 fev 18)

Os sacerdotes levíticos eram fracos porque pecavam assim como os homens pelos quais eles faziam intercessão. Jesus, contudo, é santo, imaculado e separado dos pecadores. Ele não tem que fazer oferenda por si mesmo, como os sacerdotes levíticos tinham que fazer. De muitas maneiras, Jesus é verdadeiramente o sumo sacerdote superior! [https://www.estudosdabiblia.net/heb6.htm] Pelo fato de ser santo, isto é, sem pecado algum, Jesus Cristo fez apenas um sacrifício, uma única vez por todos os homens por toda a eternidade. A obra de Cristo nunca precisou nem precisará ser repetida, pois ele é perfeita. (cf. Hb 9.12, 26, 28; 10.1, 10; 1Pe 3.18).

  1. Um sacerdócio inculpável.Vimos que Jesus cumpriu todas as exigências de uma vida santa requerida para o sumo sacerdote. Mas além desse atributo, Ele deveria ser também “inocente” (Hb 7.26). A palavra akakos, traduzida aqui como “inocente”, significa também “sem maldade” e é descrita pelos lexicógrafos como ausência de tudo o que é ruim e errado. O apóstolo Pedro afirmou sobre Jesus que Este “não cometeu pecado, nem na sua boca se achou engano” (1 Pe 2.22). Não havia culpa nem imperfeição no sacerdócio de Cristo Jesus. (LB CPAD, 1º Trim 2018, Lição 7, 18 fev 18)

Por mais devotos e obedientes que fossem os sacerdotes arônicos, nem sempre poderíam suprir as necessidades de todo o povo. Mas JESUS CRISTO supre perfeitamente todas as nossas necessidades. “Um sumo sacerdote como este” significa que ele é “adequado para nós e supre nossas necessidades completamente“. A ênfase aqui é sobre seu caráter impecável. Uma vez que ele é perfeito, é capaz de exercer um ministério perfeito para seu povo. Por causa de seus pecados, alguns sacerdotes do Antigo Testamento não apenas se mostraram incapazes de servir o povo como também o prejudicaram. Isso jamais poderia acontecer com JESUS CRISTO e seu povo. Os sacerdotes do Antigo Testamento eram “separados” para seu ministério, de modo que, em certo sentido, eram “santos”. No entanto, nem sempre eram santos em seu caráter. Eram pecadores como as pessoas às quais ministravam. “Inculpável” (Hb 7:26) é o mesmo que “irrepreensível”. Nenhum sacerdote de Israel poderia afirmar ser inculpável. [Luiz Henrique. Disponível em:file:///C:/Users/Familia/Downloads/2T2017_L3_luiz%20atualiz.pdf. Acesso em 12 fev, 2018].

  1. Um sacerdócio imaculado.O autor sacro usa o termo amiantos (Hb 7.26), para dizer que Jesus é um sacerdote sem “mácula”. Essa palavra, que também tem o sentido de “sem manchas”, era usada no contexto bíblico para se referir tanto a pureza ritual como ética. Foi a essa vida santa, no seu sentido ético, e não apenas ritual, que o autor alude para retratar o Senhor como “separado dos pecadores”. O Filho de Deus assumiu a condição humana e se fez pecado pelos homens (2 Co 5.21), mas sem pecar. Cristo é o sacerdote imaculado e sem manchas. (LB CPAD, 1º Trim 2018, Lição 7, 18 fev 18)

“Sem mácula” pode significar “incontaminado”, uma característica própria somente de JESUS CRISTO. Quando estava ministrando na Terra, JESUS foi amigo de publicanos e de pecadores (Mt 9:10; 11:19), mas seu contato com eles não contaminou sua conduta nem seu caráter. Havia contato sem contaminação. Ele permaneceu separado, mas não isolado. Hoje, ele é “separado dos pecadores” por causa de sua posição (“feito mais alto do que os céus”); mas não é separado das pessoas para as quais ministra. Está sempre a nossa disposição em seu trono da graça. [Luiz Henrique. Disponível em:file:///C:/Users/Familia/Downloads/2T2017_L3_luiz%20atualiz.pdf. Acesso em 12 fev, 2018].

   CONCLUSÃO

A Carta aos Hebreus é o único texto do Novo Testamento que apresenta uma doutrina sistematizada do sacerdócio de Cristo. A carta mostra aos leitores que Jesus é o Sumo Sacerdote-Rei predito nas Escrituras e que, como tal, superior ao sistema levítico. Melquisedeque, rei de Salem, a quem Abraão entregou o dízimo, tornou-se um tipo desse sacerdócio eterno. E não só isso, mas todo o sistema levítico tornara-se obsoleto visto que a nova ordem sacerdotal havia suplantado a antiga. (LB CPAD, 1º Trim 2018, Lição 7, 18 fev 18)

O autor tem em vista aqui a possibilidade de abandono de Cristo e um retorno ao judaísmo, assim, ele discorre sobre a superioridade Cristo. Nesta lição, vimos que o autor da carta agora reverte ao argumento deixado no capítulo 5, versículo 10, no qual se referia a Cristo como Sumo Sacerdote de um serviço divino, de ordem mais elevada do que aquela estabelecida sob a lei mosaica. Jesus Cristo ofereceu apenas um sacrifício por nossos pecados. É desse Sumo Sacerdote que precisamos! Estamos sujeitos a pecar diariamente, até várias vezes por dia; precisamos, portanto, ter a possibilidade de nos voltar para ele em busca de socorro espiritual. Como nosso Sumo Sacerdote, Jesus Cristo nos dá a graça e misericórdia de que precisamos para não pecar. Mas, se pecarmos, ele é nosso Advogado junto ao trono de Deus (1Jo 2.1,2). Quando confessamos nossos pecados, ele nos perdoa e nos restaura (1 Jo 1:9). A aplicação é óbvia: por que dar as costas a um Sumo Sacerdote tão adequado? O que mais poderiamos encontrar em qualquer outra pessoa? Os homens que serviram sob a Lei de Moisés tinham fraquezas humanas e falhavam com freqüência. Nosso Sumo Sacerdote celestial é “perfeito para sempre” (Hb 7:28) e não tem qualquer mácula nem defeito. Tal Sumo Sacerdote é “perfeito para nós”!

“…Ele é poderoso para salvar definitivamente aqueles que, por intermédio dele achegam-se a Deus, pois vive sempre para interceder por eles” (Hebreus 7.25),

Francisco Barbosa

Campina Grande-PB

Fevereiro de 2018

Publicado no blog Auxílio ao Mestre

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.