Ética Cristã e Vida Financeira – Eliseu Antonio Gomes

Ética Cristã e Vida Financeira – Eliseu Antonio Gomes

Ética Cristã e Vida Financeira

Por Eliseu Antonio Gomes

INTRODUÇÃO

As posses e os bens são concedidos ao ser humano por meio do nosso Deus. O fato de possuir o dinheiro, seja em muita ou pouca quantidade, pode ser bênção ou maldição, depende do uso que é feito com ele. Se usado de maneira sábia, para a glória de Deus, expansão do seu reino, agradecido pelos bens adquiridos, somos abençoados pelo Senhor. Cada um prestará contas de tudo o que recebeu para gerir, até mesmo no setor financeiro (Mateus 25.19; (Romanos 14.12).




l – UMA TEOLOGIA PARA A VIDA FINANCEIRA

O equilíbrio financeiro foge dos extremos da riqueza e da pobreza, e possibilita uma vida desprovida de preocupações desnecessárias.
 1. Vida financeira equilibrada.
O Senhor é a fonte de toda riqueza, o ouro e a prata são dEle (Ageu 2.8). No Salmo 24.1, o salmista Davi glorifica o Criador de todas as coisas, Senhor da terra e do mundo criado, e de tudo o que neles há. O cântico mostra que tudo o que somos, tudo o que vemos e temos nesta vida pertencem ao Altíssimo. Após Deus haver completado a obra de criação, criou o homem e a mulher e confiou a ambos a missão de administrar a terra e o que nela existe (Gênesis 1.26-28; 9.2; Salmos 8.6-8).
Diariamente, vivemos um conflito. De um lado temos a oportunidade de conhecer a Palavra de Deus, colocar a sua vontade em prática em todas as esferas da vida. Do outro lado encontramos as forças do mal, apresentando informação desprovida da intenção divina, atuando em sentido contrário à condução do Espírito Santo. Enquanto a promessa do retorno de Jesus não se cumprir, teremos que conviver com essas duas situações.
Através da comunhão com Deus e Sua Palavra, recebemos Seus sábios conselhos, que nos capacita a vencer as provas desse mundo de ilusões e todas as investidas destruidoras do inimigo de nossas almas. E uma das frentes que o inimigo ataca é o mal uso do dinheiro.
Prazos a perder de vista, cartões de crédito. O marketing age com força, usa voz de comando para induzi-lo a gastar mesmo que você não possua recursos suficientes. As frases estão sempre no imperativo: “vá”, “compre”, “faça”. As supostas facilidades oferecidas pelo mercado financeiro são um golpe para iludir o consumidor. O apelo começa com produtos de higiene pessoal, passa pela alimentação da família, e chega ao carro do último modelo.
A sociedade não cristã sustenta a filosofia que dinheiro vale mais que a vida. Por isso, pessoas destroem a própria vida e a de seus semelhantes. Sacrificam seus valores morais e princípios éticos, tentando obter riquezas e tudo o que o dinheiro pode dar. No entanto, os que assim fazem, não encontram felicidade plena ao realizar o que desejam. Isto, porque o não cristão não consegue ver a vida através da perspectiva do Reino de Deus.
2. O perigo do amor do dinheiro.
A sociedade em que vivemos é extremamente capitalista, incentiva as pessoas a colocarem em primeiro lugar em suas vidas a luta por conseguir ganhar dinheiro. Os seres humanos que possuem muito querem mais ainda e os que possuem pouco ou nada, desejam ardentemente alguma coisa.
Muitos vivem na filosofia do “quanto mais tem, mais quer”. Estão influenciados pelo consumismo, acúmulo de dinheiro e desejo de lucro e de luxo. Isto é visto em pais e mães que sacrificam seus momentos de lazer com seus filhos para trabalhar mais e assim ganhar mais dinheiro; no irmão ou irmã da igreja que troca o culto por horas extras exageradas no emprego; em pais que pressionam seus filhos para fazer um determinado curso em uma faculdade, até mesmo contra a vontade dos filhos, só porque este curso confere mais “status” e salários mais altos a quem o fez; enfim, em jovens que se casam apenas por interesses financeiros.
Quanto a vivência cotidiana do cristão equilibrado, este compreende que todos precisam de dinheiro para a manutenção, mas não deve colocar a obtenção de riquezas como alvo supremo da vida.

È necessária a conscientização de que o ser humano foi estabelecido para ser administrador do Altíssimo. O crente precisa estar ciente de que o ser humano não é dono de nada. Deus nunca lhe entregou qualquer direito de propriedade, mas para si mesmo reservou as coisas que criou (1 Coríntios 4.2).


II – MEIOS HONESTOS PARA GANHAR DINHEIRO
O que devemos fazer ao ganharmos dinheiro? “Honre o SENHOR com os seus bens e com as primícias de toda a sua renda” – Provérbios 3.9. Ganhar dinheiro não é pecado, é uma necessidade indispensável. Trabalhar de modo honesto para o sustento de sua família é uma atitude altruísta.
1. Trabalho e emprego.
A Palavra de Deus é muito clara quanto à importância do trabalho. O Salmo 128.2 nos diz que do trabalho de nossas mãos comeremos, feliz seremos e tudo de bom nos acontecerá. Não importa se nossa profissão é valorizada, reconhecida ou mal remunerada. Deus sempre terá uma recompensa para aquele que trabalha sério e é dedicado naquilo que faz.
O trabalho traz o pão à nossa mesa, alimenta o nosso lar, nos oferece dignidade, é um meio honesto para se ganhar dinheiro e adquirir bens e boa reputação (Provérbios 6.6-8).
É fato que muitas pessoas não gostam muito de trabalhar, alguns amam o ócio e mais as coisas do que as pessoas, preferem horas exageradas de sono e não se importam em partir para o assalto e o furto, não se importam em tirar o que é propriedade de outro: “Quem trabalha com a mão ociosa fica pobre, mas o que trabalha com diligência enriquece” (Provérbios 10.4).
Muitas pessoas perdem uma grande bênção porque não se dispõem a trabalhar. O Senhor vê tudo e em consequência da iniciativa em colocar mãos à obra oferece muitas bênçãos quando nos dedicamos verdadeiramente ao que fazemos. Vejamos alguns personagens bíblicos que foram grandiosamente abençoados através do “suor de seus rostos”:

• Rebeca conquistou Isaque (Gênesis 24.19-21). Provavelmente ela não tinha planos de conseguir um casamento nos momentos em que tirava água do poço para saciar a sede dos camelos da família. Mas Deus a surpreendeu enquanto trabalhava, fazendo com que ela viesse a se casar por causa disso.

• Davi, do campo ao trono de Israel (1 Samuel 16:11). Poucos valorizavam o trabalho de Davi, que era o responsável pelo pastoreio das ovelhas de sua família. Apesar disso, sem receber reconhecimento, ele fazia o melhor possível em seu serviço. Deus, então, viu que aquele rapaz poderia “pastorear” o seu povo caprichosamente e o escolheu para a função de rei de Israel.

• Jeroboão foi honrado por seu labor e se tornou rei (1 Reis 11.28). Deus observou em Jeroboão um homem justo, honesto, fiel e muito trabalhador. Por isso o escolheu para usar a coroa, tirando-a das mãos dos filhos de Salomão, que eram os herdeiros naturais do trono que foi de Davi.

• O serviço de Jacó o levou à riqueza, apesar dos reveses com seu sogro trapaceiro (Gênesis 31.6-9).

• O serviço de Rute livrou-a da penúria. Ela pôs as suas mãos no arado, assumiu o sustento do lar após sua viuvez e a viuvez de sua sogra idosa, com quem viveu em pobreza. Por causa de sua nobre disposição em trabalhar duro, Deus providenciou o encontro dela com Boaz, homem de posses, e o desfecho do romance foi ela casar-se com ele e entrar para a genealogia de Jesus (Rute 2.2-4, Mateus 1.5).

Pode ser que você pense que ninguém valoriza o seu trabalho. Pode ser também que algumas pessoas realmente menosprezem o esforço que faz. Lembre-se que o Senhor sabe de todas as coisas, honra aos que prestam serviço com dedicação, desde que a tarefa não seja atividade desonesta.
2. Escolarização e Mobilidade Social.
A sociedade é formada por classes sociais, como A, B, C e D, geralmente com grandes diferenças entre os mais ricos e os mais pobres. A possibilidade de um indivíduo subir de classe na sociedade, passar a ter um poder aquisitivo admirável é o fenômeno denominado “mobilidade social” ou “transformação social”.

Um dos meios disponíveis para o aumento da capacidade em adquirir bens e serviços de cidadãos menos privilegiados economicamente é a escolarização. Isto é, estudar até atingir os melhores padrões acadêmicos. A escolarização abre oportunidades para o aluno assentar-se nas cadeiras do nível superior de ensino, trabalhar em empregos de sucesso, cujo salário gera um excelente poder aquisitivo, reduzindo assim a distância entre ricos e pobres.

A escolarização e a ascensão socioeconômica são úteis ao crente para que ele possa servir melhor o Reino de Deus (Filipenses 2.4,21; 1 Corintios 10.32,33).

Ao alcançar seu aprimoramento intelectual, o cristão precisa ter o cuidado. para não se abobalhar com o sentimento de vanglória e o engano da sensação de superioridade entre os seus semelhantes (Filipenses 2.3). As universidades e faculdades, além de oferecer o cabedal de conhecimento essencial, são celeiros de filosofias e vãs sutilezas, cabe ao crente examinar tudo e conservar o que é realmente bom (Colossenses 2.8; 1 Tessalonicenses 5.21).


Ill – COMO ADMINISTRAR O DINHEIRO?

1. Fidelidade na Casa do Senhor.
Do que o Senhor se agrada quando o servimos? Sabemos que todos os bens que temos a nossa disposição pertencem a Deus. Administramos a casa, a família, o carro, terras, trabalho, dinheiro etc. Tudo é do Senhor e apenas nos tornamos mordomos de Deus, diante dos bens materiais.

Precisamos conhecer realmente a Deus para servi-lo de maneira aprazível. Só é capaz de servir ao Senhor de maneira agradável, aquele que O conhece em todo Seu poder e glória, no reconhecimento da grandeza de Deus (1 Crônicas 29.10-19).

Ser mordomo é administrar em total fidelidade o que lhe foi confiado,  entender que aquilo que está em suas mãos não pertence a si mesmo, mas a Alguém que lhe confiou algo valioso. Portanto, o crente consciente de quem é usará da melhor maneira possível e da forma que agradará ao Proprietário os bens que administra.

O cristão espiritual é fiel a Deus, tocado pelo Espírito Santo reconhece a grandeza de Deus e age com total disposição, voluntariedade e alegria, ao servir ao Senhor com tudo o que tem e em tudo o que é.

Devemos servi-lo com nossa vida em integridade, pois sem reconhecer a grandiosidade de Deus, a mordomia é algo apenas teórico.
O mordomo não se sente coagido a fazer nada, porque a  mordomia representa a ação voluntária e alegre. Este princípio é importantíssimo para o cristão, pois a Bíblia ensina que Deus ama ao que dá prazerosamente. Na condição de crentes em Cristo como Senhor e Salvador, com alegria devemos contribuir financeiramente na congregação em que servimos ao Senhor (2 Coríntios 9.7).
2. Estabelecendo prioridades.

Jesus declarou em João 10:10: “Eu vim para que tenham vida, e a tenham em abundância”.

O que devo fazer com o dinheiro de Deus sob os meus cuidados? Não importa se pouco ou muito, devemos administrar bem as posses, com a finalidade de não pecar contra Deus e não expor a sua família à humilhação moral e à falta das coisas necessárias. Empreender todo o possível que estiver ao nosso alcance para bem administrar os recursos que Deus nos dá

O cristão deve trabalhar de modo honesto e aplicado, usar os recursos financeiros para sua subsistência e da sua família, para que vivam de maneira digna.

Devemos também prover o sustento da obra do Senhor, pois o cristianismo é feito com coisas materiais e o dinheiro faz parte desse contexto. Os recursos da igreja local não provêm de governos ou de organismos financeiros. A estabilidade material nos dá condições de colaborar com nossos recursos para a pregação do Evangelho, faz com que sejamos capazes de apoiar a igreja em seus projetos missionários.

A estabilidade  financeira também nos dá condições de ajudar o necessitado, que é o nosso próximo, em suas necessidades materiais. O trabalho assistencial é parte de nossa mordomia cristã, quando a realizamos estamos servindo ao nosso Deus (Provérbios 22.9; Tiago 1.15-16).

Ao priorizar essas coisas, é preciso confiar que Deus suprirá com o provimento diário suficiente (Filipenses 4.7).

3. Evitando as dívidas.

Quando a família não programa suas compras, termina por não honrar todos os compromissos financeiros, se vê com menos recursos como consequência de altas taxas de juros devido aos atrasos de pagamentos e acúmulo de faturas vencidas, cujos valores a pagar sobem para acima de suas renda. Então, a família começa a padecer com a falta do que é necessário e se transforma em refém do credor.“O que pede emprestado é servo de quem empresta” – Provérbios 22.7.

O erro na organização da lista de compras está em não considerar a importância de itens básicos. Realizar em demasia aquisições de produtos supérfluos ao invés de comprar os produtos imprescindíveis. Tal disparate causa o acúmulo de dívidas inadimplentes e a pressão incessante do credor para ser reembolsado na data do vencimento da compra.

A exposição arriscada da renda familiar ocasiona uma sequência de danos, como estes: inquietação, estresse alto, e discórdias no lar. Para livrar-se dessas circunstâncias incômodas, observe e siga algumas regras de senso comum que ajudam as pessoas a evitar o endividamento. As dicas, são:

• Não assine ou garanta uma obrigação para outra pessoa. Se ela não pagar, você será responsável pelo reembolso. Evite ser fiador de estranhos (Provérbios 11.15; 27.13);
• Esquive-se dos agiotas (Êxodo 22.25; Levíticos 25.36);
• Acompanhe de perto os saldos bancários;
• Não compre por impulso;
• Fique dentro dos seus limites de gastos;
• Compare os preços antes de fazer grandes compras;
• Sempre que possível, pague à vista e evite comprar usando cartão de crédito (Romanos 13.8);
• Mantenha um registro de todas as compras com cartão de crédito;
• Se possível, pague sempre mais do que o pagamento mínimo em faturas de cartão de crédito;
• Evite aquelas supostas facilidades, tipo “compre agora, pague depois”;
• Evite despesas com cheque especial;
• Evite adiar o pagamento em compras que oferecem, “financiamento sem juros”;
• Evite pedir empréstimos para financiar compras “básicas”;
• Se você não pode evitar empréstimos, pesquise e use o credor que oferece a menor taxa de juros.

Crie um orçamento realista e respeite-o à risca. Revise seu orçamento apenas quando necessário. Existem muitas maneiras de desenvolver um sistema de orçamento, como planilhas ou software e aplicativos on-line. Esses programas ajudarão você a determinar quanto está gastando e economizando.


CONCLUSÃO

Muitos cristãos, quer ricos ou pobres, idolatram o dinheiro. Amam mais as coisas materiais do que as pessoas, feitas a semelhança do Criador. Fazem isso sem refletir que tal comportamento representa atitude idólatra. Sem dúvida, quando o indivíduo é avarento, obcecados por coisas materiais, não possui nenhuma intenção de compartilhar com o necessitado, está vivendo como adorador do falso deus Mamom.

Existe para todos nós um grande perigo de cairmos na idolatria do dinheiro. O apóstolo Paulo escreveu ao jovem Timóteo, instruindo-o quanto a vários assuntos, inclusive quanto ao uso do dinheiro. O texto, conhecidíssimo dos cristãos, encontrado em 1 Timóteo 6.3, 9, 10, é um dos textos clássicos da Escritura Sagrada a respeito da ética cristã e da vida financeira do crente.

E.A.G.

Compilações:
Ensinador Cristão. Ano 19, nº 74, Abril, maio e junho de 2018, página 40, Bangu. Rio de Janeiro/RJ (CPAD).
Lições Bíblicas Professor. Valores Cristãos – Enfrentando as questões Morais de nosso tempo, Douglas Baptista, 2º trimestre de 2018, Lição 10 – Ética Cristã e Vida Financeira, Bangu. Rio de Janeiro/RJ (CPAD).
IPMG Igreja Metodista de Guarulhos – série Mordomia Cristã, lição 1, O Princípio da Mordomia, pdf – https: //bit.ly/ 2J54uUE

Publicado no blog Belverede

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.