Ética Cristã e Redes Sociais – IEADPE

Ética Cristã e Redes Sociais – IEADPE

Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Pernambuco

Superintendência das Escolas Bíblicas Dominicais

Pastor Presidente: Aílton José Alves

Av. Cruz Cabugá, 29 – Santo Amaro – Recife-PE / CEP. 50.040.000 Fone: 3084.1524 / 3084.1543

LIÇÃO 13 – ÉTICA CRISTÃ E REDES SOCIAIS – 2º TRIMESTRE DE 2018

(Pv 4.10-15)

INTRODUÇÃO

Dentre os recursos tecnológicos que podemos usufruir atualmente, um deles é a Internet. Nesta lição mostraremos que esta ferramenta promove a informação e a interação social; veremos também qual a postura ética cristã que devemos ter no uso das redes sociais; e, como utilizar a internet para a glória de Deus.

I – A MODERNIDADE E O AVANÇO DA TECNOLOGIA

Modernidade é definida como um período ou condição identificado com a Era Progressiva, a Revolução Industrial, ou o Iluminismo. Esta presente Era é caracterizada pelo avanço tecnológico, crescimento e desenvolvimento do conhecimento científico. Portanto, não podemos nos esquivar disso, ficando alienados a modernização. É necessário entender que a tecnologia em si, não é nem boa nem ruim, pois apenas é um instrumento que leva à informação às pessoas, agilizando e facilitando a vida em sociedade. Quando colocada a serviço de Deus, é uma benção, porém, quando a serviço do diabo, uma maldição (Tt 1.5). Vejamos algumas sugestões práticas que o cristão deve observar na utilização da mídia:

  • O cristão deve administrar bem o seu tempo para não desperdiçá-lo com coisas triviais (1Co 10.31; Ef 5.16);
  • O cristão deve ser criterioso na escolha do que vai ter acesso (Fp 4.8; 1Ts 5.21; 1Co 6.12; 10.23);
  • O cristão deve possuir domínio próprio, que é uma das características do fruto do Espírito (Gl 5.22,23);
  • O cristão deve priorizar as coisas espirituais e não as coisas passageiras (Mt 6.33; Cl 3.1-3);
  • O cristão deve permitir que o evangelho influencie todas as áreas da sua vida (Ef 4.22-32; 1Ts 5.23; 1 Pe 1.15).

II – INTERNET, UM MEIO DE COMUNICAÇÃO NA SOCIEDADE MODERNA

A internet é, sem dúvida, uma das maiores invenções, na área da comunicação, se tornando numa das grandes representantes de propagação cultural, científica, religiosa, política, filosófica e ideológica, procurando unir a comunicação, a tecnologia com a representação visual. Abaixo destacaremos alguns objetivos da internet e de como podemos utilizar para o bem. Vejamos:

2.1 Informação. A internet tem contribuído para que a informação chegue ao nosso conhecimento numa velocidade ímpar. Por meio dessa mídia, é possível ficar sabendo das informações, muitas vezes, primeiro do que em outros veículos de comunicação, tais como: rádio, TV e jornal.

2.2 Relacionamento. Com o advento da internet, muitas coisas boas tornaram-se possíveis. Ela encurtou distâncias, uniu pessoas, derrubou muralhas de comunicação e trouxe economia para quem se comunica com pessoas a distância, especialmente em outros países. Hoje, é possível conversar com pessoas em tempo real, vendo e ouvindo.

III – A ÉTICA CRISTÃ E A INTERNET

O mundo hoje está em rede, e muitas pessoas estão “caindo na rede”. Diante disto, nos perguntamos: como a ética cristã orienta sobre qual o comportamento que o cristão como sal da terra e luz do mundo deve evitar no uso da internet? Vejamos:

3.1 Usar perfil falso. O Facebook é uma rede social com mais de um bilhão de pessoas. Infelizmente nem todos que utilizam esta ferramenta tem intenção honesta. No entanto, do cristão se espera transparência, honestidade e bom caráter. Portanto não convém ao servo de Deus usar um perfil falso, se passando por uma pessoa que realmente não é. A Bíblia condena a hipocrisia (Mt 23.28; 1 Tm 4.2). A palavra “hipócrita” no grego “hupokrites” denota primariamente “aquele que responde”; ou seja, representação, portanto, “ator de palco” (VINE, 2002, p. 691 – acréscimo nosso). Enquanto reprova a hipocrisia, a Escritura louva a sinceridade (Jó 31.6; Pv 2.7; 10.9; 20.7; 1 Co 5.8; Ef 6.24).

3.2 Frequentar salas de bate papo para namoro. Como através da internet é possível relacionar-se com pessoas em sites de bate papo, não são poucas as pessoas que tentam achar o par perfeito através destes mecanismos. Não é recomendável construir um relacionamento virtual, pois, têm acontecido muito casos enganosos. Se num relacionamento pessoal existe a probabilidade da pessoa sofrer dano, muito maior probabilidade existe num relacionamento construído a distância pela internet. Infelizmente, há até pessoas casadas que estão traindo o cônjuge de forma virtual. “O Facebook é citado como motivo de uma em cada três separações na Grã Bretanha” (CARDOSO, 2012, p. 19). Certa revista de circulação nacional asseverou: “a internet criou uma nova maneira de ser infiel”. A Bíblia porém, exorta aos jovens solteiros a serem cautelosos e prudentes (Pv 1.4; 7.4; 8.12; 16.16); e, aos casados a serem fiéis ao seu cônjuge (Mt 5.27,28; 19.6; Hb 13.4).

3.3 Compartilhar mensagens, áudios e vídeos que não condizem com a fé cristã. Existem circulando na internet inúmeras mensagens, áudios e vídeos que afrontam diretamente a Bíblia e os princípios nela exarados. É inevitável que alguns contatos que temos não nos enviem tais conteúdos, no entanto, é perfeitamente claro que não devemos vê-los, tampouco, espalhar para outros, pois tais conteúdos em nada contribuem para que o Nome de Jesus seja glorificado: “Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus” (1 Co 10.31).

3.4 Ter cuidado para não acessar sites pornográficos. Pornografia “é a representação, por quaisquer meios, de cenas ou objetos obscenos, destinados a serem apresentados a um público e também expor práticas sexuais diversas, com o intuito de despertar desejo sexual no observador” (RENOVATO, 2013, p. 49). Com o advento da internet, a pornografia tomou proporções mundiais e fora de qualquer controle, ficando mais acessível por meio de smartphone e computador, trazendo destruição física, psíquica, moral e espiritual, tanto na vida de solteiros quanto casados. Quanto aos males da pornografia é bom destacar que “o pecado virtual e secreto é comparado ao cupim que se infiltra no tronco da árvore” (SENNA, 2013, p. 103). A Bíblia nos adverte quanto a santificação do corpo (Êx 20.14,17; Sl 101.3; 1 Co 6.18-20; Fp 4.8; 1 Ts 4.1-3).

3.5 Criar ou compartilhar frases, imagens ou vídeos jocosos contra a qualquer povo, sociedade, entidade e pessoas. Paulo lista várias obras da carne que o cristão não deve praticar, dentre elas as parvoíces (Ef 5.4). A palavra “parvoíce” segundo o Houaiss (2001, p. 2141) significa: “idiotice, imbecilidade”. Também não convém ao cristão utilizar a internet para mexericos, pois esta atitude é reprovável diante de Deus (Lv 19.16; 2 Co 12.20).

3.6 Debater assuntos teológicos ou procurar aconselhamento. Há muitos cristãos que estão utilizando a internet para discutir assuntos teológicos e com esta atitude provocam muitos malefícios e confusão. O apóstolo Paulo disse que os que se dão a discussão, o fazem “querendo ser mestres da lei, e não entendendo nem o que dizem nem o que afirmam” (1Tm 1.7). Devemos primar pelo aprendizado da Palavra de Deus no culto de doutrina, frequentando regularmente a EBD da congregação mais próxima e nos estudos devocionais (Sl 1.1-3; 27.4; Ef 4.11,12). Quanto a buscar aconselhamento, o cristão não deve jamais deixar ser “apascentado” por youtubers, mas em caso de necessidade deve procurar o seu pastor que foi constituído por Deus para este fim (Ef 4.11,12; Hb 13.7,17).

3.7 Falta de privacidade e pudor. As redes sociais exploram muito as imagens e infelizmente não são poucos que estão comprometendo a sua privacidade se expondo demasiadamente. Não podemos estar desatentos aos que podem estar acessando maliciosamente as nossas informações com fins perversos. A Bíblia tanto orienta a privacidade quanto ao pudor (1 Tm 2.9; Tt 2.3,4). Por isso, não convém expormos a nossa intimidade de forma tão banal. O cristão precisa usar de forma sábia as redes sociais e só compartilhar fotos que honrem a Deus e a sua família, pois as bênçãos de Deus para o lar restringe-se aqueles que temem ao Senhor (Sl 128.1).

3.8 Dependência tecnológica. A internet em si não é má e pode contribuir para o bem e para promoção do evangelho. No entanto, não podemos negar também que, se usada de forma descontrolada, poderá se tornar um vício destrutivo na vida de qualquer pessoa. Já existem clínicas de tratamento para viciados em tecnologia. Pessoas passam horas a fio na frente do computador, deixando até de se alimentar com regularidade. Especialistas afirmam que “o vício pela internet e por equipamentos eletrônicos pode ser tão forte quanto a dependência química. Por isso, há pessoas que estão ficando online no virtual e off-line na vida real. Outro grande mal no uso desta ferramenta tem sido a substituição do diálogo real pelo diálogo virtual. Tal prática está destruindo a interação social, familiar, entre amigos, e, na igreja. Há pessoas que não sabem mais o que é sentar na mesa na hora da refeição e colocar a conversa em dia, em família. Precisamos cultivar o diálogo e o relacionamento familiar, pois isto é muito salutar (Sl 133.1; Ec 4.9-12).

IV – UTILIZANDO A INTERNET PARA A GLÓRIA DE DEUS

A internet é usada pelas pessoas por diversos motivos, a saber: (a) pesquisa; (b) entretenimento; e, (c) trabalho. Sabedores de que diversas pessoas transitam por este veículo, devemos utilizá-lo da seguinte forma:

4.1 Levando a mensagem de Cristo ao maior número de internautas. Esta mensagem é: (a) as boas novas vindas do céu (Mt. 4.16; Is 9.2; Lc 2.10-a; Rm 3.21); (b) que traz alegria (Lc 2.10-b); (c) alcança todos os homens (Lc 2.10-c; Rm 1.16); e (d) fala de salvação em Cristo (Lc 2.11; Rm 1.16). Aproveitemos os contatos que temos pelas redes sociais e proclamemos o evangelho de Cristo (Mt 28.19; Mc 16.15; Lc 24.45-49; Jo 20.21-23; At. 1.1-5,8; Tt 2.11);

4.2 Promovendo edificação dos irmãos. Um simples versículo enviado aos nossos contatos todos os dias, sem sombra de dúvidas, é uma ferramenta poderosa na edificação, pois a Palavra de Deus é: (a) viva e eficaz (Hb 4.12); (b) não torna vazia (Is 55.11); (c) infalível (Jo 10.35); e, (d) inspirada (2 Tm 3.16; 2 Pe 1.21).

CONCLUSÃO

Infelizmente, não são poucos aqueles que destroem a sua vida moral e espiritual na utilização da internet. Como cristãos devemos ter cuidado para não prejudicarmos a nossa comunhão com Deus, que exige que sejamos santos.

REFERÊNCIAS

CARDOSO, Renato & Cristiane. Casamento Blindado. THOMAS NELSON.

HOUAISS, Antônio. Dicionário da Língua Portuguesa. OBJETIVA.

RENOVATO, Elinaldo. A Família Cristã e os ataques do inimigo. CPAD.

SENNA, Arnaldo. Alerta Geral: seu filho pode estar brincando com o perigo. CPAD.

STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD.

VINE, W.E, et al. Dicionário Vine. CPAD.

Publicado no site da IEADPE Limoeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.