Esperando a Volta de Jesus – Francisco A. Barbosa

Esperando a Volta de Jesus – Francisco A. Barbosa

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

TEXTO ÁUREO

E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo(1Ts 5.23). ). [Comentário: A correção plena de todas as imperfeições humanas não só é possível como certa, Deus é fiel e a completará (v 24). Deve-se considerar o elemento tempo. A perfeição final incluirá um corpo glorificado e será alcançada na segunda vinda de Jesus Cristo (Fp 1.6). A Bíblia de Estudo Plenitude (SBB) traz a seguinte nota a este versículo: “A oração final de Paulo é de que seus convertidos possam ser inteiramente santificados, isto é, que todo o seu ser – corpo, alma e espírito – possa ser apresentado à vontade de Deus. O poder para esse acontecimento deve vir do Deus de paz. ‘Paz’ significa prosperidade espiritual no sentido mais amplo.” Bíblia de Estudo Plenitude-SBB, pág. 1255. Note o leitor que o agente da santificação é Deus mesmo – E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo. O Dicionário Strong assim define o termo santidade: “hagiosune; Strong 42: O processo, qualidade e condição de uma disposição sagrada e a qualidade da santidade na conduta pessoal. É o princípio que separa o crente do mundo. Hagiosune nos consagra ao ministério de Deus no corpo e na alma, encontrando realização em dedicação moral a uma vida comprometida à pureza. Ela faz com que cada componente de nosso caráter seja submetido à inspeção divina e receba sua aprovação”.]

VERDADE PRÁTICA

Com relação à volta de Jesus, só há dois tipos de crentes: os que serão arrebatados e os que ficarão.

LEITURA DIÁRIA

Segunda — Jo 14.3 – Jesus prometeu voltar para buscar todos aqueles que são seus

Terça — Mt 24.43,44 – A volta de Jesus será uma surpresa para muitos

Quarta — 1Pe 3.15 – Saber testemunhar a respeito da nossa esperança

Quinta — Jo 13.34,35 – Amor ao próximo é o que identifica os discípulos de Jesus

Sexta — 2Pe 3.3,4 – A falta de esperança na vinda do Senhor gera incredulidade

Sábado — Mt 24.12 – O esfriamento do amor é um dos sinais da segunda vinda de Jesus

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Mateus 24.42-46.

42 — Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor.

43 — Mas considerai isto: se o pai de família soubesse a que vigília da noite havia de vir o ladrão, vigiaria e não deixaria que fosse arrombada a sua casa.

44 — Por isso, estai vós apercebidos também, porque o Filho do Homem há de vir à hora em que não penseis.

45 — Quem é, pois, o servo fiel e prudente, que o Senhor constituiu sobre a sua casa, para dar o sustento a seu tempo?

46 — Bem-aventurado aquele servo que o Senhor, quando vier, achar servindo assim.

HINOS SUGERIDOS

157, 206 e 623 da Harpa Cristã.

OBJETIVO GERAL

Compreender que a volta de Jesus é iminente.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.

  • I. Mostrar que precisamos aguardar a volta do Senhor com fé e perseverança;
  • II. Explicar algumas atitudes errôneas diante da vinda de Jesus;
  • III. Compreender as atitudes do servo fi el ante a volta do Senhor.

INTERAGINDO COM O PROFESSOR

Você crê na vinda iminente de Jesus? Então, não terá dificuldades em ensinar a lição de hoje. Infelizmente, muitos crentes já não creem mais na segunda vinda de Jesus. Porém, a certeza da vinda de Cristo é a nossa real esperança. Ele virá e nos levará para o céu. Você almeja o céu? Definitivamente, este mundo tenebroso não é para nós. No céu não haverá mais dor, perda, sofrimento, morte, etc. As intempéries da vida vão ficar para trás.

É importante ressaltar, no decorrer da lição, que temos de esperar o Salvador em santidade. Enquanto ainda estivermos neste mundo temos de ter uma vida irrepreensível, corpo, alma e espírito. Também não podemos deixar de produzir frutos, trabalhando na seara do Mestre. Ainda temos muito trabalho a fazer. Existem muitos povos, tribos e nações que não conhecem nada ou quase nada a respeito da Palavra de Deus. Como estes ouvirão e poderão aguardar a vinda de Jesus com alegria se não há quem pregue?

COMENTÁRIO

INTRODUÇÃO

Ninguém sabe o dia e a hora em que Jesus voltará. A Palavra de Deus não nos revela quando se dará esse grandioso acontecimento. Logo, é indispensável estarmos preparados para aquele dia que tanto ansiamos. Precisamos viver em santidade, pois Jesus poderá voltar nesse minuto em que você está lendo esta lição. Você está preparado?

Infelizmente, há muitos cristãos que não estão preparados para subir ao encontro do Salvador. Estes estão descuidados, adormecidos, assim como as “virgens loucas” da parábola de Mateus 25. Muitos estão sem o azeite, que representa o Espírito Santo. Outros negligenciam o testemunho cristão e acabam por escandalizar o Evangelho. No entanto, a volta de Jesus será repentina. A surpresa é o fator preponderante. Por isso, a santificação é o requisito fundamental para o encontro com o Senhor nos ares, em sua volta (1Ts 5.23).[Comentário: Nosso tempo é marcado por muitas pessoas – dentro e fora da Igreja – que não conseguem discernir a urgência destes dias, conseguindo apenas olhar, enquanto que a necessidade é de ver aquilo que de fato está acontecendo, percebe-se o distanciamento do culto, da oração e da própria pregação do significado urgente do arrebatamento da Igreja, em um momento onde as pedras começam a clamar, os sinais começam a se avolumar, e o cenário apocalíptico começa a se formar; os sinais se intensificam. Na verdade, não existe vida cristã sem santidade! Então, quando se afirma que há dois tipos de crente, na verdade esta afirmativa é um sofisma, já que o que caracteriza um crente genuíno é a santidade – ela faz com que cada componente de nosso caráter seja submetido à inspeção divina e receba sua aprovação – se não há aprovação divina, não é um crente genuíno – e este não subirá ante o ressoar da última trombeta! Pelo texto áureo sabemos que a santificação tem como agente o próprio Deus. Nesta introdução, há uma afirmativa do comentarista que me chamou a atenção: “Muitos estão sem o azeite, que representa o Espírito Santo”. Fica claro que este não é crente, não nasceu de novo, não se tornou morada, templo do Espírito Santo. Agora resta uma pergunta: Quem será arrebatado? A bíblica é enfática ao afirmar que a Igreja toda, não apenas os que estiverem vivos, mas também os que já dormem (1Co 15.52; 1Ts 4.16). Em nenhum lugar a Bíblia ensina que um verdadeiro filho de Deus poderá ser deixado para trás. O Espírito Santo nos diz, através de Paulo: “todos seremos transformados.” (1Co 15.51). Você crê nisto? Não podemos pensar que o Senhor Jesus viria buscar uma Noiva incompleta, imperfeita — todos os salvos fazem parte da Igreja do Senhor, da Sua Noiva, e todos serão levados. É claro que “nem todo o que me diz ‘Senhor, Senhor’ entrará no reino dos céus” (Mt 7.21); há muitos que dizem ser cristãos, mas não o são. Todo verdadeiro filho de Deus, porém, que já é nascido de novo, será arrebatado; ninguém será deixado, embora alguns irão ter que se envergonhar naquele dia (1Jo 2.28).] Let’s think maturely Christian faith?

PONTO CENTRAL

Esperando a volta de Jesus de modo irrepreensível.

  1. AGUARDANDO A VOLTA DO SENHOR
  2. Com fé e vigilância. Jesus exortou os discípulos a serem vigilantes. Ele afirmou: “Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor” (Mt 24.42). Por não sabermos a data da segunda Vinda de Jesus, temos de ter uma conduta ilibada em nosso dia a dia. Temos que aguardar a volta de Cristo em santidade e com o coração repleto de fé. Precisamos também desejar a volta de Cristo, como os crentes de Tessalônica. Eles ficaram tão convictos e anelantes ante a mensagem que os missionários lhes pregaram concernente à segunda Vinda de Cristo, que entendiam que a mesma ocorreria naqueles dias enquanto estavam vivos (1Ts 4.15,17). [Comentário: O Senhor Jesus Cristo, depois da Sua morte e ressurreição, “assentou-se à destra da majestade nas alturas” (Hb 1.3), e hoje intercede por nós. Mas como é maravilhoso lembrarmos do fato de que “esse Jesus que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir como para o céu o vistes ir” (At 1.11). Ele foi para junto do Pai, mas prometeu que voltaria para nos buscar (Jo 14.3). Não há como negarmos esta verdade. Além do testemunho dos anjos (At 1.10,11) e dos apóstolos (1Co 15.51-52; 1Ts 4.13-18), o nosso Salvador mesmo prometeu que voltaria (Jo 14.3). Ele próprio disse: “Certamente cedo venho” (Ap 22.20). Verifique o leitor que, o que nos leva a ter uma conduta ilibada em nosso dia a dia não é o fato de não sabermos o dia em que o nosso Senhor virá, mas sim o fato de sermos chamados à santidade – “Portanto, cingindo os lombos do vosso entendimento, sede sóbrios, e esperai inteiramente na graça que se vos ofereceu na revelação de Jesus Cristo; Como filhos obedientes, não vos conformando com as concupiscências que antes havia em vossa ignorância; Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver; Porquanto está escrito: Sede santos, porque eu sou santo”. (1Pe 1,13-16]
  3. Cheio do Espírito Santo. Jesus ensinou a Parábola das Dez Virgens (Mt 25) para mostrar o que significa estar pronto para o seu retorno. Com esta parábola também aprendemos que cada um de nós é responsável, diante de Deus, por sua condição espiritual. As virgens prudentes representam os crentes fiéis, que esperam a vinda de Jesus em santidade e cheios do Espírito Santo. As prudentes tinham azeite em suas vasilhas. Este azeite representa a presença do Espírito Santo. As virgens “loucas” ou imprudentes tinham azeite, mas era pouco, suas lâmpadas logo se apagariam (Mt 25.8). As loucas representam os crentes descuidados quanto à vinda de Jesus (o Noivo) e que permitem que a chama do Espírito se extinga: “E, tendo elas ido comprá-lo, chegou o esposo, e as que estavam preparadas entraram com ele para as bodas, e fechou-se a porta” (Mt 25.10). Sem a presença do Espírito Santo é impossível o crente esperar a vinda de Jesus de forma santa.[Comentário: A demora da volta de Cristo distingue o sábio do tolo. Estar pronto significa estar preparado para uma longa espera; o zelo de pouca duração é inadequado. Note o leitor que, o termo vigiai, denota um estado ativo, e não espera passiva, como denota os versículos 45 a 51. Quero levá-lo a olhar para esta parábola por outro ângulo: O objetivo da parábola é encontrado no versículo 13; em vista do atraso da parousia (24.48; 25.5), estejam preparados e atentos, pois não sabeis o dia nem a hora! Deus não nos fornece a data do Arrebatamento, e não nos compete conhecê-la. Mas uma coisa é bem clara: o próximo acontecimento no plano profético que Deus nos revela na Sua Palavra é o Arrebatamento. Os apóstolos acreditavam que estariam vivos no Arrebatamento, e esta também deveria ser a nossa atitude, vivendo cada dia como se fosse a última oportunidade que teríamos de servir Àquele que morreu por nós, a última chance de ajudarmos alguém a conhecer ao Senhor Jesus Cristo. Ele disse: “Certamente cedo venho” (Ap 22.20). “E agora, filhinhos, permanecei nEle, para que quando Ele se manifestar, tenhamos confiança e não sejamos confundidos por Ele na Sua vinda (1Jo 2.28).]
  4. Em santidade e em amor. Ser santo é ser separado, consagrado para o Senhor. A Palavra de Deus nos exorta a sermos obedientes e santos em toda a nossa maneira de viver (1Pe 1.13-15). Sem santidade ninguém poderá ver o Senhor (Hb 12.14). Santidade é condição indispensável a quem se diz crente e deseja ir para o céu, ao encontro do Senhor Jesus. Que jamais venhamos a amar a prática do pecado, pois Jesus está às portas.

O que identifica um crente que vive uma vida santa? O que identifica uma pessoa santa é antes de tudo, o seu amor altruísta. Jesus disse: “Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis. Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros” (Jo 13.34,35). É o amor que identifica se somos ou não um cristão. Quem não ama seu irmão não experimentou o novo nascimento, logo precisa se converter a Jesus Cristo e nascer de novo (1Jo 2.9,11). [Comentário: Como saber se sou um verdadeiro cristão? Escrevendo aos crentes que passavam por severos testes de sua fé, o apóstolo Pedro exortou os cristãos à santidade como um meio apropriado para suportar suas provas. Em vez de deixar uma recomendação fácil, ele instou: “Segundo é santo aquele que vos chamou, tornai-vos santos também vós mesmos em todo o vosso procedimento” (1Pe 1.15). Como eu poderei realizar isso? É Pedro que nos explica como (1Pe 1.22-2.10): “Amai-vos, de coração, uns aos outros ardentemente” (1Pe 1.22); “Despojando-vos, portanto, de toda maldade e dolo, de hipocrisias e invejas e de toda sorte de maledicências, desejai ardentemente, como crianças recém-nascidas, o genuíno leite espiritual, para que, por ele, vos seja dado crescimento para salvação” (1Pe 2.1-2), e “Chegando-vos para ele, a pedra que vive… também vós mesmos, como pedras que vivem, sois edificados casa espiritual” (1Pe 2.4-5).]

SÍNTESE DO TÓPICO (I)

Aguardando a volta do Senhor com fé e vigilância.

SUBSÍDIO DIDÁTICO

Professor, para tornar o ensino mais dinâmico e participativo, faça antes de iniciar o tópico, a seguinte indagação: “Temos de nos preocupar com a data da volta de Jesus ou em estar preparados para sua vinda?”. Ouça os alunos com atenção e explique que durante o sermão do Monte das Oliveiras, Jesus mostrou que a nossa preocupação deve ser com o estar preparado. Se desejar, leia o texto a seguir para os alunos: “Jesus estava no Monte das Oliveiras, exatamente no lugar onde o profeta Zacarias havia predito que o Messias estaria quando viesse estabelecer o seu Reino (Zc 14.4). Era o momento apropriado para os discípulos perguntarem a Jesus quando Ele viria com todo o seu poder e o que poderiam esperar dEle. A resposta de Jesus enfatizou os acontecimentos antes do final daquela era. Ele lhes recomendou que se preocupassem menos com a data exata, e mais em estar preparados para a ocasião; deveriam viver totalmente de acordo com os mandamentos de Deus, para que estivessem prontos para a sua volta” (Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal. RJ: CPAD, p.1267).

  1. ATITUDES ERRÔNEAS DIANTE DA VINDA DE JESUS
  2. Ignorar a vinda de Jesus. Certa vez, ao ensinar a respeito do seu retorno (Mt 24.45-51), Jesus contou uma parábola sobre um servo fiel e prudente e um mau servo. Quem é o mau servo? Jesus mostra que é aquele que diz: “O meu senhor tarde virá” (Mt 24.48). Então, este passa a viver de modo negligente, desatento, maltratando seu conservos e completamente alheio à volta de seu senhor. Muitos, infelizmente, estão vivendo como o “mau servo” da parábola. Porém, a este, diz o Senhor: “Virá o senhor daquele servo num dia em que o não espera e à hora em que ele não sabe, e separa-lo-á, e destinará a sua parte com os hipócritas; ali haverá pranto e ranger de dentes” (Mt 24.50,51). Nestes tempos de sinais evidentes da proximidade da vinda de Jesus, há muitos que estão “brincando” de ser crentes, ignorando a iminente vinda do Senhor e agindo como o mau servo. Viva com responsabilidade! Siga o exemplo do servo fiel e prudente e jamais negligencie a obra de Deus nem se embarace com as coisas deste mundo (Mt 24.45,46).[Comentário: Amar significa colocar o bem-estar de alguém acima do seu. O amor próprio é uma força poderosa em nossos corações, forte o bastante para fazer com que, mesmo os irregenerados, amem aos que os amam: “E se amardes aos que vos amam, que recompensa tereis? Também os pecadores amam aos que os amam.” (Lc 6.32). “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16). Os filhos de Deus tornam-se santos, separados para Ele, quando seguem Seus passos e amam aos outros. Aliás, esta era a oração de Paulo pela Igreja de Filipos: “E também faço esta oração: que o vosso amor aumente mais e mais em pleno conhecimento e toda a percepção, para aprovardes as coisas excelentes e serdes sinceros e inculpáveis para o Dia de Cristo” (Fp 1.9-10). Devemos ser afetuosos uns com os outros em amor fraternal, somos irmãos, porque te­mos o mesmo Pai.]
  3. Escarnecer das profecias. A Palavra de Deus nos alerta que nos últimos dias haveria homens escarnecedores: “Sabendo primeiro isto: que nos últimos dias virão escarnecedores, andando segundo as suas próprias concupiscências, e dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? Porque desde que os pais dormiram todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação” (2Pe 3.3,4). O apóstolo deu como resposta o ensino bíblico, que indica a matemática de Deus quanto à contagem dos tempos, dizendo: “Mas, amados, não ignoreis uma coisa: que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos, como um dia” (2Pe 3.8). Há teólogos contemporâneos, que dizem que a volta de Jesus é apenas uma utopia. Isso é escarnecer dessa verdade bíblica. [Comentário: Os falsos mestres destes últimos dias ridicularizam a promessa profética da vinda do Senhor levando em consideração o aparente atraso. A matemática divina é mais elevada do que a humana. A perspectiva divina sobre a passagem do tempo responde o criticismo dos escarnecedores nos versículos 3-4 de 2Pe 3. O ‘atraso’ da vinda do Senhor é uma reação humana ao cálculo divino. Muitos irão se envergonhar, mas que nós possamos estar preparados, servindo fielmente ao nosso Senhor, e termos “ousadia” quando Ele voltar.]

SÍNTESE DO TÓPICO (II)

Muitos crentes, erroneamente, ignoram a vinda de Jesus e escarnecem das profecias.

SUBSÍDIO ESCATOLÓGICO

“Cinco ilustrações em forma de parábola

Ao fim de seu discurso acerca da Tribulação e de sua segunda vinda, Jesus apresentou cinco parábolas como ilustração do que Ele acabara de ensinar. Houve a parábola da figueira (Mt 24.32-35), a ilustração sobre os dias de Noé (24.36-39), a comparação entre os dois homens e as duas mulheres (24.40,41), a ilustração do vigia sempre alerta (24.42-44) e a parábola do servo fiel e prudente (24.45-51). Todas estas ilustrações estão relacionadas às doutrinas ensinadas por Cristo em Mateus 24” (LAHAYE, Tim. Enciclopédia Popular de Profecia Bíblica. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2008, p.139).

III. ATITUDES DO SERVO FIEL ANTE A VOLTA DO SENHOR

  1. Ter uma vida irrepreensível. Isso só é possível na vida do crente através do poder redentor, libertador e purificador do sangue de Jesus mediante a fé. Tomemos como exemplo a vida do apóstolo Paulo. Ele tinha uma vida correta; não dava lugar à repreensão, censura, ou à crítica pertinentes. Certa vez, ele afirmou que andava “diante de Deus com toda a boa consciência” (At 23.1). No capítulo 5 da Primeira Epístola aos Tessalonicenses, ele exorta os crentes a serem também irrepreensíveis: “E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo” (1Ts 5.23). Não é somente o seu corpo físico, visível que deve ser conservado puro, mas seu espírito e alma, partes invisíveis, também devem ser conservados corretos.

Há crentes que são como os “sepulcros caiados”, pois em seu interior, em sua alma e espírito, há somente podridão. Estes são arrogantes, invejosos, amargurados, cheios de ódio, etc. Sejamos santos em todo o nosso ser, pois em breve Jesus virá. [Comentário: O descuido da vida cristã acarreta sérios problemas. O cristão não pode tomar as coisas de qualquer maneira. O nosso cotidiano é sempre uma alternativa entre a vida e a morte. O tempo é curto e a vida terrena é uma preparação para a eternidade. O profeta Jeremias exorta-nos: “Maldito aquele que fizer a obra do Senhor relaxadamente!” (Jr 48.10). Costuma-se dizer que o cristão pode abrasar-se, porém nunca oxidar-se. Jesus, em carta à igreja de Laodicéia, exorta: “Eu repreendo e disciplino a quantos amo. Sê, pois, zeloso e arrepende-te” (Ap 3.19). “Agora, porém, despojai-vos, igual­mente, de tudo isto: ira, indignação, maldade, maledicência, linguagem obscena do vosso falar. Não mintais uns aos outros, uma vez que vos des­pistes do velho homem” (Cl 3.8 e 9).]

  1. Não dar lugar à carne. Atualmente, muitos crentes estão se aproveitando da liberdade cristã para dar ocasião à carne (Gl 5.13). Muitas igrejas não passam de “clubes religiosos”, onde não se vê compromisso nem santidade; “incham” em número, porém não crescem na “graça e conhecimento” (2Pe 3.18). Não se esqueça de que em breve Jesus virá e aqueles que andam segundo a carne não herdarão o Reino de Deus (Gl 5.21). Não podemos nos esquecer de que o mesmo Deus que é amor (1Jo 4.16), é também “um fogo consumidor” (Hb 12.29). [Comentário: “Não ameis o mundo nem as coisas que há no mundo. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele” (1Jo2.15). Note o leitor que, a liberdade cristã não significa que foram retiradas as restrições morais; ela significa liberdade para servir uns aos outros. Se é verdadeiro que o Espírito habita em nós, também é verdadeiro que Ele mesmo nos permite dominar a concupiscência da carne quando nos submetemos continuamente ao seu poder e controle. Quero com isso afirmar que, os que são guiados pelo Espírito farão livremente o que é certo, e não por obrigação ou imposição alguma, portanto, estes já não estão na condenação ou cativeiro. Estar cheio do Espírito, note o leitor, não é em demonstração de dons de poder espirituais, mas é exercitar o fruto do Espírito.]
  2. Dar frutos. Como crentes precisamos dar bons frutos até a vinda de Jesus. As lutas do nosso dia a dia e as tristezas não podem nos impedir de frutificar. Trabalhar na obra do Senhor não é nada fácil; enfrentamos lutas e tristezas, mas logo nos esquecemos de tudo quando vemos almas se rendendo aos pés do Senhor Jesus, sendo batizadas em águas e no Espírito Santo. São, na verdade os frutos, a glória, o gozo, a alegria, e a coroa de todo o nosso trabalho. Trabalhe para o Senhor, seja um semeador. Pregue a Palavra de Deus enquanto é tempo, pois o Dia do Senhor virá, quando não poderemos mais anunciar a salvação. Ainda existem muitas pessoas para serem salvas. Muitos estão esperando para ouvir a respeito do Evangelho. Faça a sua parte, frutifique, ganhe vidas para o Senhor Jesus.[Comentário: Note o leitor que, somente o Espírito Santo pode produzir em nós o Seu fruto, e não nossos próprios esforços. Quando Ele controla completamente a vida do crente, o fruto uno e indivisível é produzido. O Rev Hernandes Dias Lopes escreve: “Israel era a vinha do Senhor. Deus a plantou. Deus a cercou de cuidados, mas Israel produziu uvas bravas. Então, agora, Jesus diz: “Eu sou a Videira verdadeira e meu Pai é o agricultor. Eu sou a videira e vós os ramos.” O Viticultor é o que planta a vinha, ele é o dono da vinha, ele é o que cuida da vinha para que ela produza grande quantidade e com excelente qualidade. Os ramos só têm duas finalidades: eles só servem para produzir fruto ou para serem queimados. Deus, como viticultor espera frutos de nós. […] Qual é a importância de se produzir frutos? Jesus diz: “Eu vos escolhi a vós outros, e vos designei para que vades e deis frutos, e o vosso fruto permaneça” (Jo 15.16). Estamos aqui para cumprirmos os sonhos de Deus e trazermos glória para o seu nome através de uma vida frutífera”http://hernandesdiaslopes.com.br/2010/05/o-processo-da-frutificacao/#.VpW3eE8afIU. Quem serve ao Senhor, está servindo ao seu próximo, e quem serve ao seu próximo está servindo ao Senhor. Jesus coloca esse assunto da seguinte manei­ra: “Em verdade vos afirmo que, sempre que o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes” (Mt 25.40). O salmista, no hino de ingresso ao templo, declara: “Servi ao Senhor com alegria”. Esse sentimento deve ser constante no serviço cristão. O crente deve ter prazer no que faz servindo ao Reino de Deus. Por isso mesmo, aconselha o apóstolo: “Portai-vos com sabedoria para com os que são de fora; aproveitai as oportuni­dades” (Cl 4.5). Alguém já falou que “Quem não vive para servir, não serve para viver”.]

SÍNTESE DO TÓPICO (III)

O servo fiel ante da volta do Senhor procura ter uma vida irrepreensível, dando muitos frutos.

SUBSÍDIO DIDÁTICO

Reproduza o esquema abaixo no quadro. Em seguida faça a seguinte indagação: “Quais são as atitudes que os crentes precisam ter ante a volta de Jesus?”. Ouça seus alunos com atenção. Incentive a participação de todos. Em seguida complete, juntamente com a turma, o quadro. Leia as referências bíblicas com a classe.

CONCLUSÃO

Em breve Jesus virá. Você está preparado para a sua vinda? As consequências de nossas escolhas serão eternas. A salvação é individual. Que o Senhor nos ajude a ter consciência e vivência, dentro do padrão divino para esperarmos a volta de Jesus, conforme os ditames de sua santa Palavra, amando a sua vinda. [Comentário: Por que o Senhor vem nos buscar? Ele mesmo disse: “Para que onde Eu estiver estejais vós também” (Jo 14.3). Nós fomos comprados por Ele, somos um “povo de propriedade exclusiva de Deus” (1Pe 2.9); o Senhor disse: “não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo” (Jo 15.19). Como pertencemos a Ele, e não ao mundo, Ele virá nos tirar do mundo, “e assim estaremos para sempre com o Senhor” (1Ts 4.17). Que estas verdades maravilhosas possam influenciar nossa conduta, e que, “renunciando à impiedade e às concupiscências mundanas, vivamos neste presente século sóbria, e justa, e piamente, aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Salvador Jesus Cristo” (Tito 2.12-13).] “NaquEle que me garante: “Pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus” (Ef 2.8)”,

Francisco Barbosa

Campina Grande-PB

Janeiro de 2016

PARA REFLETIR

A respeito da Escatologia Bíblica, responda:

Jesus exortou seus discípulos a serem vigilantes?

Sim. Ele afirmou: “Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor” (Mt 24.42).

Como devemos aguardar a volta de Jesus?

Com fé e vigilância, cheios do Espírito Santo e em santidade.

O que Jesus desejou mostrar com a Parábola das Dez Virgens?

Jesus ensinou a Parábola das Dez Virgens (Mt 25) para mostrar o que significa estar pronto para o seu retorno.

O que é ser santo?

Ser santo é ser separado, consagrado para o Senhor.

Quais as atitudes do servo fiel ante a volta de Jesus?

Ter uma vida irrepreensível, não dar lugar à carne e dar frutos.

SUBSÍDIOS ENSINADOR CRISTÃO

Esperando a volta de Jesus

Esperar Jesus voltar a qualquer momento influencia o nosso estilo de vida. A grande crise de mornidão espiritual em que vivemos tem a ver com as prioridades de vida de alguns crentes. Quem espera Jesus voltar estabelece prioridades na vida que leve à espera desse encontro; mas quem não espera estabelece outras. A vida é feita de escolhas. E se um crente escolhe viver vigilante quanto à vinda do Mestre, tal estilo de vida perpassará todas as esferas da existência; se não, isso se revelará em sua maneira de viver. Por isso, na aula desta semana você pode iniciá-la perguntando se faz sentido uma pessoa que diz esperar Jesus voltar, se encontrar mergulhada no Materialismo, no Pragmatismo ou no Hedonismo. São posturas diametralmente opostas ao desejo de se encontrar com o Mestre dos mestres. Quem vive, por exemplo, com mente e coração voltados para o estilo de vida do consumismo selvagem, não pode anelar a vida no céu com Jesus. O Reino de Deus não é “comida nem bebida”, mas “justiça, paz e alegria no Espírito”. Note bem: no Espírito!

Quando estamos no Espírito, a cabeça é outra, o pensamento é outro e até mesmo o sentimento é de outra ordem. Vida no Espírito leva em conta a radicalidade de uma existência pautada no Evangelho, levando-o até as últimas consequências. Assim, não há preocupação com status que, com o formalismo exterior nem com nada desta natureza.

A iminência da vinda do Senhor faz brotar em nosso coração uma preocupação maior com a nossa maneira de viver. É saber que a nossa redenção está próxima e que a qualquer momento podemos ser arrebatados para estarmos para sempre com o Senhor. É cultivar a fé para que quando o Filho do Homem vier possa achá-la em nós.

É verdade que a cada dia que se passa tornar-se mais difícil militar a boa causa de Cristo. Os desafios são muitos: o tempo no trânsito, a carga horária do trabalho, os problemas familiares, a corrida desenfreada que as pessoas fazem em nome do dinheiro. Não sobra tempo para si mesmo, para a família nem muito menos para o Deus Altíssimo. Por isso, cultivarmos a esperança na Vinda do Senhor é um antídoto para a alma contra essa avalanche de cultura materialista, pragmática e hedonista. Que quando o Senhor vier ache em nós a fé nEle! Que independente das circunstâncias possamos continuar a guardar a Esperança uma vez entregue aos santos e o coração da ansiedade! Maranata, ora vem Senhor Jesus!

Publicado no blog Auxílio ao Mestre

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *