Contrastes na Adoração da Antiga e Nova Aliança – Luciano de Paula Lourenço

Contrastes na Adoração da Antiga e Nova Aliança – Luciano de Paula Lourenço

Aula 09 – CONTRASTES NA ADORAÇÃO DA ANTIGA E NOVA ALIANÇA

1º Trimestre/2018

Texto Base: Hebreus 9:1-5,14,15,22-28

“E quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e sem derramamento de sangue não há remissão” (Hb.9:22).

INTRODUÇÃO

Dando continuidade ao estudo da Epístola aos Hebreus, estudaremos nesta Aula o capítulo 9. Veremos o contraste entre a adoração a Deus na Antiga Aliança e na Nova. Na Antiga Aliança, o desejo de Deus era que o seu povo o adorasse e tivesse um relacionamento mais profundo com Ele. Por isso, o Criador ordenou que Moisés construísse uma tenda móvel de adoração, o Tabernáculo, que acompanharia o povo durante a longa travessia pelo deserto. Este seria o único lugar onde o povo poderia encontrar-se com Ele e adorá-lo. Cada detalhe, cada peça, o desenho, ou seja, tudo no Tabernáculo tinha um significado, simbolizando uma realidade espiritual. Na Nova Aliança, a adoração está fundamentada na obra de Cristo no Calvário. Na Epístola aos Hebreus o autor detalha alguns principais utensílios do Tabernáculo afim demostrar o sentido da adoração e do serviço sagrado na Antiga Aliança, comparando com a obra de Cristo no Tabernáculo eterno da Nova Aliança.

I. O CULTO E SEUS ELEMENTOS NA ANTIGA ALIANÇA

  1. O culto e seus utensílios.Na Antiga Aliança, a função principal do Tabernáculo era a de servir como o lugar de encontro entre Deus e o homem. Era nesse recinto, relativamente simples, que Deus encontrava-se com seu povo:“…à porta da tenda da congregação, perante o Senhor, onde vos encontrarei, para falar contigo ali” (Êx.29:42). Este lugar era santo, consagrado ao culto de Jeová, o Deus vivo e eterno. Em nossos dias a presença de Deus se manifesta na igreja por meio do Espírito Santo que habita nos crentes (Ef.2:21,22).

O Tabernáculo era composto de três partes principais: o Pátio; o lugar santo e; o Santo dos santos. O autor da Epístola demonstra profundo conhecimento sobre o culto na Antiga Aliança quando fala do tabernáculo e dos seus utensílios. Ele tem em mente estas principais divisões do Tabernáculo (Hb.9:1-5).

a) O Pátio –“Farás também o pátio do tabernáculo” (Êx.27:9). Esse Pátio tinha um formato retangular e media cerca de 45 metros de comprimento por 22,5 metros de largura (Êx.27:18), levando em consideração o valor do côvado de 0,45m.

O Tabernáculo era cercado por cortinas e havia uma única entrada para ele. O Pátio cercado por cortinas simbolizava a separação que deve haver para adoração a Deus. Mattew Henry diz que o “pátio era um tipo da igreja, fechada e separada do resto do mundo, encerrada por colunas, indicando a estabilidade da igreja, fechada com o linho limpo, que está escrito que é a justiça dos santos (Ap.19:8). Esse eram os átrios pelos quais ansiava Davi e onde ele anelava residir (Sl.84:2,10), e onde o povo de Deus entrava com louvor e agradecimentos” (Sl.100:4).

O Pátio ficava na parte mais exterior do Tabernáculo e era descoberto. Isso significa que quem está ali (e a maioria dos crentes ainda estão no pátio) está exposto às intempéries do tempo – sol, chuva, ventos, etc., além de tipificar a primeira experiência que todo homem deve ter para com Deus. Esta fase nos fala que o Pátio é somente uma parte do caminho a ser percorrido, ou seja, ainda é necessário percorrer até o Lugar Santo e, depois, até o Santo dos santos onde está a presença de Deus.

b) O Lugar Santo.Este lugar é uma fase mais interior do Tabernáculo. É ali que adentramos na presença do Eterno, pois todos os mobiliários do lugar santo são de ouro, e o ouro nos fala da divindade, nos fala da realeza e da eternidade. Nesse lugar ficavam o Castiçal de ouro, a Mesa dos pães da proposição e o Altar do incenso. Estima-se que este lugar media 9 metros de extensão.

c) O Santo dos Santos.Este é o lugar mais interior do Tabernáculo. Ali havia somente a Arca do concerto, o objeto mais sagrado de Israel. Neste lugar somente o sumo sacerdote poderia entrar, e apenas uma vez no ano (Hb.9:7), para aspergir sobre o propiciatório (a tampa da Arca) o sangue que havia sido derramado do sacrifício anual feito para expiação dos pecados de todo o povo (Lv.16:14,15; 17:11). Hoje, tal expiação não é mais necessária, porque Jesus, o nosso Sumo Sacerdote por excelência, já entrou na presença do Pai oferecendo o seu próprio sangue como propiciação definitiva pelos nossos pecados (Rm.3:24,25; Hb.9:11-15; 10:10,12), de maneira que todos aqueles que o recebem como único e suficiente Salvador e Senhor, aceitando seu sacrifício em nosso favor e entregando suas vidas totalmente a Ele, têm livre acesso à presença de Deus (Hb.10:19-23).

O culto: seus oficiantes e liturgia.No Tabernáculo, havia toda uma simbologia nos utensílios do antigo culto. Cada objeto e sua localização tinham grande valor simbólico. O escritor da Epístola aos Hebreus mostra o simbolismo do Tabernáculo e do sacerdócio da Antiga Aliança dizendo que são “sombras das coisas celestiais” (Hb.8:5).

Ao tratar do estudo do simbolismo, devemos perguntar-nos: que significam os objetos e ritos para os israelitas? A seguir, qual é o verdadeiro significado do Tabernáculo para os cristãos de hoje? Não nos convém ser dogmáticos ao interpretar os pormenores, mas devemos buscar na medida do possível a interpretação neotestamentária.

a) OS MÓVEIS DO PÁTIO.Mostravam como o homem pode aproximar-se de Deus e restaurar a comunhão com Ele.

– O Altar dos holocaustos. Este era o lugar de completa dedicação a Deus, pois ali se ofereciam os sacrifícios de holocausto que simbolizavam inteira consagração. Os que são perdoados e reconciliados devem seguir os passos daquele que se ofereceu em completa submissão à vontade divina.

O Altar dos holocaustos é o primeiro passo para o homem aproximar-se de Deus; é nele aonde acontece a expiação; sem remissão de pecados não há comunhão com Deus. Sua mensagem é: “Sem derramamento de sangue não há remissão” (Hb.9:22). Para o povo de Deus do Novo Testamento a remissão foi efetuada no Calvário, onde Cristo se sacrificou por nossos pecados. Assim como o homem perseguido podia agarrar-se aos chifres do Altar para escapar do vingador ofendido, o pecador pode agarrar-se simbolicamente à Cruz, e mediante a fé encontrar abrigo seguro para a sua alma. As pessoas que depositam sua fé em Cristo têm um altar (Hb.13:10), e são reconciliadas com Deus mediante a Cruz (2Co.5:18-21) tendo desse modo acesso ao Pai (Rm.5:2).

– A Pia de cobre. O segundo passo para aproximar-se de Deus e preparar-se para ministrar nas coisas sagradas é simbolicamente representado pela Pia de cobre. Ali os sacerdotes se lavavam antes de oficiar nas coisas sagradas. Demonstra que é necessário purificar-se para servir a Deus: “a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor” (Hb.12:14). O crente se limpa “com a lavagem da água, pela palavra” (Ef.5:26), e pela “regeneração” e “renovação do Espírito Santo” (Tito 3:5).

b) OS MÓVEIS DO LUGAR SANTO.Indicavam como a nação sacerdotal podia prestar culto a Deus e servi-lo de uma forma aceitável. Alguns estudiosos da Bíblia pensam que na obra de Cristo encontra-se o simbolismo destes móveis: oAltar do incenso, representa a Cristo, o nosso intercessor; a Mesa dos pães, representa a Cristo, o pão da vida e; o Castiçal,representa a Cristo, a luz do mundo. Apesar da bênção resultante destas interpretações tradicionais, convém-nos buscar o simbolismo dos móveis considerando primeiro a ideia que eles transmitiam aos israelitas e a seguir o que o Novo Testamento indica no tocante a eles.

Tendo em vista que os que oficiavam no Lugar Santo eram os sacerdotes comuns, simbolizando os crentes (1Pd.2:9; Ap.1:6), é lógico considerar que o uso dos móveis desse lugar prefigurava o culto e o serviço dos cristãos.

– Altar do incenso. Estava no centro do Lugar Santo. Este móvel ensina-nos que uma vida de oração é imprescindível para agradar a Deus, já que o incenso simbolizava a oração, o louvor e a intercessão do povo de Deus, tanto no Antigo como no Novo Testamento (Sl.141:2; Lc.1:10; Ap.5:8; 8:3). Assim como o perfume do fumo que o incenso desprendia subia ao céu, os louvores, as súplicas e as intercessões sobem ao Senhor como cheiro agradável.

Duas vezes por dia acendia-se o incenso sobre o altar e provavelmente ardia durante o dia todo. Isto ensina que os filhos de Deus devem ser constantes na oração.

Acendia-se o incenso com o fogo do altar dos holocaustos, o que nos leva a notar que a oração aceitável ao Senhor se relaciona com a expiação do pecado e a consagração do crente.

Também se destaca a importância do fogo para consumir o incenso. Se o incenso não ardia, não havia cheiro agradável. Igualmente, o crente necessita do fogo do Espírito Santo para que faça arder o incenso da devoção (Ef.6:18). As orações frias não sobem ao trono da graça.

Finalmente, observamos que o sumo sacerdote espargia sangue sobre os cantos do altar do incenso uma vez por ano, demonstrando que, embora o culto humano seja imperfeito (Rm.8:26, 27), somos “agradáveis a si no Amado” por seu sangue expiador e sua intercessão perpétua (Ef.1:6, 7; Rm.8:34; Hb.9:25).

– Mesa dos pães da proposição. A frase “pães da proposição” significa literalmente “pães do rosto”, e em algumas versões da Bíblia se traduz “pão da presença”, pois o pão era colocado continuamente na presença de Deus. Os doze pães colocados na mesa representavam uma oferta de gratidão a Deus da parte das doze tribos de Israel, pois o pão era ao mesmo tempo uma dádiva de Deus e fruto dos esforços humanos. Por isso, o povo reconhecia que havia recebido seu sustento de Deus e ao mesmo tempo consagrava a ele os frutos de seu trabalho. Portanto, a mesa dos pães refere-se também à mordomia dos bens materiais.

– O Castiçal de ouro. Simbolizava o povo de Deus, Israel. Ensinava que Israel devia ser “luz dos gentios” (Is.49:6; 60:1-3; Rm.2:19), dando testemunho ao mundo por meio de uma vida santa e da mensagem proclamada do Senhor. O apóstolo João utiliza a figura do castiçal: representa as sete igrejas da Ásia como sete castiçais (Ap.1:12-20); portanto, o castiçal prefigura a Igreja de Jesus Cristo. Assim como o tronco do castiçal unia os sete braços e suas lâmpadas, assim também Jesus Cristo está no meio de suas igrejas e as une. Embora as igrejas locais sejam muitas, constituem uma só Igreja em Cristo. Também Jesus disse aos seus seguidores: “Vós sois a luz do mundo” (Mt.5:14).

Era necessário encher o castiçal com azeite puro de oliveira a fim de que ardesse e iluminasse ao seu redor, continuamente. O azeite é, pois, símbolo do Espírito Santo. Se o crente não tem a presença e o poder do Espírito em sua vida, não será uma boa testemunha. Todos os dias um sacerdote trazia azeite fresco para o castiçal, de modo que a luz ardesse desde a tarde até ao amanhecer (Êx.27:20,21). Do mesmo modo o crente necessita receber todos os dias o azeite do Espírito Santo (Salmo 92:10) para que sua luz brilhe diante dos que andam na escuridão espiritual.

Diante do exposto, nota-se que os móveis do Lugar Santo ensinam como os filhos de Deus podem prestar culto e serviço ao seu Senhor. Todos os aspectos do culto representados por cada móvel são importantes, mas o lugar central que o altar do incenso ocupava parece indicar que a atividade relacionada com este é o mais importante. Como a mesa dos pães e o castiçal ou candeeiro estavam relacionados com o altar do incenso, a consagração e o testemunho do crente estão relacionados com a vida de oração. Se o crente não tem comunhão com Deus, logo deixará de consagrar ao Senhor os frutos de seu trabalho e sua luz deixará de alumiar os homens.

c) OS MÓVEIS DO SANTO DOS SANTOS.Este é o lugar mais interior do Tabernáculo. Ali havia somente a Arca do concerto, o objeto mais sagrado de Israel. Para os israelitas o lugar santíssimo e em especial o propiciatório (tampa da Arca) representavam a imediata presença de Deus. Ali se manifestava a Shekiná (hb. “habitar”), o fogo ou glória de Deus que representava sua própria presença. No Propiciatório, o mais perfeito ato de expiação era realizado uma vez por ano pelo sumo sacerdote. Hoje, tal expiação não é mais necessária, porque Jesus, o nosso Sumo Sacerdote por excelência, já entrou na presença do Pai oferecendo o seu próprio sangue como propiciação definitiva pelos nossos pecados (Rm.3:24,25; Hb.9:11-15; 10:10,12).

– A Arca da Aliança. Era um cofre de 1,15m por 0,70m, construído de acácia e revestido de ouro por dentro e por fora. Sobre a coberta da Arca ficavam dois querubins (seres angelicais) diante um do outro, feitos de ouro, que com suas asas cobriam o local conhecido como “propiciatório”(tampa da Arca). O Propiciatório recebia este nome porque era o lugar da expiação, onde estava simbolizada a misericórdia. Neste lugar Deus manifestava a sua glória. Para o crente de hoje estas coisas servem de “alegoria para o tempo presente” (Hb.9:9), onde Jesus Cristo, nosso Sumo Sacerdote, entrou de uma vez para sempre com seu próprio sangue para fazer propiciação por nossos pecados e expiá-los. É interessante notar a relação que existe entre o “propiciatório” e as palavras do apóstolo Paulo quando disse, referindo-se a Cristo: “ao qual Deus propôs para propiciação” (Rm.3:25). As figuras dos querubins, com as asas estendidas para cima, e o rosto de cada um voltado para o rosto do outro, representavam reverência e culto a Deus.

A Arca só podia ser carregada pelos levitas (Nm.9:15-17; 2Sm.6:1-15), que a carregavam nos ombros, assim como faziam com todas as peças do santuário (Nm.7:9). Dentro da Arca havia três objetos: as duas tábuas da Lei, um vaso com Maná, e mais tarde se incluiu a Vara de Arão. Todos esses objetos lembravam a Israel o concerto firmado no Sinai e o amor de Deus.

  • As tábuas da lei. Simbolizavam a santidade de Deus e a pecaminosidade do homem; também lembravam aos hebreus que não se podia adorar a Deus sem se dispor a cumprir sua vontade revelada.
  • O Maná. Moisés, sob ordens divinas, ordenou que fosse colocado diante do Senhor um vaso contendo um gômer (3,7 litros) cheio de maná (Êx.16:32,33). Este recipiente seria guardado para as gerações futuras. Simbolizava a constante provisão divina. O fornecimento do maná era diário. A lição de Deus para Israel, como também para os cristãos, é que os crentes têm de depender de Deus dia após dia – “O pão nosso de cada dia dá-nos hoje” (Mt.6:11).
  • A Vara de Arão que florescera. A Vara nos fala da autoridade conferida a alguém. A Bíblia diz que Deus fez com que essa Vara miraculosamente florescesse para confirmar diante do povo a chamada de Arão para ser o sumo sacerdote (Nm.17:7-11; Hb.9:4). Nossa autoridade quando colocada diante de Deus brota, aparece para que todos vejam e saibam que nosso ministério foi realmente dado a nós por Deus.

– O Véu. Separava o Lugar Santíssimo do Lugar Santo e excluía todos os homens com exceção do sumo sacerdote; acentuava que Deus é inacessível ao homem pecador. Somente por via do mediador nomeado por Deus e do sacrifício do inocente podia o homem aproximar-se de Deus. Pela obra de Cristo no Calvário, “o véu do templo se rasgou em dois, de alto a baixo” (Mt.27:51). Agora essa separação está desfeita, rasgada, e os crentes têm acesso à presença de Deus (Hb.10:19, 20; 4:14-16; Rm.5:1,2). Aleluia!

II. A EFICÁCIA DO CULTO NA NOVA ALIANÇA

Na Antiga Aliança, os sacrifícios de animais eram a única forma de se aplacar a ira divina contra o pecado e aproximar o homem do seu Criador. Entretanto, tais sacrifícios demonstraram ser ineficazes porque apenas aplacavam temporariamente a ira de Deus, mas não removiam o pecado. Desta forma, havia a necessidade de um sacrifício único, eficaz e perfeito, que propiciasse ao ser humano a certeza da reconciliação com Deus. O autor da Epístola aos Hebreus não apenas apresenta Cristo como o perfeito Sumo Sacerdote, mas como o sacrifício perfeito e plenamente eficaz diante de Deus; sacrifício que tira definitivamente os pecados.

  1. Uma redenção eterna.A diferença entre o culto da Antiga e o da Nova Aliança pode ser vista no contraste entre ambas alianças, quanto à eficácia do sacrifício efetuado, no contexto de cada uma. O pecado é sumamente grave porque é contra Deus. Além do mais, Deus “é tão puro de olhos que não pode ver o mal” (Hb.1:13). O homem que peca merece a morte. Em seu lugar, na Antiga Aliança, morria um animal inocente e essa morte cancelava ou retirava o pecado. Se não fosse pelo sacrifício substitutivo, ficaria anulada toda a possibilidade do homem se aproximar de Deus, um Deus santo. Por mais que o homem se esforçasse por cumprir a lei, fracassaria por sua fraqueza moral. Por isso, enquanto a lei revelava as exigências da santidade de Deus, a expiação por meio do sacrifício substitutivo manifestava a graça divina que cumpria as exigências de Deus.

Todavia, o sistema sacrificial não tirava, realmente, o pecado, “porque é impossível que o sangue dos touros e dos bodes tire os pecados” (Hb.10:4). Somente o sangue do Filho de Deus nos limpa de todo o mal. Não obstante, os sacrifícios tinham valor porque eram como uma promessa escrita de que Deus mesmo proveria o meio eficaz para a retirada permanente do pecado. Tinham valor simbólico até que Jesus oferecesse o verdadeiro sacrifício. Ao deposi­tar sua fé em Deus e em sua provisão, simbolizada pelo sacrifício, o israelita era considerado justo (justificado pela fé). Essa oferta sacrificial somente possibilitava uma purificação temporária, mas o sacrifício de Cristo operou a redenção eterna. Esse sacrifício perfeito, indelével e eficaz foi realizado na cruz. Assim como um sacerdote entrava no Santuário terreno, Cristo levou o sangue ao Santuário celestial. Porém, Ele não levou o sangue de bodes e bezerros, mas o seu próprio sangue. Ele efetuou uma eterna redenção. Os crentes são perdoados com base no derramamento do sangue de Jesus – Ele morreu como o sacrifico perfeito e final. O sacrifício de Cristo foi tão perfeito e eficiente, que nunca precisará ser repetido.

  1. Uma consciência limpa.Os sacrifícios na Antiga Aliança possuíam um aspecto meramente externo, isto é, cerimonial; eles não conseguiam tratar com a parte interna do homem. Na verdade, esses sacrifícios apenas “cobriam” os pecados em vez de removê-los. Por outro lado, o sacrifício de Cristo trata com o problema do pecado em sua raiz. Ele não apenas “cobre” a transgressão, mas a remove. Diz o autor sagrado: “Porque, se o sangue dos touros e bodes e a cinza de uma novilha, esparzida sobre os imundos, os santificam, quanto à purificação da carne, quanto mais o sangue de Cristo, que, pelo Espírito eterno, se ofereceu a si mesmo imaculado a Deus, purificará a vossa consciência das obras mortas, para servirdes ao Deus vivo?” (Hb.9:13,14).

O sacrifício de Cristo fez mais do que purificar cerimonialmente, que é tudo o que as “cinzas de uma bezerra ruiva” podiam fazer (Nm.19:1-10; Hb.9:13); Ele purificou as consciências. Quando o povo sacrificava animais, Deus levava em consideração a fé e a obediência das pessoas, purificava-as do pecado, e as fazia “cerimonialmente” puras e aceitáveis, de acordo com a lei do Antigo Testamento. Mas o sacrifício de Cristo transforma as nossas vidas e as nossas consciências e nos torna puros interiormente. O seu sacrifício é infinitamente mais eficiente do que os sacrifícios de animais no sistema levítico.

Antes de seguirem a Cristo, as pessoas estão cheias de pensamentos, atos e comportamentos pecaminosos; essas obras contaminam as pessoas, fazendo com que precisem da expiação (veja Hb.6:1). Provavelmente, podia ser que as pessoas destinatárias da Epístola tivessem dificuldade em confiar no perdão de Cristo e sentissem a necessidade de fazer alguma coisa por si mesmas. De modo similar, hoje, os cristãos frequentemente tentam apaziguar suas consciências, realizando boas obras, doando dinheiro, vivendo à altura das expectativas dos seus lideres, ou assumindo responsabilidades extras. Para os destinatários da Epístola e para nós, a mensagem é clara: as nossas consciências podem estar puras por causa do que Cristo fez na cruz do Calvário. O Seu sangue purifica e limpa a nossa consciência tornando-a apta para adoração a Deus.

  1. Uma herança eterna.O efeito imediato da purificação interior efetuada pelo sangue de Cristo é visto nas palavras do autor, em Hebreus 9.15: “E, por isso, é Mediador de um novo testamento, para que, intervindo a morte para remissão das transgressões que havia debaixo do primeiro testamento, oschamados recebam a promessa da herança eterna” (Hb.9:15). Os versículos anteriores enfatizaram a superioridade do sangue da Nova Aliança em relação ao sangue da Antiga Aliança. Isso conduz à conclusão de Hb.9:15, que Cristo é o Mediador da Nova Aliança.

Como Cristo serve como nosso Mediador, todos “os chamados recebem a promessa da herança eterna”. A expressão “os chamados” refere-se a todos os que creem em Jesus Cristo e aceitam o seu sacrifício em seu nome. O fato de que são “chamados” aponta para a iniciativa de Deus de dar a salvação. A “herança eterna” é o objetivo final da Nova Aliança – os crentes, um Dia, vivendo no Céu com Deus. Essa herança durará para sempre. Edificantes são as palavras do apóstolo Pedro:

“Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que, segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança incorruptível, incontaminável e que se não pode murchar, guardada nos céus para vós” (1Pd.1:3,4).

III. A SINGULARIDADE DO CULTO DA NOVA ALIANÇA

  1. O Santuário celeste. O culto na Antiga Aliança, com seu santuário terrestre, era apenas uma sombra da qual o santuário celeste é a realidade. Se a adoração no antigo santuário, apesar de suas inúmeras limitações, teve seu valor, quanto mais a adoração que tem como ponto de partida o santuário celeste. Na Antiga Aliança, o sacerdote entrava todos os dias no santuário, isto é, no Lugar Santo, mas só conseguia a remissão parcial e temporal do pecado. O sumo sacerdote entrava somente uma vez por ano no Santo dos Santos e oferecia sacrifícios pelo povo e por si próprio, pois também era pecador (cf. Hb.9:7). Porém, Cristo entrou “no mesmo céu, para agora comparecer, por nós, perante a face de Deus”. Ele é nosso intercessor perfeito (Rm.8:34), juntamente com o outro maravilhoso intercessor, que é o Espírito Santo (Rm.8:27). Afirma o autor sagrado: “Porque Cristo não entrou num santuário feito por mãos, figura do verdadeiro, porém no mesmo céu, para agora comparecer, por nós, perante a face de Deus” (Hb.9:24).
  1. Um Sacrifício superior.Nenhum outro sacrifício, tanto o de animais no Antigo Testamento quanto o de seres humanos na história das nações pagãs, com vistas a alcançar a salvação do homem, teve o êxito de apagar os pecados do passado, do presente e do futuro; so­mente o sacrifício de Cristo foi completo nesse sentido, a ponto de anular uma aliança antiga para inaugurar um novo tempo de relacionamento com Deus, estabelecendo uma aliança nova, superior e perfeita. O sacrifício do Cordeiro de Deus estabeleceu uma Nova Aliança com a humanidade caída, uma aliança baseada não mais em ritos sacrificais, mas na sua graça, amor e misericórdia. Temos, agora, o grande privilégio de podermos nos achegar a Deus diretamente, sem um intermediário terrestre, o sacerdote, e sem a necessidade de que um animal inocente seja morto.

Ao contrário do sistema levítico, o sacrifício de Cristo não necessita ser repetido (Hb.9:25). Se o sacrifício de Cristo tivesse seguido o padrão da Antiga Aliança, Ele teria que padecer muitas vezes. No entanto, o sacrifício de Cristo anulou uma aliança antiga e inaugurou um novo tempo de relacionamento com Deus, estabelecendo uma Nova Aliança, superior e perfeita (Hb.8:6,7,13). Como resultado, Ele uma vez se manifestou e, fazendo isto, aniquilou o pecado para sempre (Hb.9:25). O pecado está mais do que simplesmente expiado, ele está destruído, ele está perdoado e esquecido. Então, vivamos em comunhão com o Pai de modo que seu nome seja glorificado!

  1. Uma Promessa gloriosa. O sacrifício de Cristo foi o momento decisivo na história da humanidade; ela trouxe esperança para os desesperançados. Aqueles que seguem a Cristo têm uma viva e gloriosa esperança. Os cristãos sabem que, da mesma maneira como a morte e o julgamento são certos (Hb.9:27), também o é a sua esperança. Diz o autor aos Hebreus: ”assim também Cristo, oferecendo-se uma vez, para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para a salvação” (Hb.9:28). A frase “os que o esperam” (Hb.9:28) transmite uma advertência, um lembrete para que os leitores permaneçam fiéis a Cristo durante o seu período de provações e perseguições na Terra.

Jesus subiu ao Céu e da mesma maneira aparecerá segunda vez (João 14:1-3; Atos 1:11). Pelo fato de sua morte ter resolvido a questão do pecado de forma completa e definitiva, Ele não precisará cuidar de nossos pecados novamente; a Sua obra foi consumada na Cruz do Calvário. Na verdade, em sua segunda vinda, Ele irá trazer a glorificação aos que o esperam fervorosamente. Quando Jesus voltar, Ele irá proclamar os benefícios plenos da salvação –“Guardemos firme a confissão da esperança, sem vacilar, pois quem fez a promessa é fiel”(Hb.10:23).

CONCLUSÃO

Com Cristo, a adoração a Deus passou a ter uma glória maior do que na Antiga Aliança, pois Ele substituiu os símbolos rituais pela realidade da verdadeira adoração, pois, onde quer que estejamos, carregamos e manifestamos a glória do Senhor em nossa vida; e para que isso se torne uma realidade perene é necessário que os seus mandamentos estejam sempre gravados no fundo do nosso ser.

Adoração a Deus não é um ritual, não é uma celebração externa, mas o resultado de uma obediência a Deus, de uma submissão ao Senhor, de uma vida sincera de devoção e de prática da vontade de Deus. Somente aqueles que estão separados do pecado e separados para Deus tem condições de reconhecer a sua soberania e de servi-lo com coração inteiro. Muitos têm se iludido achando que Deus se agrada se cumprirmos tão somente os deveres litúrgicos, ou seja, se rendermos a Deus um culto formal em alguma igreja. Deus quer de nós, fundamentalmente, sinceridade e obediência à Sua Palavra, pois o obedecer é melhor do que o sacrificar (1Sm.15:22).

Tendo, pois, irmãos, intrepidez para entrar no Santo dos Santos, pelo sangue de Jesus, pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou pelo véu, isto é, pela sua carne, e tendo grande sacerdote sobre a casa de Deus, aproximemo-nos, com sincero coração (…)” (Hb.10:19-22).

———-

Luciano de Paula Lourenço

Disponível no Blog: http://luloure.blogspot.com

Referências Bibliográficas:

Bíblia de Estudo Pentecostal.

Bíblia de estudo – Aplicação Pessoal.

Comentário Bíblico popular (Novo Testamento) – William Macdonald.

Revista Ensinador Cristão – nº 73. CPAD.

Comentário Bíblico Pentecostal. CPAD.

Comentário do Novo Testamento – Aplicação Pessoal. CPAD.

Dr. Caramuru Afonso Francisco. O Sacerdócio eterno de Cristo. PortalEBD_2008.

Paul Hoff . O Pentateuco. Ed. Vida.

Leo G. Cox.  O Livro de Êxodo – Comentário Bíblico Beacon. CPAD.

Victor P. Hamilton. Manual do Pentateuco. CPAD.

Silas Daniel. Uma jornada de Fé (Moisés, o Êxodo e o Caminho à Terra Prometida). CPAD.

Publicado no Blog do Luciano de Paula Lourenço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.