Caim Era do Maligno – Renato Bromochenkel

Caim Era do Maligno – Renato Bromochenkel

INTRODUÇÃO – Se o orgulho é o primeiro dos pecados, a inveja talvez seja o segundo. Logo atrás de si, vem o medo que, não controlado, acaba por gerar o ódio e outros pecados ainda mais deletérios. Antes o invejoso. Agora, o assassino dissimulado e frio. Mais além, o réu confesso. Na terra, clama o sangue do irmão.
Eis a biografia de Caim
Apesar das honras que lhe conferiam a primogenitura, deixou-se ele dominar por uma inveja tola e injustificável. Seus privilégios eram nada desprezíveis. Primeiro filho de Adão, cabia-lhe, entre outras coisas, a herança messiânica Se ele tivesse permanecido fiel, estaria hoje entre os ancestrais de Cristo. Mas, agindo como agiu, foi arrolado como o primeiro descendente espiritual de Satanás.

Caim inaugurou a galeria dos grandes criminosos da História, tendo bem ao seu lado Nero, Herodes, Napoleão, Stalin, Hider, entre outros facínoras. Seus imitadores acham-se também entre os que, em nossas igrejas, matam espiritual e moralmente o seu irmão.
I. MULHER, AUXILIADORA DE DEUS
No processo dialético da tentação, Satanás intentou enredar Eva na luta contra o Reino de Deus. O Senhor, porém, interveio de pronto, colocando inimizade entre a mulher e a serpente (Gn 3.15). Foi nessa inimizade que germinou a amizade entre Deus e a raça humana Jesus Cristo.
I. Inimiga da serpente. O que teria acontecido se o Diabo tivesse aliançado Eva em sua luta contra Deus? A mulher, usada pelo Maligno, não teria permitido a propagação da espécie humana. E, dessa forma, Satanás e seus anjos não demorariam a apossar-se da Terra que Deus criara para manifestar o seu Reino.
O Senhor, todavia, intervém e desfaz, ali mesmo no Eden, o motim que visava transformar-lhe o Reino no império de Satanás. A partir daquele momento, o inimigo perde uma aliada, ao passo que Deus ganha uma grande auxiliadora
2. Auxiliadora de Deus. Em conseqüência da Queda, a mulher deprava-se não total, mas essencialmente Apesar dos efeitos daninhos do pecado, a graça divina estaria sobre ela, fortalecendo-a na execução da vontade divina. Eva ergue-se para glorificar o Criador através da maternidade (1 Tm 2.15).
3. Teóloga da maternidade. Depois da queda, não encontramos nenhuma declaração do homem. Adão simplesmente se cala Até mesmo quando Caim matou Abel, cala-se e nada diz. Ele certamente muito lamentou a perda de ambos os filhos: o caçula, à sepultura,- o primogênito, ao crime. Mesmo assim, silencia-se dolorosamente Conquanto excelente teólogo e governador do mundo, nenhum comunicado emite; emudecido, prefere chorar a irreparável perda
De Eva, porém, temos duas declarações teológicas. Ao dar à luz o primogênito, declara ‘Adquiri um varão com o auxílio do Senhor” (Gn 41). Em sua primeira declaração, há pelo menos três proposições: 1) Deus é o autor da vida; 2) o filho, que agora embala, não é seu; pertence ao Senhor; e, 3) ela coloca-se no lugar de serva e auxiliadora do Criador no povoamento da Terra.
A segunda declaração da mulher, também, é carregada de significados teológicos. Após a morte do caçula e a perda do primogênito ao Maligno, assim acolhe o pequenino Sete: “Deus me concedeu outro descendente em lugar de Abel, que Caim matou” (Gn 4.25). Ela demonstra, uma vez mais, sua grande acuidade teológica: 1) a intervenção divina nos negócios humanos; 2) a punição dos culpados; e, 3) a continuidade do Plano de Salvação através de sua semente.
Em suas declarações, não é difícil vislumbrar um pequeno Magnífícat Não obstante o luto que lhe ia na alma, encontra motivos para glorificar a Deus por sua bondade e amor. Temos, em Eva, uma figura de Maria, mãe de Jesus.
II. CAIM É GERADO ESPIRITUALMENTE POR SATANÁS
Não foi apenas Eva que supôs fosse Caim a semente anunciada pelo Senhor. Satanás deve ter chegado à mesma conclusão. Por isso, se não pôde ter a mulher como aliada, por que não lhe cooptar o filho? E, assim, começa o inimigo a frondar sua árvore de famosos descendentes espirituais: Caim, o primeiro. Ao longo dos séculos, brotariam o Faraó do Êxodo, Nero, Adia, Napoleão, Stalin, Hider e muitos de nossos contemporâneos.
I. A cooptação de Caim. E bem possível que o maligno haja iniciado a cooptação de Caim, quando este ainda era bebê Bom psicólogo, observou-lhe as reações. Fez-se presente em sua infância, não se ausentou de sua adolescência e, em sua juventude, soube como trabalhar-lhe a inveja, o ódio e o ímpeto homicida E, dai para o ato criminoso, não precisou de muito esforço. Segundo Tiago, o pecado nasce paulatina e imperceptivelmente CI g 1.13-15).
O Diabo cristalizou os sentimentos de Caim num ódio mortal contra Abel. Infelizmente, o mesmo vem ocorrendo em alguns lares cristãos. Ainda infantes, irmãos levantam se uns contra os outros. Quanto aos pais, nada fazem Alguns até incentivam a rivalidade entre os filhos, para que estes sejam agressivos e predadores. E o resultado não poderia ser mais trágico. Há pais que, ao invés de uma Bíblia, dão ao filho uma arma Enquanto redijo estas linhas, a sociedade americana chora a morte de oito cristãos negros da Igreja Metodista Episcopal Emanuel, na Carolina do Sul. O jovem Dylann Roof matou-os com a pistola que lhe dera o pai. Em sua alma, o ódio racial e diabólico.
E provável que Satanás haja tentado cooptar também Abel. Este, todavia, observando os conselhos paternos, não lhe dera guarida O tentador, não se dando por vencido, propõe-se a destrui-lo pelas mãos de Caim Dessa maneira, imaginava o Maligno, poderia comprometer de vez a germinação da semente da mulher. Abel seria destruído, morrendo; Caim, matando.
2. Um perfeito aliado de Satanás. Se não pode ter Eva como aliada, por que não o seu primogênito? Havendo, pois, o Diabo trabalhado a religiosidade de Caim, já o tinha como aliado. Agora, poderia contrapor-se ao estabelecimento do Reino de Deus, que viria através da semente da mulher.
Caim, portanto, aliou-se a Satanás. Fez-se tão diabo quanto o próprio Diabo. Assim ocorre com os que, desprezando a Deus, pecam e fecham-se ao arrependimento. Aos tais, a perdição eterna Caim, além da depravação essencial, totalmente depravou-se ao ignorar o apelo divino.
III. O PRIMEIRO HOMICÍDIO
Por que Caim matou Abel? João é direto e desconcertante “Porque as suas obras eram más, e as de seu irmão, justas” (1 Jo 3.12). Sendo Caim do Maligno, como haveria de aturar o irmão, cujas obras evidenciavam uma fé viva e santa? Logo, ele não se fez do Maligno por haver matado Abel. Ele o assassinou porquanto já era do Maligno. Afinal, o Diabo jamais se comprouve na verdade; matar, mentir e roubar faz parte de sua natureza corrompida e totalmente depravada Mas Caim, advertido por Deus, poderia ter evitado aquele desatino.
1. Advertência divina. Deus amava tanto Caim quanto Abel. Não queria um assassino, nem desejava um assassinado, pois tinha um plano específico para cada um deles. Por isso, adverte Caim “Por que andas irado, e por que descaiu o teu semblante 1 Se procederes bem, não é certo que serás aceito? Se, todavia, proceder es mal, eis que o pecado jaz à porta; o seu desejo será contra ti, mas a ti cumpre dominá-lo” (Gn 4).
A que assemelharei o pecado? Em nada difere da víbora que, astuta e paciente, espera o incauto abrir a porta, a fim de morder-lhe o calcanhar. Por isso mesmo, fiquemos longe de seu bote quase sempre certeiro. Caim, porém, brincou com o pecado; menosprezou a advertência divina. Em sua alma, já havia matado o irmão. Na intenção, já era um assassino duplamente qualificado. Não obstante, tanto o seu coração, quanto a sua intenção ainda poderiam ser mudados. Ele, porém, recusou-se a ouvir a voz de seu Criador.
2. O crime. Até aquele momento, a morte de um ser humano só era conhecida teoricamente. Adão e Eva sabiam que, por haverem desobedecido ao Senhor, teriam de enfrentá-la eventualmente Eles achavam que viriam a morrer naturalmente, como naturalmente morriam os animais. Afinal, carcaças sempre eram achadas nos campos e nos arredores de sua habitação.
Como sua dieta era vegetal, os primeiros humanos não tinham necessidade de abater aves e animais. Matar ainda não era técnica nem arte Aliás, suponho que os próprios animais, dóceis como eram, não se predavam uns aos outros. Entretanto, o homem estava prestes a tornar-se o lobo do homem Achava na iminência de transformar sua enxada e relha numa espada
Nessa época, o único que sabia matar era Abel. Sendo ele pastor de ovelhas, das primícias destas apresentava regularmente uma oferenda ao Senhor. Não sei quantos cordeiros santificara em sua adoração. Mas, certamente, aprendera a imolá-los no aliar que, rusticamente, construíra Caim, que o observava atentamente, não demorou a premeditar o assassinato do irmão: Por que não matar Abel como Abel matava suas ovelhas? Por que não sacrificar o sacrificador?
O autor sagrado assim descreve o primeiro homicídio da história “Disse Caim a Abel, seu irmão: Vimos ao campo. Estando eles no campo, sucedeu que se levantou Caim contra Abel, seu irmão, e o matou” (Gn 4- 8). O que Caim queria mostrar a Abel no campo’ 1 A lavoura ou a nova lavragem? Mas, ali mesmo, adiantando-se, mata o irmão. Que instrumentos usou 7 Os instrumentos do pastoreio ou os petrechos da agricultura 7
3. A desculpa do assassino. Caim racionaliza o seu pecado. Após ter assassinado Abel, retoma as lides do campo como se nada tivesse acontecido. Não sei que desculpa dera aos pais acerca do sumiço do irmão. Talvez dissesse que este achava-se errante à procura da centésima ovelha. Não age assim o bom pastor? Deus, porém, não se deixa embair por nossos álibis e pretextos. Onisciente e onipresente, Ele nos conhece as ações; vê-nos os pecados; não nos ignora as intenções homicidas.
Vem o Senhor, então, e pergunta-lhe: “Onde está Abel, teu irmão’”’ (Gn 4 9). E bem provável que Caim, ao ser arguido de forma tão direta pelo Autor e Conservador da vida, haja sido tomado pela surpresa Afinal, o seu crime fora executado com requinte, astúcia e muita discrição. Ninguém vira nada. Nem o pai, nem a mãe Talvez ele não soubesse ainda que Deus é tanto onisciente quanto onipresente. Mas, agora, sabe que nada poderá escondê-lo do Juiz de toda a Terra.
Mesmo arguido judicialmente pelo Senhor, desculpa-se Caim “Não sei; acaso, sou eu tutor de meu irmão’”’ (Gn 4 9). Em sua resposta, descortinamos uma filosofia violenta e contrária à lei do amor, Em primeiro lugar, Caim encobre o seu pecado com outro pecado. Embora soubesse onde estava seu irmão, mente. O corpo de Abel jazia nalgum lugar, talvez até insepulto. Em seguida, alega não ter qualquer responsabilidade sobre o irmão mais novo. Diz não ser tutor de Abel. Irmão mais velho, tinha ele, sim, responsabilidade quanto ao caçula da família Caim era tutor de seu irmão. Portanto, deveria ter agido como referência moral e ética de Abel.
IV. A PUNIÇÃO DE CAIM
Não sabemos quantas pessoas habitavam a Terra a essas alturas. O relacionamento humano, porém, já exibia certa complexidade Por isso mesmo, a punição de Caim dar-se-ia em vários níveis: divino, pessoal, doméstico e social. Ele não seria castigado com a morte, mas seria disciplinado por uma vida errante, longe dos pais e distante de Deus.
I. Castigo divino. Se enfrentar um juiz humano já é constrangedor e vexatório, como nos haveremos diante do Juiz de toda a Terra? A situação de Caim é nada confortável. Diante do Criador, o homicida é desnudado. Arguido pelo Autor e Conservador da Vida, desnuda-se ele sem desculpas e sem álibis.
No início do julgamento, pergunta-lhe o Senhor: “Onde está Abel, teu irmão?” Buscando fugir à inquirição divina, responde o homicida, tentando fugir à responsabilidade doméstica e social: “Não sei; acaso, sou eu tutor de meu irmão?” (Gn 4.9). Em sua resposta, sobressaem a mentira e a ignorância
Na verdade, ele bem sabia onde estava Abel. Quanto à sua tola indagação, não precisava de resposta alguma. Na qualidade de irmão mais velho, ele era, sim, como já dissemos, tutor do mais novo. Assim como Judá, mais tarde, haveria de responsabilizar-se por Benjamin, deveria o perverso e desalmado primogênito ter-se dado fraternalmente pelo caçula (Gn 44-32-34).
Em seguida, endereça-lhe o Senhor a segunda pergunta:
“Que fizeste?” Caim sabia o que havia feito quando ele e Abel encontravam-se sozinhos no campo. Julgando-se longe dos olhos dos pais, matara-o. Todavia, Deus, que a todos vê e escrutina, presenciara-lhe o homicídio, qualificando-o como gravemente doloso: ‘A voz do sangue de teu irmão clama da terra a mim” (Gn 4.10). O sangue de Abel fizera-se eloquente e irretorquível; clamava a Deus, não por vingança, mas por justiça Sem outro tribunal a que recorrer, Caim ouve o veredito do Juiz de toda a terra “Es agora, pois, maldito por sobre a terra, cuja boca se abriu para receber de tuas mãos o sangue de teu irmão. Quando lavrares o solo, não te dará ele a sua força,- serás fugitivo e errante pela terra” (Gn 4-11-12).
Ao invés de arrepender-se e pedir misericórdia, Caim julga o castigo divino desproporcional: “E tamanho o meu castigo, que já não posso suportá-lo. Eis que hoje me lanças da face da terra, e da tua presença hei de esconder-me; serei fugitivo e errante pela terra; quem comigo se encontrar me matará” (Gn 4.13,14).
Caim não pede misericórdia; põe-se, contudo, a reclamar da sentença Teme mais as conseqüências temporais do que as penalidades eternas. Como a lei da proporcionalidade ainda não estava em vigor, não seria punido com a morte: ‘Assim, qualquer que matar a Caim será vingado sete vezes. E pôs o Senhor um sinal em Caim para que o não ferisse de morte quem quer que o encontrasse” (Gn 4.15).
Ouvida a sentença, o criminoso retira-se da presença do Senhor e detém-se ao oriente do Eden, onde fundará a primeira cidade humana. Tao perto do paraíso e tão arredado da presença do Senhor.
2. Castigo pessoal Para resguardar Caim de uma vingança futura, dá-lhe o Senhor um salvo conduto: ‘Assim, qualquer que matar a Caim será vingado sete vezes” (Gn 4.15).
A partir daquele instante, o próprio Deus encarregar-se-ia de sua custódia. Se alguém o matar, sete vezes será castigado. E, para que não pairasse qualquer dúvida quanto ao seu salvo-conduto, o Senhor nele apõe um sinal. O que indicava o ideograma divino? Entre outras coisas, que a vida é sagrada da concepção à morte natural.
Caim não seria punido com a morte, mas com a vida. Ninguém o mataria, mas todos haveriam de censurá-lo por haver, covardemente, matado Abel. O seu castigo, além de pessoal, seria também doméstico e social.
3. Castigo doméstico e social. Caim, agora, já não tinha condições de encarar os pais. Por isso, abandona, de vez, a casa paterna e constrói a sua cidade. Doravante, terá de amargar um exílio que o deixaria para sempre longe de Adão e distante de Eva Caim foge sem que o persigam,- esconde-se sem que o procurem,- envergonha-se e cobre-se de opróbrios. O sinal que traz no semblante denuncia-o à vista dos filhos, netos e bisnetos. Ele simplesmente não pode esconder o seu crime.
Seu exemplo replicar-se-ia em sua descendência Apesar do progresso tecnológico alcançado por seus filhos na primeira civilização, fazem-se eles inimigos de Deus. O que dizer de Lameque? Por motivos banais, matou dois homens. Quanto às descendentes de Caim, foram usadas pelo Maligno para desencaminhar os filhos de Deus (Gn 6.1,2).
CONCLUSÃO
Por que Caim matou Abel? Se procurarmos a resposta na psicologia, ou na sociologia, corremos o risco de inocentar o assassino e condenar o assassinado. Mas, se nos voltarmos à Palavra de Deus, encontraremos uma resposta simples, direta e que não deixará margem alguma à dúvida Responde-nos o discípulo do amor: “Porque a mensagem que ouvistes desde o princípio é esta: que nos amemos uns aos outros; não segundo Caim, que era do Maligno e assassinou a seu irmão; e por que o assassinou? Porque as suas obras eram más, e as de seu irmão, justas” (1 Jo 3.12).
Quem mata é do Maligno.
Não me refiro apenas ao homicídio físico. Refiro-me, também, ao homicídio emocional, moral e espiritual. Quantas pessoas, neste momento, não se acham assediadas emocional e moralmente? Há líderes e chefes que em nada diferem de um verdugo; oprimem e matam seus comandados. Quanto ao homicídio espiritual, o que se há para falar?
Não são poucas as ovelhas que, em nossos redis, são vítimas de mercenários e lobos vorazes. Dos maus obreiros, nem os pastores logram escapar.
Eis, portanto, o momento oportuno demostrarmos ao mundo a qualidade de nossa vida espiritual. Discípulos de Cristo, obrigamo-nos a ir além do mero amor, pois o verdadeiro amor não se limita a gostar: amando como Jesus amou, não teme o Calvário. E uma doação contínua que fazemos a Deus e ao próximo.
Quem ama é de Deus, porque Deus é amor.
Publicado no blog A Tribuna Gospel
There is 1 comment for this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *