Abigail, um Caráter Conciliador – Luciano de Paula Lourenço

Abigail, um Caráter Conciliador – Luciano de Paula Lourenço

Aula 08 – ABIGAIL, UM CARÁTER CONCILIADOR

2º Trimestre/2017

Texto Base: 1Samuel 25.18-24,27,28

“A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira” (Pv.15:1).

INTRODUÇÃO

Nesta Aula, trataremos do caráter de mais uma personagem bíblica. Estudaremos o comportamento, o perfil e as atitudes de Abigail, mulher do ímpio Nabal, um homem dominado por um espírito mau, arrogante, insensato, que não se relacionava bem, nem mesmo com sua esposa. Abigail foi uma mulher de bom entendimento e formosa (1Sm.25:3), que demonstrou ser extremamente virtuosa. Ser virtuosa significa ter disposição, ser firme e constante para a pratica do bem; ter boa qualidade moral, ter força, ser pura e eficaz, procurar desenvolver seu potencial, ter vontade, garra para vencer e suplantar obstáculos. É difícil? Muito difícil! Mas não é impossível, se levarmos em consideração que o nosso Criador é o Deus do impossível.

Certa feita, essa extraordinária mulher, utilizando-se do seu caráter conciliador, impediu uma grande tragédia na sua família. A insensatez de seu marido fez com que ele ofendesse Davi e seus liderados, suscitando ira e desejo de vingança. Abigail de forma silenciosa e sutil, impediu o mal decorrente da loucura de seu marido (1Sm.25:18-44). Se não fosse a intervenção sábia de Abigail, toda a família de Nabal teria perecido. Quando a crise familiar chegou, Abigail com coragem e sabedoria, soube tomar as atitudes certas na hora certa. As palavras do sábio se adequa perfeitamente nesta virtuosa mulher: “Toda mulher sábia edifica sua casa, mas a tola derruba-a com a suas mãos” (Pv.14:1). Que nos momentos de crise, venhamos buscar em Deus sabedoria para agirmos com prudência, coragem e de forma pacífica.

I. ABIGAIL, UM POUCO DE SUA HISTÓRIA

A história dessa notável e extraordinária mulher de Deus, nos comove e traz um grande exemplo de prudência para todos nós nos dias atuais. Abigail, cujo nome em hebraico significa “fonte de alegria” ou “exultação”, era uma mulher prudente, sábia, humilde e temente a Deus. Ela era casada, e o seu marido chamava-se Nabal, cujo nome em hebraico significa “tolo, insensato, estúpido”; ele era um homem rico e próspero, porém duro e maligno. Diz o texto sagrado:

E havia um homem em Maom, que tinha as suas possessões no Carmelo; e era este homem mui poderoso, e tinha três mil ovelhas e mil cabras, e estava tosquiando as suas ovelhas no Carmelo. E era o nome deste homem Nabal, e o nome de sua mulher, Abigail; e era a mulher de bom entendimento e formosa, porém o homem era duro e maligno nas obras; e era da casa de Calebe” (1Sm. 25:2,3).

Apesar da extensa riqueza e aparente opulência, Nabal não possuía o menor jeito no tratamento com as pessoas, fossem elas da família, fossem empregados, fossem viajantes. Davi prestou um grande favor a Nabal ao proteger seus rebanhos, que foi pago com afronta, arrogância e desprezo. Certa feita, necessitou alimentar os seus homens e mandou pedir víveres a Nabal. Ao ouvir o pedido de Davi, Nabal encolerizou-se e afrontou-o diante dos mensageiros, negando qualquer apoio (1Sm.25:10,11). Seu comportamento extremamente negativo em relação a Davi demonstrou que o rico Nabal certamente era partidário do rei Saul, e considerava Davi um rebelde cercado de homens desocupados, como nos indica 1Sm.25:10.

Após o falecimento de Samuel, e o rei Saul ter sido rejeitado pelo Senhor, Davi foi escolhido por Deus para substituí-lo. Por esse motivo Saul queria matá-lo. Então, Davi saiu da cidade e passou a habitar nas cavernas do deserto de Parã (1Sm.25:1), acompanhado por um grupo de homens (1Sm.25:13). O acampamento onde Davi estava ficava próximo da fazenda de Nabal, esposo de Abigail. Diz o texto sagrado que Davi mandou dez jovens ir ao encontro de Nabal, para lhe pedir alimentos, mas ele recusou em dar-lhe e deixou os jovens voltar de mãos vazias. Diz o texto sagrado (1Sm.25:5-12):

  1. e enviou Davi dez jovens, e disse aos jovens: Subi ao Carmelo e, indo a Nabal, perguntai-lhe, em meu nome, como está.
  1. E assim direis àquele próspero: Paz tenhas, e que a tua casa tenha paz, e tudo o que tens tenha paz!
  1. Agora, pois, tenho ouvido que tens tosquiadores; ora, os pastores que tens estiveram conosco; agravo nenhum lhes fizemos, nem coisa alguma lhes faltou todos os dias que estiveram no Carmelo.
  1. Pergunta-o aos teus jovens, e eles to dirão; estes jovens, pois, achem graça a teus olhos, porque viemos em bom dia; dá, pois, a teus servos e a Davi, teu filho, o que achares à mão.
  1. Chegando, pois, os jovens de Davi e tendo falado a Nabal todas aquelas palavras em nome de Davi, se calaram.
  1. E Nabal respondeu aos criados de Davi e disse: Quem é Davi, e quem é o filho de Jessé? Muitos servos há hoje, e cada um foge a seu senhor.
  1. Tomaria eu, pois, o meu pão, e a minha água, e a carne das minhas reses que degolei para os meus tosquiadores e o daria a homens que eu não sei de onde vêm?
  1. Então, os jovens de Davi se tornaram para o seu caminho, e voltaram, e vieram, e lhe anunciaram tudo, conforme todas estas palavras.

Esta resposta de Nabal aos homens de Davi foi áspera. A resposta de Nabal foi que Davi era um “ninguém”, e seus homens eram apenas escravos fugitivos. Foi uma tremenda demonstração de ingratidão; Nabal não reconheceu os benefícios recebidos. A ingratidão produz uma dor insuportável no coração. Como é ruim conviver com alguém que não reconhece seus esforços. Gente que “cospe no prato que come”.

Ao receber essa mensagem, Davi ficou sobremodo indignado, e na sua ira determinou, junto com quatrocentos homens, que lhe mataria e destruiria toda a sua casa. Diz o texto sagrado (1Sm.25:13,21,22):

  1. Pelo que disse Davi aos seus homens: Cada um cinja a sua espada. E cada um cingiu a sua espada, e cingiu também Davi a sua; e subiram após Davi uns quatrocentos homens, e duzentos ficaram com a bagagem.
  1. E disse Davi: Na verdade, em vão tenho guardado tudo quanto este tem no deserto, e nada lhe faltou de tudo quanto tem, e ele me pagou mal por bem.
  1. Assim faça Deus aos inimigos de Davi e outro tanto, se eu deixar até à manhã, de tudo o que tem, mesmo até um menino.

Porém um dentre os jovens o anunciou a Abigail, mulher de Nabal, dizendo: Eis que Davi enviou mensageiros desde o deserto a saudar o nosso amo; porém, ele negou alimento a eles. Diz o texto sagrado (1Sm.25:14-17):

  1. Porém um dentre os jovens o anunciou a Abigail, mulher de Nabal, dizendo: Eis que Davi enviou mensageiros desde o deserto a saudar o nosso amo; porém ele se lançou a eles.
  1. Todavia, aqueles homens têm-nos sido muito bons, e nunca fomos agravados deles, e nada nos faltou em todos os dias que conversamos com eles, quando estávamos no campo.
  1. De muro em redor nos serviram, assim de dia como de noite, todos os dias que andamos com eles apascentando as ovelhas.
  1. Olha, pois, agora, e vê o que hás de fazer porque já de todo determinado está o mal contra o nosso amo e contra toda a sua casa, e ele é um tal filho de Belial, que não há quem lhe possa falar.

Abigail, às pressas, saiu ao encontro de Davi, e procurou apaziguar a situação, dando a entender a Davi que seu marido era um homem mau, tolo, sem entendimento, filho de Belial [No Antigo Testamento, “filho de belial” referia-se a pessoas que transgridiam a lei e que desprezavam aqueles que eram bons (Dt.13:13). No Novo Testamento, o termo refere-se a Satanás (2Co.6:15)], mas que ele perdoasse a sua atitude impensável, e que ela estava com bastante alimentos para suplemento dele e dos seus homens. Diz assim o texto sagrado (1Sm.25:18-31):

  1. Então, Abigail se apressou, e tomou duzentos pães, e dois odres de vinho, e cinco ovelhas guisadas, e cinco medidas de trigo tostado, e cem cachos de passas, e duzentas pastas de figos passados, e os pôs sobre jumentos,
  1. e disse aos seus jovens: Ide adiante de mim, eis que vos seguirei de perto. Isso, porém, não declarou a seu marido Nabal.
  1. E sucedeu que, andando ela montada num jumento, desceu pelo encoberto do monte, e eis que Davi e os seus homens lhe vinham ao encontro, e encontrou-se com eles.
  1. Vendo, pois, Abigail a Davi, apressou-se, e desceu do jumento, e prostrou-se sobre o seu rosto diante de Davi, e se inclinou à terra.
  1. E lançou-se a seus pés e disse: Ah! Senhor meu, minha seja a transgressão; deixa, pois, falar a tua serva aos teus ouvidos e ouve as palavras da tua serva.

25, Meu senhor, agora não faça este homem de Belial, a saber, Nabal, impressão no seu coração, porque tal é ele qual é o seu nome. Nabal é o seu nome, e a loucura está com ele, e eu, tua serva, não vi os jovens de meu senhor, que enviaste.

  1. Agora, pois, meu senhor, vive o SENHOR, e vive a tua alma, que o SENHOR te impediu de vires com sangue e de que a tua mão te salvasse; e, agora, tais quais Nabal sejam os teus inimigos e os que procuram mal contra o meu senhor,
  1. e agora esta é a bênção que trouxe a tua serva a meu senhor; dê-se aos jovens que andam após as pisadas de meu senhor.
  1. Perdoa, pois, à tua serva esta transgressão, porque certamente fará o SENHOR casa firme a meu senhor, porque meu senhor guerreia as guerras do SENHOR, e não se tem achado mal em ti por todos os teus dias.
  1. E, levantando-se algum homem para te perseguir e para procurar a tua morte, então, a vida de meu senhor será atada no feixe dos que vivem com o SENHOR, teu Deus; porém a vida de teus inimigos se arrojará ao longe, como do meio do côncavo de uma funda.
  1. E há de ser que, usando o SENHOR com o meu senhor conforme todo o bem que já tem dito de ti e te tiver estabelecido chefe sobre Israel,
  1. então, meu senhor, não te será por tropeço, nem por pesar no coração o sangue que sem causa derramaste, nem tampouco o haver-se salvado meu senhor a si mesmo; e, quando o SENHOR fizer bem a meu senhor, lembra-te, então, da tua serva.

Davi ficou impressionado com o caráter conciliador daquela gentil mulher. Ele louvou a sua atitude sábia e prudente e desistiu de exterminar a sua família e seus bens. Diz o texto sagrado (1Sm.25:32-36):

  1. Então, Davi disse a Abigail: Bendito o SENHOR, Deus de Israel, que hoje te enviou ao meu encontro.
  1. E bendito o teu conselho, e bendita tu, que hoje me estorvaste de vir com sangue e de que a minha mão me salvasse.
  1. Porque, na verdade, vive o SENHOR, Deus de Israel, que me impediu que te fizesse mal, que se tu não te apressaras e me não vieras ao encontro, não ficaria a Nabal, até à luz da manhã, nem mesmo um menino.
  1. Então, Davi tomou da sua mão o que tinha trazido e lhe disse: Sobe em paz à tua casa; vês aqui que tenho dado ouvidos à tua voz e tenho aceitado a tua face.
  1. E, vindo Abigail a Nabal, eis que tinha em sua casa um banquete, como banquete de rei; e o coração de Nabal estava alegre nele, e ele já mui embriagado, pelo que não lhe deu a entender palavra alguma, pequena nem grande, até à luz da manhã.

Passados alguns dias, quase dez dias, o SENHOR feriu Nabal, e este faleceu. Diz o texto sagrado (1Sm.25:38,39):

  1. E aconteceu que, passados quase dez dias, feriu o SENHOR a Nabal, e este morreu.
  1. E, ouvindo Davi que Nabal morrera, disse: Bendito seja o SENHOR, que pleiteou o pleito da minha afronta da mão de Nabal e deteve a seu servo do mal, fazendo o SENHOR tornar o mal de Nabal sobre a sua cabeça. E mandou Davi falar a Abigail, para tomá-la por sua mulher.

A loucura de Nabal por muito pouco não destruiu toda a sua casa, algo que se assemelha à realidade hoje, quando muitos maridos que se dizem cristãos agem como loucos dentro de sua residência, não tomando as posições corretas na condução do seu lar. Entendemos que há também muitas mulheres cristãs que carecem de sabedoria para que, seguindo as Escrituras, dirijam bem seus filhos e tudo mais que lhes é importante.

Quando falta, hoje, direção e sabedoria para homens e mulheres cristãs, eles poderão no futuro amargar dores, sendo incoerentes com a Palavra, em áreas que envolvem, além do casamento, a educação e a condução da vida de seus filhos.

Que as mulheres cristãs de hoje possam fazer a diferença por onde passarem, deixando para trás um rastro de luz que ilumine e uma pitada de sal que tempere a vida de todos que cruzarem seus caminhos.

II. ABIGAIL DEMONSTRA O SEU CARÁTER

Abigail aparece como uma mulher de destaque por ter muitas qualidades, tais como: inteligente, bonita, conciliadora, pacificadora, corajosa, paciente, sábia, ponderada, humilde, bondosa, generosa e com destaque de sua fé em Deus. É claro que não há espaço nesta Aula para falar de todas as qualidades dessa extraordinária mulher. Trataremos de apenas três.

  1. Uma mulher prudente. Abigail, depois de ser avisada do perigo a que seu marido havia exposto toda a família, apressou-se para tentar reverter a situação. Ela, porém, agiu com extrema prudência. O momento inspirava cuidado, pois a sua missão era salvar vidas e não destruí-las. Qualquer gesto ou qualquer fala fora de lugar poderia colocar tudo a perder. Abigail deu uma lição para todos os que servem a Deus: saber agir nos momentos de crises e ameaças. A Bíblia afirma que “no coração do prudente repousa a sabedoria, mas o que há no interior dos tolos se conhece” (Pv.14:33). Embora o seu marido lhe desse pouco valor, esta sábia mulher fez o máximo de sua habilidade e oportunidades. Por sua ação rápida e hábil negociação, impediu que Davi se vingasse de Nabal. Ela enxergou o panorama geral e deixou um grande espaço para que Deus se envolvesse na situação. Abigail trabalhou prudentemente para evitar que Davi agisse de forma impulsiva e precipitada.
  1. O caráter diligente e sábio. Além de bela e prudente, Abigail era muito sábia. O seu gesto de enviar à sua frente suprimentos para Davi e para os homens que estavam com ele serviria para apaziguar aqueles homens dominados pela cólera. Assim que os servos dela foram, Abigail partiu, em cima do seu animal – “E sucedeu que, andando ela montada num jumento, desceu pelo encoberto do monte, e eis que Davi e os seus homens lhe vinham ao encontro, e encontrou-se com eles” (1Sm.25:20). Em sentido contrário, vinha Davi com seus quatrocentos homens, respirando raiva e sentimento de vingança, com desejo de não deixar com vida nem mesmo um menino (cf. 1Sm.25:18-22). Foi muito perigoso! Se não fosse a atitude diligente e sábia dessa valorosa mulher, toda uma família e todos os seus bens tinham sido destruídos. A Bíblia diz que “a mulher sábia edifica a sua casa, mas a insensata, com as próprias mãos, a derriba”(Pv.14:1).
  1. O caráter conciliador de Abigail. Davi cavalgava com a fúria dos homens de coração ferido. Mas em sentido contrário, vinha Abigail, montada em seu jumento. Em seu coração, ela levava sentimento de paz, de humildade, de amor e de perdão. Tão logo ela viu Davi, desceu do animal, prostrou-se com o rosto em terra, e pediu uma chance para lhe falar:

“E lançou-se a seus pés e disse: Ah! Senhor meu, minha seja a transgressão; deixa, pois, falar a tua serva aos teus ouvidos e ouve as palavras da tua serva” (1Sm 25:24).

Primeiramente, Abigail pediu perdão a Davi; em seguida, Abigail pediu a Davi que deixasse seus inimigos com o Senhor, que os jogaria longe, como do meio do côncavo de uma funda (1Sm.25:29b); depois, após afirmar que no tempo certo o Senhor poria Davi no trono de Israel, Abigail frisou:

então, meu senhor, não te será por tropeço, nem por pesar no coração o sangue que sem causa derramaste, nem tampouco o haver-se salvado meu senhor a si mesmo…” (1Sm.25:31a).

Abigail exortou Davi para que não fizesse justiça com as próprias mãos, pois Deus haveria de julgar seus inimigos. Ela apontou as consequências de agir sob irritação. Davi seria culpado do derramamento desnecessário de sangue, e mais tarde, quando Davi se tornasse rei, seu ato poderia desgastar a confiança e o apoio do povo de Judá.

Abigail foi, sem dúvida, um exemplo de humildade (quando se ajoelhou aos pés de Davi e assumiu a culpa pelo que o marido fez); um exemplo de coragem (não sabia como seria recebida por Davi); foi inteligente e sábia, ao conseguir apaziguar a situação criada pelo marido diante de Davi e vencer um grande obstáculo: a ignorância dele.

Davi nunca imaginou que a sua sede de vingança e fúria contra um desafeto fossem anuladas pela sabedoria e pela força de uma mulher de caráter pacificador. Se em cada uma das mulheres cristãs de hoje existir um pouquinho da conduta irrepreensível, da sabedoria e da coragem de Abigail, com certeza elas serão vitoriosas como ela o foi, além de servirem de canal de ajuda para mais mulheres se aproximarem de Deus e verem a Sua glória.

III. O RESULTADO DO CARÁTER DE ABIGAIL

Há homens que não merecem a esposa que têm. Abigail era, provavelmente, a mulher que Nabal poderia ter, e teve muito mais do que merecia quando se casou com ela. Abigail era bonita e mais bem preparada do que o marido para administrar a riqueza. Entretanto, Nabal não concedeu à sua mulher o devido valor.

  1. Davi foi aplacado por Abigail. Ao encontrar-se com Abigail, Davi foi vencido pela palavra sábia e prudente de uma verdadeira mulher de Deus. Cumpriu-se o que diz Salomão: “A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira” (Pv.15:1).

Abigail viu que algo devia ser feito para evitar o resultado do erro de Nabal. Pronta estava ela para ouvir, disposta estava ela para agir. Ela fez mais que ouvir, ela agiu. Enquanto Nabal, o insensato, estava ocupado com bebidas, comidas e festejos, essa valente mulher saiu para enfrentar um exército irado. Isto é ação.

“Então, Abigail se apressou, e tomou duzentos pães, e dois odres de vinho, e cinco ovelhas guisadas, e cinco medidas de trigo tostado, e cem cachos de passas, e duzentas pastas de figos passados, e os pôs sobre jumentos” (1Sm.25:18).

Você pode imaginar a coragem dessa mulher? Ela, com uns jumentos carregados de alimentos e alguns servos, indo enfrentar 400 homens armados e zangados! Observe que Abigail não disse nada ao seu esposo. Ela foi corajosa e, ao mesmo tempo, sensível ao que seus criados lhe falaram e resolveu agir por conta própria. Abigail conhecia Davi, conhecia suas lutas em favor do seu povo, por isso, ela faz um comparativo sensato entre a guerra que Davi estava prestes a começar contra sua casa e as guerras que ele devia travar pelo Senhor. Disse ela:

“…porque meu senhor guerreia as guerras do Senhor, e não se tem achado mal em ti por todos os teus dias” (1Sm.25:26-28).

Veja como ela aliou a ação à sabedoria. Abigail se dirigiu a Davi com tanta reverência como se falasse a um rei coroado. Seu marido tinha, com desdém, exclamado: “quem é Davi?”(1Sm.25:10); mas, Abigail o chamou de “senhor meu” (1Sm.25:24).

Abigail apresentou por inferência a conduta que Davi deveria adotar. Ele faria as guerras do Senhor. Não deveria procurar vingança de ofensas pessoais, embora estivesse sendo perseguido como um traidor. Resultado: Davi tremeu ao pensar quais poderiam ser as consequências de seu intuito precipitado. Com estas palavras, Abigail foi capaz de promover nobreza em Davi.

A observação de Abigail – “não se ache mal” em Davi (1Sm.25:28) – era tanto uma declaração como uma advertência para que Davi não se desqualificasse para o grande ofício para o qual havia sido ungido – o de ser rei. Para que ele não carregasse um peso em sua consciência quando chegasse ao trono de Israel, por ter se vingado com suas próprias mãos. A coragem de Abigail fez Davi refletir e mudar de ideia. Certamente, ele aprendeu uma grande lição para a sua vida. Ele era corajoso e provou isso quando enfrentou Golias, mas faltava-lhe a lapidação do caráter para enfrentar situações adversas e oposições.

O Espírito de Deus tomou as palavras de Abigail como espada afiada de dois gumes e elas penetraram diretamente no coração de Davi. O valente guerreiro ficou profundamente comovido. Davi, então, voltou atrás no seu intento (1Sm.25:22). Ele se deu conta de que aquele voto, feito impensadamente, não atingiria o alvo e não agradaria a Deus. Aquele voto de vingança deveria ser deixado de lado. Foi o que Davi fez: recolheu a sua vingança, saiu dos caminhos de destruição e desgraça e transferiu-se para o caminho da paz.

Deus lhe enviara Abigail, mulher corajosa, temente, sensível, humilde, bondosa, pacífica, de caráter conciliador, para evitar que se tornasse o causador de uma chacina que mancharia a sua integridade e roubaria a sua autoridade. Diante de tão grande livramento, Davi agradeceu a Deus e à Abigail (1Sm.25:32-35):

“Bendito o Senhor, Deus de Israel que hoje te enviou ao meu encontro. E bendito o teu conselho, e bendita tu, que hoje me estorvaste de vir com sangue e de que a minha mão me salvasse. Porque, na verdade, vive o SENHOR, Deus de Israel, que me impediu que te fizesse mal, que se tu não te apressaras e me não vieras ao encontro, não ficaria a Nabal, até à luz da manhã, nem mesmo um menino. Então, Davi tomou da sua mão o que tinha trazido e lhe disse: Sobe em paz à tua casa; vês aqui que tenho dado ouvidos à tua voz e tenho aceitado a tua face”.

  1. Deus feriu Nabal. Após cumprir a sua missão pacificadora, voltou Abigail a Nabal. Ela não estava voltando para um marido generoso, carinhoso, tranquilo, mas para um marido mesquinho, avarento, grosseiro e irascível. Abigail, porém, não o abandonou, mas retornou para ele. Ao chegar à sua casa, ela se deparou com um banquete suntuoso e um marido embriagado. Logo notou que aquela não seria a melhor ocasião para conversar com ele, pelo que não lhe deu a entender palavra alguma, pequena nem grande, até à luz da manhã (1Sm.25:36). Pela manhã, Abigail contou a Nabal tudo que havia ocorrido. Qual foi a reação dele? Diz o texto sagrado: “E se amorteceu nele o seu coração, e ficou ele como pedra” (1Sm.25:37b). Alguns entendem que Nabal sofreu um ataque cardíaco ou talvez uma congestão e ficou “como pedra”. Dez dias depois, feriu o Senhor a Nabal, vindo a morrer (1Sm.25:38). Por que Deus deixou que Nabal vivesse ainda dez dias? Porque Ele é longânimo para com o ser humano (2Pd.3:9). Deus estava lhe dando um tempo para que mudasse o seu modo de viver, da perversidade para a santidade. Deus queria muito que aquele homem perverso se convertesse do seu mau caminho (Ez.18:23; 33:11). Nabal, porém, não soube aproveitar aquela oportunidade misericordiosa. Então, o Senhor o feriu de morte. Como Abigail havia dito, Deus cuidou da causa de Davi. Ao saber disso, Davi, novamente, louvou a Deus, dizendo: “Bendito seja o Senhor, que pleiteou o pleito da minha afronta da mão de Nabal e deteve a seu servo do mal … (1Sm.25:39a).
  1. Davi toma Abigail por sua esposa. Abigail foi compensada pela coragem e caráter conciliador, e tornou-se esposa de Davi. Davi ficou muito impressionado com a competência e prudência de Abigail e, após a morte de Nabal, casou-se com ela. Davi mandou dizer a Abigail que queria que ela fosse sua mulher – “[…] E mandou Davi falar a Abigail, para tomá-la por sua mulher” (1Sm.25:39). Abigail aceitou e se apressou em partir para junto dele (1Sm.25:40-42):

“Vindo, pois, os criados de Davi a Abigail, no Carmelo, lhe falaram, dizendo: Davi nos tem mandado a ti, para te tomar por sua mulher. Então, ela se levantou, e se inclinou com o rosto em terra, e disse: Eis aqui a tua serva servirá de criada para lavar os pés dos criados de meu senhor. E Abigail se apressou, e se levantou, e montou num jumento com as suas cinco moças que seguiam as suas pisadas; e ela seguiu os mensageiros de Davi e foi sua mulher”.

Daí por diante, ela tornou-se sua companheira inseparável em todas as coisas, boas e más (1Sm.27:3; 30:5; 2Sm.2:2). Mais tarde, ela foi com Davi para Hebrom e Jerusalém, como sua rainha. Eles tiveram um filho, Quileabe, ou Daniel (2Sm.3:3; 1Cr.3:1).

CONCLUSÃO

O perfil conciliador de Abigail, que fez Davi retroceder em sua decisão em relação a Nabal, fez muita diferença. Quantas dores não foram evitadas por causa do conselho conciliador de Abigail! A Palavra de Deus diz que “a resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira” (Pv.15:1). Muitas vezes esquecemos este alerta e pensamos que podemos falar com outras pessoas da forma que se bem pretende. No lugar de aplacar a ira, a estimula mais; no lugar de apagar o fogo da discórdia, o acende mais. Há pessoas que preferem jogar “gasolina na fogueira”, quando deveria trabalhar para apagá-la; trabalhar pelo entendimento, pela conciliação, pela unidade. Trabalhar pela paz é que fomos chamados! Anote: a sabedoria e a prudência andam juntas, é como um barco a remo, temos que remar de ambos os lados para seguirmos na direção certa.

————

Luciano de Paula Lourenço

Disponível no Blog: http://luloure.blogspot.com

Referências Bibliográficas:

Bíblia de Estudo Pentecostal.

Bíblia de estudo – Aplicação Pessoal.

Comentário Bíblico popular (Antigo e Novo Testamento) – William Macdonald.

Comentário do Novo Testamento – Aplicação Pessoal. CPAD.

Revista Ensinador Cristão – nº 70. CPAD.

Comentário Bíblico Pentecostal. Novo Testamento. CPAD.

Pr. Elinaldo Renovato de Lima. O caráter do Cristão. CPAD.

Rev. Hernandes Dias Lopes. Abigail, uma mulher admirável.

Publicado no Blog do Luciano de Paula Lourenço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *