Abel, Exemplo de Caráter que Agrada a Deus – Ev. Isaías de Jesus

Abel, Exemplo de Caráter que Agrada a Deus – Ev. Isaías de Jesus

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

ABEL, EXEMPLO DE CARÁTER QUE AGRADA A DEUS

INTRODUÇÃO

Nesta lição analisaremos a definição da palavra caráter; estudaremos a pessoa de Caim e Abel como dois tipos de adoradores opostos; pontuaremos Abel como um grande exemplo de um verdadeiro adorador, e por fim, comentaremos sobre quais as lições que Abel nos deixou com sua vida piedosa e obediente.

I – DEFINIÇÃO DA PALAVRA CARÁTER

  • Definição da palavra caráter

Segundo o dicionário Aurélio caráter é: “formação moral; honestidade, caracterização do próprio sujeito; índole, humor, temperamento, traço distintivo; conjunto de características que, sendo boas ou más, distinguem uma pessoa, um povo”. O caráter refere-se ao aspecto fisiológico ou morfológico usado para diferenciar os seres em diferentes espécies ou numa mesma espécie. Reunião de caracteres psicológicos comuns que compõem um indivíduo ou um grupo de pessoas.

II – A OFERTA DE ABEL

  • Abel: O homem que agradou a Deus

O exemplo de Abel, homem espiritual e digno, em sua conduta séria e voltada para o relacionamento correto fiel a Deus e o quanto foi terrível o efeito do pecado na vida dos homens. Ao procurar oferecer a Deus sacrifício agradável e santo, Abel fez irromper no coração de seu irmão Caim, que era carnal, o sentimento da inveja e da amargura sem sentido. A natureza carnal mostrava, ali, no cenário familiar, a inveja, o ódio, a ira, e a violência em sua forma mais covarde e cruel. Um inocente sendo morto por motivo torpe, sem chance de defesa.

Abel, homem fiel, santo e inocente, foi morto pelo próprio irmão por causa de sua fidelidade a Deus. Por permissão do Senhor, que respeita o livre-arbítrio humano, teve início a tragédia da violência no seio da humanidade, em sua marcha contínua e destruidora de vidas preciosas. Há quem diga que o sacrifício de Abel foi aceito por Deus pelo fato de ser um sacrifício cruente, com sangue, dos animais dos animais que ele cuidava. Certamente, perante Deus, o sacrifício com sangue já tinha o sentido profético do sacrifício de Cristo. Deus, porém, também aceitava o sacrifício de vegetais. “As primícias, os primeiros frutos da tua terra, trarás à casa do SENHOR, teu Deus […]” Ex 23.19; 34.22; Lv 23.10.

Na realidade, o sacrifício de Caim foi rejeitado não por causa do tipo da oferta – por ser frutos da terra, mas sim por causa do seu coração maligno, de seus sentimentos maus. Antes de olhar para a oferta de alguém, Deus olha e vê o coração (lSm 16.7). Não adiante apresentar uma oferta ou um sacrifício que chama atenção dos homens em quantidade ou qualidade se o interior estiver cheio de maldade, ódio ou presunção. Na verdade Caim era mau. A Palavra de Deus diz sobre seu caráter:

“Porque esta é a mensagem que ouvistes desde o princípio, que nos amemos uns aos outros. Não como Caim, que era do maligno e matou a seu irmão. E por que causa o matou. Porque as suas obras eram más e as de seus irmão, justas” (1 Jo 3.11,12).

lll – UMA OFERTA AGRADÁVEL A DEUS

  • ABEL: EXEMPLO DE UM VERDADEIRO ADORADOR

Abel pode ser um derivado do vocábulo hebraico que significa: “sopro, fôlego, vapor, respiração”, possivelmente para prefigurar assim que sua vida seria curta (GARDNER, 1999, p. 11 – acréscimo nosso). Abel é lembrado nas Escrituras como um homem de fé, um homem de Deus, alguém de destaque (Hb 11.4). Embora saibamos muito pouco dele, o pouco que nos é revelado é suficiente para nos mostrar alguém especial e agradável aos olhos de Deus (Gn 4.2-9; Mt 23.35; Lc 11.51; Hb 11.4, 12.24). Diante disso, comentaristas tem afirmado que Abel é, sem dúvidas, um exemplo para os cristãos em todos os tempos.

  • Abel: um exemplo de verdadeiro adorador.

O termo “primícias” no AT é usado correspondentemente em relação a produtos da terra (Gn 49.3; Êx 23.16,19; 34.22, 26; Lv 2.12, 4; 23.10,17,20; Nm 15.20,21; Dt 18.4, 21.17) da mesma forma como os “primogênitos” eram os mais preciosos entre os animais, as “primícias” o eram entre os cereais. A ausência do termo primícias em relação a oferta de Caim mostra que a sua oferta foi de pouca qualidade em contraste com o melhor que Abel havia trazido, Caim simplesmente trouxe a Deus algo sem importância. Ao ofertar, Caim trouxe uma oferta “comum” para Deus, e quando Abel traz sua oferta, a Bíblia faz questão em explicitar que não se tratava de uma oferta comum, mas dos primogênitos, ou seja, os primeiros animais nascidos. Enquanto a oferta de Abel foi com fé e zelo, a de Caim foi sem compromisso e desprezo.

  • Abel: um exemplo de adorador com caráter.

O crente verdadeiro e o não verdadeiro são diferenciados por suas atitudes básicas em relação a Deus. Embora as Escrituras não contenham nem uma única palavra proferida por Abel, ele “ainda fala” por intermédio de seu caráter exemplar (Hb 11.4). Seu sangue, que “clamava a Deus desde o solo”, não foi esquecido (Gn 4.10; Lc 11.48-51). Jesus fala do caráter de Abel em Mateus 23.34-35, e com esses dois versos aprendemos três lições:

a) Que Jesus reputava a Abel como um profeta: “eis que eu vos envio profetas…”;

b) Que Jesus reputava a Abel como um mártir: “…o sangue justo derramado sobre a terra”;

c) Que Jesus reputava Abel como Justo: “… desde o sangue do justo Abel até ao sangue de Zacarias”.

Duas vezes Jesus usa o termo “justo” do grego “dikaiós” para descrever a Abel, uma vez em referência a seu sangue e outro em relação a sua pessoa.

  • Abel: um exemplo de adorador que tinha uma visão de Deus.

Abel não viveu uma vida-longa, mas uma vida que se prolonga até hoje. Foi o primeiro a ser assassinado, e o foi exatamente por causa da visão que tinha de adorador. Caim e Abel ambos haviam recebido a vida, saúde e condições de trabalhar. Ambos foram abençoados em seu trabalho, ambos criam em Deus, mas a visão de adorador foi diferente. A oferta de Abel era uma oferta das suas primícias. O termo hebraico “bekowrah” é usado poucas vezes no AT, e normalmente significa primogênito (Gn 43.33), ou até mesmo primogenitura (Gn 25.31). A ideia que se tem desse texto é que Abel trouxe o que tinha de melhor. Caim por sua vez lembrou-se do culto, mas não preocupou-se em dar o melhor, pegou qualquer coisa dos produtos da terra e ofertou ao Senhor (Gn 4.3-5).

 

IV – CAIM: UM MAL EXEMPLO DE ADORADOR

  • Antes de atentar para a oferta, Deus atenta para o ofertante (Gn 4.3-5).

Fica claro que Deus atenta primeiramente para o homem e depois para a oferta. Nada que possamos oferecer a Deus pode comprá-lo. Ele não receberá uma oferta de procedência duvidosa (Dt 23.18), nem aquela dada como se fosse uma obrigação incômoda (2Co 9.7). A visão de Deus se uma oferta é correta ou não, está mais ligada ao coração daquele que ofertou do que com a oferta em si. Observe que Deus se agradou “de Abel e de sua oferta”. Primeiro o Senhor olhou para o coração de Abel, e depois observou que sua oferta era adequada. Da mesma forma Deus não se agradou “de Caim e de sua oferta”. A atitude de Caim após a rejeição de sua oferta mostrou o que de verdade ele tinha em seu coração: “Não como Caim, que era do maligno e matou a seu irmão. E por que causa o matou? Porque as suas obras eram más, e as de seu irmão, justas.” (1Jo 3.12).

  • Abel ofereceu a Deus o melhor que tinha, enquanto Caim não (Jd 11-a).

Caim não foi rejeitado por causa da oferta que escolheu, mas sua oferta foi rejeitada por causa de Caim, pois seu coração não estava em ordem com Deus. A Bíblia nos mostra que Deus observa o coração do ofertante (Is 1.11-20; Mt 5.23-26). Muitos anos depois, a lei de Moisés prescreveu a oferta de grãos e de frutas (Lv 2; Dt 26:1-11), de modo que não temos motivos para acreditar que tais ofertas (de cereais) não eram aceitáveis desde o princípio. Contudo, mesmo que Caim tivesse sacrificado animais e derramado o sangue deles, não teriam sido aceitáveis para Deus por causa da disposição do coração de Caim. Abel trouxe o que tinha de melhor e procurou verdadeiramente agradar a Deus; Caim, porém, não teve essa atitude de fé (1Sm 15.22; Is 1.11-13; Os 6.6; Mq 6.6-8; Mc 12.28-34, 41-44)”.

  • Caim jamais experimentou um relacionamento verdadeiro com o Senhor.

Sem um coração submisso, nem mesmo as mais preciosas ofertas podem tornar o adorador aceitável diante de Deus (Sl 51.16, 17; 2Tm 3.5). O Senhor usando o profeta Isaías disse: “Este povo se aproxima de mim e com a sua boca e com os seus lábios me honra, mas o seu coração está longe de mim” (ls 29.1 3; Mt 15.8). O caminho de Caim é o caminho da vontade própria e da incredulidade (Jd 11). Caim representa a humanidade caída, pecadora e fugitiva da presença de Deus: “E saiu Caim de diante da face do Senhor […]” (Gn 4.16). O rei Salomão disse: “O sacrifício dos ímpios é abominação; quanto mais oferecendo-o com intenção maligna!” (Pv 21.27). Somente quando são oferecidos com fé, os sacrifícios e o serviço dos homens agradam a Deus (Is 1.11-17; Ml 1.6-14).

  • Caim foi o agricultor que sabia cuidar da terra mas não do seu espírito (Gn 4.2).

Caim aprendeu com o seu pai Adão, a arte da agricultura e certamente foi um bom lavrador da terra, porém não adiantava ser um bom lavrador da terra se o seu coração era voltado para o mal. Caim foi recebido em seu lar como uma bênção de Deus (Gn 4.1), e assim poderia ter sido se tivesse buscado servi-lo. Ele se afastou de Deus, e, por conseguinte, todos os seus descendentes caíram em desgraça, por isso foram destruídos no dilúvio (Gn 6.13). Judas nos exorta que evitemos nos apartar do Deus vivo, pois este caminho conduz, inevitavelmente, à destruição (Jd 11-13). Apesar das honras que lhe conferiam a primogenitura, Caim deixou-se dominar por uma inveja tola e injustificável. Como primeiro filho de Adão, cabia-lhe, entre outras coisas, a herança messiânica se tivesse permanecido fiel, estaria hoje entre os ancestrais de Cristo.

V – A INJUSTIÇA CONTRA ABEL

  • Abel era um homem justo

Diz a Bíblia: “Pela fé, Abel, ofereceu a Deus maior sacrifício do que Caim, pelo qual alcançou testemunho de que era justo” (Hb 11.4). Não se sabe quantos anos Abel tinha quando ofereceu seu sacrifício a Deus e foi assassinado por seu irmão. Mas, em toda a sua vida, ele demonstrou ser homem de bem, que andava em retidão, de caráter ilibado e reconhecido por Deus. Abel representa a parte da humanidade que se volta para Deus e que formada por homens justos.

Caim representa a parte má da humanidade, que dá as costas para Deus e que busca os interesses egoístas e imediatos. Contra Abel, foi preparado o terrível crime de homicídio e fratricídio, não porque praticara qualquer ato indigno, mas porque era homem como Jó: “reto, sincero, temente a Deus” e desviava-se do mal. Em qualquer tribunal imparcial, a morte de Abel seria considerada uma terrível injustiça, sujeita ao mais severo castigo. Caim poderia ter sofrido a pena de morte se teu crime fosse cometido séculos mais tarde, pena esta por decreto do próprio Deus (Gn 9.6) e na vigência da Lei de Moisés (EX 21.12,14). Abel era justo e morreu injustamente – permissão de Deus. Diz a Bíblia que o que acontece ao ímpio acontece também ao justo (Ec 9.2).

  • Abel, o primeiro Mártir

Abel foi protagonista primário de algumas coisas: foi o primeiro pastor de ovelhas; o primeiro a oferecer sacrifício de animais no culto a Deus; e também o primeiro homem justo; porém, também foi o primeiro mártir; e o primeiro a entrar para galeria dos mártires por causa de sua fé e também o primeiro a ter seu nome registrado na galeria dos heróis da fé (Hb 11.4). Jesus foi morto por inveja: “Porque ele bem sabia que por inveja, os principais dos sacerdotes o tinham entregado” (Mc 15.10). Da mesma forma que Jesus, Abel também foi morto por inveja. Caim ficou irado pelo fato de Deus ter aceitado a oferta de Abel e, tomado de ódio, assassinou friamente o seu irmão sem dar a ele chance alguma de defesa. Hoje, seu crime seria considerado homicídio qualificado doloso por motivo torpe.

VI – UM HOMEM QUE AGRADOU A DEUS

O episódio envolvendo Caim e Abel é o mais destacado na história de Adão. O relato bíblico autoriza-nos a dizer que Abel buscou a Deus com amis afinco e amor, pois ele entendeu que seu sacrifício deveria ser o melhor daquilo que possuía: “E Abel também trouxe dos primogênitos das suas ovelhas e da sua gordura; e atentou o SENHOR para Abel e para sua oferta” (Gn 4.4). Além de oferecer sacrifício dos “dos primogênitos” das ovelhas, o texto diz que ele levou a Deus “da sua gordura”. O sacrifício com gordura sobre o altar era “cheiro suave” e agradável a Deus (Ex 29.13; Lv 4.31) e fazia parte do “sacrifício pacifico” e “oferta queimada ao Senhor” (Lv 3.3,4). Que Deus nos ajude e nos guarde e também nos dê sabedoria e amor para oferecermos sempre “sacrifícios de louvor” (Sl 50.14). “Portanto ofereçamos sempre por ele, a Deus sacrifícios de louvor, isto é, o fruto dos lábios que confessam o seu nome” (Hb 13.15).

CONCLUSÃO

A humanidade começou mal coma desobediência dos primeiros habitantes da terra. Adão pecou ao ouvir o Diabo através de sua mulher. Toda a tragédia humana decorre daquele gesto precipitado sob a insinuação maliciosa do Diabo. Expulsos do Éden, Adão e Eva certamente criaram seus filhos mostrando os preceitos e mandamentos de Deus para eles. Caim, o primogênito, preferiu o exemplo do pai quando desobedeceu ao Criador. Seu irmão, Abel, pelo contrário, preferiu dedicar-se a adorar a Deus e oferecer o melhor dos seus esforços e trabalho.

Deus aceitou a oferta de Abel e rejeitou a oferta de Caim. Por isso, por inveja, este foi seguido de milhões de atos semelhantes que causaram e ainda causam dor e tristeza. Em pleno século XXI, a ciranda da violência prossegue ceifando vidas preciosas. Somente com a intervenção de Deus na terra, essa onda maligna de infelicidade cessará. No Milênio, o planeta será restaurado em seu ambiente ecológico, social e espiritual.

 

Elaboração pelo: Pb. Mickel Souza Porto

Igreja Evangélica Assembleia de Deus Ministério Belém Em Dourados – MS

REFERÊNCIAS

CHAMPLIN, R. N. O Novo Testamento Interpretado Versículo por Versículo. HAGNOS.

GARDNER, Paul. Quem é quem na Bíblia Sagrada. VIDA.

RADMACHER, Earl D. Et al. O Novo Comentário Bíblico: AT. CENTRAL GOSPEL.

STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD.

WIERSBE, Warren W. Comentario Biblico Espositivo do Antigo Testamento. PDF

ELINALDO RENOVATO DE LIMA. O Caráter do Cristão. CPAD

IEAD PERNAMBUCO Superintendência das Escolas Bíblicas Dominicais

Publicado no Blog do Ev. Isaías de Jesus

There is 1 comment for this article
  1. Luiz Cavalcante at 11:22

    Legal, a exposição de conhecimento doutrinario, considerando personagens bíblicos, traz edificação, pois o conteúdo é interessantíssimo para todos nós. Deus continue te abençoando, Pastor Elinaldo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *