A Organização de uma Igreja Local – Rede Brasil de Comunicação

A Organização de uma Igreja Local – Rede Brasil de Comunicação

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Pernambuco

Superintendência das Escolas Bíblicas Dominicais

Pastor Presidente: Aílton José Alves

Av. Cruz Cabugá, 29 – Santo Amaro – Recife-PE / CEP. 50040 – 000 Fone: 3084 1524

LIÇÃO 11 – A ORGANIZAÇÃO DE UMA IGREJA LOCAL – 3º TRIMESTRE DE 2015

(Tt 1.4-14)

INTRODUÇÃO

Nesta lição, estudaremos sobre a autoria, data de escrita, contexto histórico e destinatário da carta que o apóstolo Paulo enviou a seu cooperador Tito que estava dando assistência a igreja que estava na cidade de Creta. Veremos também, as qualidades deste servo do Senhor e quais os principais temas ou assuntos contidos nesta súmula.

I – INFORMAÇÕES SOBRE A EPÍSTOLA DE PAULO A TITO

Evidentemente, as falhas de caráter dos cretenses, em geral, tinham sido levadas às igrejas (Tt 1.10-16), de modo que Tito tinha que lutar com um grupo de crentes rebeldes e egocêntricos. Mas Paulo sabia que Cristo podia transformá-los em pessoas que “se aplicam às boas obras” (Tt 3.8). Abaixo elencaremos algumas informações sobre a epístola de Paulo a este jovem obreiro:

1.1 Autoria. Como em 1 e 2 Timóteo, a primeira linha desta carta a Tito estabelece claramente sem nenhuma dúvida Paulo como sendo o seu autor. Paulo endereçou esta carta “a Tito, meu verdadeiro filho, segundo a fé (…)” (Tt 1.4-a). Parece que, depois da libertação de Paulo da prisão romana, aproximadamente em 62 d.C., ele viajou com Tito a Creta, onde eles ministraram juntos. Quando Paulo prosseguiu com suas viagens, deixou Tito ali como seu representante, para ajudar a organizar e fortalecer as igrejas dali (Tt 1.5). A localização de Paulo quando escreveu esta carta não é conhecida, mas ele pode ter escrito de Corinto ou Nicópolis onde ele teria decidido passar o inverno (Tt 3.12). Quando Paulo ouviu que Zenas e Apolo estavam viajando para Creta (Tt 3.13), decidiu enviar com eles esta carta (RIBAS, 2010, p. 549 – grifo nosso).

1.2 Data. Paulo escreveu esta carta aproximadamente na mesma época que a sua primeira carta a Timóteo. Aproximadamente 64 ou 65 d.C., logo depois de 1 Timóteo. Investigadores do livro de Atos se perguntaram quando teria ocorrido esta visita, uma vez que o livro de Atos não registra uma visita de Paulo a Creta. É muito provável que Paulo e Tito tivessem ido a Creta depois da libertação de Paulo do seu primeiro aprisionamento em Roma (At 28.16). Paulo viajou e ministrou por dois ou três anos antes de ser novamente aprisionado em Roma (RIBAS, 2010, p. 547).

1.3 Contexto histórico. Creta fica a sudeste da Grécia, no mar Mediterrâneo, ao sul do mar Egeu. Com 256 quilômetros de extensão e 56 quilômetros de largura, Creta é uma das maiores ilhas do Mediterrâneo. A montanha mais alta é o monte Ida, tradicionalmente considerado o lugar de nascimento do deus grego Zeus (…). Os cretenses tinham uma reputação dúbia, no mundo mediterrâneo. Epimênides (poeta e filósofo que tinha vivido em Creta seiscentos anos antes de Paulo) chamava os cretenses de “mentirosos, bestas ruins e ventres preguiçosos” (referindo-se à brutalidade sem limites e à vida sem controle), citado por Paulo estas características em Tito 1.12. Leônidas, outro filósofo que viveu 488 a.C. dizia que eles eram “sempre bandidos e piratas, e injustos” (…). A reputação dos cretenses era tão ruim, que a forma verbal do seu nome “kretizo” era usada pelos gregos como significando mentir. Os primeiros convertidos foram provavelmente judeus cretenses que tinham estado em Jerusalém por ocasião do Pentecostes (At 2.11), mais de trinta anos antes de Paulo escrever esta carta. Ao voltar para casa, eles levaram consigo a fé cristã (…) (RIBAS, 2010, p. 547 – grifo nosso).

1.4 Destinatário – Tito. Tito deve ter sido um homem notável, porque Paulo confiava nele e lhe conferiu grande responsabilidade. Tito, um grego convertido (Gl 2.3) pela pregação do apóstolo dos gentios (Tt 1.4), tornou-se íntimo companheiro de Paulo no ministério apostólico (2Co 8.23). Parece surpreendente que um parceiro tão leal e confiável, e líder da igreja, não apareça no livro de Atos, e por isto alguns estudiosos supõem que Tito pode ter sido irmão de Lucas, e que Lucas omitiu o seu nome da narrativa. A fé de Tito deve ter sido forte, pois Paulo o apresentou aos líderes da igreja em Jerusalém como um exemplo excelente de um convertido gentio digno de ser aceito pela igreja (Gl 2.1-5; 2Tm. 4.10) (RIBAS, 2010, p. 548).

II – QUALIDADES DE TITO NA OBRA DO SENHOR

Também Tito goza de alta consideração por parte de Paulo (2Co 8.16-23). Ele já era colaborador do apóstolo antes de Timóteo, acompanhando-o com Barnabé ao concílio dos apóstolos (Gl 2.1). Se por um lado Paulo realiza a circuncisão de Timóteo para evitar escândalo desnecessário (At 16.3), por outro lado o apóstolo se nega terminantemente a permitir a circuncisão de Tito (Gl 2.3). Isso pode ser devido a diversas circunstâncias: no caso de Timóteo era uma questão da prática missionária (1Co 9.20), no caso de Tito estava em jogo uma controvérsia doutrinária fundamental sobre aquilo que é necessário à salvação e o que não é (BURKI, 2007, p. 7). Vejamos algumas qualidades deste jovem cooperador:

2.1 Disposição. A primeira tarefa de Tito foi resolver as tensões entre Paulo e os coríntios (2Co 7.6-16; 12.18), algo que Timóteo aparentemente não tinha conseguido fazer (1Co 4.17; 16.10,11; 4.17). Tito foi tão bem-sucedido ali, que Paulo o enviou de volta para arrecadar uma oferta em dinheiro dos coríntios para a igreja que estava em Jerusalém (2 Co 8.6,16-24).

2.2 Coragem. Aqui, na carta a Tito, descobrimos que Paulo tinha enviado Tito a Creta, uma região conhecida pela violência e imoralidade. A tarefa de Tito foi “por em boa ordem as coisas que ainda restam” (Tt 1.5). A expressão “por em boa ordem (…)” é um termo médico e se refere a “endireitar um membro torto”. Tito era o representante apostólico oficial de Paulo, com autoridade para realizar sua obra. Posteriormente, descobrimos que Tito visitou Paulo em Roma, durante o segundo aprisionamento, e foi então enviado à Dalmácia (uma região na costa leste do mar Adriático), outra região problemática (2Tm 4.10). Um grupo de falsos mestres tentava misturar a Lei judaica com o evangelho da graça (Tt 1.10,14) e alguns dos cristãos gentios abusavam da mensagem da graça, transformando-a em licenciosidade (Tt 2.11-15) (WIERSBE, 2007, vol. II, p. 337).

2.3 Fidelidade. Tito era filho de Paulo por dever sua vida espiritual ao apóstolo como um instrumento nas mãos de Deus, embora não nos sejam revelados o tempo, o lugar e as circunstâncias de sua conversão. Apesar de Tito não ter sido uma testemunha ocular da vida de Cristo; como era um convertido gentio, e não um judeu. Ainda assim, teve um ministério fiel e profundo, que impactou profundamente a história da igreja. Por sua fidelidade e lealdade, Paulo confiou em Tito como seu representante legal para solucionar conflitos, arrecadar dinheiro, administrar e organizar as igrejas em Creta. De acordo com a tradição antiga, Tito voltou a Creta já idoso. Ele morreu e foi sepultado ali aos 94 anos de idade (…). Deus pode usar uma pessoa, independentemente dos seus antecedentes, nacionalidade, sexo, ou educação (RIBAS, 2010, p. 548)

III – OS PRINCIPAIS TEMAS NA CARTA DE PAULO A TITO

Diferentemente do assunto urgente dos falsos ensinadores ou pregadores que estava na mente de Paulo quando ele escreveu a Timóteo em Éfeso, a sua carta a Tito concentrava-se na fundação de igrejas saudáveis em Creta. Em ambos os casos, a identificação de bons líderes era uma prioridade. Líderes eficientes eram necessários para levar a igreja na direção correta. Os temas principais na carta de Paulo enviada a Tito incluem: Caráter; Relacionamentos na Igreja; um bom testemunho e uma boa cidadania. Analisemos cada uma delas:

3.1 Caráter (Tt 1.5-16). Não obstante, a organização das igrejas em Creta estava longe de ser um assunto encerrado, e a indevida precipitação em designar homens para algum ofício era contrário aos princípios de Paulo (1Tm 3.6; 5.22). Por este motivo, Paulo deu a Tito uma lista de “qualidades para os líderes”. Estes deveriam ter um caráter excelente, evidenciado por uma forte vida familiar (Tt 1.6) e uma boa reputação na comunidade (Tt 1.7,8). Eles também deveriam ser firmemente enraizados na sua fé e capazes de ensinar a outros (Tt 1.9). Estas qualidades eram importantes devido ao mundo de pecado que rodeava a igreja em Creta (Tt 1.12) e por causa do potencial para heresia e divisões na igreja (Tt 1.10,11,13-16). Como representante de Paulo, com autoridade apostólica, Tito deveria se certificar de que os líderes da igreja exibissem um forte caráter moral e maturidade espiritual (RIBAS, 2010, p. 549 – grifo nosso).

3.2 Relacionamentos na Igreja (Tt 2.1-10,15; 3.9-11). Parte da responsabilidade de Tito, durante sua permanência em Creta, como representante de Paulo, era ensinar os crentes como eles deveriam agir no mundo e entre si (Tt 2.15). Paulo incentivou Tito a ensinar com integridade e seriedade e a dar um bom exemplo para todos os crentes, especialmente os novos líderes da igreja (Tt 2.7,8). O apóstolo dos gentios, enfatizou a importância do ensino correto (Tt 2.1), e disse a Tito que repreendesse tudo o que pudesse tirar os crentes do caminho correto (Tt 3.9-11). Ele explicou a Tito como o seu ensino deveria se relacionar com os diversos grupos da igreja. Os cristãos mais velhos deveriam ensinar os homens e mulheres mais jovens e ser bons exemplos para eles (Tt 2.2-5). Os jovens deveriam ter auto-controle (Tt 2.6), e os escravos deveriam ser dignos de confiança (Tt 2.10). As pessoas de todas as idades e grupos têm uma lição para aprender e um papel a desempenhar na igreja, e todos devem ser testemunhas positivas de Cristo no mundo (Tt 2.2,8,10). Os cristãos que creem verdadeiramente na “sã doutrina” (Tt 2.1) vivem o que a Bíblia ensina nos seus relacionamentos (RIBAS, 2010, p. 550).

3.3 Bom Testemunho (Tt 3.3-8,12-15). Paulo lembrou a Tito de que, antes de crer em Cristo, eles tinham sido desobedientes a Deus e escravizados ao pecado (Tt 3.3), mas Cristo os tinha transformado (Tt 3.4-7). A mensagem do Evangelho é que uma pessoa é salva pela graça, através da fé (Tt 3.5-7), e não vivendo uma vida dissociada da prática ortodoxa. Mas o Evangelho transforma totalmente a vida das pessoas, para que elas realizem boas obras (Tt 3.8) e se tornem completamente dedicadas a servir a outras (Tt 3.14) (RIBAS, 2010, p. 550 – grifo nosso).

3.4 Cidadania (Tt 2.11-3.2). Paulo disse a Tito que instruísse aos crentes, dizendo-lhes que a maneira como eles viviam fora da igreja era muito importante. Os cristãos devem dizer “sim” a Deus e “não” à vida ímpia do mundo (Tt 2.12-14). Os crentes também devem ser bons cristãos na sociedade, obedecendo o governo (Tt 3.1) e trabalhando honestamente (Tt 3.2). A vida em comunidade de um crente deve refletir o amor de Cristo tanto quanto a sua vida na igreja o faz. O modo de vida de uma pessoa e os seus relacionamentos são uma janela para o seu bom caráter (RIBAS, 2010, p. 550 – grifo nosso).

CONCLUSÃO

Como podemos ver, Tito foi um grande exemplo de cooperador dando um bom testemunho na igreja de Creta servindo ao Senhor como um exemplar crente e fiel testemunho do evangelho. Aprendemos também que, como servos do Senhor, devemos procurar desenvolver um caráter cristão íntegro de modo a sermos dignos de toda aceitação.

REFERÊNCIAS

HENDRIKSEN, William. Comentário do Novo Testamento. CULTURA CRISTÃ.

STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD.

RIBAS, Degmar (Trad.). Comentário do Novo Testamento Aplicação Pessoal. Vol 2. CPAD.

BURKI, Hans. Cartas aos Tessalonicenses, Timóteo, Tito e Filemom. Editora Evangélica Esperança.

Publicado no Portal da Rede Brasil de Comunicação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *