Mês: junho 2016

Deveres Civis, Morais e Espirituais – Pr. Geraldo Carneiro Filho

Deveres Civis, Morais e Espirituais – Pr. Geraldo Carneiro Filho

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 

IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ENGENHOCA

NITERÓI – RJ 

LIÇÃO Nº 10 – DATA: 05/06/2016 

TÍTULO: “DEVERES CIVIS, MORAIS, E ESPIRITUAIS”

TEXTO ÁUREO – Rm 13.1

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: Rm 13.1-8

PASTOR GERALDO CARNEIRO FILHO

I – INTRODUÇÃO:

A minha vida tem sido motivo de gargalhadas de Satanás diante de Deus? Na minha família, no meu trabalho, no meu dia-a-dia, como tem sido o meu comportamento? Tenho me comportado como um crente lavado pelo sangue do Cordeiro ou como pessoa mundana, comprometida com o pecado? Nosso comportamento mostrará ao mundo de quem nós somos e a quem servimos: Ou a Deus ou a Satanás! (Dn 1 cf At 27:23).

Deveres Civis, Morais e Espirituais – Luciano de Paula Lourenço

Deveres Civis, Morais e Espirituais – Luciano de Paula Lourenço

Texto Base: Romanos 13:1-8

“Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as autoridades que há foram ordenadas por Deus”.

Objetivo desta Aula: “Conscientizar que o crente tem deveres civis, morais e espirituais para com a sociedade na qual está inserido” (LBP).

INTRODUÇÃO

Nesta Aula, estudaremos o relacionamento do cristão como cidadão de dois mundos: terrestre e celeste. Teremos como texto base o capítulo 13 da Epístola aos Romanos. Em Romanos 12, o apóstolo Paulo abordou nosso relacionamento com Deus (Rm 12:1,2), com nós mesmos (Rm 12:3-8), com nossos irmãos (Rm 12:9-16) e com nossos inimigos (Rm 12:17-21). Agora, no capítulo 13, ele tratará de três aspectos importantes: o relacionamento com as autoridades (Rm 13:1-7), com a lei (Rm 13:8-10) e o comportamento do cristão diante da iminência da volta do Senhor Jesus (Rm 13:11-14). Após dar regras de como viver na igreja, o apóstolo agora explica no capítulo 13 de Romanos como os cristãos podem praticar o cristianismo no mundo secular, político e cotidiano. O cristão é um cidadão de dois mundos, de duas ordens, e Paulo parece dizer como disse Jesus: “Dai, pois, a César que é de César e a Deus o que é de Deus”’ (Mt 22:21).

I. DEVERES CIVIS (Rm 13:1-7)

  1. A natureza do Estado (Rm 13:1).Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as autoridades que há foram ordenadas por Deus”.

O Estado é o agente organizador da sociedade. Não haverá nação sem uma sociedade organizada política, jurídica e administrativamente, sobre uma base territorial definida. Todavia, para se processar uma organização social não se fará com simples distribuição de flores, de sorrisos, de conselhos, isto porque interesses terão que ser contrariados. Daí a necessidade do agente organizador, que, no caso de uma nação, é o Estado que necessita da força coercitiva necessária, e esta vem do poder. Não haverá o Estado sem que haja o poder. O Estado no uso do poder constitui o governo, e este é que vai gerir os interesses da sociedade.

Deveres Civis, Morais e Espirituais – Francisco A. Barbosa

Deveres Civis, Morais e Espirituais – Francisco A. Barbosa

TEXTO ÁUREO

“Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as autoridades que há foram ordenadas por Deus” (Rm 13.1). [Comentário: Os crentes têm uma base racional distinta para se submeterem, de modo apropriado, às autoridades governamentais: o reconhecimento de que o próprio Deus é a fonte do governo na sociedade humana (Pv 8.15,16; Dn 2.21).]

VERDADE PRÁTICA

Diante da sociedade, o crente tem deveres civis, morais e espirituais.

Pages